Abrir menu principal

Staying Alive

filme de 1983 dirigido por Sylvester Stallone
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde outubro de 2019). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde Fevereiro de 2008).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Staying Alive
A Febre Continua… (PRT)
Os Embalos de Sábado Continuam (BRA)
Stayingalive.jpg
 Estados Unidos
1983 •  cor •  96 min 
Direção Sylvester Stallone
Produção Robert Stigwood
Sylvester Stallone
Roteiro Sylvester Stallone
Norman Wexler
Baseado em Saturday Night Fever
de Norman Wexler
Tribal Rites of the New Saturday Night
de Nik Cohn
Elenco John Travolta
Cynthia Rhodes
Finola Hughes
Steve Inwood
Género drama
musical
romance
Música The Bee Gees
Cinematografia Nick McLean
Edição Peter E. Berger
Mark Warner
Don Zimmerman
Companhia(s) produtora(s) RSO Records
Distribuição Paramount Pictures
Lançamento Estados Unidos 11 de julho de 1983 (estreia no Grauman's Chinese Theatre)[1][2]
Idioma inglês
Orçamento US$ 22 milhões[3]
Receita US$ 64,8 milhões
Cronologia
Saturday Night Fever
Página no IMDb (em inglês)

Staying Alive (br: Os Embalos de Sábado Continuam / pt: A Febre Continua…) é um filme musical estadunidense de 1983 estrelado por John Travolta como dançarino Tony Manero, com Cynthia Rhodes, Finola Hughes, Joyce Hyser, Julie Bovasso e dançarinos Viktor Manoel e Kevyn Morrow. É uma sequência de Saturday Night Fever (1977). O filme foi dirigido por Sylvester Stallone, que também co-produziu e co-escreveu o filme com o produtor e escritor original do Saturday Night Fever, Robert Stigwood e Norman Wexler, respectivamente. Juntamente com Homefront, este é um dos dois únicos filmes que Stallone escreveu sem ser a estrela (embora ele tenha uma participação especial, que aparece no começo, na cena da multidão). A coreografia foi feita por Dennon e Sayhber Rawles.

O título do filme vem da música dos Bee Gees de mesmo nome, que foi usada como música tema do Saturday Night Fever' e também é tocada durante a cena final de Staying Alive. O título também reflete as circunstâncias de Tony no começo do filme, nas quais ele mal sobrevive enquanto persegue seu sonho de fazer carreira na dança.

Ao contrário do Saturday Night Fever, Staying Alive não teve tanto sucesso e detém uma pontuação de 0% no Rotten Tomatoes. No entanto, foi um sucesso de bilheteria, faturando US$65 milhões com um orçamento de US$22 milhões. Também apresentou o grande sucesso de Frank Stallone "Far from Over", que alcançou o 10º lugar nas paradas da Billboard Hot 100 e da Cashbox.

A HistóriaEditar

Tony Manero (John Travolta) trabalha agora em uma academia de ginástica e anseia ser o dançarino principal de um grande show da Broadway. Em sua vida particular ele se vê dividido entre duas mulheres: Jackie (Cynthia Rhodes), uma professora de dança que trabalha no mesmo lugar de Tony, e Laura (Finola Hughes), a dançarina principal do show da Broadway. Enquanto Tony se apaixona por Laura ela só o vê como alguém atraente que serve para fazer sexo, o que gera uma rivalidade entre eles na vida profissional.

Neste filme, Tony Manero está seis anos mais velho e, tendo deixado o Brooklyn, onde morava, vive agora em Manhattan, ministrando aulas de dança, enquanto aguarda uma oportunidade para mostrar todo seu talento numa das produções da Broadway.

ElencoEditar

Alguns atores do primeiro filme também foram incluídos no elenco, mas suas performances foram cortadas: Donna Pescow apareceu na platéia na estréia de Tony na Broadway e Val Bisoglio apareceu como o pai de Tony em um pequeno papel. Sua cena foi apagada, e o filme implica vagamente que ele morreu.

ProduçãoEditar

Desenvolvimento e escritaEditar

 
Kersti Adams-Ray entrevista John Travolta na Suécia sobre Staying Alive, setembro de 1983

O produtor e escritor do Saturday Night Fever, Robert Stigwood e Norman Wexler, começaram a planejar uma sequência logo após o lançamento do filme original, em 1977, devido ao sucesso do filme. Eles criaram o título Staying Alive, e Wexler escreveu um roteiro. Travolta estava aberto à idéia de uma sequência, mas não gostou do pessimismo do roteiro, pensando que seu personagem, Tony Manero, precisava ver mais sucesso como dançarino.[4] Stigwood e executivos da Paramount Pictures passaram os próximos anos tentando convencer Travolta a filmar o roteiro como escrito, mas sem sucesso. [4] O projeto ficou aguardando até ser abandonado, mas, em 1981, Stigwood se reuniu com Travolta para obter as opiniões de Travolta sobre como uma sequência deveria acontecer. Travolta afirmou que queria que Manero tentasse uma carreira de dança na Broadway e acabasse em um papel de liderança devido ao seu talento.[4] Wexler escreveu outro roteiro baseado nas idéias de Travolta, nas quais Manero se torna dançarino da Broadway, mas permanece no coro de dançarinos. Travolta concordou em participar do filme, apesar de preferir um final mais parecido com o que ele imaginara: ele concordou que o final de Wexler era um resultado mais realista, mas achou que não seria suficientemente excitante para o público.[4]

