O TEP-IRM é a sigla de tomografia por emissão de positrões-imagem por ressonância magnética - em inglês: PET-MRI.

Scanner TEP-IRM

O TEP-IRM apareceu da reunião do exame imagiológico da medicina nuclear que utiliza radionuclídeos que emitem um positrão, no momento da sua desintegração, o qual é detectado para formar as imagens do exame, o TEP, e da IRM, a técnica que permite determinar propriedades de uma substância através do correlacionamento da energia absorvida contra a frequência, na faixa de megahertz (MHz) do espectromagnético, caracterizando-se como sendo uma espectroscopia [1].

O antecessor foi o TEP-CP

O inícioEditar

Foi em 1970, que se iniciou a primeira colaboração do CERN com o Hospital de Genebra para adaptar tecnologia emergente da Tomografia por emissão de positrões (TEP) na base da actual scanners TEP-IRM que conjuga a tecnologia de cristais utilizada na LEP juntamente com desenvolvimentos próprios ao LHC [2]

TEP-IRM versus TEP-TCEditar

Algumas opiniões sobre a comparações entre estes dois sistemas apontam que o TEP-IRM não é mais do que um raio-X mas sem as radiações. Na realidade há diferenças nas doses de radiações do raio-X [3].

Ver tambémEditar

Notas e referênciasEditar

  • Pichler, Bernd J.; Judenhofer, Martin S.; Pfannenberg, Christina (2008). Multimodal Imaging Approaches: PET/CT and PET/MRI

Referências

  1. «MSSM» (em inglês). Visitado: Abril 2014 
  2. «CERN Bulletin: 08-09/2010» (em inglês) 
  3. Pichler, Bernd, op. cit.