Abrir menu principal
NoFonti.svg
Esta biografia de uma pessoa viva cita referências, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde junho de 2016). Ajude a inserir fontes confiáveis e independentes. Material controverso que esteja sem fontes deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Stéphanie Grã-duquesa herdeira de Luxemburgo
Grã-Duquesa Herdeira do Luxemburgo
 
Cônjuge Guilherme, grão-duque herdeiro de Luxemburgo
Casa Lannoy (por nascimento)
Nassau-Weilburg (por casamento)
Nome completo
Stéphanie Marie Claudine Christine de Lannoy
Nascimento 18 de fevereiro de 1984 (35 anos)
  Ronse, Flandres Oriental, Bélgica
Pai Philippe de Lannoy
Mãe Alix della Faille de Leverghem

Stéphanie, Grã-duquesa herdeira de Luxemburgo (nascida Stéphanie Marie Claudine Christine de Lannoy, Ronse, 18 de fevereiro de 1984) é a esposa de Guilherme, Grão-Duque Herdeiro de Luxemburgo e tornar-se-á, como sua consorte, Grã-Duquesa do Luxemburgo, quando o seu marido herdar a coroa do pai.

É geralmente chamada pela imprensa apenas "Princesa Stephanie de Luxemburgo" e não "Grã-duquesa herdeira de Luxemburgo".[1] [2]

Índice

FamíliaEditar

 
Castelo de Anvaing, propriedade da família Lannoy.

Stéphanie de Lannoy nasceu a 18 de fevereiro de 1984, em Ronse, Flandres Oriental. É a filha mais nova do conde Philippe de Lannoy (1922- 2019) e de Alix Faille de Leverghem (1941-2012). Tem sete irmãos e cresceu na propriedade da família, o Castelo de Anvaing.

A Casa de Lannoy remonta à nobreza de Hainaut, no século XIII, tendo os seus membros gozado de grande destaque na vida militar e em assuntos de Estado. Os descendentes de Charles de Lannoy, o vencedor da batalha de Pavia, usam o título imperial de conde ou condessa desde 1526. Stéphanie descende, através do ramo cadete dos senhores de Motterie, do mais antigo conhecido membro da família, Baudouin de Laval, que morreu cerca de 1301, tendo florescido em Lille. Desde o início do século XIX, os seus antepassados foram também burgomestres de Anvaing. A avó paterna de Stéphanie, nascida princesa Beatrice de Ligne (1898-1982), era filha de Ernest, 10.º Príncipe de Ligne, chefe de uma das famílias historicamente mais poderosas da Bélgica. Os avós maternos de Stéphanie, Harold della Faille de Leverghem e Madeleine de Brouchoven de Bergeyck, eram também membros da nobreza belga, pertencendo, respectivamente, a uma família baronial e a uma família comital.

EducaçãoEditar

Primeira educaçãoEditar

A grã-duquesa herdeira estudou na escola holandesa Sancta Maria de Ronse, e depois mudou-se para França, de modo a continuar a sua educação no Collège Saint-Odile. De seguida, regressou a Bruxelas para estudar no Institut de la Vierge Fidèle. Mudou-se para Moscovo, onde estudou língua e literatura russas.

Ensino superiorEditar

A condessa formou-se em filologia alemã na Universidade Católica da Lovaina e também obteve um grau de mestre em Berlim. Ela continuou os seus estudos em Berlim, onde conseguiu uma pós graduação em alemão sobre o tema da influência do romantismo alemão no romantismo russo.

Pós-graduaçãoEditar

Ela e o marido se mudaram para Londres em meados de 2018 para uma temporada de estudos, tendo ela feito uma pós-graduação em História de Arte no Sotheby's Institute. [3]

IdiomasEditar

Stéphanie fala francês, inglês, alemão e russo.

Carreira profissionalEditar

Ela prolongou a sua estadia em Berlim, em um estágio na Agência de Exportação da Valónia, na Embaixada do Reino da Bélgica. No seu retorno à Alemanha, ela trabalhou para uma empresa de fundos de investimento.

Namoro e casamento com o príncipe Guilherme de LuxemburgoEditar

NamoroEditar

Antes do anúncio de noivado, Guilherme e Stéphanie já namoravam há cerca de dois anos.

NoivadoEditar

O noivado foi anunciado a 26 de abril de 2012. São primos distantes e descendem ambos do marechal austríaco Charles Marie Raymond, Duque de Arenberg.

