Sociedade de Transportes Colectivos do Porto

A Sociedade de Transportes Coletivos do Porto, E.I.M., S.A. ou STCP é a empresa que gere a rede de autocarros no concelho do Porto e também várias linhas em concelhos do Grande Porto. Para além dos autocarros, há ainda três linhas de carros elétricos que estão sob a responsabilidade desta empresa.

STCP - Sociedade de Transportes Coletivos do Porto
Stcp logo.png
Informações
Local Grande Porto:
Tipo de transporte Rodoviário (Urbano)
Número de linhas 72 (incluindo elétricos)
Chefe executivo Cristina Pimentel (Presidente do Conselho de Administração)
Website www.stcp.pt
Funcionamento
Operadora(s) STCP
Número de veículos 420
Autocarro da STCP na Avenida dos Aliados, no Porto.
Eléctrico T

O serviço, com 72 linhas (incluindo carros elétricos), é assegurado por um parque de autocarros (420 em 2021)[1] com uma média de idade de 14 anos. A STCP explora uma das maiores frotas de autocarros a gás da Europa, com um total de 257 veículos, o que representava 62% da sua frota em 2017. A empresa já tem em funcionamento autocarros elétricos com bateria, contribuindo para um menor impacto ambiental.[2]

Os autocarros da STCP tiveram em 2021 uma taxa de ocupação média de 10,1% e circularam com velocidade média de 15,82 km/h.[1] Tendo em conta estes números e os km totais percorridos pela frota nesse ano[1] é possível estabelecer a intensidade carbónica efetiva de 156 gCO2/Passageiro.km.

Em 2004, a empresa participou num programa para testar autocarros movidos a hidrogénio em várias cidades europeias, o projeto CUTE, tendo recebido 3 novos autocarros da empresa Mercedes-Benz, modelo O530BZ, movidos a esta energia. Destes 3 autocarros movidos a H2, dois foram devolvidos (STCP 4001 e STCP 4003) e um esteve em exposição no Museu do Carro Eléctrico (STCP 4002) até ser retirado algures após 2010, sendo o seu destino até ao momento incerto. Como "recompensa" pela participação da STCP neste projeto, aquando da retirada do serviço público dos 3 autocarros movidos a H2, foram recebidos outros 3 autocarros muito semelhantes aos que se encontraram em testes, embora estes fossem movidos a Diesel. Receberam a numeração STCP 2181, 2182 e 2183, e um deles acabou o seu serviço mais cedo do que o esperado, após um incêndio na A4 enquanto regressava à Estação de Recolha da Via Norte.

A cor-padrão dos autocarros é o típico azul escuro, agora com detalhes em turquesa e branco mostrando o novo slogan da empresa: "Mobilidade Inteligente". Previamente a 2018 a cor-padrão era o azul escuro com uma risca laranja, esquema adotado no início do milénio aquando da chegada da série de autocarros Mercedes-Benz O405N2 entre 1998 e 1999. Apesar disso, até cerca de 2007 ainda circularam autocarros com o esquema prévio da empresa: o cor-de-laranja com detalhes brancos.

Digno de visita é o Museu do Carro Eléctrico, onde se podem admirar vários veículos que marcaram o passado do Porto (não necessariamente só carros elétricos). Localiza-se na Alameda de Basílio Teles, em Massarelos.

Linhas STCPEditar

Linhas de Elétrico STCPEditar

 Ver artigo principal: Elétricos do Porto
  • 1 Infante ⇆ Passeio Alegre
  • 18 Massarelos ↺ Carmo
  • 22 Batalha ↺ Carmo (atualmente sem serviço devido às obras da Metro do Porto)

Linhas da Rede Diurna e NoturnaEditar

(Linhas que circulam sensivelmente entre as 05:30H e a 01:00H).

