Standard Oil Company

Standard Oil Company (18701911) foi a maior companhia de seu tempo, produzindo, transportando e refinando petróleo.[6]

Standard Oil Co. Inc.
Standard Oil Company logo c. 1911
Cleveland, Ohio Corporação (1870–1882)
Business Trust (1882–1892)
New Jersey Holding Company (1899–1911)[1]
Atividade Petróleo e Gás natural
Fundação 1870
Encerramento 1911
Locais Cleveland, Ohio (1870–1885)
New York City, New York (1885–1911)[2]
Pessoas-chave John D. Rockefeller, Fundador & Chairman
Stephen V. Harkness, investidor inicial
Henry M. Flagler, Executivo Sênior
John D. Archbold, Vice Presidente
William Rockefeller, Executivo Sênior & Representante em New York
Samuel Andrews, Químico & 1º Chefe de Operação de Refinaria
Charles Pratt, Executivo Sênior
Henry H. Rogers, Executivo Sênior
Oliver H. Payne, Executivo Sênior
Daniel O'Day, Executivo Sênior
Jabez A. Bostwick, Executivo Sênior & 1º Tesoureiro
William G. Warden,[3] Executivo Sênior
Jacob Vandergrift,[4] Executivo Sênior
Empregados 60,000 (1909)[5]
Produtos Combustível, Lubrificante, Petroquímica

HistóriaEditar

Fundada em 1870 por John D. Rockefeller e Henry Flagler como uma corporação em Ohio, foi a maior refinadora de petróleo do mundo em seu apogeu.[7] Sua história como uma das primeiras e maiores corporações multinacionais do mundo terminou em 1911, quando a Suprema Corte dos Estados Unidos decidiu que a Standard Oil era um monopólio ilegal.

A Standard Oil dominou o mercado de derivados de petróleo inicialmente por meio da integração horizontal (uma estratégia em fusões e aquisições) no setor de refino e, nos anos posteriores, da integração vertical (trata-se de uma reconfiguração dos processos, que passam a agregar etapas em uma mesma cadeia de valor); a empresa foi inovadora no desenvolvimento da confiança empresarial. A confiança da Standard Oil simplificou a produção e a logística, reduziu os custos e prejudicou os concorrentes. Críticos acusaram a Standard Oil do uso de preços agressivos para destruir concorrentes e formam um monopólio que ameaçava outras empresas.

Rockefeller dirigiu a empresa como seu presidente, até sua aposentadoria em 1897. Ele permaneceu o principal acionista e, em 1911, com a dissolução do fundo da Standard Oil em 34 empresas menores, Rockefeller tornou-se a pessoa mais rica da história moderna, como receita inicial dessas empresas individuais provou ser muito maior do que a de uma única empresa maior. Seus sucessores como ExxonMobil, Marathon Petroleum, Amoco e Chevron ainda estão entre as empresas com as maiores receitas do mundo. Em 1882, seu principal assessor foi John Dustin Archbold. Depois de 1896, Rockefeller desligou-se dos negócios para se concentrar em sua filantropia, deixando Archbold no controle. Outros dirigentes notáveis ​​da Standard Oil incluem Henry Flagler, desenvolvedor da Ferrovia da Costa Leste da Flórida e cidades turísticas, e Henry H. Rogers, que construiu a Ferrovia da Virgínia.[8][9][10]

No Brasil, era conhecida pelo nome Esso Brasileira de Petróleo. Essa denominação nacionalmente se difundiu bastante pelo fato da companhia ter sido a patrocinadora do mais importante radiojornal e telejornal do país nas décadas de 1940, 1950 e 1960: o Repórter Esso.


   
Refinaria Standard Oil No. 1 em Cleveland, Ohio, 1899
Posto da Standard em 1949

Breakup - A dissoluçãoEditar

Em 1911, com clamor público, contra o monopólio, em um clímax, a Suprema Corte dos Estados Unidos decidiu, no julgamento Standard Oil Co. de New Jersey v. Estados Unidos, que a Standard Oil de New Jersey deve ser dissolvida sob a Lei Antitruste Sherman e dividida em 34 empresas.[11][12] Duas dessas empresas eram Standard Oil de New Jersey (Jersey Standard ou Esso), que acabou se tornando Exxon, e Standard Oil of New York (Socony), que acabou se tornando Mobil; essas duas empresas posteriormente se fundiram na ExxonMobil.

