Os tâmeis,[9] tâmiles,[9] tâmis[9] ou tâmules[9] (em tâmil: தமிழர், transl. tamiḻar), são um grupo étnico nativo de Tamil Nadu, um estado da Índia, e da região nordeste do Sri Lanka. Falam predominantemente o tâmil, e têm uma história registrada que data em cerca de dois milênios.[10] Comunidades de imigrantes tâmeis podem ser encontradas por todo o mundo.

தமிழர்
Tâmeis
Típica família tâmil.
Típica família tâmil.
População total

77 000 000[1]

Regiões com população significativa
 Índia 60 793 814 (2001)[2]
Sri Lanka 3 092 676 (2001)[3]
 Malásia 1 060 000 (1993)[4]
 Canadá 200 000 (2005)[5]
 Reino Unido 300 000 (2007)[6]
 Singapura 111 000 (1993)[4]
Línguas
Tâmil
Religiões
Predominantemente hinduísmo, com minorias cristãs, islâmicas e jainistas
Grupos étnicos relacionados
Dravidianos · giraavarus[7]  · cingaleses[8]

Os tâmeis são maioritariamente hinduístas, com consideráveis populações cristãs e muçulmanas, enquanto os tâmeis jainistas formam uma minoria reduzida. Os tâmeis constituem 5,9 por cento da população da Índia (concentrando-se principalmente em Tamil Nadu), quinze por cento da população do Sri Lanka, seis por cento da população de Maurícia,[11] sete por cento da população da Malásia e cinco por cento da população de Singapura. Os tâmeis, com uma população de aproximadamente 76 000 000 de pessoas e com uma história documentada que remonta a 2 000 anos atrás, são um dos maiores e mais velhos grupos etnolinguísticos existentes atualmente no mundo.[12]

Do século IV a.C. em diante,[13] a urbanização e a atividade mercantil ao longo das costas leste e oeste do que são hoje Querala e Tamil Nadu levaram ao desenvolvimento de quatro grandes estados tâmeis (cheras, império Chola, império Pandia e pallavas) e vários estados menores, sendo que todos lutavam entre si em busca da supremacia. O reino de Jafanapatão, habitado por tâmeis do Sri Lanka, era um dos mais poderosos reinos do Sri Lanka, e controlava grande parte do norte da ilha.[14][15]

Os tâmeis eram conhecidos por sua influência sobre o comércio regional no oceano Índico. Artefatos marcando a presença de comerciantes romanos mostram que era ativo o comércio direto entre Roma e o sul da Índia. Há registros de que os pandias enviaram ao menos duas embaixadas diretamente para o imperador Augusto, em Roma. Os pandias e os cholas foram historicamente ativos no Sri Lanca. A dinastia chola invadiu com sucesso várias áreas no sudeste da Ásia, incluindo o poderoso império Serivijaia e a cidade estado malaia de Quedá.[16] Guildas tâmeis medievais e organizações comerciais como Ayyavole e Manigramam tiveram um importante papel nas redes de comércio do sudeste da Ásia.[17] Comerciantes e líderes religiosos pallavas viajaram para o sudeste da Ásia e tiveram um importante papel na indianização cultural da região. Escrituras levadas por comerciantes tâmeis para o sudeste da Ásia, particularmente as em escrita grantha ou pallava, levaram ao desenvolvimento de muitas escritas do sudeste da Ásia, como o alfabeto khmer, a escrita kawi javanesa, a escrita baybayin e o alfabeto tailandês.

A língua tâmil é uma das línguas clássicas de vida mais longa,[18] com uma história que remonta a 300 a.C. A literatura tâmil é dominada pela poesia, especialmente a literatura Sangam, que é composta por poemas feitos entre 300 a.C. e 300 d.C. O mais importante autor tâmil foi o poeta e filósofo Tiruvalluvar, que escreveu o Tirukkuṛaḷ, um grupo de tratados sobre ética, política, amor e moralidade amplamente considerado a maior obra da literatura tâmil.[19] A arte visual tâmil é dominada pela arquitetura dravídica e pela produção de estátuas de divindades em pedra e bronze. As estátuas em bronze cholas, especialmente as Nataraja, se tornaram famosos símbolos do hinduísmo. Os destaques das artes cênicas tâmeis são sua dança clássica (Bharatanatyam) e sua dança popular (Koothu). A música clássica tâmil é dominada pela música carnática e pelos gêneros populares gaana e dappan koothu.

Embora a maioria dos tâmeis seja hindu, muitos (especialmente os da área rural) praticam a chamada religião popular dravídica, venerando várias divindades de vilas. Muitos tâmeis são muçulmanos ou cristãos. Uma pequena comunidade jainista sobrevive desde os tempos clássicos. A cozinha tâmil possui vários itens vegetarianos e não vegetarianos, e vários temperos locais. A antiga música tâmil, a arquitetura de templos e as esculturas estilizadas continuam a ser aprendidas e praticadas. O historiador e radialista inglês Michael Wood chamou os tâmeis de a mais antiga civilização clássica da Terra ainda existente, porque os tâmeis preservaram elementos substanciais do seu passado relacionados às crenças, cultura, música e literatura, não obstante a influência da globalização.[20][21]

EtimologiaEditar

Não se sabe se o termo Thamizhar e seus equivalentes em prácrito Damela, Dameda, Dhamila e Damila eram autodenominações ou exodenominações. Existem inscrições dos séculos VI e V a.C. que mencionam pessoas damela ou dameda. A conhecida inscrição Hathigumpha do governante kalinga Kharavela se refere a uma T(ra)mira samghata (confederação de governantes tâmeis) datada de 150 a.C. Também menciona que a liga de reinos tâmeis já existia há 113 anos.[22]

Em Amaravati (Andra Pradexe), existe uma inscrição que se refere a um dhamila-vaniya (comerciante tâmil) datada do século III.[23] Outra inscrição da mesma época em Nagarjunakonda parece se referir a um damila. Uma outra inscrição nas cavernas Kanheri se refere a um dhamila-gharini (chefe de família tâmil). No conto budista jataka conhecido como Akiti Jataka, é mencionada uma Damila-rattha (dinastia tâmil). Havia relacionamento comercial entre o império Romano e o império Pandia. Conforme registrado por Estrabão, o imperador Augusto de Roma recebeu, em Antioquia, o embaixador de um rei chamado Pandyan de Dramira.[24] Portanto, é evidente que, pelo menos desde 300 a.C., os tâmeis já formavam um grupo étnico próprio.[25] Southworth sugere que thamizhar se origina de tam-miz > tam-iz, "sua própria língua".[26] Zvelebil sugere uma etimologia a partir de tam-iz, com tam significando "seu próprio" e iz significando "som desdobrado". Alternativamente, ele sugere uma derivação de tamiz < tam-iz < *tav-iz < *tak-iz, "o processo próprio (de falar)".[27]

HistóriaEditar

Na ÍndiaEditar

Período pré-históricoEditar

Uma possível evidência da antiga presença tâmil no atual Tamil Nadu são as urnas funerárias megalíticas datando de 1500 a.C em diante que foram descobertas em vários pontos de Tamil Nadu, especialmente em Adichanallur, no distrito de Thoothukudi.[28][29][30] Essas urnas se encaixam na descrição de funerais da literatura tâmil clássica.[31]

Após o século X, surgiram várias lendas que explicavam o passado do povo tâmil. Segundo o Iraiyanar Akapporul, um comentário dos séculos X e XI sobre a literatura Sangam, o território tâmil antigamente se estendia para o sul e ultrapassava os limites da península indiana, abrangendo 49 divisões (nadus). O território teria sido, então, destruído por um dilúvio. As lendas Sangam também falam sobre a antiguidade do povo tâmil e reivindicam dezenas de milhares de anos de atividade literária contínua durante três Sangam.[32]

Período clássicoEditar

Os antigos tâmeis tiveram três estados monárquicos liderados por reis chamados vendhar, assim como vários chefes tribais liderados por chefes chamados vel ou velir.[33] Num nível ainda mais abaixo, havia chefes de clãs chamados kizhar ou mannar.[34] Os reis e chefes tâmeis estavam sempre em conflito uns com os outros, principalmente por causa de hegemonia territorial e propriedades. As cortes reais eram, principalmente, mais locais de reunião social do que centros de distribuição de autoridade: eram centros de distribuição de recursos. A antiga literatura tâmil Sangam, obras de gramática como o Tolkāppiyam e antologias como o Pattuppāṭṭu e o Eṭṭuttokai também fornecem informações sobre o antigo povo tâmil.[35] Os líderes tâmeis eram patronos das artes, e existe uma significativa quantidade de literatura desse período.[36] A literatura mostra que muitas práticas culturais consideradas tipicamente tâmeis já eram praticadas na época clássica.[37]

A agricultura era importante nesse período, e há evidência de que redes de canais de irrigação já existiam no século III a.C.[38] Comércio interno e externo florescia, e há evidência de que existia significativo contato com a Roma Antiga.[39] Grande quantidade de moedas romanas e sinais da presença de comerciantes romanos foram encontrados em Karur e Arikamedu.[40] Há evidência de que ao menos duas embaixadas foram enviadas ao imperador romano Augusto por reis pandias.[41] Cerâmica com escrita tâmil foi encontrada em escavações no mar Vermelho, sugerindo a presença de comerciantes tâmeis.[42] Um registro de viagem anônimo do século I escrito em grego, Périplo do Mar Eritreu, descreve os portos dos reinos pandia e chera em Damirica, bem como sua atividade, com grande detalhe. A obra também informa que os principais produtos exportados pelos antigos tâmeis eram pimenta-preta, malabathrum, pérola, marfim, seda, nardo, diamante, safira e casco de tartaruga.[43]

O período clássico terminou por volta do século IV com as invasões Kalabhras, referidas como kalappirar na literatura e inscrições tâmeis.[44] Esses invasores são descritos como "reis malévolos" e "bárbaros" que vinham do norte.[45] Esse período, comumente referido como a Era Sombria do país tâmil, terminou com a ascensão da dinastia Pallava.[46][47][48]

Economia, comércio e navegaçãoEditar

O país tâmil é localizado estrategicamente no oceano Índico, e tinha acesso a uma rota comercial marítima.

Períodos imperial e pós-imperialEditar

Os nomes de três dinastias (Cholas, Pandias e Cheras) são mencionados na literatura tâmil Sangam, e obras de gramática como o Tolkappiyar se referem a elas como "os três glorificados pelo céu".[49] Posteriormente, elas são mencionados nos pilares de Asoca (inscritos em 273–232 a.C.) do império Máuria como aliadas de Asoka.[50][51] O rei de Kalinga, Kharavela, que reinou por volta do ano 150, é mencionado na inscrição Hathigumpha da confederação dos reinos tâmeis, que já existia há mais de cem anos.[52] Os Cholas, Pandias, Cheras e Pallavas eram seguidores do hinduísmo, embora, por um curto período, alguns deles parecem ter seguido o jainismo.[53] Depois da queda do império Máuria, os reinos tâmeis se aliaram ao império Satavana.

