Abrir menu principal
Slim Whitman
Whitman em 1968
Informação geral
Nome completo Otis Dewey Whitman, Jr.
Também conhecido(a) como
  • O. D. Whitman
  • Slim Whitman
  • The Smilin' Starduster
Nascimento 20 de janeiro de 1923
Local de nascimento Tampa, Flórida
Estados Unidos
Morte 19 de junho de 2013 (90 anos)
Local de morte Orange Park, Flórida
Ocupação(ões) Cantautor, músico
Instrumento(s) Guitarra, vocais
Período em atividade 1948–2010
Gravadora(s) RCA Victor, Imperial Records, London Records, United Artists, Epic Records, Suffolk Records, Rangehood Records
Afiliação(ões) Byron Whitman, Virginia Lee, Harold Bradley, Elvis Presley e Chet Atkins
Página oficial http://www.slimenet.com

Ottis Dewey "Slim" Whitman[1] (20 de janeiro de 1923 – 19 de junho de 2013) foi um cantor, compositor e instrumentista estadunidense de música country e western conhecido por sua habilidade de canto tirolês e seu falsete suave, agudo, que alcançava três oitavas num estilo batizado como "countrypolitan". Ele afirmou que havia vendido mais de 120 milhões de discos. Na década de 1950, Whitman abriu os shows de Elvis Presley nas turnês que realizaram juntos.[2] Na década de 1990, uma nova geração foi exposta à Whitman através de suas canções no filme Marte Ataca!, sua canção icônica "Indian Love Call" matava os invasores marcianos cada vez que era tocada.

Embora já tenha sido conhecido como "O Cantor Folk Favorito dos Estados Unidos", ele foi mais popular na Europa, em particular no Reino Unido, do que em sua pátria natal, os EUA, especialmente com seus covers de canções pop famosas, canções de filmes, canções de amor, canções folclóricas, e hinos melódicos gospel. Seu sucesso de 1955, "Rose Marie", passou onze semanas na primeira colocação da UK Singles Chart, mantendo o Recorde Mundial do Guinness de maior tempo no número um nesta parada por 36 anos, até Bryan Adams quebrar este recorde em 1991. Além disso, "Rose Marie" também foi listada no British Hit Singles & Albums. Nos EUA, sua canção "Indian Love Call" (1952) e a versão de "Secret Love" (1953), sucesso de Doris Day, chegaram ambas à segunda posição na parada da Billboard. Whitman teve uma sequência de sucessos no Top 10 de meados da década de 1960 até a década de 1970 e tornou-se conhecido para uma nova geração de fãs através do marketing direto na televisão na década de 1980. Durante os anos de 1990 e no século XXI, ele continuou a fazer turnês por todo o mundo e a lançar novo material. Seu último álbum, Twilight on the Trail, foi produzido por seu filho Byron Whitman e lançado em 2010, quando Whitman tinha 87 anos de idade.

VidaEditar

Whitman nasceu na cidade de Oak Park, em Tampa, Flórida, no dia 20 de janeiro de 1923,[3][4] um dos seis filhos de Otis e Lucy Whitman. Na juventude, ele gostava da música country de Jimmie Rodgers e das canções de Gene Autry, mas ele não embarcou numa carreira musical própria até o final da Segunda Guerra Mundial, depois de ter servido no Pacífico Sul com a Marinha dos Estados Unidos. No navio, ele cantava e entretinha os membros a bordo, fazendo com que o capitão bloqueasse sua transferência para outro navio—deste modo, salvando sua vida, já que o outro navio, mais tarde, afundou e não houve nenhum sobrevivente. As ambições iniciais de Whitman eram de se tornar um boxeador ou um jogador de beisebol profissional.

Apesar de destro, Whitman era um guitarrista auto-didata canhoto. Ele havia perdido quase todo o dedo médio da mão esquerda num acidente enquanto trabalhava em uma fábrica de embalagem de carne.[5] Ele fez diversos trabalhos para um estaleiro de Tampa enquanto desenvolvia uma carreira musical, vindo, eventualmente, a se apresentar com bandas como The Variety Rhythm Boys e The Light Crust Doughboys. Ele foi rapidamente apelidado de "The Smiling Starduster" depois de uma temporada com um grupo chamado The Stardusters. A primeira grande chance de Whitman veio quando o gerente de talentos "Colonel" Thomas Parker ouviu-o cantar no rádio e se ofereceu para representá-lo. Após a assinatura do contrato com a RCA Records, ele foi creditado como "o cantor cowboy Slim Whitman", como a cantora canadense Wilf Carter, que era conhecida nos Estados Unidos como Montana Slim. Whitman lançou seu primeiro single em 1948, "'I'mm Casting My Lasso Towards The Sky", completo com o canto tirolês. Ele fez turnês e cantou numa variedade de locais, incluindo o programa de rádio Louisiana Hayride.

