Super (2010)

Super é um filme americano de super-herói, humor negro e comédia dramática de 2010 escrito e dirigido por James Gunn. É estrelado por Rainn Wilson, Ellen Page, Liv Tyler, Kevin Bacon e Nathan Fillion. O filme é baseado em uma história de Gunn, contando a história de Frank Darbo, um cozinheiro que se torna um super-herói, sem sequer ter qualquer habilidade sobre-humana, chamando-se de "Crimson Bolt". Ele se propõe a resgatar sua esposa Sarah das mãos de um traficante de drogas.

Super
Pôster promocional.
 Estados Unidos
2010 •  96[1] min 
Direção James Gunn
Produção Ted Hope
Miranda Bailey
Roteiro James Gunn
História James Gunn
Elenco Rainn Wilson
Ellen Page
Liv Tyler
Kevin Bacon
Nathan Fillion
Gregg Henry
Michael Rooker
Andre Royo
Sean Gunn
Stephen Blackehart
Linda Cardellini
Gênero comédia dramática
Música Tyler Bates
Cinematografia Steve Gainer
Edição Cara Silverman
Companhia(s) produtora(s) This Is That Productions
HanWay Films
Ambush Entertainment
Distribuição IFC Films[2]
Lançamento 12 de setembro de 2010 (Festival Internacional de Cinema de Toronto)
1 de abril de 2011 (Estados Unidos)
Idioma inglês
Orçamento $2.5 milhões
Receita $422,618[3]
Site oficial

O filme estreou no Festival Internacional de Cinema de Toronto de 2010 e foi lançado nos cinemas dos Estados Unidos em 1 de abril de 2011 e em vídeo sob demanda em 13 de abril de 2011.[4] O filme foi lançado sem classificação[5] nos cinemas dos EUA, e mais tarde recebeu uma classificação R em seu lançamento em DVD e Blu-ray. Após seu lançamento, Super recebeu críticas mistas dos críticos, embora a atmosfera, as cenas de humor e as atuações foram elogiadas. O filme foi um enorme fracasso de bilheteria, fazendo um pouco mais de US$ 422 mil contra um orçamento de US$ 2,5 milhões.[3]

EnredoEditar

Frank Darbo lembra suas duas únicas boas lembranças de uma vida decepcionante: casar com sua esposa, Sarah, e um incidente no qual ele direcionou um policial para pegar um ladrão de bolsa. Frank imortaliza esses dois eventos em um par de desenhos de lápis que ele pendura em sua parede para se inspirar. Sarah, uma viciada em recuperação, deixa Frank para Jacques, um carismático dono de clube de striptease que a faz engasgar com drogas. Frank cai na depressão, onde ele tem uma visão na qual ele é tocado pelo dedo de Deus e encontra o Santo Vingador, um super-herói de um programa de televisão de acesso público, que diz a Frank que Deus o escolheu para um propósito muito especial. Frank acredita que Deus o escolheu para se tornar um super-herói e vai para uma loja de quadrinhos local para se inspirar. A afirmação de que ele está projetando um novo super-herói é recebida com apreciação entusiasmada do funcionário da loja, Libby. Frank cria uma fantasia de super-herói e assume a identidade de "Crimson Bolt".

Armado com uma chave inglesa, ele começa a combater o crime, distribuindo espancamentos selvagens a vários rebeldes governamentais, que vão desde traficantes de drogas e molestadores de crianças até um homem que corta a fila no cinema. O Crimson Bolt logo se torna uma sensação da mídia. Inicialmente, a mídia o vê como um psicopata violento, mas ele começa a ganhar apreciação pública depois que os antecedentes criminais de muitas de suas vítimas desaparecem. Frank tenta mais tarde resgatar Sarah, mas os bandidos de Jacques o reconhecem sob o disfarce e atiram na perna dele enquanto ele foge.