Nas décadas seguintes, ambas as empresas cresceram significativamente. Jersey Standard, liderada por Walter C. Teagle, tornou-se o maior produtor de petróleo do mundo. Ela adquiriu 50% das ações da Humble Oil & Refining Co., uma produtora de petróleo do Texas. A Socony adquiriu uma participação de 45 por cento na Magnolia Petroleum Co., uma grande refinadora, comerciante e transportadora de oleodutos. Em 1931, a Socony se fundiu com a Vacuum Oil Co., uma pioneira do setor que remonta a 1866, e um spin-off crescente da Standard Oil em seu próprio direito.[12]

Na região da Ásia-Pacífico, Jersey Standard tinha produção de petróleo e refinarias na Indonésia, mas nenhuma rede de comercialização. A Socony-Vacuum tinha pontos de venda asiáticos fornecidos remotamente da Califórnia. Em 1933, Jersey Standard e Socony-Vacuum fundiram seus interesses na região em uma joint venture 50–50. A Standard-Vacuum Oil Co., ou "Stanvac", operava em 50 países, da África Oriental à Nova Zelândia, antes de ser dissolvida em 1962.

A entidade corporativa original da Standard Oil Company continua existindo e era a entidade operacional do Sohio; agora é uma subsidiária da BP.[13] BP continuou a vender gasolina sob a marca Sohio até 1991.[14] Outras entidades da Standard Oil incluem "Standard Oil of Indiana", que se tornou Amoco após outras fusões e uma mudança de nome na década de 1980, e "Standard Oil of California" que se tornou a Chevron Corp.

Empresas sucessorasEditar

A divisão da Standard Oil dividiu a empresa em 34 empresas distintas. As empresas sucessoras constituem o núcleo da atual indústria petrolífera dos Estados Unidos. (Várias dessas empresas foram consideradas entre as Sete Irmãs (The "Seven Sisters") que dominaram a indústria em todo o mundo durante grande parte do século XX.) Elas incluem:[15][16][17]

  • A Standard Oil of New Jersey (SONJ) - ou Esso (SO), ou Jersey Standard - fundiu-se com a Humble Oil para formar a Exxon, agora parte da ExxonMobil. As empresas Standard Trust Carter Oil, Imperial Oil (Canadá) e Standard of Louisiana foram mantidas como parte da Standard Oil of New Jersey após a separação.
  • Standard Oil of New York - ou Socony, fundida com Vacuum - renomeada Mobil, agora parte da ExxonMobil.
  • A Standard Oil of California - ou Socal - renomeada Chevron, tornou-se ChevronTexaco, mas voltou para a Chevron.
  • Standard Oil of Indiana - ou Stanolind, rebatizado de Amoco (American Oil Co.) - agora parte da BP.
  • A Standard's Atlantic e a empresa independente Richfield se fundiram para formar a Atlantic Richfield Company ou ARCO, posteriormente tornou-se parte da BP, posteriormente vendida para a Tesoro Corporation, agora parte da Marathon Petroleum e em processo de ser parcialmente rebatizada como Marathon ou Speedway dependendo da propriedade de cada estação. As operações do Atlântico foram desmembradas e compradas pela Sunoco.
  • A Continental Oil Company - ou Conoco - posteriormente se fundiu com a Phillips Petroleum Company para formar a ConocoPhillips, operações downstream e midstream desde então se separaram para formar a Phillips 66.
  • A Standard Oil of Kentucky - ou Kyso - foi adquirida pela Standard Oil of California, atualmente Chevron.
  • The Standard Oil Company (Ohio) - ou Sohio - a entidade corporativa original da Standard Oil, adquirida pela BP em 1987.
  • The Ohio Oil Co. - ou The Ohio - comercializava gasolina com o nome Marathon. As operações de upstream da empresa agora são Marathon Oil, enquanto as operações de downstream agora são conhecidas como Marathon Petroleum, e muitas vezes rivalizavam com a subsidiária da Standard no estado, Sohio.
Standard Oil Co. Inc
As Sete Irmãs, breakup 1911
The Ohio Oil Company
renomeada Marathon
Standard Oil of Ohio
renomeada Sohio
Standard Oil of New Jersey
renomeada Esso
Standard Oil of New York
renomeada Mobil
Standard Oil of California
renomeada Chevron
Standard Oil of Indiana renomeada AmocoStandard Oil of Kentucky
Humble Oil
Adiq 1959
Vacuum Oil Company
Adiq 1931
Texaco
Adiq 2000
Unocal Corporation
Adiq 2005
American Oil Company
Adiq 1925
ExxonMobil
Marathon PetroleumBPExxonMobilChevron

Outras empresas se desfizeram na separação de 1911:[15][16][17]

