Abrir menu principal

Superliga Brasileira de Voleibol Feminino

Superliga
Voleibol Volleyball (indoor) pictogram.svg
País  Brasil
Confederação CSV
Organizador CBV
Informações gerais
Número de equipes variável
Torneios internacionais Sul-Americano de Clubes
Temporadas
Primeira temporada 1976
Temporada atual A 2017/2018
B 2018
Primeiro campeão Rio de Janeiro Fluminense FC
Atual campeão Minas Gerais Minas Tênis Clube
Maior campeão Rio de Janeiro Rio de Janeiro VC (12 títulos)
Página oficial da competição

Campeonato Brasileiro de Voleibol Feminino é o principal torneio entre clubes de voleibol feminino do Brasil. Desde a temporada 1994/1995 é disputado com o nome-fantasia de Superliga.

O torneio é organizado anualmente pela Confederação Brasileira de Voleibol (CBV) e dá acesso ao seu campeão ao Campeonato Sul-Americano de Clubes.

Os direitos de transmissão da Superliga no Brasil pertencem a Rede Globo e RedeTV![1] em TV aberta e ao SporTV em TV fechada.[2]

Índice

HistóriaEditar

Até a década de 1960, as competições de voleibol no Brasil só ocorriam em nível estadual, sem nenhuma competição nacional. Até 1978 também era disputada a Taça Brasil, um torneio que só reunia equipes dos estados do Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais.

A partir de 1976, essa competição passou a ser aberta a equipes amadoras de todos os estados, sendo disputada a cada dois anos; apenas os campeões a partir desta edição são reconhecidos como campeões brasileiros de voleibol pela CBV. Em 1981 surge de fato o Campeonato Brasileiro com equipes profissionais.

Na temporada 1988/1989 o campeonato passa a ocorrer entre o segundo semestre de um ano e o primeiro do outro, adaptando-se assim às principais competições mundiais, surgindo a Liga Nacional. A Superliga foi disputada pela primeira vez na temporada temporada 1994/1995, com o fim da Liga Nacional. O número de participantes varia a cada ano. A partir da temporada 2012/2013, o torneio passou a contar com duas divisões - Série A e Série B, disputadas em paralelo.

Série AEditar

A Série A é a principal divisão do torneio nacional. Uma das características históricas da Superliga Feminina foi a falta de uma padronização no sistema de disputa, que mudava a cada ano, assim como as regras e o número de participantes. Desde a temporada 2009/2010 a forma de disputa tem sido com uma fase classificatória em pontos corridos, turno e returno, quartas-de-final definidas em série melhor-de-três, semifinais em melhor-de-cinco e final em jogo único.

O campeão ganha o direito de disputar o Campeonato Sul-Americano de Clubes.

Edição atualEditar

Equipe Cidade Em 2017-18 Ginásio Capacidade Títulos
Localização das equipes participantes da Superliga Feminina 2018-19 - Série A.
Rio de Janeiro   Rio de Janeiro 2º (SL - A) Tijuca Tênis Clube 3 000 12
Curitiba Vôlei   Curitiba 1º (SL - B) Ginásio Clube Curitibano 800 0
Osasco   Osasco 4º (SL - A) José Liberatti 4 500 5
Praia Clube   Uberlândia 1º (SL - A) Arena Praia 3 000 1
Pinheiros   São Paulo 7º (SL - A) Henrique Villaboim 1 100 0
São Caetano   São Caetano do Sul 9º (SL - A) Lauro Gomes 5 000 1
Brasília Vôlei   Taguatinga 10º (SL - A) SESI Taguatinga 1 150 0
Fluminense   Rio de Janeiro 6º (SL - A) Ginásio do Hebraica 1 000 2
Minas   Belo Horizonte 3º (SL - A) Arena Minas 3 650 2
Balneário Camboriú[lon]   Balneário Camboriú 2º (SL - B) Ginásio Hamilton Cruz 3 500 0
Vôlei Bauru   Bauru 8º (SL - A) Panela de Pressão 2 000 0
Barueri   Barueri 5º (SL - A) José Corrêa 5 000 0
Notas

[lon] ^ :A equipe do Londrina mudou-se para Balneário Camboriú.[3]

Série BEditar

Criada em 2014, a Série B corresponde à segunda divisão da Superliga e classifica o campeão e o vice do torneio para a disputa da Série A na temporada seguinte. De 2002 a 2013 a Liga Nacional tinha tal função.

Edição atualEditar

Equipe Cidade Última participação Temporada 2017
CEFA   Marau estreante -
Lavras Vôlei   Lavras estreante -
ADC Bradesco   Osasco 2017
Vôlei Londrina   Londrina estreante -
São José dos Pinhais   São José dos Pinhais 2017
Curitiba Vôlei   Curitiba estreante -

Série CEditar

Em 2018 a CBV criou a Série C, que corresponde à terceira divisão da Superliga e classifica quatro equipes para participarem da Superliga B na temporada seguinte.[4] A nova competição substituiu a extinta Taça Prata.

Edição atualEditar

Notas

Referências

Ligações externasEditar