Abrir menu principal
Suburbia
Informação geral
Formato Série
Gênero Drama
Duração 40 min. (aproximadamente)
Criador(es) Luiz Fernando Carvalho
Paulo Lins
País de origem  Brasil
Idioma original português
Produção
Diretor(es) Luiz Fernando Carvalho
Elenco Érika Januza
Fabrício Boliveira
Pablo Moraes
Cridemar Aquino
Ana Karina Gurgel
Rosa Maria Colyn
Haroldo Costa
Dani Ornellas
Dadá Coelho
Ana Peróla
Alice Coelho
Alice Morena
Alex Cezario
Tema de encerramento "Pra Swingar" - Som Nosso de Cada Dia
Exibição
Emissora de televisão original Brasil Rede Globo
Formato de exibição 1080i (HDTV)
480i (SDTV)
Transmissão original 1º de novembro de 201220 de dezembro de 2012
N.º de temporadas 1
N.º de episódios 8

Suburbia é uma série de televisão brasileira, produzida e exibida pela Rede Globo entre 1º de novembro e 20 de dezembro de 2012, em 8 episódios. O texto original é de autoria de Luiz Fernando Carvalho e Paulo Lins, com direção-geral de Luiz Fernando.[1][2][3] Para o antropólogo Luiz Eduardo Soares, o trabalho foi um "leitura reconstrutiva da sociedade carioca, promovendo um resultado soberbo".[4]

ProduçãoEditar

A estética realista influenciou a linguagem da minissérie como um todo. Para mantê-la mais próxima da realidade, o diretor Luiz Fernando Carvalho buscou a escalação de não atores para os papéis principais. Entre os quase 40 atores lançados em Suburbia, estão artistas dos grupos Nós do Morro e Afroreggae.[5][6]

Érika Januza, até então secretária de uma escola no interior de Minas Gerais, foi a escolhida para viver a protagonista da história. Entre as participações especiais, Fabrício Boliveira, Rosa Marya Colin, Haroldo Costa, Maria Salvadora, Paulo Tiefenthaler e Dani Ornellas.[7][8]

ExibiçãoEditar

Em dezembro de 2012, a Rede Globo renovou a série para uma segunda temporada para 2013, devido aos satisfatórios índices de audiência. A nova temporada teria 8 ou 10 capítulos. Porém mais tarde, o criador da série, Luiz Fernando Carvalho, anunciou o cancelamento da mesma.[9]

A série também foi reexibida em 2 capítulos, na segunda temporada do festival Luz, Câmera, 50 Anos da Rede Globo, em 19 de maio a 21 de maio de 2015, substituindo Dona Flor e seus Dois Maridos, e sendo substituída por A Mulher Invisivel.

EnredoEditar

Conceição (Débora Fidelix Nascimento /Érica Januza), menina pobre que deixa o interior de Minas Gerais em busca de uma vida nova, longe dos fornos de carvão. Ela foge num trem de carga para o Rio de Janeiro, onde, tempos depois, é acolhida por uma amorosa família do subúrbio carioca. Ali ela se apaixona por Cleiton (Fabrício Boliveira), o jovem trabalhador e revoltado que cresceu sem pai e vive na fronteira entre o bem e o mal. Ceição vira estrela dos bailes funk, mas não perde a pureza, reafirmando sua integridade diante dos obstáculos que a vida lhe apresenta. No cruzamento de histórias de vida presente na trama, os personagens se veem às voltas com uma questão preciosa a todos nós: como manter a noção de justiça e os princípios éticos e morais em uma era marcada por violência, desigualdades e decadência de valores?