Um ferido Frank vai para a casa de Libby para pedir ajuda. Libby nsiste para que Frank deixe ela se tornar a "jovem siderick" do Crimson Bolt, batizando-se "Boltie" e projetando uma fantasia. Ela prova ser ainda mais pertubada do que Frank, usando seu disfarce de super heroína para quase matar um homem que possivelmente vandalizou o carro de sua amiga. Frank decide deixá-la ir, mas muda de ideia quando Libby o resgata de alguns dos bandidos de Jacques em um posto de gasolina. Libby logo fica apaixonada por Frank, mas seus avanços são recusados quando Frank insiste que ele ainda está casado. Argumentando que é diferente quando eles estão em suas identidades de super-heróis, Libby estupra Frank enquanto os dois estão em traje. Frank corre para o banheiro e vomita, onde ele encontra uma visão de Sarah no banheiro. Ele decide que é hora de resgatá-la de Jacques.

Armados com armas, bombas de tubos e coletes à prova de balas, Frank e Libby entraram no rancho de Jacques, matando os primeiros guardas que eles encontraram. No entanto, ambos estão baleados. Frank é atingido no peito, seu colete à prova de balas que o protege, mas Libby é baleada na cabeça e morta. Devastado pela morte dela, Frank entra em uma fúria, matando todos os bandidos de Jacques. No interior, Jacques atira em Frank, mas Frank ganha a vantagem e esfaqueia Jacques até a morte enquanto Sarah observa, horrorizada.

Frank leva ela a sua casa, e ela permanece lá por alguns meses antes de deixá-lo novamente. Desta vez, no entanto, ela consegue superar seu vício e usa suas experiências para ajudar os outros com problemas semelhantes. Ela se casou e tem quatro filhos. Frank está convencido de que seus filhos vão mudar o mundo para melhor. Frank, agora com um coelhinho de estimação, olha em sua parede de lembranças felizes. A parede está coberta com fotos de suas experiências de seu tempo gasto com Libby e fotos dos filhos de Sarah, que o chamam de "Tio Frank". Frank olha para a foto de Libby, e uma lágrima escorre sua bochecha.

ElencoEditar

ProduçãoEditar

 
Rainn Wilson, James Gunn e Ellen Page no South by Southwest.

James Gunn disse em entrevistas que ele estava trabalhando no roteiro de Super desde 2002, mas ele teve dificuldade em tirar o projeto do papel, pois os produtores achavam que o conteúdo era muito violento e esotérico. Além disso, Gunn teve dificuldade em decidir sobre o ator certo para interpretar Frank; John C. Reilly foi a principal escolha de Gunn, mas ele não foi considerado uma estrela suficientemente grande para o filme ser feito.[6] Depois de ter feito Slither (2006), estreando sua carreira como diretor, Gunn efetivamente colocou o projeto em espera até que sua ex-esposa, Jenna Fischer, o incentivou a fazê-lo e recomendou Rainn Wilson, sua co-estrela de The Office.[7] Wilson leu o roteiro no set e decidiu que queria se juntar ao filme e, por sua vez, enviou o roteiro para Ellen Page, com quem trabalhou em Juno, que imediatamente aceitou o papel de Libby.[8]

O filme foi filmado entre 9 de dezembro de 2009 e 24 de janeiro de 2010, em Shreveport, Louisiana, com filmagens adicionais na casa de Gunn em Los Angeles, Califórnia. A loja de quadrinhos mostrada no filme é uma loja real, a ComicSmash, em Studio City.

