Abrir menu principal
Soyuz 18a
Insígnia da missão
Informações da missão
Sinal de chamada Урал (Ural)
Número de tripulantes 2
Lançamento 5 de abril de 1975
11:04:54 UTC
Baikonur LC1
Aterrissagem 5 de abril de 1975
11:26:21 UTC
Montanhas Altai
Duração 21m 27s
Navegação
Soyuz 17
Soyuz 18

Soyuz 18a foi uma missão espacial Soyuz lançada pela União Soviética em direção à estação espacial Salyut 4, mas que não foi capaz de atingir a órbita terrestre devido a um problema durante o lançamento.[1][2]

TripulaçãoEditar

AcidenteEditar

A missão Soyuz 18 tinha o objetivo ser a segunda missão a levar cosmonautas até à estação espacial Salyut 4. Ambos os cosmonautas estavam em sua segunda missão; haviam voado sua primeira missão juntos na Soyuz 12 em Setembro de 1973 para testar as modificações na nave Soyuz depois do desastre da Soyuz 11.[1][2]

O lançamento prosseguiu de acordo com o plano estabelecido, até aos 288.6 segundos de voo, a uma altitude de 145 km, quando o segundo e terceiro estágios do foguete começaram a separação. Apenas três de seis traves que prendiam os estágios se soltaram, e o terceiro estágio disparou com o segundo estágio ainda acoplado. A propulsão do terceiro estágio quebrou as travas restantes, liberando o segundo estágio porém desviando o foguete do seu trajeto programado. Aos 295 segundos, o desvio se tornou tão pronunciado que se tornava impossível corrigir e foi aí que o sistema automático de segurança separou a Soyuz do terceiro estágio, separando depois o módulo de reentrada do resto da astronave.[1][2]

No momento em que o sistema de segurança iniciou a separação, a Soyuz já estava orientada para a Terra, o que acelerou a reentrada. Ao invés da aceleração pré-calculada numa situação de emergência estimada em 15 G (147 m/s²), os cosmonautas sentiram uma aceleração de 21.3 G (209 m/s²). Apesar da sobrecarga muito alta, os paraquedas de aterrissagem abriram e desaceleraram a nave para um aterrissagem bem sucedida após um voo que demorou no total um pouca mais de 21 minutos.[1][2]

A cápsula terá aterrado numa área rochosa do noroeste da China, a menos de 1,6 km da fronteira com a Mongólia, a cerca de 80 km da União Soviética. A dupla foi evacuada por um helicóptero soviético algumas horas após a aterrissagem, sem a China ter sido notificada. No tempo de Leonid Brezhnev não era comum a divulgação de nada sobre as falhas espaciais soviéticas, e desse modo a primeira publicação sobre a realidade do voo não foi sido feita até 1983, quando foi noticiada no jornal do Exército Vermelho Bandeira Vermelha.[1][2]

O voo da Soyuz 18a foi o primeiro caso de acidente com foguetes a uma alta altitude, sendo a segunda ocorrência o acidente com a Soyuz MS 10, em 11 de outubro de 2018. Esta missão é referida nas literaturas como Soyuz 18-1 ou Soyuz 18a, pois a missão Soyuz seguinte também foi nomeada 18, para disfarçar o acidente.[1][2]

Parâmetros da MissãoEditar

[1][2]

Ver tambémEditar

ReferênciasEditar

  1. a b c d e f g h Joachim Becker e Heinz Janssen (26 de abril de 2018). «Soyuz 18A». SPACEFACTS. Consultado em 20 de julho de 2019 
  2. a b c d e f g h Mark Wade. «Soyuz 18-1». Encyclopedia Astronautica. Consultado em 20 de julho de 2019 

Ligações externasEditar