Suporte avançado de vida

protocolos de salvamento

Suporte avançado de vida (ALS, do inglês: Advanced life support) é um conjunto de protocolos de salvamento e habilidades que estendem o suporte básico de vida para apoiar ainda mais a circulação e fornecer uma via aérea aberta e ventilação adequada (respiração).[1][2]

ComponentesEditar

 
Uma unidade paramédica de suporte avançado de vida do Resgate de Incêndio do Condado de Palm Beach usada para serviços de emergência médica na Flórida, Estados Unidos

Estes incluem:[3][4][5][6]

AlgoritmosEditar

O ALS pressupõe que o suporte básico de vida (administração de máscaras de saco de oxigênio e compressões torácicas) seja administrado.[7]

O principal algoritmo do ALS, que é invocado quando a parada cardíaca é estabelecida, conta com o monitoramento da atividade elétrica do coração em um monitor cardíaco. Dependendo do tipo de arritmia cardíaca, a desfibrilação é aplicada, e a medicação é administrada. O oxigênio é administrado e a intubação endotraqueal pode ser tentada para proteger as vias aéreas. Em intervalos regulares, avalia-se o efeito do tratamento no ritmo cardíaco, bem como a presença de saída cardíaca.[8]

Os medicamentos que podem ser administrados podem incluir adrenalina (epinefrina), amiodarona, atropina, bicarbonato, cálcio, potássio e magnésio. Soro fisiológico ou coloides podem ser administrados para aumentar o volume circulante.[7][8][9]

Quando a RCP é dada (manualmente, ou através de equipamentos automatizados como o AutoPulse), os membros da equipe consideram oito formas de causas potencialmente reversíveis para parada cardíaca, comumente abreviadas como "6Hs & 5Ts" de acordo com o Suporte Avançado de Vida Cardíaca (ACLS) 2005/2010.[10][11][12]

Hs e TsEditar

'H's

'T's

Em dezembro de 2005, as diretrizes de suporte avançado de vida em coração mudaram significativamente. Um grande novo consenso mundial foi buscado com base nas melhores evidências científicas disponíveis. A proporção de compressões para ventilações agora é recomendada como 30:2 para adultos, para produzir pressões de perfusão coronária e cerebral mais altas. A desfibrilação agora é administrada como um único choque, cada um seguido imediatamente por dois minutos de RCP antes que o ritmo seja reavaliado (cinco ciclos de RCP).[16][17]

Outras condiçõesEditar

ALS também cobre várias condições relacionadas à parada cardíaca, como arritmias cardíacas (fibrilação atrial, taquicardia ventricular),[7] envenenamento[18] e, efetivamente, todas as condições que podem levar à parada cardíaca se não tratadas, exceto as emergências verdadeiramente cirúrgicas.[7]

Profissionais responsáveisEditar

 
Medicina de urgência

Muitos profissionais de saúde são treinados para administrar alguma forma de ALS. Em ambientes fora do hospital, técnicos de emergência, paramédicos ou médicos de urgência normalmente fornecem este nível de atendimento.[19][2]

Em hospitais, ALS geralmente é administrado por uma equipe de médicos e enfermeiras, com alguns paramédicos clínicos praticando em certos sistemas.[20] As equipes de parada cardíaca, ou "equipes de código" nos Estados Unidos, geralmente incluem médicos e enfermeiras seniores de várias especialidades, como medicina de urgência, anestesiologia, medicina interna.[2][21]

