Abrir menu principal

Tútsis

grupo étnico da região dos Grandes Lagos Africanos

Os tútsis[1] ou tutsis[1] (em kinyarwanda e kirundi: batutsi) são um grupo étnico existindo principalmente em Ruanda e no Burundi, mas também nas regiões vizinhas do Congo, do Uganda e da Tanzânia. São um povo banto e, tanto do ponto de vista linguístico, como cultural, não se distinguem dos hutus, o grupo étnico majoritário em Ruanda e no Burundi.

Tútsis
Batutsi
Tutsi princess.jpg
Princesa Tutsi
População total

3 milhões (oficialmente)

Regiões com população significativa
Ruanda
 Burundi
R.D.Congo Oriental (a maioria refugiados)
Línguas
kirundi, kinyarwanda, francês
Religiões
Catolicismo, Protestantismo, Islão Sunita, crenças nativas.
Grupos étnicos relacionados
hutus

Os tutsis são a segunda maior divisão populacional entre os três maiores grupos em Ruanda e Burundi; os outros dois são os Hutu (maior porcentagem) e os Twa (menor porcentagem). Um pequeno número de pessoas Hema, Kiga e Furiiru também vivem perto dos Tutsi em Ruanda.

Pensa-se que a divisão entre estes dois grupos tem raízes sociais, uma vez que os tútsis foram a classe política dominante naquela região dos Grandes Lagos Africanos desde o século XV até à colonização do Ruanda e do Burundi primeiro pela Alemanha e depois pela Bélgica. Geneticamente, não existem grandes diferenças entre os tútsis e os hútus.

Índice

EtimologiaEditar

Historicamente, eles eram frequentemente chamados de Watutsi, Watusi, Wahuma, Wahima ou Wahinda.[2] Os Tutsi do Norte, que residem em Ruanda, são chamados de Ruguru (Banyaruguru)[3], enquanto os Tutsi do Sul, que vivem no Burundi, são conhecidos como Hima, os Tutsis que residem em Masisi, em Kivu (RD Congo) são conhecidos como Banyamasisi e os Tutsi que habitam o planalto de Kivu, no Congo, são chamados de Banyamulenge.[4]

CaracterísticasEditar

As definições de pessoas "hutus" e "tutsis" podem ter mudado de acordo com o tempo e a localização. As estruturas sociais não eram estáveis ​​em Ruanda, mesmo durante os tempos coloniais sob o domínio belga. A aristocracia ou elite tutsi distinguia-se dos plebeus tutsis, e os hutus abastados eram muitas vezes indistinguíveis dos tutsis da classe alta.

Quando os colonos belgas realizavam censos, eles queriam identificar as pessoas em todo o Ruanda-Urundi de acordo com um esquema de classificação simples. Eles definiram "Tutsi" como qualquer um que possua mais de dez vacas (um sinal de riqueza) ou com a característica física de um nariz mais longo, ou pescoço mais longo, comumente associado aos tutsis. A altura também era uma característica diferenciadora entre os tutsis e os hutus. Sua altura média é de 1,79 m, embora tenham sido registrados indivíduos com 2,13 m de altura.[5]

Os belgas acreditavam que alguns tutsis tinham características faciais que eram geralmente atípicas de outros bantus. Eles procuraram explicar esses supostos traços físicos divergentes, postulando uma mistura com ou descendência parcial de migrantes da raça caucasóide, que supostamente teriam chegado à região dos Grandes Lagos a partir do Chifre da África e/ou do Norte da África.[6][7] Em contraste, os belgas consideravam a maioria dos hutus um povo bantu característico de origem centro-africana.

Os tutsis viveram nas áreas onde estão por 400-500 anos, levando a um considerável casamento com os hutus, um povo banto na área. Nota-se que os nomes Hutu e Bantu não são os mesmos. Devido à história de intercalada entre os hutus e os tutsis, os etnógrafos e historiadores chegaram recentemente a concordar que eles não podem ser propriamente chamados de grupos étnicos distintos.[8][9]

GenéticaEditar

DNA-Y (linhagens paternas)Editar

Estudos genéticos modernos do cromossomo Y geralmente indicam que os tutsis, assim como os hutus, são em grande parte de extração bantu (60% E1b1a, 20% B, 4% E-P2 (xE1b1a)). Influências genéticas paternas associadas ao Chifre da África e ao Norte da África são poucas (abaixo de 3% E1b1b-M35) e são atribuídas a habitantes muito anteriores que foram assimilados. No entanto, os tutsis têm consideravelmente mais linhagens paternais do haplogrupo B (14,9% B) do que os hutus (4,3% B).[10]

