Sonia Rykiel

Desenhadora francesa

Sonia Rykiel (Paris, 25 de maio de 1930ibídem, 25 de agosto de 2016) foi uma desenhadora francesa.

Sonia Rykiel
Sonia Rykiel
Sonia Rykiel em 2009
Nome completo Sonia Flis Rykiel
Nascimento 25 de maio de 1930
Neuilly-sur-Seine, Paris
Morte 25 de agosto de 2016 (86 anos)
Paris, Ile-de-France
Cônjuge Sam Rykiel
Filho(a)(s) Nathalie Rykiel
Jean-Philippe Rykiel
Ocupação Estilista
Página oficial
soniarykiel.com

Rykiel foi pertencente ao movimento do prêt à porter que tornou-se popular nos anos 1970 graças a seus desenhos pensados para mulheres que procuravam comodidade e liberdade de movimento. Ao longo de sua trajectória, converteu-se em toda uma instituição em  França.

Biografia

editar

Sonia Flis foi uma desenhadora francesa de origem judia. Sua mãe era uma dona-de-casa nascida na Rússia, enquanto que seu pai foi um relojoeiro nascido na Romênia. Nascida em Neuilly-sul-Seine, um subúrbio de Paris no 25 de maio de 1930, começou a trabalhar como escaparatista na Grande Maison de Blanc, um grande armazém da cidade à idade de 17 anos. Em 1953, casou-se com Sam Rykiel, proprietário de uma loja de roupa, com o qual teve dois filhos, Nathalie e Jean-Philippe.[1]

Em 1962, durante sua gravidez, entrou por acaso no mundo do desenho, já que precisava prendas adequadas a seu estado, pelo que começou a desenhar prendas que mais adiante vendia na boutique de seu marido. Sua casa de modas surgiu no bairro parisino de Saint Germain dês Prés, berço e asilo de artistas de todo mundo. Intimamente unida ao movimento do prêt-à-porter, que tornou-se popular em Paris nos anos 1970, a desenhadora ficou totalmente à margem da alta-costura. Além da moda, Sonia Rykiel introduziu-se em vários campos, tem escrito numerosas novelas e decorado hotéis. Desde finais dos anos 1990, sofreu de Doença de Parkinson, da que fala em seu livro "N'oubliez pas que je joue" (Não se esqueça que jogo).[2]

Em 2001 recebeu um prêmio do Fashion Group International e em 2013 recebeu em França a Ordem do Mérito.

A Fashion House

editar

A peça de vestuário que a levou à fama, é uma camisola de ponto que foi baptizada "The poor boy sweater"[3] e que foi portada em Elle e Women's Wear Daily a baptizou como "Rainha das malhas". Com um estilo visionario, sempre inovou em seus desenhos com cortes inovadores, colocando as costuras visíveis e incorporando mensagens em suas roupas. Declarou que o suéter deve ser usado sobre a pele nua, apostando pela liberdade de movimento. Foi pioneira em filmar seus desfiles, e seus prendas foram popularizadas por celebridades como Brigitte Bardot ou Audrey Hepburn. O estampado a listras, o encaixe, o negro e o strass têm sido sua senha de identidade. Em 1970, começou a construir seu próprio império, e pouco a pouco, sua filha Natalie Rykiel foi-se introduzindo na empresa familiar, seguindo com a mesma filosofia e estética com listras e cores vivas. Em 1978 lançou-se ao mundo dos produtos de beleza com seu primeiro perfume e em 1987 sacou sua primeira linha de cosméticos. Em 2002 apresentou uma de suas colecções no Louvre de Paris; esta colecção reivindicava a liberdade sexual da mulher. Em 2009 fez uma colaboração com a companhia sueca H&M, lançando uma colecção de lingerie, e em 2010 uma de roupa. A ocasião foi celebrada com um evento no Grand Palais de Paris. Em 2012, vendeu o 80% da empresa a Fung Brands Limited e o canadense Geraldo da Conceição passo a ser seu director criativo. [4] Foram-se cedendo responsabilidades da empresa de geração em geração, primeiro com sua filha Nathalie Rykiel, e actualmente também com sua neta Lola. Recentemente, Julie de Livram[5] tem sido nomeada directora artística da empresa e tem começado a vender suas prendas em sua própria loja on-line.

Linhas

editar

Actualmente, a assinatura francesa tem três linhas: Sonia Rykiel, sua segunda linha Sonia by Sonia Rykiel e Rykiel Enfant Também tem sacado vários perfumes; entre eles Sonia Rykiel, Lhe Pull, Belle en Rykiel e Rykiel Woman Hot!

Rykiel morreu em sua casa em Paris, durante a manhã do 25 de agosto de 2016, à idade de 86 anos. Sua morte foi devido às complicações da doença de Parkinson. Rykiel revelou que tinha estado sofrendo da doença durante quinze anos em 2012. Sobrevivem-lhe seus filhos Nathalie e Jean-Philippe Rykiel. O presidente François Hollande chamou-a "pioneira", enquanto Jean-Marc Loubier declarou "é um dia triste, mas Sonia Rykiel deixa um legado extraordinário".[6]

Livros

editar

Livros publicados em francês:

  • 2011, Dictionnaire déglingué. Flammarion
  • 1998, Paris sur les pas de Sonia Rykiel. Editions du Garde-Temps
  • 2005, Célébration (Des femmes). Editions des Femmes
  • 2005, L'envers à l'endroit. Fayard
  • 2013, N'oubliez pas que je joue. Pocket
  • 1979, Et je la voudrais nue. Bernard Grasset

Referências