Notas

Referências

  1. «Atendimento pré-hospitalar: qual a diferença para primeiros socorros?». CEEN Pós-graduação e Treinamentos. 18 de junho de 2019. Consultado em 10 de fevereiro de 2021 
  2. a b c «What is Advanced Life Support? - ZOLL Medical». www.zoll.com. Consultado em 24 de fevereiro de 2021 
  3. «advanced life support». TheFreeDictionary.com. Consultado em 24 de fevereiro de 2021 
  4. «An Intro to Advanced Life Support». NHCPS.com (em inglês). 18 de fevereiro de 2020. Consultado em 24 de fevereiro de 2021 
  5. «European Resuscitation Council Guidelines for Resuscitation 2015». Resuscitation Journal. doi:10.1016/j.resuscitation.2015.07.038 
  6. Stiell, Ian G.; Wells, George A.; Field, Brian; Spaite, Daniel W.; Nesbitt, Lisa P.; De Maio, Valerie J.; Nichol, Graham; Cousineau, Donna; Blackburn, Josée (12 de agosto de 2004). «Advanced cardiac life support in out-of-hospital cardiac arrest». The New England Journal of Medicine (7): 647–656. ISSN 1533-4406. PMID 15306666. doi:10.1056/NEJMoa040325. Consultado em 24 de fevereiro de 2021 
  7. a b c d «Part 3: Adult Basic and Advanced Life Support». cpr.heart.org (em inglês). Consultado em 24 de fevereiro de 2021 
  8. a b Berg Katherine M.; Soar Jasmeet; Andersen Lars W.; Böttiger Bernd W.; Cacciola Sofia; Callaway Clifton W.; Couper Keith; Cronberg Tobias; D’Arrigo Sonia (20 de outubro de 2020). «Adult Advanced Life Support: 2020 International Consensus on Cardiopulmonary Resuscitation and Emergency Cardiovascular Care Science With Treatment Recommendations». Circulation (16_suppl_1): S92–S139. doi:10.1161/CIR.0000000000000893. Consultado em 24 de fevereiro de 2021 
  9. «Guidelines: Adult advanced life support». Resuscitation Council UK (em inglês). Consultado em 24 de fevereiro de 2021 
  10. ACLS : principles and practice. Cummins, Richard O., American Heart Association. Dallas, Tex.: American Heart Association. 2003. OCLC 52186628 
  11. ACLS for experienced providers. Cummins, Richard O., American Heart Association. Dallas, Tex.: American Heart Association. 2003. OCLC 52186571 
  12. ECC Committee, Subcommittees and Task Forces of the American Heart Association (13 de dezembro de 2005). «2005 American Heart Association Guidelines for Cardiopulmonary Resuscitation and Emergency Cardiovascular Care». Circulation (24 Suppl): IV1–203. ISSN 1524-4539. PMID 16314375. doi:10.1161/CIRCULATIONAHA.105.166550. Consultado em 9 de fevereiro de 2021 
  13. a b c d e f g h i j «Hs and Ts - ACLS Medical Training». ACLS Medical Training (em inglês). Consultado em 24 de fevereiro de 2021 
  14. a b c d e f g h i j «Sudden Cardiac Arrest and the Hs and Ts». CareerCert (em inglês). 11 de julho de 2019. Consultado em 24 de fevereiro de 2021 
  15. a b c d e f g h i j «Causas de parada cardiorrespiratória». CardioPapers. 14 de julho de 2014. Consultado em 24 de fevereiro de 2021 
  16. Timerman, Sergio; Gonzalez, Maria Margarita Castro; Mesquita, Evandro Tinoco; Marques, Flavio Rocha Brito; Ramires, José Antônio Franchini; Quilici, Ana Paula; Timerman, Ari (novembro de 2006). «The International Liaison Committee on Resuscitation (ILCOR): roll in guidelines 2005-2010 for cardiopulmonary resuscitation and emergency cardiovascular care». Arquivos Brasileiros de Cardiologia (em inglês) (5): e201–e208. ISSN 0066-782X. doi:10.1590/S0066-782X2006001800029. Consultado em 24 de fevereiro de 2021 
  17. Ibrahim, Wanis H (outubro de 2007). «Recent advances and controversies in adult cardiopulmonary resuscitation». Postgraduate Medical Journal (984): 649–654. ISSN 0032-5473. PMC 2600120 . PMID 17916874. doi:10.1136/pgmj.2007.057133. Consultado em 24 de fevereiro de 2021 
  18. Baker, D. J. (dezembro de 1996). «Advanced life support for acute toxic injury (TOXALS)». European Journal of Emergency Medicine: Official Journal of the European Society for Emergency Medicine (4): 256–262. ISSN 0969-9546. PMID 9056139. doi:10.1097/00063110-199612000-00008. Consultado em 24 de fevereiro de 2021 
  19. «BLS, ALS, ACLS - what's the difference?». www.cprseattle.com (em inglês). Consultado em 24 de fevereiro de 2021 
  20. «Advanced Life Support [ALS] Law and Legal Definition». uslegal.com. Consultado em 24 de fevereiro de 2021 
  21. Prince, Cynthia R.; Hines, Elizabeth J.; Chyou, Po-Huang; Heegeman, David J. (setembro de 2014). «Finding the Key to a Better Code: Code Team Restructure to Improve Performance and Outcomes». Clinical Medicine & Research (1-2): 47–57. ISSN 1539-4182. PMC 4453307 . PMID 24667218. doi:10.3121/cmr.2014.1201. Consultado em 24 de fevereiro de 2021 

Ligações externasEditar