Chegou a hora de encontrar um diretor para Staying Alive, e Travolta, que acabara de ver o filme Rocky III (que Stallone escreveu, dirigiu e estrelou), disse a seu agente que queria um diretor que pudesse trazer a energia e o ritmo do filme. esse filme para ficar vivo. Para surpresa de Travolta, a Paramount, com a ajuda do então chefe de estúdio Michael Eisner, conseguiu atrair Stallone. [4] Travolta contou a Stallone sobre sua idéia para um final mais feliz, e Stallone reescreveu o roteiro para corresponder mais à visão de Travolta. Stallone também tornou o personagem Manero mais maduro - já que o personagem era agora seis anos mais velho do que no filme original - e tornou a linguagem do filme mais doméstico do que o do primeiro filme, para garantir que ele recebesse uma classificação de PG.[4]

Sob a supervisão de Stallone, Travolta passou cinco meses fazendo treinamento rigoroso para desenvolver o físico de um dançarino para o filme, perdendo seis quilos no processo.[4]

MúsicaEditar

Trilha sonoraEditar

 Ver artigo principal: Staying Alive (trilha sonora)
Staying Alive: Original Motion Picture Soundtrack
de Bee Gees
Lançamento junho de 1983 (EUA)
julho de 1983 (Reino Unido)
Gravação fevereiro–março de 1983
Middle Ear, Miami Beach, Flórida, Estados Unidos
Gênero(s) Rock, soft rock, funk, R&B, new wave, dance
Gravadora(s) RSO Records
Produção Bee Gees, Albhy Galuten, Karl Richardson
Cronologia de Bee Gees
 
Living Eyes
(1981)
E.S.P.
(1987)
 

A trilha sonora foi lançada em 1983 e é executada principalmente pelos Bee Gees. Cinco novas músicas de Bee Gees (todas com vocais de Barry Gibb) ocuparam o primeiro lado, com o segundo lado apresentando vários artistas tocando músicas escritas principalmente por Frank Stallone, irmão do diretor do filme Sylvester Stallone. A trilha sonora alcançou o número 14 no Reino Unido, o número 6 nos Estados Unidos, o número 1 na Suíça e o número 2 na Itália e no Japão, e vendeu 5 milhões de cópias em todo o mundo. O LP foi a trilha sonora final e as músicas finais dos Bee Gees lançadas sob o selo RSO.

RecepçãoEditar

BilheteriaEditar

Apesar de ser um fracasso crítico, Staying Alive foi um sucesso comercial. O filme estreou com o maior final de semana de um filme musical de todos os tempos, com um total de $ 12.146.143 em 1,660 telas.[5][6] No geral, o filme arrecadou quase US$65 milhões nas bilheterias dos EUA contra seu orçamento de US$22 milhões. No mundo todo, arrecadou US$127 milhões. Embora a bilheteria dos EUA tenha sido significativamente menor do que os US$139,5 milhões[7] ganhos por Saturday Night Fever, o filme foi classificado entre os dez filmes de maior sucesso financeiro de 1983.

Resposta da críticaEditar

Staying Alive foi criticado por críticos de cinema. Roger Ebert criticou o filme, especialmente o número final, que ele zombou por incluir "fogo, gelo, fumaça, luzes piscantes e raios laser". Ebert acrescentou que o que mais faltava no filme era "o senso de realidade no Saturday Night Fever... Não há bairro antigo, nenhum confronto vulgar com sua família (ele pede desculpas à mãe por sua "atitude"!) e nenhuma excentricidade no Brooklyn".[8] Em 2006, Entertainment Weekly apelidou Staying Alive a "Pior Sequência de Todas".[9] Muitos críticos foram unânimes em concordar que o filme não continha a coragem e o realismo que Saturday Night Fever possuía. Baseado em 24 opiniões no Rotten Tomatoes, tem uma pontuação de 0%, com uma média ponderada de 2,68/10. O consenso do site diz: "Esta sequência de Saturday Night Fever é chocantemente embaraçosa e desnecessária, trocando a profundidade dramática do original por uma série de sequências de dança sem inspiração".[10]

Principais prêmios e nomeaçõesEditar

Nomeado: Canção Original ("Far from Over")
Nomeado: Pior Ator (John Travolta)
Nomeado: Pior Nova Estrela (Finola Hughes)
Nomeado: Pior Atriz Coadjuvante (Finola Hughes)
Nomeado: Melhor álbum da trilha sonora original escrita para um filme ou especial de televisão

Ver tambémEditar

Referências

  1. «Staying Alive». AFI Catalog of Feature Films. American Film Institute. Consultado em 11 de junho de 2018. ... the 22 Jun 1983 Var announced premiere events in Los Angeles at the Chinese Theatre on 11 Jul 1983, and in New York City at the Ziegfeld Theater on 13 Jul 1983 ... 
  2. Galella, Ron (11 de julho de 1983). Smeal, Jim, ed. John Travolta and Sylvester Stallone during 'Stayin' Alive' Premiere (photography). Seattle: Getty Images. 115412569 
  3. «PowerGrid Project: Staying Alive». The Wrap. Consultado em 13 de junho de 2014 
  4. a b c d e f g Farber, Stephan (10 de julho de 1983). «'Staying Alive' Revives Travolta». The New York Times 
  5. Murphy, Arthur D. (31 de outubro de 1989). «Leading North American Film Boxoffice Weekends in History». Daily Variety. p. 53 
  6. Staying Alive (em inglês) no Box Office Mojo
  7. «Staying Alive». The Numbers 
  8. Roger's Ebert's review of Staying Alive
  9. "The Worst Sequels Ever — Staying Alive Entertainment Weekly issue #867. 10 de março de 2006.
  10. «Staying Alive - Rotten Tomatoes». Rotten Tomatoes. Consultado em 2 de julho de 2019 

Ligações externasEditar