A princípio, ele não conseguiu viver apenas de música e manteve um emprego de meio período numa agência dos correios. Isso mudou no início de 1950, após ter gravado uma versão de "Love Song of the Waterfall", sucesso de Bob Nolan, que entreou no top dez da música country. Seu próximo single, "Indian Love Call", retirado da opereta Rose-Marie, foi ainda mais bem-sucedido, alcançando o número dois na parada da música country e aparecendo no top dez da para de música pop dos EUA.[6]

Um cantor tirolês, Whitman evitou canções típicas da música country que falavam de falta de sorte e bebida, preferindo, em vez melodias descontraídas e românticas sobre a vida simples e o amor. Críticos apelidaram seu estilo de "countrypolitan", dada sua fusão de música country e um estilo mais sofisticado de cantarolar.[7] Apesar de ter gravado muitas músicas country e western, incluindo sucessos como "Tumbling Tumbleweeds", "Singing Hills" e "The Cattle Call", músicas de amor e romance como "Serenade", "Something Beautiful (to Remember)" e "Keep It a Secret" ocupavam posição de destaque em seu repertório.

Em 1955, ele teve uma canção no topo das paradas de música pop do Reino Unido: a música-tema da opereta Rose-Marie. Com dezenove semanas nas paradas e onze semanas no topo da UK Singles Chart,[8] a canção estabeleceu um recorde que durou 36 anos. Em 1956, ele se tornou o primeiro cantor de música country a se apresentar no London Palladium. Logo depois, Whitman foi convidado para participar do Grand Ole Opry, e, em 1957, juntamente com outras estrelas musicais, apareceu no filme musical Jamboree. Apesar desta exposição, ele nunca alcançou o nível de estrelato nos Estados Unidos que possuía na Grã-Bretanha, onde teve diversos outros hits durante a década de 1950. Ao longo do início da década de 1970, ele continuou a gravar e foi um convidado no programa de televisão The Midnight Special de Wolfman Jack. Na época, os esforços de gravação de Whitman estavam produzindo apenas pequenos sucessos nos EUA, mas meados da década de 1970 foi uma época de sucesso para Whitman na UK Albums Chart. Em 1976, uma coletânea musical, The Very Best of Slim Whitman, ficou no número um por seis semanas, passando dezessete semanas na tabela. Outro álbum número um veio em 1977, Red River Valley: quatro semanas no número um e catorze semanas na tabela. Mais tarde, no mesmo ano, seu álbum de Home on the Range chegou à segunda posição na parada e acumulou uma estadia de treze semanas, sendo impedindo de atingir o topo da parada pelo álbum 20 Golden Greats das Supremes.[9]

Os álbuns de televisão tornaram brevemente Whitman um nome familiar nos EUA pela primeira vez em sua carreira, resultando em diversas acontecimentos: desde sua primeira aparição no The Tonight Show starring Johnny Carson até Whitman ser parodiado num esquete cômico na SCTV com ele (interpretado por Joe Flaherty) interpretando o papel do par romântico num musical da Broadway no estilo de Evita sobre a vida de Indira Gandhi. Mais importante, os álbuns de televisão deram-lhe um breve ressurgimento na música country mainstream, com novos álbuns sendo lançados pelas principais gravadoras e alguns singles nas paradas de música country. Durante este tempo, ele fez uma turnê modestamente bem-sucedida pela Europa e Austrália.

Em 20 de janeiro de 2008, coincidentemente, no 85.º aniversário de Whitman, um obituário prematuro, que se acredita ter sido iniciado por um relatório errôneo, foi publicado pelo jornal Nashville Tennessean e, mais tarde, tornou-se viral no site do jornal.[10]

Em 2010, Whitman lançou o álbum Twilight on the Trail depois de mais de oito anos em produção, seu primeiro disco de estúdio em 26 anos. O álbum foi produzido por seu filho, Byron Whitman, e contou com muitos músicos de sessão conhecidos, incluindo Harold Bradley.

Vida pessoalEditar

Depois de 1957, Whitman vivia em sua propriedade, Woodpecker Paradise, em Middleburg, uma cidade localizada ao sul de Orange Park, Flórida, no Condado de Clay.[11][12]

Em 2009, Alma Geraldine "Jerry" Crist Whitman, esposa de Whitman há 67 anos, nascida no Kansas, morreu com aos 84 anos. Ela foi uma compositora e bordadora, filha do ministro de igreja A. D. Crist. Juntos, tiveram uma filha, Sharron Beagle (nascida em 1942), e um filho, Byron Keith Whitman (nascido em 1957). Também tiveram dois netos e dois bisnetos.[13] Byron é um artista e produtor musical, lançou diversas canções, fez turnês e gravou com seu pai em inúmeras ocasiões.