Esses antigos reinos patrocinaram o surgimento da mais antiga literatura tâmil. A literatura tâmil clássica, conhecida como literatura Sangam, é atribuída ao período entre 200 a.C. e 300 a.C.[54][55] Os poemas da literatura Sangam foram categorizados e reunidos durante o período medieval. Eles retratam uma terra fértil, onde o governo era exercido por monarcas hereditários, e onde a atuação do estado era limitada pelo darma. Embora existam referências aos Pallavas desde o século II, eles somente alcançaram o poder imperial no século VI.[56] Eles transformaram a monarquia em um império, e procuraram anexar vastas extensões de terra. O movimento bhakti do hinduísmo foi criado nessa época, e prosperou concomitante ao crescimento do jainismo e do budismo.[57] Os Pallavas foram pioneiros na construção de grandes e ornados templos de pedra, os quais formam a base da arquitetura dravidiana de templos. Eles entraram em conflito com o império Chaluquia. Durante este período, o rei chaluquia Pulakeshin II estendeu seu império até a porção norte do reino pallava, derrotando os pallavas em várias ocasiões. O rei pallava Narasimhavarman I contra-atacou, ocupando Badami temporariamente em 642. Posteriormente, o rei chaluquia Vikramaditya II se vingou através de repetidas invasões da região de Tondaimandalam, repetidas vitórias contra o rei pallava Nandivarman II, e a anexação de Kanchipuram. A dinastia pallava foi derrubada no século IX pela dinastia Rashtrakuta, que reinou a partir de Gulbarga. O rei Krishna III, o último grande rei Rashtrakuta, consolidou o império desde o rio Narmada até o rio Kaveri, incluindo a porção norte do território tâmil (Tondaimandalam) e impondo tributo ao rei do Ceilão.

Sob o reinado de Rajaraja I e seu filho Rajendra Chola I, os Cholas se tornaram dominantes no século X, estabelecendo um império que cobria o Sri Lanka e a maior parte da Índia do Sul.[58] O império tinha fortes laços comerciais com a dinastia Sung chinesa e o sudeste da Ásia.[59][60] Os Cholas derrotaram os Chaluquias do leste e expandiram seu império até o rio Ganges. Eles conquistaram as áreas costeiras ao redor do golfo de Bengala e transformaram este num lago chola. Rajendra Chola I melhorou a armada de seu pai e criou a primeira marinha notável do subcontinente indiano. A armada chola conquistou o império Serivijaia, que era a potência dominante do sudeste da Ásia, e assegurou a rota comercial marítima até a China.[61] Os Cholas exigiram tributo da Tailândia e do império Khmer. A segunda metade do século XI viu a união dos reinos Chola e Vengi sob Kulottunga I.[62] O imperador Chola repeliu uma invasão do rei chaluquia do oeste Vikramaditya VI, que tentou interferir na política chola e instalar um governante títere. Essas guerras resultaram na vitória chola e na anexação das regiões de Gangavadi e Konkan. Vikramaditya VI ficou, dessa forma, confinado a seus domínios ao norte de Tungabhadra.[63] O império Chola permaneceu poderoso durante o reinado de Kulottunga e manteve sua influência sobre os vários reinos do sudeste da Ásia, como o império Serivijaia.[64][65] De acordo com o historiador K. A. Nilakanta Sastri, Kulottunga evitou guerras desnecessárias e teve um longo e próspero reinado, assegurando a estabilidade do império pelos 150 anos seguintes.[66]

O declínio do poder chola no sul da Índia começou no final do reinado de Kulottunga III. Ele foi acelerado pelo retorno dos Pandias sob Maravarman Sundara Pandyan (1216-1238).[67] O declínio chola levou à disputa do território tâmil entre Pandias, Hoysalas e Kakatiyas. Até o rei kadava, Kopperunjinga, se rebelou contra seu senhor chola Rajaraja III, e proclamou sua independência.[68] Os Hoysalas incentivaram a divisão entre os reinos tâmeis, ora apoiando um reino, ora outro. Dessa forma, impediram o crescimento dos Cholas e dos Pandias. Durante o período de Rajaraja III, os Hoysalas se aliaram aos Cholas e derrotaram o rei kadava Kopperunjinga e os Pandias, marcando, dessa forma, sua presença no território tâmil. Rajendra Chola III, que sucedeu Rajaraja III, tentou reerguer os Cholas e liderou sucessivas expedições ao norte, como atestado por suas epígrafes, que foram encontradas em locais tão longe como Cuddappah.[69] Ele também derrotou dois príncipes pandias (um dos quais, Maravarman Sundara Pandya II) e submeteu os pandias por algum tempo. Os Hoysalas sob Vira Someswara intervieram e, dessa vez, se aliaram aos Pandias para conter os Cholas.[70] A história tâmil iniciou uma nova etapa com o surgimento do príncipe Jatavarman Sundara Pandya I. Nas guerras subsequentes, ele emergiu como governante único, quando o reino pandia alcançou seu auge, no século XIII. Primeiramente, Jatavarman Sundara Pandya pôs um fim à influência Hoysala, expulsando-os do delta do Kaveri e, posteriormente, matando seu rei Vira Someswara em 1262, perto de Srirangam. Então, ele derrotou Kopperunjinga, o rei kadava, e o transformou em vassalo. Os pandias, então, se voltaram para o norte e anexaram Kanchi, matando o rei telugu Vijaya Gandagopala. Então, eles marcharam até Nellore e celebraram sua vitória realizando a cerimônia do virabisheka (unção dos heróis), depois de derrotar o rei kakatiya Ganapati. Enquanto isso, seu tenente Vira Pandya derrotou o rei de Lanka e submeteu a ilha.[71] No século XIV, o império pandia mergulhou numa guerra civil e teve que enfrentar sucessivas invasões do sultanato de Délhi. Em 1335, Madurai, a capital pandia, foi conquistada por Jalaluddin Ahsan Khan. Teve início, então, o sultanato de Madurai, mas este foi logo conquistado pelo reino de Bisnaga em 1378. Durante os séculos XV e XVI, o reino de Bisnaga foi a potência dominante no sul da Índia e patrocinou muitas obras literárias tâmeis. Depois do colapso do reino de Bisnaga em 1646, Tamil Nadu foi dominado por pequenos estados como Madurai Nayak.

A região a oeste dos Ghats Ocidentais se tornou, gradualmente, politicamente distinta das regiões orientais controladas pelos Pandias e Cholas.[72] Querala era, até o século IX, cultural e linguisticamente parte de Tamilakam, com o local Koduntamil evoluindo para a língua malaiala.[73] Essa transformação sociocultural foi alterada com a migração indo-ariana de falantes de sânscrito a partir do norte da Índia no século VIII.[74]

No Sri LankaEditar

Existe pouco consenso acadêmico sobre a presença tâmil no Sri Lanka.[75] De acordo com uma das teorias, uma população mesolítica local foi expulsa pela chegada dos tâmeis. Posteriormente, os cingaleses ocupariam a ilha.[76]

De acordo com sua própria tradição, os tâmeis do Sri Lanka são descendentes de nagas e yakshas aborígenes do Sri Lanka. Até hoje, os tâmeis hindus do Sri Lanka veneram divindades cobra, como os nagas.[77]

Período pré-históricoEditar

Os veddas, um povo indígena do Sri Lanka, possuem perfis genéticos similares aos adivasis do sul da Índia. Assentamentos culturalmente similares aos atualmente encontrados em Tamil Nadu e Sri Lanka foram escavados em locais megalíticos de enterro em Pomparippu, na costa oeste, e em Kathiraveli, na costa leste da ilha, com vilas estabelecidas entre o século V a.C. e o século II.[78][79] Semelhanças culturais entre práticas funerárias no sul da Índia e no Sri Lanka foram datadas pelos arqueólogos no século X a.C. Entretanto, a arqueologia e a história indianas empurraram essa data até o século XV a.C. Há evidência radiométrica de Anuradapura de que louça vermelha e preta com símbolos não bramis ocorre já nos séculos X e IX a.C.

Período históricoEditar

A cerâmica vermelha e preta encontrada no Sri Lanka indica que, já na antiguidade, a região era culturalmente similar ao sul da Índia.[80] As muitas inscrições bramis encontradas no Sri Lanka com nomes de clãs tâmeis como Parumakal, Ay, Vel, Uti (Utiyan), Tissa (Ticaiyan), Cuda/Cula/Cola, Naka etc. reforçam essa antiga similaridade com o sul da Índia.[81] Cerâmica com antiga escrita tâmil do século II a.C. foi encontrada em Poonakary, no norte do Sri Lanka. Ela apresentava o nome de clã Vela, similar ao nome do clã Velir, um clã tradicional tâmil do sul da Índia.[82] Cerâmica com antiga escrita tâmil também foi encontrada em Tissamaharama, no sul do Sri Lanka. Existe evidência epigráfica de pessoas que se identificavam como damelas ou damedas (as palavras prácritas para tâmil) em Anuradhapura, a capital do Rajarata, e em outras regiões do Sri Lanka, já no século II a.C.[83][84] No Mahavamsa, um poema histórico, aventureiros tâmeis como Elara invadem o Sri Lanka por volta de 145 a.C.[85] Soldados tâmeis procedentes do sul da Índia eram tão numerosos em Anuradapura entre os séculos VII e XI que os chefes locais tinham que solicitar sua ajuda para permanecer no poder.[86] Por volta do século VIII, existiam vilas tâmeis conhecidas coletivamente como Demel-kaballa (loteamento tâmil), Demelat-valademin (vilas tâmeis), e Demel-gam-bim (vilas e terras tâmeis).[87]

Período medievalEditar

Nos séculos IX e X, incursões pandias e cholas no Sri Lanka culminaram na anexação chola da ilha, que durou até a segunda metade do século XI, após o que a influência chola diminuiu no Sri Lanka.[88][89][90][91] O declínio chola no Sri Lanka foi seguido pela restauração monárquica da Cidade Antiga de Polonnaruva no final do século XI.[92] Em 1215, após invasões pandias, a dinastia Aryacakravarti estabeleceu o reino de Jafanapatão[93] na península de Jaffna e em partes do norte do Sri Lanka. A expansão Aryacakaravarthi em direção ao sul foi detida por Akalesvara Alagakkonara, o descendente de uma poderosa família feudal de Canchipuram que migrou para o Sri Lanka por volta do século XIII e se converteu ao budismo.[94] Akalesvara era o primeiro-ministro do rei cingalês Parakramabahu V (1344–59) e logo se tornou o real poder por trás do trono. Vira Alakeshwara, um descendente de Alagakkonara, se tornou, posteriormente, rei dos cingaleses.[95] mas o almirante ming Zheng He o derrubou em 1409 e levou-o cativo para a China. Depois disso, sua família perdeu sua influência. A dinastia Aryachakaravarthi continuou a dominar largas porções do nordeste do Sri Lanka até a conquista portuguesa do Reino de Jafanapatão em 1619. As áreas costeiras da ilha foram conquistadas pelos neerlandeses e logo se tornaram parte do império Britânico em 1796. O navegador inglês Robert Knox descreveu um passeio na região tâmil da ilha na sua obra Um relato histórico da ilha do Ceilão, registrando alguns de seus reinos em um mapa do ano de 1681.[96] Quando os europeus chegaram ao Sri Lanka no século XVII, os tâmeis foram descritos como habitando a porção nordeste da ilha.