Foi encontrado 22,2% de E1b1b em uma pequena amostra de tutsis do Burundi, mas nenhum portador do haplogrupo entre as populações locais de Hutu e Twa.[11] O subclado era da variedade M293, o que sugere que os ancestrais dos tutsis nessa área podem ter assimilado alguns pastores de língua cuchítica do sul.[12] O M293 tem cerca de 4.500 anos de idade.[13] Acredita-se que seu marcador parental E-V1515 tenha se originado na parte norte do Chifre da África em torno de 12.000 a 14.000 anos atrás.[14][12]

DNA autossômico (ancestralidade geral)Editar

Em geral, os tutsis parecem compartilhar um parentesco próximo com as populações vizinhas bantu, particularmente os hutus. No entanto, não está claro se essa semelhança se deve principalmente a extensas trocas genéticas entre essas comunidades por meio de casamentos mistos ou se, em última análise, decorre de origens comuns::

[...] gerações de fluxo gênico eliminaram quaisquer distinções físicas claras que existissem entre esses dois povos bantu - notadamente altura, forma física e características faciais. Com um espectro de variação física nos povos, as autoridades belgas exigiram legalmente a filiação étnica na década de 1920, com base em critérios econômicos. Divisões sociais formais e discretas eram conseqüentemente impostas a distinções biológicas ambíguas. Até certo ponto, a permeabilidade dessas categorias nas décadas seguintes ajudou a reificar as distinções biológicas, gerando uma elite e uma classe mais baixa, mas com pouca relação com os reservatórios genéticos que haviam existido alguns séculos atrás. As categorias sociais são assim reais, mas há pouca ou nenhuma diferenciação genética detectável entre hutus e tutsis.[15]

Também foram descobertas que amostras mistas de hutus e tutsis de Ruanda eram predominantemente de origem banto, com menor fluxo gênico de comunidades afro-asiáticas (17,7% de genes afro-asiáticos encontrados na população mista de hutus/tutsis).[16]

HistóriaEditar

 
Tradicional palácio do rei tutsi em Nyanza.

Existem diferentes teorias sobre a origem dos grupos tutsis e hutus (ambos Banyarwanda) que argumentam respectivamente que as diferenças entre esses dois grupos são primariamente étnicas, culturais ou simplesmente sociológicas.

Segundo alguns historiadores, como o abade de Ruanda, Alexis Kagame, que concentrou suas pesquisas no assentamento de Ruanda, os tutsis chegaram a Ruanda no século XVI, sendo precedidos pelos hutus por quase seis séculos. Os Batwa (pigmeus) que estavam lá são considerados os primeiros habitantes de Ruanda. Essa ordem de chegada revelaria que hutus e tutsis têm origens diferentes. Os tutsis seriam originalmente um povo nilótico e hutus um povo banto.

Isso ecoa a análise dos primeiros colonos alemães e, em seguida, belgas que dominaram Ruanda e Burundi, e afirmaram que o povo desses países eram divididos em três grupos "étnicos": Hutu, Tutsi e Twa. Mas, na opinião de autores como Jean-Pierre Chrétien[12] ou Dominique Franche[17], esta análise não é baseada no critério que normalmente caracterizam os grupos étnicos: todos os ruandeses e burundeses falam a mesma língua (com variações nacionais menores: Kinyarwanda e Kirundi) e compartilham a mesma cultura. Além disso, eles vivem misturados, aceitam em muitas famílias os casamentos entre grupos e têm as mesmas crenças ancestrais ou questões de colonização.

Esses mesmos autores dizem que, antes da colonização, os hutus eram agricultores, os tutsis eram pecuaristas e os twa coletores[12][17]. Essa tradição relacionada ao trabalho, acrescentam, foi transmitida de geração em geração pelo fato de as mulheres mudarem seu status étnico no momento do casamento. Assim, uma menina nascida Hutu se tornava Tutsi ou Twa porque seu marido era Tutsi ou Twa e vice-versa. Eram essencialmente, dizem eles, o mesmo grupo étnico que falava a mesma língua com uma variante regional. A mudança de status tinha o efeito de transmitir aos filhos nascidos dessa união a obrigação de participar do papel social e do trabalho do pai.