Notas
  • Apesar das linhas 61 e V94 serem exploradas diretamente pela ValpiBus, o tarifário STCP continua a ser válido nessas linhas.
  • As linhas ZM (Zona Massarelos - Cordoaria ⇆ Boavista B.S.) e ZR (Zona Rio - Alfândega ⇆ Campanhã) foram extintas a 2 de Agosto, tendo os seus percursos sido unidos originando a linha 403 que liga a Boavista a Campanhã.
  • A 3 de Agosto foram introduzidas várias mudanças na rede STCP:
    • as linhas 200 e 203 beneficiaram de um prolongamento à Praça Cidade Salvador durante o mês de Agosto. Este prolongamento é efetuado na época de Verão até à data (2022);
    • as linhas 203 e 207 sofreram uma pequena alteração de percurso na zona de Serralves;
    • a linha 209 deixou de circular pelo Bairro de Bessa Leite e cemitério de Lordelo, passando a utilizar a Rua do Campo Alegre na íntegra, até à Rua de Serralves já em Lordelo;
    • a linha 304 passou a efetuar terminal na Avenida dos Aliados juntamente com a linha 600 (com horário combinado para que a linha 304 parta cerca de 3 minutos antes de um 600) e é servida quase diariamente por autocarros 100% elétricos, tornando-se não oficialmente a primeira linha da Invicta a ser operada completamente com autocarros elétricos;
    • a linha 403 foi criada em substituição das linhas ZM e ZR;
    • a linha 503 trocou o Interface da Casa da Música pelo Terminal do Bom Sucesso, começando a circular pelo antigo percurso da linha 209 pelas Ruas de António Patrício e António Cardoso, Rua da Venezuela e Bairro de Bessa Leite;
    • a linha 900 mudou o seu terminal da Trindade para a Cordoaria (via Massarelos e Restauração), sofreu uma pequena alteração na zona de Soares dos Reis e ainda estava planeado o seu regresso à Rua de Cândido dos Reis, mas a sua passagem não foi permitida pela Polícia Municipal ali presente na manhã do dia 3. Com a repartição da 900 em 900P e em 900G (910 e 920 internamente, respetivamente), a linha 900G circula pela Rua de Cândido dos Reis;
    • a linha 903 foi prolongada a Vilar do Paraíso.

Linhas da Rede da MadrugadaEditar

(Linhas que circulam entre as 00:30H e as 06:00H).

  • 1M Aliados ⇆ Matosinhos (Praia) (via Campo Alegre)
  • 3M Aliados ⇆ Aeroporto (via Padrão da Légua)
  • 4M Aliados ⇆ Maia (Câmara)
  • 5M Aliados ⇆ Ermesinde (Estação)
  • 7M Aliados ⇆ Valongo
  • 8M Aliados ⇆ S. Pedro da Cova (Rio Ferreira)
  • 9M Rotunda AEP ⇆ Gondomar (Souto) (via Hospital de São João)
  • 10M Aliados ⇆ Vila D'Este (via Ponte do Infante)
  • 11M Hospital S. João ⇆ Coimbrões (Quinta da Bela Vista) (via Ponte Luís I)
  • 12M Aliados ⇆ Santo Ovídio (via Ponte da Arrábida)
  • 13M Aliados ⇆ Matosinhos (Mercado) (via Rotunda AEP)

HistóriaEditar

Alterações na redeEditar

A 1 de Janeiro de 2007 foram introduzidas profundas alterações na rede de autocarros dos STCP, dando origem a bastante polémica e protestos por parte de muitos utentes, devido à enorme quantidade de transbordos que foram criados, inúmeras linhas diretas eliminadas, etc.[3]

Entrega de exploração a privadosEditar

Entre 1 de Julho de 2012 e 2015, as seguintes 8 linhas passaram a ser operadas em exclusivo por operadores privados, sendo que até estas datas haviam sido colocados em prática contratos e protocolos específicos a estas linhas para que o tarifário STCP fosse acessível a todos os utilizadores destas.

Auto-Viação Pacense [1]
Empresa de Transportes Gondomarense (ETG)[2]
  • 10 Belói ⇆ Ervedosa
  • 55 Bolhão (Mercado) ⇆ Alto da Serra (via Baguim)
  • 68 Hospital S. João (Circunvalação) ⇆ Gondomar (Escolas)
  • 69 Bolhão (Mercado) ⇆ Seixo (via Escolas de Fânzeres)
  • 70 Bolhão (Mercado) ⇆ Ermesinde (Estação)


Anos mais tarde a situação viria a repetir-se, mas com linhas que já eram operadas pela STCP e apenas durante um certo período que coincidia com os horários Escolares, devido à necessidade de reforçar alguns eixos de maior procura no centro da cidade. Assim, a 1 de outubro as linhas 403 e ZC foram entregues pelo período de 3 meses à empresa Maia Transportes para que as linhas 200, 201, 203, 204, 205, 208, 208 e 305 fossem reforçadas.[4]