O sistema de castas da maioria cingalesa acomodou imigrantes hindus do sul da Índia desde o século XIII. Isso levou ao surgimento de três novas castas cingalesas: salagama, durava e karava.[97][98][99] A migração e assimilação hindus continuaram até o século XVIII.[100]

Período modernoEditar

Os colonos britânicos consolidaram o território tâmil no sul da Índia através da presidência de Madras, que foi integrada à Índia britânica. De modo similar, a porção de língua tâmil do Sri Lanka se juntou às demais regiões da ilha em 1802 para formar a colônia do Ceilão. O Ceilão permaneceu politicamente unido à Índia até a independência da Índia em 1947. O Ceilão ganhou sua independência no ano seguinte, com o nome de Sri Lanka, abrigando tanto a população cingalesa quanto a tâmil.

O período pós-independência e a guerra civilEditar
 Ver artigo principal: Guerra civil do Sri Lanka

Tamil Eelam é um estado independente que os tâmeis do Sri Lanka e da diáspora desejam estabelecer no norte e no leste da ilha.[101][102][103][104][105] Ignorando as diferenças étnicas, os britânicos impuseram um Ceilão britânico de estrutura unitária.[106] Durante a administração colonial britânica, muitos tâmeis detinham posições mais altas no governo do que os cingaleses, devido a sua maior escolaridade inglesa. As terras altas cingalesas foram ocupadas pelos britânicos, e trabalhadores tâmeis foram deslocados para trabalhar nelas.[107] Com o fim da dominação colonial britânica, cresceu a tensão étnica entre cingaleses e tâmeis. Os cingaleses, que eram maioria, se ressentiam do grande poder dos tâmeis. Em 1948, aproximadamente 700 000 trabalhadores tâmeis nas plantações de chá foram deportados para a Índia. Em 1956, o primeiro-ministro do Sri Lanka decretou a lei 33, que estabelecia o cingalês como única língua oficial do país, em substituição ao inglês. Com isso, muitos funcionários públicos tâmeis foram obrigados a se demitir, pois não sabiam falar cingalês.[108] Os tâmeis encararam a lei como um ato de discriminação linguística, cultural e econômica contra eles.

Depois de vários pogrons contra os tâmeis em 1956, 1958 e 1977, surgiram organizações guerrilheiras como os Tigres de Liberação do Tamil Eelam. Elas tinham, por objetivo, criar um estado tâmil independente, Tamil Eelam, nas regiões de maioria tâmil do Sri Lanka. O incêndio da biblioteca pública de Jaffna em 1981 e o Julho Negro em 1983 levaram a mais de 25 anos de guerra civil entre o exército do Sri Lanka e os Tigres Tâmeis, em que ambos os lados cometerem inúmeras atrocidades. A guerra civil levou à morte de mais de 100 000 pessoas, de acordo com a Organização das Nações Unidas.[109] Alega-se que o exército do Sri Lanka cometeu crimes de guerra contra civis tâmeis nos meses finais da quarta fase da guerra civil em 2009, quando o líder dos Tigres, Prabhakaran, foi morto.[110] A guerra resultou em mais de 800 000 refugiados tâmeis, grande parte dos quais se refugiou no Reino Unido ou na Índia.

Distribuição geográficaEditar

ÍndiaEditar

A maioria dos tâmeis indianos vive em Tamil Nadu. Os tâmeis são maioria no Território da União Puducherry, uma antiga colônia francesa. Puducherry é um enclave situado em Tamil Nadu. Os tâmeis compõe pelo menos 1/6 da população de Andamão e Nicobar.

Existem significativas comunidades tâmeis em outras regiões da Índia. Muitas delas surgiram em época relativamente recente, nos períodos colonial e pós-colonial, mas algumas remontam ao período medieval. Significativas populações residem em Karnataka (2 900 000), Maharashtra (1 400 000), Andra Pradexe (1 200 000), Querala (600 000) e a região da capital (100 000).[111]

Sri LankaEditar

Existem dois grupos de tâmeis no Sri Lanka: os tâmeis do Sri Lanka e os tâmeis indianos do Sri Lanka. Os tâmeis do Sri Lanka descendem dos tâmeis do velho reino de Jafanapatão e das possessões costeiras chamadas Vannimai. Os tâmeis indianos descendem de escravos por dívida que migraram de Tamil Nadu para o Sri Lanka no século XIX para trabalhar nas plantações de chá.[112] Também existe uma significativa população muçulmana no Sri Lanka. Devido a sua origem independente,[113][114] eles são listados[115] como mouros pelo governo do Sri Lanka.[116][117]

A maioria dos tâmeis do Sri Lanka vive nas províncias do norte e do leste e na capital Colombo, enquanto a maior parte dos tâmeis da Índia vive no Decão.[118] Historicamente, ambos os grupos se veem como comunidades separadas, embora tenha surgido um maior sentimento de união a partir da década de 1980.[119]

A partir de um acordo entre os governos da Índia e do Sri Lanka na década de 1960, aproximadamente quarenta por cento dos tâmeis indianos do Sri Lanka ganharam cidadania cingalesa, e muitos dos restantes foram repatriados para a Índia.[120] Na década de 1990, a maioria dos tâmeis indianos do Sri Lanka já havia obtido a cidadania cingalesa.[121]

Diáspora tâmilEditar

Significativa emigração tâmil principiou no século XVIII, quando o governo colonial britânico enviou tâmeis pobres como servos por contrato para distantes regiões do império Britânico, como Malásia britânica, África do Sul, Fiji, Maurícia, Trindade e Tobago, Guiana, Suriname, Jamaica, Guiana Francesa, Guadalupe e Martinica. Aproximadamente na mesma época, muitos empresários tâmeis também migraram para outras regiões do império, especialmente Myanmar e leste da África.[122]

Muitos tâmeis ainda vivem nesses países, e as comunidades tâmeis em Singapura, Reunião (departamento), Malásia e África do Sul mantiveram muito de sua língua e cultura originais. Muitas crianças malaias vão a escolas tâmeis, e uma significativa porção das crianças tâmeis possui o tâmil como primeira língua. Em Singapura, Maurícia e Reunião, estudantes tâmeis aprendem o tâmil como sua segunda língua na escola. Em Singapura, para preservar a língua tâmil, o governo a tornou oficial, embora os tâmeis formem apenas cinco por cento da população, e também tornou obrigatório seu ensino aos tâmeis. Outras comunidades tâmeis, como as da África do Sul, Fiji, Maurícia, Trindade e Tobago, Guiana, Suriname, Jamaica, Guiana Francesa, Guadalupe, Paquistão, Martinica e Caribe não falam mais a língua tâmil como primeira língua, mas ainda possuem uma forte identidade tâmil, e conseguem compreender a língua, enquanto os mais velhos ainda a têm como primeira língua. Existe uma pequena comunidade tâmil no Paquistão, que se fixou durante a partição da Índia em 1947.[123]

Uma grande emigração começou na década de 1980, conforme os tâmeis do Sri Lanka fugiam da perseguição étnica. Esses tâmeis se fixaram sobretudo na Austrália, Europa, América do Norte e sudeste da Ásia.[124] Atualmente, a maior concentração de tâmeis do Sri Lanka fora do Sri Lanka está em Toronto.[125][126][127]

CulturaEditar

Língua e literaturaEditar

Os tâmeis possuem uma forte ligação com a língua tâmil, que é sempre venerada na literatura como Tamil̲an̲n̲ai, "a mãe tâmil".[128] Ela tem sido historicamente central na identidade tâmil. É uma língua dravídica, com pouca relação com as línguas indo-europeias do norte da Índia. Ela foi muito menos influenciada pelo sânscrito que outras línguas dravídicas, e possui muitas afinidades com o protodravídico, embora falantes atuais de tâmil em Tamil Nadu utilizem muitas palavras de empréstimo do sânscrito e do inglês.[129] A literatura tâmil possui considerável antiguidade, e é reconhecida como língua clássica pelo governo da Índia. A literatura tâmil clássica, que varia da poesia lírica a trabalhos em poética e ética, é muito diferente da literatura que se produziu na mesma época e posteriormente em outras línguas indianas, e representa o mais velho corpus de literatura secular do sul da Ásia.[130]

ReligiãoEditar

Antigas obras de gramática tâmil (Tolkāppiyam), o Pattuppāṭṭu e o Eṭṭuttokai fornecem informações sobre a antiga religião. Murugan era venerado como "o deus vermelho sentado no pavão azul, sempre jovem e resplandecente, o deus favorito dos tâmeis".[131] Sivan também era visto como deus supremo.[132] A iconografia inicial de Seyyon[133] e Sivan[134][135][136] e sua associação com a flora e fauna nativas remontam à civilização do Vale do Indo.[137] O panorama Sangam foi classificado em cinco categorias, thinai, baseado no humor, estação e terra. O Tolkāppiyam diz que cada um desses thinai tinha uma divindade associada, como Seyyon em Kurinji (montanhas), Thirumal em Mullai (florestas), Korravai em Marutham (planícies), e Wanji-ko em Neithal (litoral e oceano). Outros deuses mencionados são Mayyon e Vaali, que são importantes divindades do hinduísmo atual. É evidente a influência dravídica na religião védica inicial: muitas dessas influências já estão presentes na mais antiga língua indo-ariana conhecida, a língua do Rigveda (c. 1500 a.C.), que apresenta uma dúzia de palavras dravidianas. Isso representa uma fusão ou síntese inicial de religião e cultura entre os antigos dravidianos e os indo-arianos, o que foi se tornando cada vez mais evidente através da iconografia sagrada, fauna e flora, influenciando o hinduísmo, o budismo e o jainismo. Comerciantes de Tamilakam e Querala introduziram o Cholapauttam, uma forma sincrética de budismo e xivaísmo, no norte do Sri Lanka e no sul da Índia. Essa religião foi transmitida através da língua tâmil, e perdeu importância no século XIV quando as condições passaram a favorecer a cultura em língua cingalesa e língua páli.[138]

O culto da deusa mãe é tratado como um indicativo de que essa sociedade venerava a feminilidade. Amman, Mariamman, Durgai, Lakshmi, Sarasvati, Kali e Saptakanniyar são veneradas.[139] Os templos da época Sangam, principalmente em Madurai, aparentavam ter sacerdotisas, que intercediam junto a deusas.[140] Na literatura Sangam, existe uma elaborada descrição dos ritos executados pelas sacerdotisas de Kurava no altar Palamutircholai.[141] Aproximadamente 88 por cento[142] da população de Tamil Nadu é hindu.