Antes da chegada dos colonos, Ruanda era governada por uma monarquia dominada pelos tutsis desde meados de 1600.

ColonizaçãoEditar

Por volta de 1880, missionários católicos romanos chegaram à região dos Grandes Lagos. Mais tarde, quando as forças alemãs ocuparam a área durante a Primeira Guerra Mundial, o conflito e os esforços para a conversão católica tornaram-se mais pronunciados. Como os tutsis resistiram à conversão, os missionários só obtiveram sucesso entre os hutus. Em um esforço para recompensar a conversão, o governo colonial confiscou a terra tradicionalmente tutsi e transferiu-a para as tribos hutus.[18]

A área foi governada como uma colônia pela Alemanha (antes da Primeira Guerra Mundial) e pela Bélgica. Como os tutsis haviam sido a elite governante tradicional, ambas as potências coloniais mantiveram esse sistema e permitiram que apenas os tutsis fossem educados e participassem do governo colonial. Tais políticas discriminatórias geraram ressentimento.

Quando os belgas assumiram, acreditavam que poderia ser melhor governado se continuassem a identificar as diferentes populações. Na década de 1920, exigiam que as pessoas se identificassem com um determinado grupo étnico e classificassem-nas de acordo com os censos.

Em 1959, a Bélgica inverteu sua posição e permitiu que a maioria dos hutus assumisse o controle do governo através de eleições universais após a independência. Isso refletia, em parte, a política interna interna belga, na qual a discriminação contra a maioria hutu passou a ser vista como semelhante à opressão dentro da Bélgica, decorrente do conflito flamengo-valão, e a democratização e o empoderamento dos hutus eram vistos como uma resposta justa à dominação tutsi. Políticas belgas hesitaram e mudaram consideravelmente durante este período que antecedeu a independência do Burundi e do Ruanda

Independência de Ruanda e Burundi (1962)Editar

A maioria hutu em Ruanda se revoltou contra os tutsis e conseguiu tomar o poder. Os tutsis fugiram e criaram comunidades exiladas em Uganda e na Tanzânia. No Burundi, os extremistas tutsis chegaram ao poder e oprimiram os hutus, especialmente aqueles que foram educados[19][20][21]. Suas ações levaram à morte de até 200.000 hutus. A evidente discriminação do período colonial foi continuada por diferentes governos de Ruanda e Burundi, incluindo cartões de identidade que distinguiam tutsis e hutus.[22]

Genocídio do Burundi (1993)Editar

 Ver artigo principal: Genocídio no Burundi

Em 1993, o primeiro presidente democraticamente eleito do Burundi, Melchior Ndadaye, um hutu, foi assassinado por oficiais tutsis, assim como a pessoa que tinha direito a sucedê-lo[23]. Isso provocou um genocídio no Burundi entre as estruturas políticas hutus e os militares tutsis, no qual "possivelmente até 25.000 tutsis" foram assassinados pelos primeiros e "pelo menos tantos" foram mortos por estes últimos. Desde o Processo de Paz de Arusha, em 2000, a minoria tutsi partilha o poder de uma maneira mais ou menos equitativa com a maioria hutu. Tradicionalmente, os tutsis tinham mais poder econômico e controlavam os militares.[24]

Genocídio de Ruanda (1994)Editar

 Ver artigo principal: Genocídio em Ruanda
 
Cortes profundos feitos pelos assassinos são visíveis nos crânios que enchem uma sala na Escola Murambi.

Um padrão semelhante de eventos ocorreu em Ruanda, mas lá os hutus chegaram ao poder em 1962. Eles, por sua vez, muitas vezes oprimiram os tutsis, que fugiram do país. Depois da violência anti-tutsi de 1959-1961, os tutsis fugiram em grande número.

Essas comunidades de exilados tutsis deram origem aos movimentos rebeldes tutsis. A Frente Patriótica Ruandesa, composta em sua maioria por tutsis exilados vivendo principalmente em Uganda, atacou Ruanda em 1990 com a intenção de libertar Ruanda. O RPF tinha experiência em guerra de guerrilhas com a Guerra Civil de Uganda e obteve muito apoio do governo ugandês. O avanço inicial da RPF foi interrompido pelo levantamento de armas francesas ao governo de Ruanda. Tentativas de paz culminaram nos Acordos de Arusha.