ElencoEditar

  • Érika Januza - Conceição Nascimento (Suburbia)[10]
  • Fabrício Boliveira - Cleiton
  • Dani Ornellas - Vera
  • Rosa Marya Colin - Mãe Bia
  • Haroldo Costa - Seu Aloysio
  • Maria Salvadora - Margarida
  • Cridemar Aquino - Moacyr
  • Ana Kariny Gurgel - Bete
  • Tatiana Tibúrcio - Amelinha
  • Paulo Verlings - Lila
  • Alice Coelho - Maria Rosa
  • Arthur Bispo - Lourival
  • Ana Pérola - Jéssica
  • Flávio Rocha - Tutuca
  • Pablo Morais - Bacana
  • Wallace Rocha - Dudu
  • Lecão Magalona - Lulu
  • Paulo Tiefenthaler - Costa
  • Juliana Louise - Andreisse
  • Gabriel Lima - Leandro
  • Bruna Miglioranza - Sylvia
  • Alex Teix - Cássio
  • Jennifer Loiol - Vilma
  • Mariana Alves - Regina
  • Alice Morena - Débora
  • Ana Luiza Quintiliano - Mariza
  • Alex Brasil - Reinan
  • Kenya Costta - Dona Doca
  • Mário Guto - Fredo
  • Luis Nascimento - Assis
  • Dério Chagas - Jarbinha
  • Ramon Francisco - Chico
  • Marcelo Capobiango - Seu Valmir
  • Ricardo Ferreira Lopes - Índio
  • Maria Eduarda Soares - Lúcia
  • Dhonata Augusto - Geraldinho
  • Enrico Azevedo - Jorge
  • Hugo Germano - Pará
  • Felipe Botelho - Brasão
  • Hugo Raphael de Souza - Tião
  • Sérgio Ricardo Loureiro - Marcinho
  • Wallace Costa - Carlinhos
  • Dione dos Santos - Pastor
  • Serafina Terezinha Pereira - Mãe de Conceição
  • Luiz Manoel de Souza - Pai de Conceição
  • Luís Delfino - Frentista
  • Alex Cezario - Pastor/Aluno Sala Cleiton
  • Adryano Matianellu - Aluno Sala Cleiton
  • Andre Dread - Aluno Sala Cleiton
  • Cassio Ardues - Aluno Sala Cleiton
  • Leonardo Imperador - Aluno Sala Cleiton
  • Vanessa Corrêa - Aluna Sala Cleiton
  • Dadá Coelho - Professora de Cleiton
  • Débora L. Fidelix Nascimento - Conceição (Criança)

Trilha sonoraEditar

 
HQ inspirado no seriado.

A série teve uma trilha sonora composta de samba, jongo, funk, funk carioca e música romântica, representada em canções de Clementina de Jesus ("O Canto dos Escravos"), Lazir Sinval ("Vida ao Jongo"), Arlindo Cruz e Zeca Pagodinho ("Bagaço da Laranja"), MC Marcinho (“Garota Nota 100”), Roberto Carlos e Erasmo Carlos (“As Canções que Você Fez Para Mim”) e Cartola ("As Rosas Não Falam"). Como tema de abertura foi escolhida a canção "Pra Swingar" do extinto grupo Som Nosso de Cada Dia, lançada em 1976, o produtor André Mehmari criou uma trilha incidental, o cantor e compositor Ed Motta, também colaborou com a trilha, compondo um tema inspirado nos filmes blaxploitation, compostas por artistas da música negra americana, apesar da série possuir uma trilha, a emissora não cogitou lança-la em CD[11].

Versão em quadrinhosEditar

A série foi adaptada para o formato de história em quadrinhos, pelo quadrinista Pedro Franz, publicada no formato 25,5 x 35 cm e com 64 páginas[12], a revista foi publicada pela LFC Produções, Globo Marcas e pelo estúdio Retina 78.[13]

RecepçãoEditar

Para o crítico Rodrigo Fonseca. do jornal O Globo, "Luiz Fernando Carvalho desbrava a periferia no seriado ‘Subúrbia’ (...) De flerte com o realismo num registro quase documental, incomum à sua estética de tintas barrocas e verve operística, o diretor de “Hoje é dia de Maria” (2005) e “Afinal, o que querem as mulheres?” (2010) busca uma visão menos folclorizada de Madureira, Quintino e outros pontos do subúrbio".[14]

Na avaliação de Joyce Pascowitch, da revista Glamurama, "a minissérie Suburbia é uma das melhores atrações da TV no ano".[15]

Sobre a obra, Fernanda Furquim, da Revista Veja, opina que é "mais uma bela produção do diretor, que se destaca na Globo como um dos poucos a conseguir fazer um trabalho mais autoral."[16]