Em Tamil Nadu, cristãos e muçulmanos representam seis por cento e 5,8 por cento da população, respectivamente.[143] A maioria dos muçulmanos em Tamil Nadu fala tâmil,[144] e menos de quinze por cento possui a língua urdu como língua mãe. Os tâmeis jainistas, hoje, são poucos milhares.[145] Ateus, racionalistas, humanistas e outros também compõe minorias significativas.[146]

A mais popular divindade hindu tâmil é Murugan; ele é conhecido como o deus protetor dos tâmeis, e também é chamado de Tamil Kadavul (Deus Tâmil).[147][148] Na tradição tâmil, Murugan é o mais jovem e Pillaiyar o mais velho filho de Sivan e Parvati. A deusa Parvati é, frequentemente, representada como uma deusa de pele esverdeada, na tradição hindu tâmil. Pensa-se que a adoração de Amman, também chamada de Mariamman, que é muito comum, se originou do culto de uma antiga deusa-mãe.[149] Kannagi, a heroína da epopeia Silappatikaram, é adorada como Pattini por muitos tâmeis, particularmente no Sri Lanka.[150] Existem, também, muitos seguidores de Ayyavazhi em Tamil Nadu, principalmente nos distritos do sul.[151] Além disso, também existem muitos templos e devotos de Thirumal, Sivan, Pillaiyar e outras divindades hindus.

Os muçulmanos de Tamil Nadu seguem o hanafismo e o xafeísmo, enquanto os muçulmanos do Sri Lanka seguem a escola Shadhili. Enquanto as seitas Marakkayar e Kayalar alegam descender do mundo árabe, as seitas Rowther e Labbay alegam descender dos povos turcos. Todas essas seitas possuem um vocabulário tâmil improvisado com o uso de palavras emprestadas devido a miscigenação. Erwadi, no distrito de Ramanathapuram, e Nagore, no distrito de Nagapattinam,[152] são os maiores centros de peregrinação muçulmana em Tamil Nadu. A mesquita de Karpudayar em Kayalpattinam, a velha mesquita Jumma em Keelakarai e a grande mesquita de Kazimar em Madurai são algumas das mais antigas mesquitas tâmeis em Tamil Nadu.

Entre os antigos tâmeis, a prática de erigir memoriais de pedra (natukal) surgiu na época Sangam e continuou por um bom tempo após o final dessa época, até mais ou menos o século XVI.[153] Era comum que as pessoas que desejavam alcançar a vitória na guerra adorassem essas "pedras de herói", pois elas acreditavam que, dessa maneira, seriam retribuídas com a vitória.[154] Esses monumentos, frequentemente, possuíam inscrições, adornos, baixos-relevos, frisos e painéis esculpidos.[155]

Os mais importantes festivais tâmeis são o Pongal, uma festa da colheita que ocorre em meados de janeiro, e o Varudapirappu, o ano-novo tâmil, que ocorre em 14 de abril. Ambos os festivais são celebrados por quase todos os tâmeis, independente da religião. O festival hindu Diwali é celebrado com fanfarra; outros festivais hindus incluem o Thaipusam, Panguni Uttiram e Adiperukku. Enquanto o Adiperukku é celebrado com mais pompa na região de Cauvery, o festival de Ayyavazhi, Ayya Vaikunda Avataram, é celebrado principalmente nos distritos sulistas de Kanyakumari, Tirunelveli, e Thoothukudi.

No Tamil Nadu rural, muitas divindades locais, chamadas aiyyan̲ārs, são tidas como espíritos de heróis locais, que protegem a vila.[156] Frequentemente, sua adoração é centrada em torno do naddukal, pedras erigidas em memória de heróis mortos em combate. Essa forma de adoração é mencionada frequentemente na literatura clássica, e aparenta descender de um antigo costume tâmil.[157] Os Munis são um grupo de deuses guardiões, que são adorados pelos tâmeis. A tradição xivaíta do hinduísmo está representada significativamente entre os tâmeis, principalmente os tâmeis do Sri Lanka, embora a maior parte dos locais importantes do xivaísmo esteja localizada no norte da Índia. Os Alvars e Nayanars, que eram predominantemente tâmeis, tiveram um importante papel no renascimento da tradição bhakti na Índia. No século X, o filósofo Ramanuja propagou a teoria do vishishtadvaita.[158] Kambaramayanam é a versão tâmil do épico hindu Ramáiana, e foi escrito pelo poeta tâmil Kambar no século XII. A versão tâmil é mais curta que o Ramáiana original escrito por Valmiki. Não é uma tradução, e conta a história por um outro ângulo.

Os tâmeis jainistas constituem aproximadamente 0,13 por cento da população de Tamil Nadu.[159] Muito da rica literatura tâmil foi escrita por jainistas.[160] De acordo com George L. Hart, a lenda dos Tamil Sangam (assembleias literárias) se baseou no sangham jainista de Madurai.[161]

Tradições marciaisEditar

Várias artes marciais, incluindo kuttu varisai, varma kalai, silambam, adithada e malyutham, são praticadas em Tamil Nadu.[162] A fase de aquecimento dessas artes marciais inclui ioga, meditação e exercícios respiratórios. O silambam se originou no antigo Tamil Nadu, e foi patrocinado pelos Pandias e Cholas, que dominaram a região. O Silapathiharam, obra de literatura tâmil do século II, se refere à venda de instruções, armas e equipamentos de silambam a comerciantes estrangeiros.[163]

Desde o início do período Sangam, havia uma cultura guerreira na Índia do sul. A guerra era vista como um sacrifício honroso, e heróis mortos eram venerados sob a forma de "pedras de herói". Todos os guerreiros eram treinados em artes marciais e equitação, se especializando em duas das três armas da época: vel (lança), val (espada) e vil (arco).[164] O martírio heroico era glorificado na antiga literatura tâmil. Os guerreiros tâmeis seguiam um código de honra parecido ao dos samurais japoneses, e cometiam suicídio para preservar sua honra. As formas de suicídio marcial eram conhecidas como Avipalli, Thannai, Verttal, Marakkanchi, Vatakkiruttal e Punkilithu Mudiyum Maram. Avipalli foi mencionada em todas as obras antigas, exceto em Veera Soliyam. Era o autossacrifício de um guerreiro, em honra da deusa da guerra, por causa da vitória de seu comandante.[165] Os tâmeis rebeldes do Sri Lanka adotaram alguns elementos da tradição marcial tâmil, como a adoração dos heróis mortos (Maaveerar Naal) e a prática do suicídio marcial. Eles carregavam pílulas de suicídio ao redor do pescoço para evitar a captura e a tortura.[166] Além da sua disposição para o autossacrifício, eram marcantes sua organização e disciplina. Eram proibidos, aos rebeldes, o tabaco, o álcool, drogas e sexo.[167]

A prática de erigir memoriais de pedra (natukal) surgiu entre os antigos tâmeis, e continuou por muito tempo após a era Sangam, até aproximadamente o século XVI.[168] Era comum que as pessoas que procuravam a vitória na guerra adorassem essas pedras de herói na esperança de ser abençoadas com a vitória.[169] Elas frequentemente possuíam inscrições com adornos, baixos-relevos, frisos e figuras esculpidas.[170]

O aço wootz se originou no sul da Índia e no Sri Lanka.[171][172] Existem várias antigas referências literárias tâmeis, gregas, chinesas e romanas ao aço indiano de alto carbono desde o tempo da campanha indiana de Alexandre, o Grande. O processo de produção de aço de crisol começou no século VI a.C., em locais como: Kodumanal, em Tamil Nadu; Golconda, em Andra Pradexe; Karnataka; e Sri Lanka. Desses locais, era exportado globalmente. Os tâmeis da dinastia Chera produziam o que era considerado "o melhor aço do mundo" pelos romanos, egípcios, chineses e árabes por volta de 500 a.C.[173][174][175] Era o aço que viria a ser conhecido como "aço wootz".[176]

O método de Tamilakam era aquecer minério de magnetita preta na presença de carbono num recipiente de barro selado dentro de um forno de carvão. Uma alternativa era derreter primeiro o minério para produzir ferro forjado, e então aquecê-lo e martelá-lo para livrá-lo dos resíduos. A fonte de carbono era bambu e folhas de plantas como Senna auriculata.[177][178] Os chineses e os cingaleses adotaram os métodos de produção de aço wootz dos tâmeis cheras por volta do século V a.C.[179] No Sri Lanka, esse método inicial de produção de aço empregava uma exclusiva fornalha eólica, alimentada pelos ventos de monção, capaz de produzir aço de alto carbono. Surgiram, então, locais de produção em Anuradapura, Tissamaharama e Samanalawewa, assim como artefatos importados de aço e ferro de Kodumanal. Em 200 a.C., uma guilda comercial tâmil em Tissamaharama, no sudeste do Sri Lanka, introduziu, na ilha, alguns dos mais antigos artefatos e técnicas de produção de aço e ferro.[180][181] Os árabes introduziram o aço wootz do Sri Lanka e do sul da Índia no aço damasco. O viajante árabe do século XII Dreses disse que o aço indiano era o melhor do mundo.[182] Outra mostra de sua reputação é a expressão persa "dar uma resposta indiana", que significa "cortar com uma espada indiana".[183] O aço wootz foi amplamente comercializado por toda a antiga Europa e mundo árabe, e se tornou particularmente famoso no oriente médio.[184]

Armas tradicionaisEditar

As artes marciais tâmeis incluem o uso de várias armas:

  • Valari (bastão de lançar)
  • Maduvu (chifres de veado)
  • Surul vaal (lâmina curva)
  • Vaal (espada) + Ketayam (escudo)
  • Itti ou Vel (lança)
  • Savuku (chicote)
  • Kattari (adaga de punho)
  • Veecharuval (machete de batalha)
  • Silambam (bastão longo de bambu)
  • Kuttu katai (soco-inglês pontiagudo)
  • Katti (adaga)
  • Vil + Ambu (arco e flecha)
  • Tantayutam (maça)
  • Soolam (tridente)
  • Theekutchi (bastão flamejante)
  • Yeratthai mulangkol (bastão duplo)
  • Yeretthai Vaal (espada dupla)

Artes visuais e arquiteturaEditar

 Ver artigo principal: arquitetura dravídica

A maior parte da arte tradicional tâmil é, de alguma forma, religiosa, usualmente centrada no hinduísmo. Porém, frequentemente, o elemento religioso é apenas um meio de expressar temas universais e, ocasionalmente, humanistas.[185]

A mais importante forma de pintura tâmil é a pintura de Tanjore, que se originou em Thanjavur no século IX. A base da pintura é feita de tecido e coberta com óxido de zinco. Sobre essa base, se efetua a pintura com tinta. Ela é, então, decorada com pedras semipreciosas e fios de ouro ou prata. Uma pintura semelhante é usada para pintar murais ou paredes de templos, como os murais do templo de Koodal Azhagar e do templo de Meenakshi Amman (ambos em Madurai) e do templo de Brihadisvara (em Thanjavur).[186]

A escultura tâmil varia de elegantes esculturas de pedra em templos a ícones de bronze com requintados detalhes. Os bronzes medievais cholas são considerados uma das grandes contribuições da Índia ao mundo da arte.[187][188] Ao contrário da maior parte da arte ocidental, o material da escultura tâmil não influencia a forma da escultura; ao invés disso, o artista impõe a sua visão na forma da escultura.[189] Como resultado, as esculturas tâmeis em pedra possuem formas fluidas usualmente reservadas às esculturas em metal.