Slim Whitman morreu de insuficiência cardíaca no dia 19 de junho de 2013, aos 90 anos,[14] rodeado pela família no Orange Park Medical Center, em Orange Park, Flórida.[15][16]

HonrariasEditar

Por sua contribuição à indústria fonográfica, Slim Whitman recebeu o prêmio de uma estrela na Calçada da Fama de Hollywood.[17] Ele foi admitido na Calçada da Fama do Country Music Hall of Fame and Museum em 1968.

LegadoEditar

O Beatle George Harrison citou Whitman como uma influência inicial: "A primeira pessoa que vi tocando uma guitarra foi Slim Whitman, numa foto dele em uma revista ou ao vivo na televisão. Guitarras estavam definitivamente entrando na moda."[18] Quando o jovem Paul McCartney, que era canhoto, comprou seu primeiro violão, o músico não sabia como tocar um instrumento que foi fabricado para alguém destro. Apenas quando McCartney viu uma imagem de Whitman tocando com a mão esquerda que ele reconfigurou as cordas de sua guitarra, de modo que também pudesse tocar com a mão esquerda.[19] O cantor estadunidense Michael Jackson citou Whitman como um de seus dez vocalistas favoritos.[20]

O filme Marte Ataca! (1996) traz a versão Whitman de "Indian Love Call" como uma arma contra os invasores alienígenas.[21][22] Em 2003, Rob Zombie usou a versão de Whitman de "I Remember You" em seu primeiro filme como diretor, House of 1000 Corpses.

Referências

  1. «Slim Whitman, a country singer, had a distinctive high-pitched yodel». Christian Science Monitor. 19 de junho de 2013. Consultado em 10 de outubro de 2017 
  2. Reaney, Patricia (19 de junho de 2013). «Legendary country singer Slim Whitman dead at 89». Reuters. Consultado em 20 de junho de 2013 
  3. «Terry Spencer, Slim Whitman Dead: Country Singer Dies At Age 90, Huffington Post, 19 June 2013». www.huffingtonpost.com 
  4. «First Coast News, Slim Whitman: A Living Legend on the First Coast. May 28, 2008». swampie.wordpress.com 
  5. Martin, Douglas (19 de junho de 2013). «Slim Whitman, Yodeling Country Singer With a Regular-Guy Image, Dies at 90». The New York Times. Consultado em 22 de junho de 2013 
  6. Russell, Tony (19 de junho de 2013). «Slim Whitman obituary». The Guardian. London. Consultado em 20 de junho de 2013 
  7. «Slim Whitman». Daily Telegraph. London. 19 de junho de 2013. Consultado em 22 de junho de 2013 
  8. «Slim Whitman». Official UK Charts. Consultado em 20 de junho de 2013 
  9. Roberts, David (2006). British Hit Singles & Albums. [S.l.]: HIT Entertainment 
  10. Treen, Dana (24 de janeiro de 2008). «Singer says rumors that he is dead aren't true». The Florida Times-Union. Jacksonville 
  11. «Woodpecker Paradise» 
  12. «Many of the area's music landmarks no longer exist». The Florida Times. 5 de julho de 1998. Consultado em 17 de agosto de 2012 
  13. «Wife of Slim Whitman dies at 84». Jacksonville 
  14. Spencer, Terry (19 de junho de 2013). «Slim Whitman Dead: Country Singer Dies At Age 90». The Huffington Post. Consultado em 19 de junho de 2013 
  15. «Country singer Slim Whitman, 90, dies overnight». First Coast News. Consultado em 19 de junho de 2013 
  16. Bortzfield, Bill (19 de junho de 2013). «Local country star Slim Whitman has died». The Florida Times Union. Consultado em 19 de junho de 2013. Arquivado do original em 16 de novembro de 2017 
  17. Martin, Douglas (19 de junho de 2013). «Slim Whitman, Yodeling Country Singer With a Regular-Guy Image, Dies at 90». The New York Times. Consultado em 20 de junho de 2013 
  18. Harrison, George (2000). The Beatles Anthology. New York: Chronicle Books. p. 28 
  19. Larkin, Colin (1993). The Guinness Who's Who of Country Music: Slim Whitman entry. Guinness Publishing. ISBN 0-85112-726-6
  20. Marsh, Dave; Bernard, James (1994). The New Book of Rock Lists. New York: Simon & Schuster. p. 362 
  21. «Slim Whitman, US country singer, dies at 90». BBC News. 20 de junho de 2013. Consultado em 20 de junho de 2013 
  22. «1923–2013: Country star Slim Whitman of Middleburg has died». Jacksonville. Consultado em 20 de junho de 2013 

Ligações externasEditar