CasamentoEditar

Quando casou com Guilherme, Stéphanie tornou-se uma das três futuras consortes reais europeias que têm sangue azul. As outras duas são Matilde da Bélgica e a duquesa Sofia de Liechtenstein, atual princesa herdeira do Liechtenstein.

O casamento civil teve lugar a 19 de outubro de 2012, tendo a cerimónia religiosa sido realizada no dia seguinte.

Em fevereiro de 2016 afirmou, em entrevista à revista francesa "Point de Vue" que, apesar de estar casada há quase quatro anos, não planeja ter filhos. "Não tenho planos para ser mãe. De momento, desfruto do tempo que passo com o meu marido".[4]

Vida como princesaEditar

Depois do casamento, Stéphanie começou a participar de todos os eventos importantes do grão-ducado, como o Dia Nacional.[5] Ela também é presença constante como acompanhante do marido numa série de outras atividades que incluem a representação da Corte Grã-Ducal dentro e fora de Luxemburgo.[6] [7] Além disso, ela também também atua em solitário, numa agenda à parte, principalmente em atividades sociais e culturais, tendo recebido as seguintes honrarias: [8] [9]

  • Membro da Fundação do Grão-Duque e da Grã-Duquesa
  • Patrona dos Amigos dos Museus de Arte e da História de Luxemburgo
  • Patrona do Scienteens Lab (Laboratório de Cientistas, que incentiva a entrada de jovens para a Ciência)[10]
  • Presidende do MUDAM, Museu de Arte Moderna[11]

A 23 de maio de 2017, foi agraciada com a Grã-Cruz da Ordem do Mérito, de Portugal, por ocasião da visita do Presidente Marcelo Rebelo de Sousa ao Luxemburgo.[12]

TítulosEditar

  • 18 de fevereiro de 1984 – 19 de outubro de 2012: Condessa Stéphanie Marie Claudine Christine de Lannoy
  • 19–20 outubro de 2012: Sua Alteza Real princesa Stéphanie de Luxemburgo
  • 20 de outubro de 2012 – atual: Sua Alteza Real, a Grã-duquesa Herdeira de Luxemburgo

Seu título completo é:' Sua Alteza Real princesa Stéphanie Marie Claudine Christine,Grã-duquesa herdeira de Luxemburgo, Princesa herdeira de Nassau, Princesa de Bourbon-Parma.

AncestraisEditar

Referências

  1. «Modern art museum: Luxembourg's Princess Stéphanie is new MUDAM president». Wort.lu. Consultado em 1 de fevereiro de 2016 
  2. «Existe otra princesa europea llamada Estefanía y es exactamente lo contrario a la que usted conoce». Vanity Fair. Consultado em 1 de fevereiro de 2016 
  3. «Stéphanie de Lannoy. De escuteira a herdeira do Luxemburgo». Wort.lu. 18 de fevereiro de 2019. Consultado em 26 de abril de 2019 
  4. «Mulher do duque herdeiro do Luxemburgo não quer ter filhos» 
  5. «Cérémonies et célébrations autour de la Fête Nationale 2015 - Cour Grand-Ducale de Luxembourg - Juin 2015». www.monarchie.lu. Consultado em 1 de fevereiro de 2016 
  6. «Mission économique au Royaume du Maroc - Cour Grand-Ducale de Luxembourg - Avril 2015». www.monarchie.lu. Consultado em 1 de fevereiro de 2016 
  7. «Felipe e Letizia no Luxemburgo». Caras. Consultado em 1 de fevereiro de 2016 
  8. «La Grande-Duchesse Héritière - Cour Grand-Ducale de Luxembourg - Famille grand-ducale». www.monarchie.lu. Consultado em 1 de fevereiro de 2016 
  9. «Modern art museum: Luxembourg's Princess Stéphanie is new MUDAM president». Wort.lu. Consultado em 1 de fevereiro de 2016 
  10. Luxembourg, Université du. «Scienteens Lab». Université du Luxembourg. Consultado em 1 de fevereiro de 2016. Arquivado do original em 21 de janeiro de 2016 
  11. «Modern art museum: Luxembourg's Princess Stéphanie is new MUDAM president». Wort.lu. Consultado em 1 de fevereiro de 2016 
  12. «Cidadãos Estrangeiros Agraciados com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "Grã-Duquesa Herdeira Stéphanie Marie Claudine Christine de Lannoy". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 27 de outubro de 2017 

Ligações externasEditar