  • Anglo-American Oil Co. – adquirida pela Jersey Standard em 1930, agora Esso UK.
  • Buckeye Pipe Line Co.
  • Borne-Scrymser Co. ((produtos químicos
  • Chesebrough Manufacturing (adquirida pela Unilever)
  • Colonial Oil
  • Crescent Pipeline Co.
  • Cumberland Pipe Line Co. (adquirida pela Ashland)
  • Eureka Pipe Line Co.
  • Galena-Signal Oil Co.
  • Indiana Pipe Line Co.
  • National Transit Co.
  • New York Transit Co.
  • Northern Pipe Line Co.
  • Prairie Oil & Gas
  • Solar Refining
  • Southern Pipe Line Co.
  • South Penn Oil Co. – eventualmente tornou-se Pennzoil, agora parte da Shell.
  • Southwest Pennsylvania Pipe Line Co.
  • Standard Oil of Kansas
  • Standard Oil of Nebraska
  • Swan and Finch
  • Union Tank Lines
  • Vacuum Oil Co.
  • Washington Oil Co.
  • Waters-Pierce

Nota: A Standard Oil of Colorado não foi uma empresa sucessora; o nome foi usado para capitalizar a marca Standard Oil na década de 1930. A Standard Oil of Connecticut é uma empresa de marketing de óleo combustível não relacionada às empresas Rockefeller.

Outras operações da Standard Oil:

  • Standard Oil of Iowa - pré-1911 - comprada pela Chevron.
  • Standard Oil of Minnesota - pré-1911 - comprada pela Amoco.
  • Standard Oil of Illinois - pré-1911 - comprada pela Amoco.
  • Standard Oil of Missouri - pré-1911 - dissolvido.
  • Standard Oil of Louisiana - originalmente propriedade da Standard Oil of New Jersey (agora por Exxon).
  • Standard Oil of Brazil - originalmente de propriedade da Standard Oil of New Jersey (agora pela Exxon).

Referências

  1. «John D. and Standard Oil». Bowling Green State University. Consultado em 7 de maio de 2008 
  2. «Rockefellers Timeline». PBS. Consultado em 7 de maio de 2008 
  3. WARDEN WINTER HOME - Florida Historical Markers on Waymarking.com
  4. «Jacob Vandergrift…Transportation Pioneer | Oil150.com». Consultado em 18 de dezembro de 2014. Arquivado do original em 14 de março de 2012 
  5. The Project Gutenberg eBook of Random Reminiscences, by John D. Rockefeller
  6. ExxonMobil: Our history. Site oficial da ExxonMobil (Uma das sucessoras da Standard Oil), contando a história da empresa. Acessado dia 21 de novembro de 2007.
  7. «John D. Rockefeller and the Oil Industry | The Foundation for Economic Education: The Freeman, Ideas on Liberty». web.archive.org. 12 de março de 2007. Consultado em 4 de outubro de 2021 
  8. Hawke, David Freeman (1980). John D. The Founding Father of the Rockefellers. Harper & Row. ISBN 978-0060118136
  9. Grayson, Leslie E. (1987). Who and How in Planning for Large Companies: Generalizations from the Experiences of Oil Companies. p. 213. ISBN 9781349084128
  10. Hawke, David Freeman (1980). John D. The Founding Father of the Rockefellers. Harper & Row. pp. 145-150. ISBN 978-0060118136
  11. "The Sherman Antitrust Act and Standard Oil"
  12. a b «A Guide to the ExxonMobil Historical Collection, 1790-2004: Part 1». web.archive.org. 9 de janeiro de 2014. Consultado em 4 de outubro de 2021 
  13. "The Standard Oil Company; Ohio Charter No. 3675". Ohio Secretary of State. 1870-01-10
  14. «Standard Oil Company - Ohio History Central». web.archive.org. 25 de agosto de 2017. Consultado em 4 de outubro de 2021 
  15. a b Montague, Gilbert Holland. "The Rise and Supremacy of the Standard Oil Co.," Quarterly Journal of Economics, Vol. 16, No. 2 (February, 1902), pp. 265–292
  16. a b Nowell, Gregory P. (Gregory Patrick) (1994). Mercantile states and the world oil cartel, 1900-1939. Cornell University Press. [S.l.]: Ithaca, N.Y. : Cornell University Press 
  17. a b Bringhurst, Bruce. Antitrust and the Oil Monopoly: The Standard Oil Cases, 1890–1911. New York: Greenwood Press, 1979

Ligações externasEditar

 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Standard Oil Company