Pouco tempo depois, a 20 de novembro de 2020, foi anunciado que mais linhas teriam a sua operação subcontratada a mais operadores privados mas de forma a reforçar os eixos mais importantes fora do centro da cidade. Desta vez, a linha 705 foi entregue à ValpiBus, as linhas 706 e 707 entregues à Maia Transportes e a linha ZF entre à J. Espírito Santo, para que a 23 de novembro entrassem em vigor reforços nas linhas 501, 600 (acréscimo do uso de viaturas de tipologia articulada), 703 (reforço combinado com a linha 701 no eixo Marquês ⇆ Ermesinde), 800, 801 e 907 (reforço em hora de ponta entre Santo Ovídio e Vila D'Este).[5]

Com o novo confinamento em 2021 apenas em maio desse mesmo ano se voltou a verificar um reforço extraordinário. Neste último reforço as linhas 403, 601 e ZC foram entregues à Maia Transportes, a linha 604 foi entregue à Auto Viação Pacense, a linha 705 foi entregue à ValpiBus, as linhas 706 e 707 foram entregues à Transdev e a linha ZF foi entregue à União de Transportes dos Carvalhos (UTC) que posteriormente subcontratou a empresa J. Espírito Santo para a operar. Desta vez estas entregas vieram envoltas em polémica, visto que nas linhas 604, 706 e 707 o material circulante era extremamente inadequado para o perfil dos percursos. Surgiram diversas queixas entre os vários utilizadores das linhas: na 604 grande parte dos passageiros eram idosos que necessitavam do autocarro para se deslocarem a consultas no Hospital de São João ou para tratarem de assuntos no centro da cidade da Maia, e estes apresentavam fortes dificuldades em subir os diversos degraus dos autocarros; já na 706 e na 707, a Transdev entrou ao serviço com uns espantosos autocarros de 15 metros, normalmente utilizados em viagens de longo curso com percurso em autoestrada. Poucos dias depois foi anunciado que a frota utilizada nestas 3 linhas sofreria alterações para maior comodidade dos passageiros, mas isso só veio acontecer nas linhas 706 e 707 com o uso de autocarros com o comprimento padrão.[6] A subcontratação destas linhas permitiu o reforço das seguintes: 200, 201, 203, 204, 205, 207, 208, 305, 600, 703, 800, 801 e 907. A linha 600 apenas recebeu um maior número de autocarros articulados como da última vez, sendo que a principal diferença neste reforço foi mesmo a linha 907, que apesar de continuar apenas com o reforço entre Santo Ovídio e Vila D'Este, o mesmo decorreu ao longo do dia usando viaturas articuladas em grande parte dos dias (2 de manhã e outras 2 à tarde, de forma a intercalarem com as viagens com destino à Boavista).[7]

Gestão intermunicipalEditar

A partir de 27 de dezembro de 2020, a empresa está na esfera intermunicipal, passando os municípios do Porto, Vila Nova de Gaia, Gondomar, Matosinhos, Valongo e Maia a assumir a gestão da operadora de transporte pública.[8]

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b c Relatório e Contas STCP 2021 (PDF). Porto: [s.n.] 2022. p. 18. Consultado em 10 de setembro de 2022 
  2. «STCP circula com nova frota de autocarros 100% elétricos e a gás natural - Notícias - Portal de notícias do Porto. Ponto.». www.porto.pt. Consultado em 29 de maio de 2019 
  3. «Confusão com a nova rede da STCP». Jornal de Notícias. 3 de janeiro de 2007. Consultado em 10 de setembro de 2022 
  4. «STCP com reforço em 8 linhas de autocarro no Porto». STCP. 30 de setembro de 2020. Consultado em 10 de setembro de 2022 
  5. «STCP reforça 6 linhas de autocarro com percursos fora do Porto». STCP. 20 de novembro de 2020. Consultado em 10 de setembro de 2022 
  6. «Porto. Autocarros de turismo usados para reforçar a oferta da STCP vão ser substituídos por veículos com melhores acessibilidades». Sapo24. 28 de maio de 2021. Consultado em 10 de setembro de 2022 
  7. «STCP com aumento de oferta na próxima segunda-feira». STCP. 20 de maio de 2021. Consultado em 10 de setembro de 2022 
  8. «STCP passa a partir deste domingo a ser gerida pelos municípios» 

Ligações externasEditar

 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Sociedade de Transportes Colectivos do Porto