MúsicaEditar

Antigas obras tâmeis, como o Silappatikaram, descrevem um sistema musical.[190] Uma inscrição pallava do século VII em Kudimiyamalai contém um dos mais antigos exemplos de notação musical indiana.[191] Formas contemporâneas de dança como o Bharatanatyam possuem origem recente porém se baseiam em formas mais antigas de dança de templos, as Catir Kacceri, que eram praticadas por cortesãs e devadasis.[192]

Artes performáticasEditar

São famosos os estilos de dança tâmeis:

Formas contemporâneas de dança como o bharatanatyam possuem origem recente porém se baseiam em formas mais antigas de dança de templos conhecidas como Catir Kacceri, que eram praticadas por cortesãs e devadasis.[193] Uma das danças folclóricas tâmeis é o karakattam. Na sua forma religiosa, a dança é executada em frente a uma imagem da deusa Mariamman.[194] O kuravanci é um tipo de dança-drama executado por de quatro a oito mulheres. O drama é aberto por uma mulher que interpreta o papel de uma adivinhadora de futuro da tribo montanhesa Kurava, que conta a história de uma mulher que anseia por um amante. O therukoothu, literalmente "peça teatral de rua", é uma forma de teatro ou ópera popular. É tradicionalmente executado nas praças das vilas, sem cenários e com infraestrutura bem simples.[195] As apresentações envolvem cantos e danças, e as histórias podem ser tanto religiosas como seculares.[196] As apresentações não são formais, e os artistas interagem com o público, brincando com ele e envolvendo-o no diálogo. Em tempos mais recentes, o Therukkūthu foi adaptado de forma bem-sucedida para transmitir mensagens sociais, como abstinência e crítica ao sistema de castas, assim como informações sobre direitos legais, e se espalhou para outras regiões da Índia. Tamil Nadu também possui uma grande tradição teatral, influenciada pelo teatro ocidental. Existem várias companhias teatrais, com repertório que inclui peças absurdas, realistas e de comédia.

Filme e teatroEditar

 Ver artigo principal: Soap opera tâmil

A cultura de teatro floresceu entre os tâmeis durante o período clássico. O teatro tâmil possui uma história longa e variada, cuja origem data de dois mil anos atrás, com formas de dança-teatro como o kotukotti e o pandarangam, que são mencionados na antiga antologia de poemas Kalingathu Parani.[197] A moderna indústria de filmes tâmil surgiu ao longo do século XX. Ela tem o seu centro em Chennai e é conhecida como Kollywood. É a segunda maior indústria de filmes do país, só perdendo para Bollywood.[198] Os filmes de Kollywood são vistos não apenas por indianos mas também por membros da diáspora tâmil. Os filmes tâmeis de Chennai foram exibidos em Singapura, Sri Lanka, África do Sul, Malásia, Japão, Oceania, Oriente Médio, Europa Ocidental, e América do Norte. Produção independente tâmil inspirada em Kollywood surgiu no Sri Lanka, Singapura, Canadá e Europa Ocidental. Muitas atrizes tâmeis como Anuisa Ranjan Vyjayanthimala, Hema Malini, Rekha Ganesan, Sridevi, Meenakshi Sheshadri, e Vidya Balan atuaram em Bollywood. Alguns ministros-chefes em Tamil Nadu como MG Ramachandran, Karunanidhi e Jayalalithaa possuem suas origens na indústria de filmes tâmil.

Esportes em Tamil NaduEditar

As pessoas de Tamil Nadu praticam esportes tradicionais e esportes de outros países.

  • Jallikattu: é um esporte onde se domam touros. Possui 2 000 anos de idade e pertence à cultura tâmil. Na antiguidade, eram praticados dois esportes onde se domavam e montavam touros: manjuvirattu e yeruthazhuval. Eles eram praticados para manter os temperamentos das pessoas bem-dispostos e preparados para a guerra a qualquer momento. Cada um deles possui suas próprias técnicas e regras. Esses esportes eram um dos critérios para casar com mulheres de famílias guerreiras. Existiam tradições de que o vencedor poderia ser escolhido como noivo. Os touros que não conseguiam ser domados eram motivo de orgulho para o seu dono, e passavam a ser utilizados como reprodutores. A antiga arte tâmil de domar touros era popular entre guerreiros no período clássico,[199][200] e sobreviveu até os dias de hoje em partes de Tamil Nadu, especialmente em Alanganallur, onde é celebrada uma vez ao ano, na festa de pongal, com o nome de jallikattu.
  • Kabaddi: um esporte tradicional, originário de Tamil Nadu.[201] A palavra kabaddi provavelmente se originou da palavra tâmil kai-pidi ("segurar as mãos").
  • Mattu Vandy Elgai Panthayam: corrida de carro de boi que é celebrada principalmente no sul de Tamil Nadu.
  • Silambam: é uma arte marcial originária do antigo Tamilakam. Em 1978, o governo de Tamil Nadu e a federação olímpica de Tamil Nadu reconheceram o silambam como um esporte tradicional, mas este não é reconhecido pelo ministério de esportes da Índia e pela Associação Olímpica da Índia.[202]
  • Críquete: notáveis jogadores de críquete de Tamil Nadu são Srinivasaraghavan Venkataraghavan, Krishnamachari Srikkanth, Laxman Sivaramakrishnan, Lakshmipathy Balaji, Baba Aparajith, Murali Vijay, Ravichandran Ashwin, Murugan Ashwin, Sadagoppan Ramesh e Dinesh Karthik. O proeminente jogador cingalês Muttiah Muralidharan, que detém o atual recorde de oitocentos wickets na carreira, possui ascendência de Tamil Nadu. Em Chennai, existe o estádio M. A. Chidambaram, com capacidade de 50 000 pessoas.
  • Xadrez: é um popular esporte em Tamil Nadu. A Associação de Xadrez de Tamil Nadu regula o esporte no estado. Viswanathan Anand é um grão-mestre indiano e antigo campeão mundial.
  • Hóquei em campo: um número menor de pessoas se interessa por hóquei. A Autoridade para o Desenvolvimento de Esportes de Tamil Nadu planeja criar uma academia desse esporte.[203]
  • Squash: Joshna Chinappa e Dipika Pallikal Karthik são jogadoras notáveis.
  • Natação pura: Kutraleeswaran é um nadador notável.[204]
  • Ténis: o ATP de Chennai é um torneio profissional de tênis realizado todo mês de janeiro em Chennai. Notáveis participantes foram Ramesh Krishnan, Ramanathan Krishnan, Vijay Amritraj, Mahesh Bhupathi e Nirupama Sanjeev.
  • Automobilismo: foi pioneiro no esporte Sundaram Karivardhan (1954–95). As corridas entre as décadas de 1960 e 1980 foram realizadas em Sholavaram, que havia sido usado como pista de pouso para aeronaves na Segunda Guerra Mundial.[205] Atualmente, as corridas são realizadas em Irungattukottai, perto de Sriperumbudur, pelo Clube de Esporte a Motor de Madras, e no autódromo de Kari, perto de Coimbatore. Os indianos na fórmula 1 são de Tamil Nadu: Narain Karthikeyan e Karun Chandhok. Na temporada de 2010 da fórmula 2 europeia, Parthiva Sureshwaren e Ajith Kumar representaram a Índia.[206]
  • Voleibol: a seleção de Tamil Nadu ganhou o campeonato nacional realizado em 2011.[207]
  • Arco e flecha: Srither ganhou o campeonato asiático realizado na Indonésia em novembro de 2009.[208]
  • Futebol: a seleção de Tamil Nadu competiu no Troféu Santosh.
  • Jogos Paraolímpicos: Mariyappan Thangavelu ganhou a medalha de ouro nos Jogos Paralímpicos de Verão de 2016, no Rio de Janeiro.[209][210]

Cozinha tâmilEditar

A cozinha tâmil inclui comida vegetariana e comida não vegetariana. Alguns tâmeis, especialmente os da casta brâmane, são vegetarianos por motivos religiosos.[211] O arroz tem uma grande importância na cultura tâmil. Os tâmeis estão entre os primeiros povos que cultivaram o arroz. A palavra "arroz" pode ter se originado da palavra tâmil arisi.[212][213] Geralmente, o arroz é comido com caril vegetariano ou não vegetariano. Tradicionalmente, os tâmeis sentam no chão e a comida é servida sobre uma folha de bananeira. As comidas tradicionais são comidas com a mão direita. Pratos como dosa, idli e vada são servidos com sambar, chutney ou, no Sri Lanka, pol-sambola. O rasam substitui a sopa na cozinha tâmil. A cozinha tâmil do Sri Lanka difere pouco da cozinha tâmil do sul da Índia.[214] Uma especialidade da cozinha tâmil do Sri Lanka é kottu roti, disponível na maior parte dos restaurantes no Sri Lanka e no exterior.

