Abrir menu principal
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde maio de 2014). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Skank
Álbum de estúdio de Skank
Lançamento 1992 (independente), Abril de 1993 (remixado)
Gravação Estúdios JG, Belo Horizonte, Julho e Agosto de 1992
Gênero(s) Ska, reggae
Duração 42:53
Formato(s) LP/CD
Gravadora(s) Independente/Chaos (Sony Music)
Produção Skank
Opiniões da crítica

O parâmetro das opiniões da crítica não é mais utilizado. Por favor, mova todas as avaliações para uma secção própria no artigo. Veja como corrigir opiniões da crítica na caixa de informação.

Cronologia de Skank
Calango
(1994)
Singles de Lavô Tá Novo
  1. "Tanto (I Want You)"
    Lançamento: 1993
  2. "Baixada News"
    Lançamento: 1993
  3. "O Homem Q Sabia Demais"
    Lançamento: 1993
  4. "In(dig)Nação"
    Lançamento: 1993

Skank é o álbum de estreia do grupo de rock brasileiro Skank, lançado em 1992. Inicialmente lançado como CD independente em 1992, foi relançado pela Sony Music no selo Chaos no ano seguinte.

Duas músicas do disco chamaram mais atenção: "In(Dig)Nação" (eu...fiquei indignado) foi cantada pelos caras-pintadas na época do impeachment de Fernando Collor, e "O Homem Q Sabia Demais" foi escolhido pela Rede Globo para integrar a trilha da novela Olho no Olho.

ProduçãoEditar

O Skank havia se formado em 1991, e em seguida começou a gravar demos nos Estúdios Ferreti, de propriedade do baterista Haroldo Ferreti (que seriam lançados 21 anos mais tarde no disco Skank 91).[1] No ano seguinte gravou seu disco de estreia, feito de forma independente - segundo o líder Samuel Rosa "as gravadoras não estavam contratando ninguém, e o rock já não era mais o filão" - e em CD, apesar dos integrantes não terem o aparelho em casa, como "um elemento a mais para chamar a atenção dos jornalistas, das rádios e talvez de uma gravadora. Era uma aposta na qualidade, na inovação. Que funcionou.", explicou Ferreti. Foi o primeiro CD independente do Brasil.[2]

As gravações ocorreram entre julho e agosto de 1992 no hoje extinto estúdio JG, em Belo Horizonte. As onze canções apresentam os primeiros resultados da dupla Samuel Rosa e Chico Amaral, além de versões como "Tanto (I Want You)", "Let Me Try Again" e "Cadê o Pênalti?". "In(Dig)Nação" foi criada para um trabalho do videoartista Eder Santos, e ganhou as ruas com as manifestações pelo impedimento de Fernando Collor.[3] O engenheiro responsável foi Marcos Gauguin, que acompanhava a banda como guitarrista.[4]

O Skank não acreditava no potencial comercial ("Eram quatro mineiros branquelos tocando reggae. Quem iria ouvir isso"?).[5] O álbum independente foi lançado em outubro de 1992 e recebeu tiragem única de três mil cópias, das quais 1500 iam para as rádios. O custo total foi 10 mil dólares.

LançamentoEditar

O baixista Lelo Zanetti e o empresário da banda, Fernando Furtado, distribuíram os CDs pelas lojas de Belo Horizonte, divulgaram nas rádios e imprensa - incluindo anúncios em Rio e São Paulo. Mas no show do dia do lançamento, não teve o êxito esperado, com Zanetti dizendo que "Espéravamos vender uns 200 discos, foram no máximo 60. No dia seguinte o quarto do Fernando era pilhas e mais pilhas de CDs."[6] Mas segundo o tecladista Henrique Portugal, "Muita gente achou que era loucura nossa empatar essa grana, mas as vendas falam por si. Só nos primeiros 45 dias, foram vendidas 1200 cópias."[7]

As rádios mineiras começaram a tocar a banda, e após ótima recepção em um festival de rock local, a Sony Music chamou o Skank para estrear seu novo selo, Chaos. O álbum foi remixado no estúdio carioca Nas Nuvens com o engenheiro Paulo Junqueiro, ao longo das madrugadas do Carnaval de 1993. Skank foi relançado em abril de 1993, vendendo 250.000 cópias.[4][6]

MúsicasEditar

Todas as canções escritas e compostas por Samuel Rosa e Chico Amaral, exceto onde indicado. 

N.º TítuloCompositor(es) Duração
1. "Gentil Loucura"  Affonso Jr./Chico Amaral 4:00
2. "In(dig)Nação"    4:02
3. "Salto no Asfalto"  Samuel Rosa/Fernando Furtado 4:10
4. "Macaco Prego"    2:55
5. "Tanto (I Want You)"  Bob Dylan, versão Chico Amaral 4:05
6. "Homem Q Sabia Demais"    3:55
7. "Let Me Try Again"  Caravelli/M Jourdan/Paul Anka/Sammy Cahn 3:02
8. "Baixada News"    4:50
9. "Réu & Rei"    4:00
10. "Cadê o Pênalti?"  Jorge Ben Jor 3:57
11. "Caju Dub" ("Salto no Asfalto", versão instrumental)Samuel Rosa/Fernando Furtado 3:50

CréditosEditar

Skank
Músicos convidados
Participações especiais
  • Willy Gonser e Paulo Rodrigues - locução em "Cadê o Pênalti?"
Produção
  • Skank - produção, mixagem e arranjos
  • Chico Amaral - arranjos
  • Jorge Davidson - direção artística
  • Fernando Furtado - produção executiva
  • Gauguin - engenheiro de gravação (Estúdios JG)
  • Paulo Junqueiro - engenheiro de gravação (Nas Nuvens) e mixagem
  • Guilherme Callichio, Renato Muñoz e Sérgio Chatagnier - assistentes de estúdio
Design
  • Marcus Vinicius Salles - projeto gráfico
  • Maurício Valladares - fotos

Referências

  1. Skank recupera material inédito gravado na época do lançamento de seu primeiro disco, em 1991
  2. Essinger, Sílvio (12 de maio de 2012). «Rock dos anos 1990 ainda marca presença no cenário nacional». O Globo 
  3. «Cópia arquivada». Consultado em 24 de maio de 2012. Arquivado do original em 27 de julho de 2013 
  4. a b Calango Recauchutado[ligação inativa]
  5. Entrevista; Revista da Web, Outubro de 1999
  6. a b Cunha, Paulo. "Skank: Ô Abre Alas" Superinteressante: História do Rock Brasileiro, Volume 4 (pp. 14-21), Editora Abril, 2003
  7. Revista Bizz, 1993 O Brasil vai dançar
  Este artigo sobre um álbum de Skank é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.