Super foi o segundo trabalho de Gunn lidando com super-heróis, sendo o primeiro The Specials em 2000 que ele escreveu, mas não dirigiu. Gunn disse que examinar super-heróis de um ângulo diferente o interessa, e que ele poderia fazer mais filmes sobre o assunto no futuro.[9] Mais tarde ele foi escolhido para dirigir o filme de super-herói lançado em 2014, Guardiões da Galáxia.[10]

RecepçãoEditar

CríticaEditar

Super recebeu críticas mistas dos críticos. No Rotten Tomatoes, o filme tem uma aprovação de 49%, com base em 118 resenhas, com uma nota média de 5.5/10. O consenso crítico do site diz: "A premissa intrigante de Super e o elenco talentoso são prejudicados em um mar de sangue vermelho de violência gráfica e balanços tonais."[11] No Metacritic, o filme tem uma pontuação de 50, com base em 27 resenhas, indicando "Comentários mistos ou médios".[12] Al Kratina, no Fantasia Film Festival, escreveu: "Há um ótimo filme em algum lugar dentro da comédia negra de James Gunn ... Super é um filme inegavelmente divertido. Mas há algo fora sobre isso ... [o filme] cicla através de muitos modos, e não equilibra a escuridão, a comédia, a depressão ... Super é um filme engraçado, uma história retorcida, e ocasionalmente um filme muito bom, raramente ao mesmo tempo."[13] Owen Gleiberman, da Entertainment Weekly, escreveu: "Esta bagatela sobre um doofus que se torna um super-herói fantasiado, mesmo que ele não tenha poderes especiais, pode ter parecido mais divertido antes de Kick-Ass. No entanto, o filme foi escrito e dirigido por James Gunn com um certo estilo caprichoso de humor negro ... É realmente um filme de uma piada, mas a brincadeira é boa: a "cruzada" de Frank é apenas uma vingança de geek, que Wilson, cavando na miséria do personagem, faz curiosamente simpatizante."[14]

BilheteriaEditar

Super fez US$ 46,549 no fim de semana de abertura com onze cinemas, com uma média de $ 4,232 por cinema,[3] que foi considerado pelos analistas como "um começo decepcionante" para o filme.[15]

Em maio de 2012, durante uma entrevista, o ator Rainn Wilson explicou suas ideias sobre o decepcionante desempenho de bilheteria, dizendo que a decisão tonal arriscada funcionou contra o filme em seu limitado lançamento nos cinemas: "É uma comédia. É também um filme de ação, e também é um drama, e também é um gênero realmente [desordenado], tipo de filme cult. São todas essas coisas ao mesmo tempo, e as pessoas não estão acostumadas a isso. Elas costumam gostar, oh, 'Os Vingadores' tem alguma comédia nele, mas é ação, e é uma coisa de tipo de quadrinhos. As pessoas realmente sabem exatamente em que mundo eles estão. Mas neste, ele mistura tantos mundos diferentes, você está realmente fora de equilíbrio. Porque você não sabe se a próxima cena vai ser alguém chorando, ou será caricato, ou será uma sequência animada, ou uma sequência de ação. Você simplesmente não sabe."[16]

PrêmiosEditar

No Fantasia Film Festival de 2011, Super ficou empatado com o documentário Superheroes para o Prêmio AQCC; "Para dois filmes que capturam perfeitamente o Zeitgeist de nossa época e que apresentam reflexões elaboradas sobre uma das maiores tendências americanas, o Júri da AQCC concedeu o seu melhor prêmio ao cinema internacional, em um empate, ao filme de ficção Super de James Gunn e ao documentário Superheroes de Michael Barnett, duas obras fortes e complementares."[17]

Semelhança com Kick-AssEditar

Perto do momento em que Super foi lançado, outro filme sobre o tema de super-heróis amadores, Kick-Ass (dirigido por Matthew Vaughn), tinha sido lançado.