Ver tambémEditar

Referências

  1. «Top 30 Languages by Number of Native Speakers: sourced from Ethnologue: Languages of the World, 15th ed. (2005)». Vistawide - World Languages & Cultures. Consultado em 3 de abril de 2007 
  2. «Indian Census - Abstract of Strength of Mother Tongues». Indian Census, 2001. Consultado em 7 de janeiro de 2008 
  3. «Brief Analysis of Population and Housing Characteristics» (PDF). Censo populacional e domiciliar do Sri Lanka de 2001. Consultado em 7 de janeiro de 2008 
  4. a b «Ethnologue report for language code tam». Ethnologue: Languages of the World. Consultado em 31 de julho de 2007 
  5. [1]
  6. «Tamils:Population in Canada (2007)». Ryerson University. Consultado em 19 de fevereiro de 2008. Arquivado do original (html) em 14 de fevereiro de 2008 
  7. Maloney, Clarence. «Maldives People». Consultado em 22 de junho de 2008 
  8. Kshatriya, G.K. (1995). «Genetic affinities of Sri Lankan populations». American Association of Anthropological Genetics. Human Biology. 67 (6): 843–66. PMID 8543296 
  9. a b c d Paulo Correia; Direção-Geral da Tradução — Comissão Europeia (Outono de 2012). «Etnónimos, uma categoria gramatical à parte?» (PDF). Sítio Web da Direção-Geral de Tradução da Comissão Europeia no portal da União Europeia. a folha — Boletim da língua portuguesa nas instituições europeias (N.º 40): 30. ISSN 1830-7809. Consultado em 13 de janeiro de 2013 
  10. M. B. Emeneau (1956). «India as a lingustic Area». Language. 32 (1). 5 páginas. doi:10.2307/410649. Consultado em 3 de maio de 2007. Of the four literary Dravidian languages, Tamil has voluminous records dating back at least two millennia 
  11. Ministry of Finance and Economic Development. «DIGEST OF DEMOGRAPHIC STATISTICS 2013» (PDF). Consultado em 25 de maio de 2020  line feed character character in |título= at position 7 (ajuda)
  12. N. Subrahmanian (1996). The Tamils: Their History, Culture, and Civilization. 36. Institute of Asian Studies. [S.l.: s.n.] pp. 150–58 
  13. Mohan Lal. Encyclopaedia of Indian Literature: Sasay to Zorgot. [S.l.: s.n.] 4283 páginas 
  14. South Asian Studies Centre, Department of Political Science, University of Rajasthan (1999). South Asian Studies. [S.l.: s.n.] 11 páginas 
  15. Chattopadhyaya, Haraprasad; Sarkar, S.K. (2003). Ethnic Composition and Crisis in South Asia: Sri Lanka, Bangladesh, Bhutan. [S.l.]: Global Vision Publishing House. 480 páginas. ISBN 9788187746737 
  16. Hermann Kulke, K. Kesavapany, Vijay Sakhuja. Nagapattinam to Suvarnadwipa: Reflections on the Chola Naval Expeditions to Southeast Asia. [S.l.: s.n.] 79 páginas 
  17. Angela Schottenhammer. The Emporium of the World: Maritime Quanzhou, 1000–1400. [S.l.: s.n.] 293 páginas 
  18. Stein, B. (1977). "Circulation and the Historical Geography of Tamil Country", The Journal of Asian Studies, 37 (1): 7–26. [S.l.: s.n.] doi:10.2307/2053325, JSTOR 2053325 
  19. Mohan Lal. Encyclopaedia of Indian Literature: Sasay to Zorgot. [S.l.: s.n.] 4284 páginas 
  20. Michael Wood (17 de fevereiro de 2011). «The Story of India: South India» 
  21. Wood, Michael. A South Indian Journey: The Smile of Murugan. [S.l.]: Penguin UK. ISBN 978-0-14-193527-0 
  22. Indrapala, K. The Evolution of an ethnic identity: The Tamils of Sri Lanka. [S.l.: s.n.] pp. 155–56 
  23. Indrapala, K. The Evolution of an ethnic identity: The Tamils of Sri Lanka. [S.l.: s.n.] pp. 155–56 
  24. Edward Balfour. The cyclopædia of India and of Eastern and Southern Asia. [S.l.: s.n.] 
  25. Indrapala, K. The Evolution of an ethnic identity: The Tamils of Sri Lanka. [S.l.: s.n.] pp. 155–56 
  26. Southworth, Franklin C. (1998). "On the Origin of the word tamiz", International Journal of Dravidial Linguistics, 27 (1): 129–32. [S.l.: s.n.] 
  27. Zvelebil, Kamil V. (1992). Companion Studies to the history of Tamil literature. [S.l.]: Leiden: E.J. Brill. pp. x–xvi 
  28. «Reading the past in a more inclusive way». Consultado em 27 de maio de 2020 
  29. K. De B. Codrington (1930). "Indian Cairn- and Urn-Burials", Man, 30 (30): 190–96. [S.l.: s.n.] doi:10.2307/2790468, JSTOR 2790468 
  30. K.A.N. Sastri. A History of South India. [S.l.: s.n.] 
  31. K. De B. Codrington (2017). "Indian Cairn- and Urn-Burials", Man, 30 (30): 190–196. [S.l.: s.n.] doi:10.2307/2790468, JSTOR 2790468 
  32. Nilakanta Sastri. A history of South India. [S.l.: s.n.] 105 páginas 
  33. K.A.N. Sashtri. A History of South India. [S.l.: s.n.] pp. 109–12 
  34. P.M. Rajan Gurukkal. «PERSPECTIVES ON KERALA HISTORY». Consultado em 27 de maio de 2020 
  35. Kanchan Sinha (1979). Kartikeya in Indian art and literature. [S.l.]: Delhi: Sundeep Prakashan 
  36. K. Sivathamby (1974). "Early South Indian Society and Economy: The Tinai Concept", Social Scientist, 3 (5): 20–37. [S.l.: s.n.] doi:10.2307/3516448, JSTOR 3516448 
  37. K. Sivathamby (1974). "Early South Indian Society and Economy: The Tinai Concept", Social Scientist, 3 (5): 20–37. [S.l.: s.n.] doi:10.2307/3516448, JSTOR 3516448 
  38. «Encyclopedia Britannica». Consultado em 28 de maio de 2020 
  39. M.G.S. Narayanan (1988). "The Role of Peasants in the Early History of Tamilakam in South India", Social Scientist, 16 (9): 17–34. [S.l.: s.n.] doi:10.2307/3517170, JSTOR 3517170 
  40. M.G.S. Narayanan (1988). "The Role of Peasants in the Early History of Tamilakam in South India", Social Scientist, 16 (9): 17–34. [S.l.: s.n.] doi:10.2307/3517170, JSTOR 3517170 
  41. «Encyclopedia Britannica». Consultado em 28 de maio de 2020 
  42. Veluppillai, Prof. A. "Archaeologists Uncover Ancient Maritime Spice Route Between India, Egypt". [S.l.: s.n.] 
  43. «The Periplus of the Erythraean Sea: Travel and Trade in the Indian Ocean by a Merchant of the First Century». Consultado em 30 de maio de 2020  line feed character character in |título= at position 36 (ajuda)
  44. Indian Geographical Society (1941). The Indian Geographical Journal. [S.l.: s.n.] 69 páginas 
  45. K.A.N. Sastri. A History of South India. [S.l.: s.n.] 130 páginas 
  46. Indian Geographical Society (1941). The Indian Geographical Journal. [S.l.: s.n.] 69 páginas 
  47. K.A.N. Sastri. A History of South India. [S.l.: s.n.] 
  48. Marilyn Hirsh (1987). "Mahendravarman I Pallava: Artist and Patron of Mamallapuram", Artibus Asiae, 48 (1/2): 109–130. [S.l.: s.n.] doi:10.2307/3249854, JSTOR 3249854 
  49. A. Kiruṭṭin̲an̲ (2000). Tamil culture: religion, culture, and literature. [S.l.]: Bharatiya Kala Prakashan. 17 páginas 
  50. Ven. S. Dhammika (1993). «THE EDICTS OF KING ASHOKA». Consultado em 30 de maio de 2020 
  51. K.A.N. Sastri (1935). The Colas. [S.l.: s.n.] 20 páginas 
  52. «Hathigumpha Inscription of Kharavela of Kalinga». Consultado em 30 de maio de 2020 
  53. K.A. Nilakanta Sastri. History of South India. [S.l.: s.n.] 
  54. Kamil Veith Zvelebil. Companion Studies to the History of Tamil Literature. [S.l.: s.n.] 12 páginas 
  55. K.A.N. Sastri (1955). A History of South India. [S.l.]: OUP. 105 páginas 
  56. Smith, Vincent Arthur (1904). The Early History of India. [S.l.]: The Clarendon press. pp. 336–58. ISBN 978-81-7156-618-1 
  57. Chandra, Satish (1997). Medieval India: From Sultanat to the Mughals (1206–1526) – I. [S.l.]: Har-Anand Publications. 250 páginas. ISBN 978-81-241-1064-5 
  58. Smith, Vincent Arthur (1904). The Early History of India. [S.l.]: The Clarendon press. pp. 336–58. ISBN 978-81-7156-618-1 
  59. Srivastava, Balram (1973). Rajendra Chola. [S.l.]: National Book Trust, India. 80 páginas 
  60. D. Curtin, Philip (1984). Cross-Cultural Trade in World History. [S.l.]: Cambridge University Press. 101 páginas. ISBN 978-0-521-26931-5 
  61. Smith, Vincent Arthur (1904). The Early History of India. [S.l.]: The Clarendon press. pp. 336–58. ISBN 978-81-7156-618-1 
  62. CUP Archive (191). The Cambridge Shorter History of India. [S.l.: s.n.] 
  63. Sailendra Nath Sen (1999). Ancient Indian History and Civilization. [S.l.]: New Age International. 485 páginas 
  64. Derek Thiam Soon Heng, Syed Muhd Khairudin Aljunied. Singapore in Global History. [S.l.: s.n.] 40 páginas 
  65. Hermann Kulke; K Kesavapany; Vijay Sakhuja. Nagapattinam to Suvarnadwipa: Reflections on the Chola Naval Expeditions to Southeast Asia. [S.l.]: Institute of Southeast Asian Studies, 2009 - History. pp. 11–12 
  66. K. A. N. Sastri (1955). The Cōḷas. [S.l.]: University of Madras. 301 páginas 
  67. Smith, Vincent Arthur (1904). The Early History of India. [S.l.]: The Clarendon press. pp. 336–58. ISBN 978-81-7156-618-1 
  68. Government of Madras (2004). Gazetteer of the Nellore District: Brought Upto 1938. [S.l.]: Asian Educational Services. pp. 44–45 
  69. Sri Venkatesvara Oriental Institute. Journal of the Sri Venkatesvara Oriental Institute, Volumes 5-7. [S.l.: s.n.] 64 páginas 
  70. Sailendra Nath Sen (1999). Ancient Indian History and Civilization. [S.l.]: New Age International. 487 páginas 
  71. Sailendra Nath Sen (1999). Ancient Indian History and Civilization. [S.l.]: New Age International. 459 páginas 
