Sociedade Brasileira de Belas Artes

A Sociedade Brasileira de Belas Artes (SBBA) é uma entidade de utilidade pública que tem como objectivo a promoção e a divulgação das artes plásticas. Localiza-se no histórico edifício do séc. XVIII Solar do Marquês do Lavradio situado no Centro do Rio de Janeiro, no bairro da Lapa, na Rua do Lavradio, nº 84.

HistóriaEditar

A Sociedade Brasileira de Belas Artes (SBBA) foi fundada em 10 de agosto de 1910 no Rio de Janeiro sob o nome Centro Artístico Juventas[1] e, em 1 de Julho de 1919, foi aprovado o nome definitivo de “Sociedade Brasileira de Belas Artes”[2]. Com decreto da Republica dos Estados Unidos do Brasil de 20 de setembro de 1922, considera-se a SBBA uma entidade de utilidade pública[3] que tem como objectivo a promoção e a divulgação das belas artes.

Ao longo dos anos, a Sociedade teve que mudar a sede várias vezes. A partir de 1967, com uma lei do Parlamento do governo fluminense, foi cedido à Sociedade Brasileira de Belas Arte o histórico edifício do séc. XVIII do Solar do Marquês do Lavradio onde, até hoje, a SBBA passou a sediar definitivamente[4].

OrganizaçãoEditar

Através dos anos, a Sociedade Brasileira de Belas Artes, vem fazendo um trabalho acadêmico de divulgação e de ensino de técnicas das artes plásticas com cursos diários[5].

Além do histórico edifício do Solar do Marquês do Lavradio que hospeda a sua sede, a Sociedade Brasileira de Belas Artes também tem um importante acervo que foi acumulado a partir de 1960[6] e tombado em 1985 pelo Instituto Estadual do Patrimônio Cultural[7][8] e que recolhe objetos e mobiliário de época e abriga obras de artistas brasileiros e internacionais como, entre outros, Arthur Timótheo da Costa, Eliseu Visconti, Marques Júnior, Manuel de Araújo Porto-Alegre e Candido Portinari.

Referências

  1. Sociedade Brasileira de Belas Artes André Luiz Faria Couto
  2. Hillal, Therezinha, o Renacer da Fhoenix, Nos 105 Anos de Arte SBBA, pag. 3, Editora Comunità LTDA, Niterói, RJ, 2015
  3. Hillal, Therezinha, o Renacer da Fhoenix, Nos 105 Anos de Arte SBBA, pag. 3, Editora Comunità LTDA, Niterói, RJ, 2015
  4. Instituto Estadual do Patrimônio Cultural de Rio de Janeiro - Inepac
  5. Guida Cultural do Centro Histórico de Rio de Janeiro
  6. Rio Cultura, Solar Marquês do Lavradio - Sociedade Brasileira de Belas Artes
  7. Instituto Estadual do Patrimônio Cultural de Rio de Janeiro - Inepac
  8. Guida Cultural do Centro Histórico de Rio de Janeiro

BibliografiaEditar

  • HILLAL, Therezinha. Renacer da Fhoenix, Nos 105 Anos de Arte Sociedade Brasileira de Belas Artes SBBA, Editora Comunità LTDA, Niterói, RJ, 2015
  • CARDOSO, Rafael. “Boêmia inspiração”. Revista de História da Biblioteca Nacional. n.35, ago/2008.
  • LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário Crítico da Pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988. (Verbetes: Centro Artístico Juventas, pp.117-118; Chambelland, Rodolfo. pp118-119; Sociedade Brasileira de Artes Plásticas, p.484; Tímótheo da Costa, Artur. p.508).
  • RUBENS, Carlos. Pequena História das Artes Plásticas no Brasil. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1941. (pp. 376-378)
  • FARIA COUTO, André Luiz. Graduação em História pela Universidade Federal Fluminense (UFF).

Ligações externasEditar