Durante o processo de produção, Gunn, um amigo do criador de Kick-Ass, Mark Millar,[18] ficou sabendo sobre a adaptação cinematográfica da história em quadrinhos. Em uma entrevista depois que Super foi lançado, Gunn comentou: "Eu estava definitivamente desconfiado disso, eu era como 'Isso é uma merda! Kick-Ass está sendo transformado em um filme, isso vai significar que somos irrelevantes?' Mas, no final, as histórias são muito diferentes. Nosso filme é sobre um cara que está em seu próprio tipo de busca espiritual e ele simplesmente usa um traje de super-herói durante isso. Mas é realmente sobre o cara e não a fantasia."[18]

  A Wikipédia tem os portais:

Millar defendeu Super das acusações de que estava copiando seu trabalho: "As pessoas me disseram:" Oh meu Deus, ele está copiando Kick-Ass, porque está saindo um ano depois, mas James estava fazendo isso quando eu também estava fazendo Kick-Ass. Ambos os projetos estavam se juntando exatamente ao mesmo tempo." Millar passou a exibir Super na sua convenção de quadrinhos Kapow!, em Londres.[19]

Referências

  1. «Super». British Board of Film Classification. 22 de junho de 2011. Consultado em 3 de julho de 2017 
  2. Kilday, Gregg (12 de setembro de 2010). «IFC Films nabs Rainn Wilson movie 'Super'». The Hollywood Reporter. Consultado em 3 de julho de 2017 
  3. a b c «Super (2011)». Box Office Mojo 
  4. «The SUPER Release Date». 29 de novembro de 2010. Consultado em 3 de julho de 2017 
  5. Batts, Jim (17 de abril de 2011). «James Gunn Brings SUPER to St. Louis». Consultado em 3 de julho de 2017 
  6. Moore, Brent (24 de março de 2011). «SXSW Interview: James Gunn, Director of Super». GeekScape.net. Consultado em 3 de julho de 2017. Arquivado do original em 11 de junho de 2011 
  7. Douglas, Edward (15 de setembro de 2010). «TIFF Exclusive: Super Director James Gunn». Superhero Hype. Consultado em 3 de julho de 2017 
  8. Riley, Janelle (31 de março de 2011). «'Super' Trouper». Backstage. Consultado em 3 de julho de 2010 
  9. «SDCC 2011 EXCLUSIVE: James Gunn Talks Super on Blu-Ray». MovieWeb. 26 de junho de 2011. Consultado em 3 de julho de 2017 
  10. Lesnick, Silas (18 de setembro de 2012). «James Gunn Confirmed to Direct and Rewrite Guardians of the Galaxy». Superherohype.com. Consultado em 3 de julho de 2017. Cópia arquivada em 18 de setembro de 2012  |deadurl= e |urlmorta= redundantes (ajuda)
  11. «Super (2011)». Consultado em 3 julho de 2017 
  12. «Super Reviews». Metacritic. Consultado em 3 de julho de 2017 
  13. Kratina, Al (14 de julho de 2011). «Fantasia 2011: Super | Montreal Gazette Blogs». Blogs.montrealgazette.com. Consultado em 4 de julho de 2017 
  14. Gleiberman, Owen (1 de abril de 2011). «Movie Review Super (2011)». Entertainment Weekly. Consultado em 4 de julho de 2017 
  15. Pond, Steve (26 de abril de 2011). «As VOD Explodes, a Flaw Exposed: You Can't Measure It». The Wrap. Consultado em 4 de julho de 2017 
  16. «Rainn Wilson: Why 'Super' struggled to find an audience - Hero Complex – movies, comics, pop culture – Los Angeles Times». Hero Complex - movies, comics, pop culture - Los Angeles Times. 22 de maio de 2012 
  17. Barton, Steve (7 de agosto de 2011). «2011 Fantasia Film Festival Winners Announced». DreadCentral. Consultado em 3 de julho de 2017 
  18. a b Sullivan, Jonathan. «SXSW Interview: James Gunn, Writer/Director of 'Super'». The Film Stage. Consultado em 3 de julho de 2017. Arquivado do original em 17 de julho de 2012 
  19. Mortimer, Ben (14 de abril de 2011). «Mark Millar on Upcoming Projects». Consultado em 3 de julho de 2017 

Ligações externasEditar