  72. Freeman, Rich (1998). "Rubies and Coral: The Lapidary Crafting of Language in Kerala", The Journal of Asian Studies, 57 (1): 38–65. [S.l.: s.n.] doi:10.2307/2659023, JSTOR 2659023 
  73. Subrahmanian, N. (1993). Social and cultural history of Tamilnad. [S.l.]: Ennes. 209 páginas 
  74. Paniker, K. Ayyappa (1997). Medieval Indian Literature: Surveys and selections. [S.l.]: Sahitya Akademi. pp. 299–300. ISBN 9788126003655 
  75. Natarajan, V. History of Ceylon Tamils. [S.l.: s.n.] 9 páginas 
  76. Indrapala, K. The Evolution of an ethnic identity: The Tamils of Sri Lanka. [S.l.: s.n.] pp. 53–54 
  77. South Asia Association (1987). South Asia Bulletin. [S.l.]: University of California, Los Angeles 
  78. de Silva, Chandra Richard (1997). Sri Lanka – A History (2, illustrated ed.). [S.l.]: Vikas Pub. House. 129 páginas. ISBN 978-0-9510710-2-1 
  79. Indrapala, K. The Evolution of an ethnic identity: The Tamils of Sri Lanka. [S.l.: s.n.] 91 páginas 
  80. Tambiah, Stanley Jeyaraja (1986). Sri Lanka: Ethnic Fratricide and the Dismantling of Democracy. [S.l.]: I.B.Tauris. 90 páginas. ISBN 9781850430261 
  81. Ragupathy, Ponnampalam (1987). Early Settlements in Jaffna: An Archaeological Survey. [S.l.]: University of Jaffna 
  82. Mahadeva, I. Early Tamil Epigraphy: From the Earliest Times to the Sixth Century A.D. [S.l.: s.n.] 48 páginas 
  83. de Silva, Chandra Richard (1997). Sri Lanka – A History (2, illustrated ed.). [S.l.]: Vikas Pub. House. pp. 30–32. ISBN 978-0-9510710-2-1 
  84. Mendis, G.C. Ceylon Today and Yesterday. [S.l.: s.n.] pp. 24–25 
  85. Nadarajan, V. History of Ceylon Tamils. [S.l.: s.n.] 40 páginas 
  86. Spencer, George W. (1976). "The politics of plunder: The Cholas in eleventh century Ceylon", The Journal of Asian Studies, 35 (3): 405–419. [S.l.: s.n.] doi:10.2307/2053272, JSTOR 2053272 
  87. Indrapala, K. The Evolution of an ethnic identity: The Tamils of Sr Lanka. [S.l.: s.n.] pp. 214–15 
  88. Spencer, George W. (1976). "The politics of plunder: The Cholas in eleventh century Ceylon", The Journal of Asian Studies, 35 (3): 405–419. [S.l.: s.n.] doi:10.2307/2053272, JSTOR 2053272 
  89. de Silva, Chandra Richard (1997). Sri Lanka – A History (2, illustrated ed.). [S.l.]: Vikas Pub. House. pp. 46, 48, 75 
  90. Mendis, G.C. Ceylon Today and Yesterday. [S.l.: s.n.] pp. 30–31 
  91. Smith, V.A. The Oxford History of India. [S.l.: s.n.] 224 páginas 
  92. de Silva, Chandra Richard (1997). Sri Lanka – A History (2, illustrated ed.). [S.l.]: Vikas Pub. House. 76 páginas 
  93. de Silva, Chandra Richard (1997). Sri Lanka – A History (2, illustrated ed.). [S.l.]: Vikas Pub. House. pp. 100–102 
  94. de Silva, Chandra Richard (1997). Sri Lanka – A History (2, illustrated ed.). [S.l.]: Vikas Pub. House. pp. 102–104 
  95. de Silva, Chandra Richard (1997). Sri Lanka – A History (2, illustrated ed.). [S.l.]: Vikas Pub. House. 104 páginas 
  96. Knox, Robert (1681). An Historical Relation of the Island Ceylon. [S.l.]: London: Robert Chiswell. 166 páginas. ISBN 978-1-4069-1141-1 
  97. de Silva, Chandra Richard (1997). Sri Lanka – A History (2, illustrated ed.). [S.l.]: Vikas Pub. House. 121 páginas 
  98. Spencer. Sri Lankan history and roots of conflict. [S.l.: s.n.] 23 páginas 
  99. Indrapala, K. The Evolution of an ethnic identity: The Tamils of Sri Lanka. [S.l.: s.n.] 275 páginas 
  100. de Silva, Chandra Richard (1997). Sri Lanka – A History (2, illustrated ed.). [S.l.]: Vikas Pub. House. 121 páginas 
  101. «From relief, rehabilitation to peace». Consultado em 6 de junho de 2020 
  102. «'War victory party' in Sri Lanka». 12 de julho de 2007. Consultado em 6 de junho de 2020 
  103. Stokke, K. (2006). "Building the Tamil Eelam State: emerging state institutions and forms of governance in LTTE-controlled areas in Sri Lanka". Third World Quarterly. 27 (6): 1021–40. [S.l.: s.n.] CiteSeerX 10.1.1.466.5940. doi:10.1080/01436590600850434. 
  104. McConnell, D. (2008). "The Tamil people's right to self-determination". Cambridge Review of International Affairs. 21 (1): 59–76. [S.l.: s.n.] doi:10.1080/09557570701828592 
  105. Ranganathan, M. (2002). "Nurturing a Nation on the Net: The Case of Tamil Eelam". Nationalism and Ethnic Politics. 8 (2): 51–66. [S.l.: s.n.] doi:10.1080/13537110208428661 
  106. Donald L. Horowitz. Ethnic Groups in Conflict. [S.l.: s.n.] 
  107. Walter Nubin (2002). Sri Lanka: Current Issues and Historical Background. [S.l.: s.n.] 87 páginas 
  108. Tambiah, Stanley (1984). Sri Lanka: Ethnic Fratricide and the Dismantling of Democracy. [S.l.]: University of Chicago Press. ISBN 978-0-226-78952-1 
  109. «Up to 100,000 killed in Sri Lanka's civil war: UN». 20 de maio de 2009. Consultado em 7 de junho de 2020 
  110. «Sri Lanka: New Evidence of Wartime Abuses». 20 de maio de 2010. Consultado em 7 de junho de 2020 
  111. «STATEMENT - 3 DISTRIBUTION OF 10,000 PERSONS BY LANGUAGE - INDIA, STATES AND UNION TERRITORIES - 2001». Consultado em 8 de junho de 2020 
  112. de Silva, Chandra Richard (1997). Sri Lanka – A History (2, illustrated ed.). [S.l.]: Vikas Pub. House. pp. 177, 181. ISBN 978-0-9510710-2-1 
  113. Mohan, Vasundhara (1987). Identity Crisis of Sri Lankan Muslims. [S.l.]: Delhi: Mittal Publications. pp. 9–14, 27–30, 67–74, 113–18 
  114. «Analysis: Tamil-Muslim divide». 27 de junho de 2002. Consultado em 8 de junho de 2020 
  115. Zemzem, Akbar (1970). The Life and Times of Marhoom Wappichi Marikar (booklet). [S.l.]: Colombo 
  116. de Silva, Chandra Richard (1997). Sri Lanka – A History (2, illustrated ed.). [S.l.]: Vikas Pub. House. pp. 3–5, 9. ISBN 978-0-9510710-2-1 
  117. «Number and percentage of population by district and ethnic group» (PDF). Consultado em 8 de junho de 2020 
  118. «Number and percentage of population by district and ethnic group» (PDF). Consultado em 8 de junho de 2020 
  119. V. SURYANARAYAN (4–17 de agosto de 2001). «In search of a new identity». Consultado em 8 de junho de 2020 
  120. de Silva, Chandra Richard (1997). Sri Lanka – A History (2, illustrated ed.). [S.l.]: Vikas Pub. House. 262 páginas. ISBN 978-0-9510710-2-1 
  121. de Silva, Chandra Richard (1997). Sri Lanka – A History (2, illustrated ed.). [S.l.]: Vikas Pub. House. 262 páginas. ISBN 978-0-9510710-2-1 
  122. Christophe Z. Guilmoto (1993). "The Tamil Migration Cycle 1830–1950", Economic and Political Weekly, Economic and Political Weekly, 28 (3): 111–20. [S.l.: s.n.] JSTOR 4399307 
  123. Ammar Shahbazi (20 de março de 2012). «Strangers to their roots, and those around them». Consultado em 8 de junho de 2020 
  124. McDowell, Chris (1996). A Tamil Asylum Diaspora: Sri Lankan Migration, Settlement and Politics in Switzerland. [S.l.]: New York: Berghahn Books. ISBN 978-1-57181-917-8 
  125. «Tamils». Consultado em 8 de junho de 2020 
  126. Kathy English (4 de abril de 2009). «The truth about Tamil statistics». Consultado em 8 de junho de 2020 
  127. Amarnath Amarasingam (2 de janeiro de 2014). «THE TAMIL COMMUNITY IN CANADA: A BRIEF OVERVIEW». Consultado em 8 de junho de 2020 
  128. Sumathi Ramasamy. Passions of the Tongue. [S.l.: s.n.] 
  129. Kailasapathy, K. (1979). "The Tamil Purist Movement: A Re-Evaluation", Social Scientist, 7 (10): 23–51. [S.l.: s.n.] doi:10.2307/3516775, JSTOR 3516775 
  130. Hart (1975). The Poems of Ancient Tamil: Their Milieu and their Sanskrit Counterparts. [S.l.: s.n.] 
  131. Kanchan Sinha (1979). Kartikeya in Indian art and literature. [S.l.]: Delhi: Sundeep Prakashan 
  132. Kanchan Sinha (1979). Kartikeya in Indian art and literature. [S.l.]: Delhi: Sundeep Prakashan 
  133. Iravatham Mahadevan (6 de maio de 2006). «A Note on the Muruku Sign of the Indus Script in light of the Mayiladuthurai Stone Axe Discovery». Consultado em 8 de junho de 2020 
  134. Ranbir Vohra (2000). The Making of India: A Historical Survey. [S.l.]: M.E. Sharpe. 15 páginas 
  135. Grigorii Maksimovich Bongard-Levin (1985). Ancient Indian Civilization. [S.l.]: Arnold-Heinemann. 45 páginas 
  136. Steven Rosen, Graham M. Schweig (2006). Essential Hinduism. [S.l.]: Greenwood Publishing Group. 45 páginas 
  137. Frederick J. Simoons (1998). Plants of life, plants of death. [S.l.: s.n.] 363 páginas 
  138. Manguin, Pierre-Yves; Mani, A.; Wade, Geoff (2011). Early Interactions Between South and Southeast Asia: Reflections on Cross-cultural Exchange. [S.l.]: Institute of Southeast Asian Studies. 138 páginas. ISBN 9789814345101 
  139. Thiruchandran, Selvy (1997). Ideology, caste, class, and gender. [S.l.]: Vikas Pub. House 
  140. Manickam, Valliappa Subramaniam (1968). A glimpse of Tamilology. [S.l.]: Academy of Tamil Scholars of Tamil Nadu. 75 páginas 
  141. Lal, Mohan (2006). The Encyclopaedia of Indian Literature (Volume Five Sasay To Zorgot), Volume 5. [S.l.]: Sahitya Akademi. 4396 páginas. ISBN 978-81-260-1221-3 
  142. «Population by religious communities». Consultado em 9 de junho de 2020 
  143. «Population by religious communities». Consultado em 9 de junho de 2020 
