Suaquém

Suaquém[1][2][3] (em árabe: سواكن Sauakin; em inglês: Suakin) é uma cidade e porto sudanês situado no Mar Vermelho.

Suaquém é uma cidade histórica do Sudão no litoral do Mar Vermelho. Há pouco além de ruínas e entulho
Suaquém em 1928: um porto fervilhante do Sudão, cheio de construções históricas datando sobretudo dos séculos XVII e XVIII

HistóriaEditar

Suaquém foi, até as primeiras décadas do século XX, o principal porto da região, mas a inauguração de Porto Sudão, situada 45 km ao norte, e aparelhada para receber os grandes navios que passaram a frequentar a região após a abertura do Canal de Suez determinou sua inexorável decadência. Desde a antiguidade, o porto, mencionado pelos gregos e pelos romanos, foi um ativo centro de comércio, tendo como produtos de destaque, o incenso, a mirra, a goma arábica, o aloé e o elemi. Também conhecida pelo seu mercado de escravos que teria sido o último a ser extinto em todo o mundo.

Há indícios de que teria sido até o século XIV, um núcleo importante do cristianismo, e ponto de partida para os peregrinos procedentes do reino da Núbia e da ilha de Socotorá, então povoados por cristãos, e da Etiópia. São conhecidos os contactos com comerciantes venezianos, além da passagem de Pero da Covilhã nos fins do século XV, enviado por Portugal, em missão destinada a contactar o reino cristão do Preste João. A cidade é citada nos Lusíadas de Luis de Camões e, apesar de ter sido invadida em 1517 pelo sultão Selim I, manteve intercâmbio comercial com os portugueses durante tudo o século XIX.

Sob jugo otomano acabou sendo convertida definitivamente em residência do Paxá, com jurisdição sobre a província de Habes que incluía toda região costeira correspondente ao Sudão e a Eritreia, até sua ocupação pelos ingleses em 1888. No século XIX foi freqüentemente visitada por Rimbaud, depois que, abandonando a literatura, passou a se dedicar ao comércio. A bela cidade antiga, construída em uma ilha no interior de um braço de mar, e cujos edifícios eram constituídos de material coralíneo retirado dos recifes das proximidades, foi reduzida, no decurso dos últimos 50 anos a um monte de entulhos, mas há projetos sendo iniciados visando sua restauração.

Em 17 de janeiro de 2018, como parte de uma aproximação com o Sudão, a Turquia recebeu soberania provisória de 99 anos sobre a ilha de Suaquém, uma antiga possessão otomana no Mar Vermelho.[4][5]

DemografiaEditar

Suaquém tem 29 659 habitantes (dados de 2007).

Desenvolvimento populacional:

Ano Habitantes[6]
1973 (censo) 5 895
1983 (censo) 18 030
2007 (estimativa) 29 659

Referências

  1. Dicionário Onomástico Etimológico da Língua Portuguesa
  2. Gonçalves, Rebelo (1947). Tratado de Ortografia da Língua Portuguesa. Coimbra: Atlântida - Livraria Editora. p. 365 
  3. «Os Lusíadas, de Camões» 
  4. «La Turquie de retour sur la mer Rouge» (em francês). Le Monde. Consultado em 5 de fevereiro de 2018 
  5. «O Aumento das Tensões Entre a Turquia e o Egito, a Propósito da Ilha de Suakin». Jornal de Relações Internacionais. Consultado em 5 de fevereiro de 2018 
  6. «World Gazetteer: Sudan - die wichtigsten Städte». bevoelkerungsstatistik.de. Consultado em 26 de junho de 2008 
 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Suaquém
  Este artigo sobre o Sudão é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.