Referências

  1. Maurício Stycer (1 de novembro de 2011). «Seriado olha com realismo, mas carinho para a dura vida no subúrbio». UOL. Consultado em 14 de abril de 2017 
  2. Luiz Zanin (3 de novembro de 2012). «Suburbia: uma entrevista com Luiz Fernando Carvalho». Estadão. Consultado em 14 de abril de 2017 
  3. Redação Rede Globo (24 de outubro de 2012). «História de amor e drama social são destaques em Suburbia». Globo.com. Consultado em 1 de junho de 2017 
  4. Luiz Eduardo Soares (15 de novembro de 2011). «Luiz Eduardo Soares escreve sobre a intensidade da forma em 'Suburbia'». O Globo. Consultado em 14 de abril de 2017 
  5. Larissa Moggi (19 de outubro de 2012). «Sem atores profissionais, 'Suburbia' foge da linha tradicional». Portal Terra. Consultado em 1 de junho de 2017. O diretor (...) apresenta agora uma "desconstrução" da sua linha de trabalho, com o seriado Subúrbia. Diferentemente das dramaturgias tradicionais da emissora, o seriado, que estreia em 1º de novembro, traz um elenco formado por atores não-profissionais e até por não-atores, em sua maioria 
  6. Sylvia Colombo (30 de julho de 2012). «Negro é lindo». Folha de S.Paulo. Consultado em 1 de junho de 2017. O diretor considera que a série busca, através do real, uma reflexão social: 'É um realismo a ser superado, no sentido de que o real é o que todas as pessoas devem enfrentar como um obstáculo moral. O real é opressor para muitos. O peso do real deve ser sentido a fim de que a luta contra ele também seja possível' 
  7. Patricia Kogut (3 de dezembro de 2012). «Naturalidade e ausência de pose: o mundo de 'Suburbia'». O Globo. Consultado em 24 de abril de 2017. São cerca de 40 atores que a TV nunca viu. Além disso, a condução certeira de Luiz Fernando Carvalho serviu para que a inexperiência se transformasse num valor. (...) Este frescor contagia tudo. Não se veem situações repetidas, tipos estereotipados, aquilo que se pode chamar de decalques de algo que um dia teve cor forte e foi original. Suburbia não é só um bom programa. Provoca também uma discussão muito oportuna sobre a própria televisão. 
  8. Zean Bravo (3 de dezembro de 2012). «Ex-gari e ex-secretária ganham papéis principais em 'Suburbia'». O Globo. Consultado em 24 de abril de 2017. Este elenco vai ter uma grande importância e se destacará justamente pelos nomes desconhecidos. Além disso, os atores são, em sua maioria, negros. Acho que nunca se viu isso na Globo 
  9. Patrícia Kogut (10 de abril de 2013). «Luiz Fernando Carvalho desiste da segunda temporada de 'Suburbia'». Jornal OGlobo. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 31 de março de 2017 
  10. Rodrigo Fonseca (8 de setembro de 2012). «Nasce uma estrela nos céus de 'Subúrbia': a mineira Erika Januza é a revelação da série». O Globo. Consultado em 1 de junho de 2017. Entre as características que estabeleceram Luiz Fernando Carvalho no panteão dos melhores diretores de TV do Brasil está sua habilidade para revelar atrizes. Tem sido assim desde seus primeiros trabalhos solos como diretor na Globo (...) A eleita de “Subúrbia” é Erika Januza, mineira de Contagem, nascida há 27 anos, cujo ganha-pão, até abril, quando foi selecionada para a série, era um cargo administrativo numa escola em Belo Horizonte 
  11. Renato Damião (2 de novembro de 2012). «Autor do tema de "Suburbia" diz que soube por amigos que canção de 1976 virou trilha da série». UOL 
  12. Télio Navega (14 de dezembro de 2012). «Depois da Barba cortada». Gibizada 
  13. Érico Assis (22 de outubro de 2012). «Suburbia - Minissérie da Globo será acompanhada de HQ de Pedro Franz». Omelete. Consultado em 14 de março de 2014 
  14. Rodrigo Fonseca (8 de setembro de 2012). «Luiz Fernando Carvalho desbrava periferia no seriado Suburbia». O Globo. Consultado em 1 de junho de 2017 
  15. Joyce Pascowitch (14 de dezembro de 2012). «A minissérie Suburbia é uma das melhores atrações da TV no ano». Glamurama. Consultado em 1 de junho de 2017 
  16. Fernanda Furquim (2 de novembro de 2012). «Review – 'Suburbia', primeiro episódio». Revista Veja. Consultado em 1 de junho de 2017 

Ligações externasEditar