Abrir menu principal
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde julho de 2019). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Stella Miranda
Stella em 2015, no 26º Prêmio da Música Brasileira
Nome completo Maria Stela de Lima e Campos Azevedo Miranda
Nascimento 5 de outubro de 1950 (68 anos)
São Paulo, SP
Nacionalidade Brasil brasileira
Cônjuge Márcio Miranda (1974-1977)
Diduche Worcman (1984-1988)
Filho(s) Nicola Miranda Worcman
Ocupação atriz, diretora e jornalista
Principais trabalhos Álvara em Toma Lá, Dá Cá
Socorro em Salsa e Merengue

Stella Miranda, nome artístico de Maria Stela de Lima e Campos Azevedo Miranda (São Paulo, 5 de outubro de 1950) é uma atriz, diretora e jornalista brasileira.

BiografiaEditar

Maristela Azevedo de Miranda nasceu na capital paulista em 05 de outubro de 1950. Stella, além de atriz, é diretora e jornalista. Formou-se em jornalismo aos 23 anos. Saiu de casa e foi para a França com o primeiro marido, Márcio Miranda. Formou-se em 1979 na École Jacques Lecoq de Paris, sendo a primeira brasileira admitida no curso de interpretação.

Estreiou no ano de 1978 no grupo Companhia Tragicômica Jaz-o-Coração, em O Triste Fim de Policarpo Quaresma, adaptação de Lima Barreto pelo diretor Buza Ferraz[1]. Desde então, participou de inúmeros grandes espetáculos como atriz e diretora, além de escrever e produzir musicais de sucessos, ganhando alguns dos prêmios mais significativos do teatro brasileiro, como o Sharp (melhor musical), Shell e Governador do Estado (melhor atriz).

Trabalhou brilhantemente na direção e autoria de diversas peças de teatro, que lhe renderam destaque e prestígio no meio artístico. Sua estreia como autora se deu em 1982, quando criou o espetáculo As Bodas de Felissa, onde também encenou.[1] Em 1985, em parceria com Tim Rescala, cria a peça Bel Prazer. Dirigiu peças de sucesso de crítica, como: Subversões 3 - Unplugged (1995), Metralha (1996) e Salém da Imaginação (1998).

Concomitantemente, Stella também construiu carreira na televisão, em especial nas produções de Miguel Falabella. Fez sua estreia na teledramaturgia em 1987 na telenovela Direito de Amar de Walther Negrão, na Rede Globo, com uma participação especial interpretando a cantora Mingion[2]

No final do ano de 1988, integrou o elenco do programa humorístico especial de fim de ano Grupo Escolacho, com texto de seu parceiro no teatro Miguel Falabella, na Rede Globo. Em 1989 transfere-se para a Rede Manchete para realizar uma participação especial na telenovela Kananga do Japão, onde interpretara a cantora Carmen Miranda.[3] Em 1990, retorna à Rede Globo para integrar o elenco principal do seriado Delegacia de Mulheres onde deu vida à assistente social Paula.

Regressa às novelas em 1996 a convite de Miguel Falabella para Salsa e Merengue, telenovela do horários das sete na Rede Globo. Na trama, ela interpretou a fofoqueira Maria do Socorro. Seu personagem fez sucesso e lhe rendeu o prêmio de melhor atriz coadjuvante no Melhores do Ano do Domingão do Faustão. [4]

Em 2001 volta aos palcos atuando em South American Way, musical de 2001 com texto de Miguel Falabella e Maria Carmem Barbosa, em que ela deu vida a Carmen Miranda, em parceria com Soraya Ravenle. Sua atuação foi sucesso de crítica e lhe rendeu os prêmios Shell e Governador do Estado de melhor atriz.[5]

A convite do ator e diretor Miguel Falabella, seu grande amigo e gestor da Rede Municipal de Teatro do Rio de Janeiro, Stella Miranda assumiu a Sala Baden Powell em março de 2003.