  144. More, J.B.P. (2007). Muslim identity, print culture and the Dravidian factor in Tamil Nadu. [S.l.]: Hyderabad: Orient Longman. pp. xv. ISBN 978-81-250-2632-7 
  145. «Directorate of Census Operations - Tamil Nadu Religion wise Population - Census 2001». Consultado em 9 de junho de 2020  horizontal tab character character in |título= at position 47 (ajuda)
  146. Maloney, Clarence (1975). "Religious Beliefs and Social Hierarchy in Tamiḻ Nāḍu, India", American Ethnologist, 2 (1): 169–91. [S.l.: s.n.] doi:10.1525/ae.1975.2.1.02a00100 
  147. M. Shanmugam Pillai (28–30 de dezembro de 1998). «Murukan in Cankam Literature: Veriyattu Tribal Worship». setembro de 1999. Consultado em 11 de junho de 2020  line feed character character in |título= at position 30 (ajuda)
  148. Harold G. Coward, John R. Hinnells, Raymond Brady Williams. The South Asian Religious Diaspora in Britain, Canada, and the United States. [S.l.: s.n.] 
  149. «A Historical Approach to the Hindu Traditions». Consultado em 11 de junho de 2020 
  150. PK Balachandran (23 de março de 2006). «Tracing the Sri Lanka-Kerala link». Consultado em 11 de junho de 2020 
  151. Dr. R. Ponnus,. Sri Vaikunda Swamigal and the Struggle for Social Equality in South India. [S.l.]: (Madurai Kamaraj University) Ram Publishers. 98 páginas 
  152. «"Indian Dargah's All Cities"». Consultado em 11 de junho de 2020 
  153. Shashi, S.S. (1996). Encyclopaedia Indica: India, Pakistan, Bangladesh: Volume 100. [S.l.]: Anmol Publications 
  154. Subramanium, N. (1980). Śaṅgam polity: the administration and social life of the Śaṅgam Tamils. [S.l.]: Ennes Publications 
  155. «Hero-stone Memorials of India». Consultado em 12 de junho de 2020 
  156. Mark Jarzombeck (2009). «"Horse Shrines in Tamil India: Reflections on Modernity"» (PDF). Consultado em 12 de junho de 2020 
  157. "'Hero stone' unearthed". The Hindu, 22 July 2006, Chennai, India. [S.l.: s.n.] 
  158. Swamy, Subramanian. "Redefining secularism", The Hindu, 18 March 2004, Chennai, India. [S.l.: s.n.] 
  159. «Population by religious communities». Consultado em 12 de junho de 2020 
  160. A. Chakravartis. Jaina Literature in Tamil. [S.l.: s.n.] 
  161. «Part I: The Milieu of the Ancient Tamil Poems». Consultado em 12 de junho de 2020  line feed character character in |título= at position 8 (ajuda)
  162. Phillip B. Zarrilli. «To Heal and/or To Harm: The Vital Spots (Marmmam/Varmam) in Two South Indian Martial Traditions». Consultado em 12 de junho de 2020  line feed character character in |título= at position 24 (ajuda)
  163. «Silambam». Consultado em 12 de junho de 2020 
  164. South Asian Folklore: An Encyclopedia: Afghanistan, Bangladesh, India, Nepal, Pakistan, Sri Lanka. [S.l.: s.n.] 2003. 386 páginas 
  165. Ethnic Insurgency and National Integration: A Study of Selected Ethnic Problems in South Asia. [S.l.: s.n.] 1997. 114 páginas 
  166. Sri Lankan Ethnic Crisis: Towards a Resolution. [S.l.: s.n.] 2002. 76 páginas 
  167. Encyclopedia of Modern Worldwide Extremists and Extremist Groups. [S.l.: s.n.] 252 páginas 
  168. Shashi, S.S. (1996). Encyclopaedia Indica: India, Pakistan, Bangladesh: Volume 100. [S.l.]: Anmol Publications 
  169. Subramanium, N. (1980). Śaṅgam polity: the administration and social life of the Śaṅgam Tamils. [S.l.]: Ennes Publications 
  170. «Hero-stone Memorials» 
  171. Sharada Srinivasan; Srinivasa Ranganathan (2004). India's Legendary Wootz Steel: An Advanced Material of the Ancient World. [S.l.]: National Institute of Advanced Studies. OCLC 82439861 
  172. Gerald W. R. Ward. The Grove Encyclopedia of Materials and Techniques in Art. [S.l.: s.n.] 380 páginas 
  173. Sharada Srinivasan (1994). Wootz crucible steel: a newly discovered production site in South India. [S.l.]: Papers from the Institute of Archaeology 5(1994) 49–59. doi:10.5334/pia.60 
  174. Herbert Henery Coghlan (1977). Notes on prehistoric and early iron in the Old World. [S.l.: s.n.] pp. 99–100 
  175. B. Sasisekharan (1999). TECHNOLOGY OF IRON AND STEEL IN KODUMANAL. [S.l.: s.n.] 
  176. Hilda Ellis Davidson. The Sword in Anglo-Saxon England: Its Archaeology and Literature. [S.l.: s.n.] 20 páginas 
  177. Hilda Ellis Davidson. The Sword in Anglo-Saxon England: Its Archaeology and Literature. [S.l.: s.n.] 20 páginas 
  178. Burton, Sir Richard Francis (1884). The Book of the Sword. [S.l.]: Internet archive: Chatto and Windus. 111 páginas. ISBN 978-1-60520-436-9 
  179. Manning, Charlotte Speir. Ancient and Medieval India. Volume 2. [S.l.: s.n.] ISBN 978-0-543-92943-3 
  180. Mahathevan, Iravatham (24 de junho de 2010). "An epigraphic perspective on the antiquity of Tamil". [S.l.]: The Hindu. The Hindu Group.  Verifique data em: |ano= (ajuda)
  181. Ragupathy, P. (28 de julho de 2010). «Tissamaharama potsherd evidences ordinary early Tamils among population». Consultado em 20 de junho de 2020 
  182. Sharada Srinivasan; Srinivasa Ranganathan (2004). India's Legendary Wootz Steel: An Advanced Material of the Ancient World. [S.l.]: National Institute of Advanced Studies. OCLC 82439861 
  183. Manning, Charlotte Speir. Ancient and Mediæval India. Volume 2. [S.l.: s.n.] ISBN 978-0-543-92943-3 
  184. Manning, Charlotte Speir. Ancient and Mediæval India. Volume 2. [S.l.: s.n.] ISBN 978-0-543-92943-3 
  185. Coomaraswamy, A.K. Figures of Speech or Figures of Thought. [S.l.: s.n.] 
  186. Nayanthara, S. (2006). The World of Indian murals and paintings. [S.l.]: Chillbreeze. pp. 55–57. ISBN 978-81-904055-1-5 
  187. Aschwin Lippe (1971). "Divine Images in Stone and Bronze: South India, Chola Dynasty (c. 850–1280)", Metropolitan Museum Journal, 4: 29–79. [S.l.: s.n.] doi:10.2307/1512615, JSTOR 1512615 
  188. Michael Wood. «Heaven sent: Michael Wood explores the art of the Chola dynasty». Consultado em 21 de junho de 2020 
  189. Berkson, Carmel (2000). "II The Life of Form pp. 29–65", The Life of Form in Indian Sculpture. [S.l.]: Abhinav Publications. ISBN 978-81-7017-376-2 
  190. Nijenhuis, Emmie te (1974). Indian Music: History and Structure. [S.l.]: Leiden: Brill. pp. 4–5. ISBN 978-90-04-03978-0 
  191. Widdess, D.R. (1979). "The Kudumiyamalai inscription: a source of early Indian music in notation", in Picken, Laurence (ed.), Musica Asiatica, 2. [S.l.]: London: Oxford University Press. pp. 115–50 
  192. Leslie, Julia. Roles and rituals for Hindu women. [S.l.: s.n.] pp. 149–152 
  193. Leslie, Julia. Roles and rituals for Hindu women. [S.l.: s.n.] pp. 149–152 
  194. Sharma, Manorama (2004). Folk India: A Comprehensive Study of Indian Folk Music and Culture, Vol. 11. [S.l.: s.n.] 
  195. «ARTS». 16 de fevereiro de 2013. Consultado em 21 de junho de 2020 
  196. «Arts». Consultado em 21 de junho de 2020 
  197. Dennis Kennedy. The Oxford Encyclopedia of Theatre and Performance. [S.l.]: Oxford University Press 
  198. Tom Templeton (26 de novembro de 2006). «The states they're in». Consultado em 21 de junho de 2020 
  199. Gautier, François (2001). A Western Journalist on India. [S.l.: s.n.] ISBN 978-81-241-0795-9 
  200. Daniel Grushkin (22 de março de 2007). «Ringing in the New Year by Wrestling Bulls». Consultado em 26 de junho de 2020 
  201. Kabaddi. [S.l.]: LLC Books. 2010. 1155978323, 9781155978321 
  202. M. P. Saravanan (21 de janeiro de 2016). «Traditional martial arts not given due importance». Consultado em 26 de junho de 2020 
  203. "Veteran hockey players delighted with synthetic turf in Tiruchi". [S.l.]: The Hindu. 2011 
  204. Shobha Warrier (6 de outubro de 2005). «Why Kutraleeswaran stopped swimming». Consultado em 26 de junho de 2020 
  205. «Memories of Madras: From Sholavaram to Irungattukottai». 11 de outubro de 2011. Consultado em 27 de junho de 2020 
  206. «Ajith Kumar to drive in F2 European season 2010». 25 de março de 2010. Consultado em 27 de junho de 2020 
  207. K. Keerthivasan (18 de fevereiro de 2011). «Tamil Nadu bags volleyball gold». Consultado em 27 de junho de 2020 
  208. The Hindu (31 de dezembro de 2009). "Champion archer Srither felicitated". [S.l.: s.n.]  Verifique data em: |ano= (ajuda)
  209. «Paralympics 2016». 10 de setembro de 2016. Consultado em 27 de junho de 2020  Texto " Mariyappan Thangavelu wins India's first gold in Rio" ignorado (ajuda)
  210. J. Sam Daniel Stalin (10 de setembro de 2016). «Paralympian Mariyappan Thangavelu's Golden Leap From Poverty». Consultado em 27 de junho de 2020 
  211. Vijaya Ramaswamy (22 de maio de 2007). Historical Dictionary of the Tamils. [S.l.]: Scarecrow Press  Verifique data em: |ano= (ajuda)
  212. Michael Wood (2002). A South Indian Journey: The Smile of Murugan. [S.l.: s.n.] 76 páginas 
  213. Henry Yule, A.C. Burnell, Kate Teltscher (2013). Hobson-Jobson: The Definitive Glossary of British India. [S.l.: s.n.] 442 páginas 
  214. Jeffrey Alford, Naomi Duguid (2005). Mangoes & Curry Leaves: Culinary Travels Through the Great Subcontinent. [S.l.]: Artisan Books. 146 páginas 
  Este artigo sobre antropologia ou um antropólogo é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.