Abrir menu principal
Question book.svg
Este artigo ou secção não cita fontes confiáveis e independentes (desde outubro de 2012). Ajude a inserir referências.
O conteúdo não verificável pode ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Solar de Fralães
Nomes anteriores Solar dos Correias
Estilo dominante gótico
Início da construção século XII
Proprietário atual família Figueiredo

O Solar de Fralães é um solar localizado em Monte de Fralães, em Barcelos, em Portugal. Mais especificamente, no sopé do monte d'Assaia, em cuja encosta terá ficado o paço que o precedeu.

HistóriaEditar

O Solar de Fralães foi o Solar dos Correias desde o século XII até ao século XVII. A partir de então, a família parece ter preferido uma residência em Delães, mais próxima do Porto e provavelmente com melhores acessos que esta gótica casa. Na segunda metade do século XIX, o solar foi restaurado e talvez habitado com certa regularidade. Em princípios do século XX, foi vendido a um capitalista portuense, que por sua vez o vendeu mais adiante à família que hoje ainda o possui.

Neste solar, tinha, a sua sede, o Concelho de Fralães, como a sua "progenitora", a Honra de Fralães. Era na sua sala grande que se fazia a eleição dos edis – das "justiças" – sob supervisão do donatário, que era o Senhor de Fralães; a mesma sala há-de ter servido para as reuniões camarárias e para tribunal. O terreiro era a Praça do Concelho.

O edifício não tem a imponência doutros solares. Mas a Torre Senhorial (que vem provavelmente do século XV), um conjunto de portas góticas e ainda uma outra, também antiga, sob a Sala de Audiências, impõem reverência a quem o visita.

No século XVI, o vilacondense bispo de Malaca, D. João Ribeiro Gaio, referiu-se-lhe assim:

Farelães é o solar
Que aos Correias deu o ser
E D. Paio veio a ter
O qual fez o Sol parar
Para os Mouros vencer.

Cerca de 1700, o padre Carvalho da Costa descreveu-o com entusiasmo:

Têm estes senhores aqui a maior Casa das antigas de quantas vi em Portugal, & Galiza, com Torres, grandes falas, muitas fontes curiosas, jardins, & hortas, dilatados pomares de toda a fruta ordinária, & de espinho, & uma grande mata de Carvalhos, & Castanheiros, cousa magnifica.

Um sacerdote de Viatodos, na segunda metade de 1800, cantava-o num soneto que começa com esta quadra:

Fralães, matrona que possuiu nobreza,
Todo em ruínas, seu solar deplora,
Narrando ainda a prístina grandeza,
Poder e fausto que ela teve outrora.

Camilo Castelo Branco menciona os Senhores de Fralães e o seu solar em O Senhor do Paço de Ninães e na Sereia; Aquilino Ribeiro, na Casa Grande de Romarigães, refere-se-lhe uma vez de passagem.

Em 1842, o Solar de Fralães foi visitado por uma personagem régia, "Sua Majestade, que Deus haja em glória", que ainda não foi devidamente identificada.

Desde meados do século XX, o solar volta a ser comprado pela família que sempre fora sua proprietária desde o século XVII. Hoje, continua a pertencer à família Figueiredo, descendente de Alberto Nunes de Figueiredo e Manuel Figueiredo.

 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Solar de Fralães

Ver tambémEditar

  Este artigo sobre Património de Portugal é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.