Em 2005, Stella regressou às novelas, novamente a convite de Miguel Falabella. Integrou o elenco de A Lua me Disse interpretando a vilã Adalgisa Goldoni, que junto com sua irmã Adail (Bia Nunnes), inferniza a vida da irmã mais velha Ademilde (Arlete Salles).[6] Sua personagem causou polêmica nas cenas em que humilhava a indígena Jaci. Após avaliar as cenas em que a empregada indígena Jaci, interpretada pela atriz Bumba, era constantemente humilhada pelas personagens de Stella Miranda e Bia Nunnes, o Ministério Público Federal vetou este tipo de comportamento na novela, considerando que as cenas eram "constrangedoras ou degradantes" e classificando como racismo.[7]

De 2007 a2009 ela deu vida à personagem mais marcante de sua carreira, a síndica do condomínio Jambalaya Dona Álvara, do sitcom Toma Lá, Dá Cá.

Participou da peça musical Império, de Miguel Falabella, que conta um pouco da história do primeiro reinado brasileiro, e onde ela deu a vida à Carlota Joaquina. Participou também do elenco do filme Polaróides Urbanas, de Miguel Falabella. Escreveu, produziu e atuou na peça Caidaça, em 2008. Em 2011 esteve presente na telenovela Aquele Beijo interpretando a divertida Locanda Barbosa. [8]

Em 2017, assinou contrato com o SBT para integrar o elenco da novela Carinha de Anjo. Na trama, ela interpretou a milionária Noêmia. Em 2018 voltou à Globo para fazer a telenovela Deus Salve o Rei, interpretando a rainha Gertrudes.

FilmografiaEditar

TelevisãoEditar

Ano Título Papel Nota
1987 Direito de Amar Mignon
1988 Grupo Escolacho Vários personagens Humorístico
1989 Kananga do Japão Carmem Miranda Participação especial
1990 Delegacia de Mulheres Paula Pinto
1995 Você Decide Episódio: "A Barbada do Além"
1996– 97 Salsa e Merengue Maria do Socorro
2005 A Lua me Disse Adalgisa Goldone
2006 Minha Nada Mole Vida Psicóloga Lucy Gandolfe Episódio: "Piada de Português"
Sob Nova Direção Elza Neves Episódio: "Dá Um Tempo, Garota!"
2007 A Diarista Marininha Episódio: "Teu Cabelo Não Nega"
2007– 09 Toma Lá, Dá Cá Álvara Miranda
2010 A Vida Alheia Moema Episódio: O Filme Americano
Ti Ti Ti Madame Latifa Participação especial
Zorra Total Carlota Joaquina Episódio: "18 de setembro"
2011– 12 Aquele Beijo Locanda Barbosa[9]
2013 Pé na Cova Jandira Episódio: O Céu Que Nos Espera
Uma Rua Sem Vergonha Dona Matilde Episódio: Miss Prado Júnior
2014 As Canalhas Inês Episódio: "Soraya"
2016 Terminadores Ruth
2017 Carinha de Anjo Noêmia Medeiros
2018 Brasil a Bordo Almira
Deus Salve o Rei Rainha Gertrudes[10] Episódios: "02–27 de junho"
2020 Hebe Dercy Gonçalves [11]

CinemaEditar

Ano Título Personagem
1982 Um Casal de 3 [12]
1983 No Mundo da Lua Sra. Menezes
2008 A Neurose de Júlia Júlia
Polaróides Urbanas Dulce
2013 Mulheres Luminosas Gilka Machado
2015 Mulheres no Poder Ministra Ivone Feitosa
Linda de Morrer Gilda Bayão
Qualquer Gato Vira-Lata 2 Gláucia
2017 Duas de Mim Doceira Mágica
2019 Hebe - A Estrela do Brasil Dercy Gonçalves[13]