O acordo fracassou após o assassinato dos presidentes de Ruanda e Burundi, provocando a retomada das hostilidades e o início do Genocídio de Ruanda em 1994, no qual os hutus que estavam no poder mataram de 500.000 a 1 milhão de pessoas, em grande parte de origem tutsi. Vitorioso após o genocídio, o RPF chegou ao poder em julho de 1994.

CulturaEditar

 
Uma cesta tradicional tutsi.

No território de Ruanda, do século XV até 1961, os tutsis eram governados por um rei (o mwami). A Bélgica aboliu a monarquia em resposta ao ativismo hutu, após o referendo nacional que levou à independência. Em contraste, na parte noroeste do país (predominantemente hutu), grandes proprietários regionais compartilhavam o poder, semelhante à sociedade Buganda (no que hoje é a Uganda).

Sob o seu sagrado rei, a cultura tutsi tradicionalmente girava em torno da administração da justiça e do governo. Eles eram os únicos proprietários de gado e se sustentavam em seus próprios produtos. Além disso, seu estilo de vida lhes proporcionava muito tempo de lazer, que passavam cultivando as altas artes da poesia, da tecelagem e da música. Devido ao status de tutsi como minoria dominante em relação aos agricultores hutus e aos outros habitantes locais, essa relação tem sido comparada à existente entre senhores e servos na Europa feudal.[25]

Os tutsis são sorologicamente relacionados às populações bantu e nilótica. Isso, por sua vez, descarta uma possível origem cusita para a classe dominante Tutsi-Hima fundadora nos reinos lacustres. No entanto, os costumes do enterro real dos últimos reis são bastante semelhantes aos praticados pelos antigos estados de Sidama, de Cúcida, na região sul de Gibe, na Etiópia. EEm contraste, as populações Bantu ao norte dos Tutsi-Hima no Quênia eram até os tempos modernos essencialmente sem um rei, enquanto havia vários reinos Bantu ao sul dos Tutsi-Hima na Tanzânia, todos compartilhando o padrão de chefia da Tutsi-Hima. Desde que os reinos de Sidama de Cushitic interagiram com grupos nilotas, se propõe assim que os Tutsi descendem de uma tal população nilota migrante. Os ancestrais nilóticos dos tutsis teriam, assim, em tempos anteriores, servido como intermediários culturais, adotando algumas tradições monárquicas de reinos cusíticos adjacentes e subsequentemente levando consigo esses costumes emprestados quando se estabeleceram entre os bantus autóctones na região dos Grandes Lagos.[25]

No entanto, pouca diferença pode ser verificada entre as culturas atuais dos tutsis e hutus; ambos os grupos falam a mesma língua bantu. A taxa de casamentos entre os dois grupos era tradicionalmente muito alta e as relações eram amigáveis até o século XX. Muitos estudiosos concluíram que a determinação de tutsis era e é principalmente uma expressão de classe ou casta, e não de etnia.

Como observado acima, os estudos de DNA mostram claramente que os povos estão mais intimamente relacionados entre si do que com grupos distantes.

Tutsi congolesesEditar

Existem essencialmente dois grupos de tutsis no Congo. Há os Banyamulenge, que vivem na ponta sul do Kivu do Sul. Eles são descendentes de migrantes ruandeses, burundianos e tanzanianos. E em segundo lugar, há tutsis em Kivu do Norte e na região de Kalehe em Kivu do Sul - que fazem parte da comunidade Banyarwanda (Hutu e Tutsi). Estes não são Banyamulenge. Alguns desses Banyarwanda são descendentes de pessoas que viveram muito antes do domínio colonial em Rutshuru - sobre o que atualmente é território congolês. Outros migraram ou foram "transplantados" pelos colonos belgas de Rutshuru ou de Ruanda e principalmente se estabeleceram em Masisi em Kivu do Norte e Kalehe em Kivu do Sul.

