Abrir menu principal
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde outubro de 2016). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Sufrágio masculino é uma forma de direito de voto em que todos os homens adultos dentro de um sistema político podem votar, independentemente de renda, propriedade, religião, raça ou qualquer outra qualificação. Às vezes, é resumido pela frase: "um homem, um voto".

Na história de algumas democracias, esse sistema substituiu o sufrágio censitário, que era o que tinha em conta determinados critérios (rendimentos, estado civil, nível de instrução ou pertença a uma classe social), e o sufrágio universal (no qual foi permitido o sufrágio feminino). Com o sufrágio masculino, podia votar a totalidade dos homens que cumprissem com os requisitos legais (ser maior de idade, por exemplo). Em outros lugares, se passou diretamente do sufrágio censitário ao universal, sem esta situação de permeio.

HistóriaEditar

Nos Estados Unidos, o aumento da democracia jacksoniana entre os anos 1820 e 1850 levou a uma aproximação do sufrágio masculino universal entre os brancos que foram adotados na maioria dos estados (notavelmente, exceto Rhode Island até a Rebelião Dorr) e os cidadãos mais pobres sendo melhores representados.[1] A maioria dos homens afro-americanos permaneceu excluída; Embora a Décima Quinta Emenda à Constituição dos Estados Unidos, ratificada em 1870, tenha mantido os seus direitos de voto, foram negados o direito de votar em muitos lugares por mais um século até que o Movimento dos Direitos Civis obteve a aprovação da Lei de Direitos de Voto de 1965 através do Congresso.

À medida que as mulheres começavam a ganhar o direito de votar no final do século XIX e início do século XX, o objetivo do sufrágio masculino universal foi substituído pelo sufrágio universal.

A data de instauração deste sufrágio parcial em alguns países é listada abaixo:

Ver tambémEditar

Referências

  1. Stanley L. Engerman, University of Rochester and NBER; Kenneth L. Sokoloff, University of California, Los Angeles and NBER (fevereiro de 2005). «The Evolution of Suffrage Institutions in the New World» (PDF): 16, 35-36. By 1840, only three states retained a property qualification, North Carolina (for some state-wide offices only), Rhode Island, and Virginia. In 1856 North Carolina was the last state to end the practice. Tax-paying qualifications were also gone in all but a few states by the Civil War, but they survived into the 20th century in Pennsylvania and Rhode Island.