No TeatroEditar

  • 2015 - Miranda Por Miranda
  • 2013 - A Madrinha Embriagada - Madrinha
  • 2012 - Gozados
  • 2012 - Suversões 2.1
  • 2011 - Sete por Dois
  • 2009 - Miranda por Miranda
  • 2008 - Caidaça - Jesca Azurita
  • 2007 - Império - Carlota Joaquina
  • 2001 - South American Way - Carmem Miranda
  • 1988 - Caidaça na Fossa - Tom Waits
  • 1988 - Qualquer Nota
  • 1987 - Uma Noite com Stella Miranda e Miguel Falabella
  • 1985 - Bel Prazer
  • 1983 - O Analista de Bagé
  • 1983 - Galvez, o Imperador do Acre
  • 1982 - As Bodas de Felissa
  • 1980 - As Mil e Uma Encarnações de Pompeu Loredo
  • 1979 - Ópera do Malandro
  • 1978 - Mistério Bufo
  • 1978 - Triste Fim de Policarpo Quaresma

Ficha TécnicaEditar

Como Autora

  • 2009 - Miranda por Miranda
  • 2008 - Caidaça
  • 2000 - Crioula
  • 1999 - Café Satie: Memórias de um Amnésico
  • 1996 - Metralha
  • 1985 - Bel Prazer
  • 1982 - As Bodas de Felissa

Como Diretora

  • 2012 - Gozados
  • 2012 - Subversões 2.1
  • 2011 - Sete por Dois
  • 2008 - Caidaça
  • 2008 - Übber
  • 2006 - As Alegres Comadres
  • 2000 - Subversões 3 ½
  • 2000 - Crioula
  • 1999 - Café Satie: Memórias de um Amnésico
  • 1998 - Salém da Imaginação
  • 1996 - Metralha
  • 1995 - Subversões 3 - Unplugged

Prêmios e IndicaçõesEditar

Ano Premiação Categoria Nomeação Resultado
1997 Melhores do Ano Melhor Atriz Coadjuvante
Salsa e Merengue
Venceu
2001 Prêmio Shell Melhor Atriz
South American Way
Venceu
Prêmio Governador do Estado Melhor Atriz Venceu
2005 Prêmio Qualidade Brasil Melhor atriz coadjuvante
A Lua me Disse
Indicada

Referências

  1. a b STELLA Miranda. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2019. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa350873/stella-miranda>. Acesso em: 18 de Jul. 2019. Verbete da Enciclopédia. ISBN: 978-85-7979-060-7
  2. Nilson Xavier. Direito de Amar - Ficha Técnica Teledramaturgia. Consultado em 17 de jul de 2019
  3. «Kananga do Japão — Teledramaturgia». Teledramaturgia. Consultado em 29 de dezembro de 2013 
  4. Salsa e Merengue - Galeria de Personagens Memória Globo. (18 de jul, 2019)
  5. LUIZ, Macksen. LUIZ, Macksen. Vitalidade e frescor cênico. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 30 jun. 2001.
  6. A Lua me Disse - Galeria de Personagens Memória Globo. (19 de jul, 2019)
  7. «Procuradora veta ofensa a índia na novela "A Lua me Disse"». Folha de S.Paulo. 30 de agosto de 2005. Consultado em 4 de julho de 2016 
  8. Locanda Barbosa - Aquele Beijo Gshow (17 de jul, 2019)
  9. Redação Veja (29 de setembro de 2011). «Falabella e seus amigos apresentam 'Aquele Beijo'». Veja. Consultado em 15 de outubro de 2011 
  10. https://portalonline1.wordpress.com/2018/05/29/apos-participacao-em-carinha-de-anjo-stella-miranda-fara-deus-salve-o-rei/
  11. «Stella Miranda, Cláudia Missura e Karine Telles farão a série "Hebe Camargo"». Noticiasdetv.com. 10 de julho de 2018. Consultado em 26 de fevereiro de 2019 
  12. «Um Casal de 3». Cinemateca Brasileira. Consultado em 27 de julho de 2017 
  13. Patrícia Kogut (4 de julho de 2018). «Stella Miranda será Dercy Gonçalves no filme e na série sobre Hebe Camargo». O Globo. Consultado em 13 de março de 2019 

Ligações ExternasEditar

  Este artigo sobre uma atriz é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.