Referências

  1. a b Paulo Correia; Direção-Geral da Tradução — Comissão Europeia (Outono de 2012). «Etnónimos, uma categoria gramatical à parte?» (PDF). Sítio Web da Direção-Geral de Tradução da Comissão Europeia no portal da União Europeia. a folha — Boletim da língua portuguesa nas instituições europeias (N.º 40): 30. ISSN 1830-7809. Consultado em 13 de janeiro de 2013 
  2. Watusi: definição e significado. Dicionário Collins de Inglês (em inglês). [S.l.: s.n.] 
  3. Leatherman, Janie (1999). Quebrando Ciclos de Violência: Prevenção de Conflitos em Crises Intrastatais (em inglês). West Hartford: Kumarian Press. p. 142 
  4. Jenkins, Orville Boyd (18 de dezembro de 2004). «Tutsi, Hutu e Hima - Antecedentes Culturais em Ruanda» (em inglês) 
  5. «A ascensão e queda dos watusi». The New York Times (em inglês). 23 de fevereiro de 1964. Consultado em 20 de setembro de 2018 
  6. Kron, Josh (14 de setembro de 2010). «Estrela cadente do continente» (em inglês). Haaretz. Consultado em 20 de setembro de 2018 
  7. Instituto Internacional de Línguas e Culturas Africanas. 76. Oxford: Oxford University Press. 2006. p. 135 
  8. «Indangamuntu 1994: Há dez anos em Ruanda, este Bilhete de Identidade custava à mulher a sua vida» (em inglês). Prevent Genocide 
  9. Gourevitch, Phillip (1998). Queremos informá-lo que amanhã seremos mortos com nossas famílias (em inglês). Nova Iorque: Farrar, Straus and Giroux 
  10. Luis, J. R; et al. (2004). «O Levante versus o Corno de África: Evidências de Corredores Bidirecionais de Migrações Humanas». American Journal of Human Genetics (em inglês). 3 (74): 532–544 
  11. Trombetta, Beniamino; D’Atanasio, Eugenia; Massaia, Andrea; Ippoliti, Marco; Coppa, Alfredo; Candilio, Francesca; Coia, Valentina; Russo, Gianluca; Dugoujon, Jean-Michel (2015). Refinamento Filogeográfico e Genotipagem em Grande Escala do Haplogrupo E do Cromossoma Y Humano Fornecem Novas Visões sobre a Dispersão dos Primeiros Pastoristas no Continente Africano. Biologia e Evolução do Genoma (em inglês). 7: 1940–1950. [S.l.: s.n.] 
  12. a b c d Henn, B (2008). «Evidência cromossómica Y de uma migração pastoril através da Tanzânia para a África Austral». Anais da Academia Nacional de Ciências. (em inglês) (105)  Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome ":0" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  13. «Árvore Y v6.05.09» 
  14. «Árvore Y v5.15.15» 
  15. Miller, Joseph C. (ed.). Nova Enciclopédia da África (em inglês). 2 - Dakar-Hydrology. [S.l.]: Charles Scribner & Sons 
  16. Campbell, Michael C.; Tishkoff, Sarah A. (2009). Diversidade genética africana: implicações para a história demográfica humana, origens humanas modernas e o mapeamento de doenças complexas (PDF). Revisão Anual de Genômica e Genética Humana (em inglês). 9. [S.l.: s.n.] 
  17. a b Franche, Dominique (1997). Rwanda, généalogie d’un génocide. [S.l.]: Mille et une Nuits 
  18. Berg, Irwin M. «Judeus na África Central» (em inglês). Kulanu 
  19. Bowen, Michael (1973). Atravessando: Os Estados Unidos e genocídio no Burundi. Carnegie Endowment for International Peace (em inglês). [S.l.: s.n.] 49 páginas 
  20. Lemarchand, Rene (1974). Genocídio seletivo no Burundi. Relatório - Grupo de Direitos das Minorias (em inglês). 20. [S.l.: s.n.] 36 páginas 
  21. Lemarchand, Rene (1996). Burundi: Conflito Étnico e Genocídio (em inglês). Nova Iorque: Cambridge University Press. 232 páginas 
  22. Davenport, Christian; Stam, Allan. Ruanda 1994: Genocídio + Politicídio. [S.l.: s.n.] 
  23. Comissão Internacional de Inquérito do Burundi: Relatório Final. Parte III: Investigação de Assassinatos. [S.l.: s.n.] 
  24. Totten, Samuel; Parsons, William S.; Charny, Israel W. (2004). Século do genocídio (em inglês) 2ª ed. Nova Iorque: Routledge. p. 331. Consultado em 20 de setembro de 2018 
  25. a b Fage, John (2013). Uma história da África (em inglês). com William Tordoff. Nova Iorque: Routledge. p. 120