TV Grão Pará

canal 14, afiliada TV Gazeta, em Belém do Pará

TV Grão Pará é uma emissora de televisão brasileira sediada na cidade de Belém, capital do estado do Pará. Opera no canal 14 (15 UHF digital) e é afiliada à TV Gazeta.

TV Grão Pará
J M Serfaty Ferreira Serviços de Comunicação Ltda.[1]
Rauland Belém Som Ltda.
Belém, Pará
Brasil
Tipo Comercial
Canais Digital: 15 UHF
Virtual: 14 PSIP
Outros canais 183 (Claro TV)
Analógico:
14 UHF (2001-2018)
Sede Belém, PA
MAPA
Rede TV Gazeta
Rede(s) anterior(es)
Pertence a Grupo Rauland
Proprietário(s) Jair da Silva Ferreira Júnior
Fundação 20 de abril de 2001 (22 anos)
Emissora(s) irmã(s)
Cobertura Toda a Grande Belém
Coord. do transmissor 1° 26' 55.4" S 48° 29' 38.3" O
Potência 16 kW
Agência reguladora ANATEL
Informação de licença
CDB
PDF
Página oficial tvgraopara.com.br

A emissora pertenceu ao Grupo Rauland, responsável pela instalação da primeira rádio FM da Região Norte, a Rauland FM (95.1 MHz) já em 1975.[2] A emissora de TV transmite alguns programas da rádio do mesmo nome.[3][4]

História editar

TV Rauland (2001 a 2012) editar

A TV Grão Pará, ainda com o nome de TV Rauland, entrou no ar em 20 de abril de 2001 com testes, foi montada na virada do século XX para o século XXI (desde a torre até os estúdios) com modernos equipamentos de exibição digitalizada (áudio estéreo) e totalmente automatizada. A excelente qualidade de áudio e vídeo foi comprovada pela transmissão experimental em todos os quadrantes de sua área de cobertura.

Após os testes, ofereceu às agências, produtoras, anunciantes e profissionais em vídeo o melhor retorno promocional. Com isso, a emissora iniciou as atividades com programação independente, ou seja, sem nenhuma afiliação com alguma rede, pois permitiu espaço para as produções locais, com programação variada, mas ficava poucas horas no ar.

Em setembro do mesmo ano, no entanto, sem como manter programação independente e com poucas horas no ar, firmou contrato de afiliação à RedeTV!, que em 1º de outubro, trocou programação independente com poucos programas locais pela primeira rede.

Com afiliação à RedeTV!, todos os programas locais foram colocados somente na manhã (na época, a RedeTV! alugava horário da manhã para programas independentes) enquanto o restante era programação da rede, incluindo intervalos (que a Rauland inseria quando a rede dava espaço para afiliadas).

Em 15 de junho de 2006 troca a RedeTV! pela TV Gazeta. A RedeTV! passou ser transmitida pela TV Livre atual RedeTV! Belém. Durante a transição da RedeTV! para Gazeta, chegou a operar programação 100% local.

Em 2007 troca Gazeta pela recém-inaugurada TV JB, mas semanas depois, voltou transmitir Gazeta, condição mantida até hoje.

TV Grão Pará (desde 2012) editar

Em outubro de 2012, a TV Rauland passa a se denominar TV Grão Pará após uma briga entre os irmãos sócios do Grupo Rauland que teve como pivô o radialista Jefferson Lima, foi candidato a Prefeito de Belém naquela ocasião. A sociedade foi desfeita e desde então a TV e a Rádio passam a operar em separado. Em comunicado oficial, porém, o grupo alega que a mudança foi para evitar conflito de marcas, sem maiores explicações.

Em 21 de agosto do mesmo ano foi publicada pelo Diário Oficial da União na página 63, Portaria Nº 1579 do Ministério das Comunicações, em que foi consignada à emissora, o Canal 15 (correspondente à faixa de frequência de 476 a 482 MHz) para transmissão de televisão digital.[5]

Em 21 de novembro de 2014 a emissora iniciou os testes do sinal digital.

Em 28 de agosto de 2015, programas locais, comerciais, chamadas foram exibidas em HD, porém programas da TV Gazeta eram exibidas no formato SD até que rede disponibilize o sinal HDTV.

Em 2016, após anos sem um núcleo de jornalismo, a TV Grão Pará resolveu apostar em núcleo para notícias regionais. No início do semestre lançou boletins informativos o Grão Pará Notícias

Em Setembro de 2016, lançaram um Telejornal diário, o Gazeta do Povo. Gravado e exibido em dois horários, o conteúdo se baseia nas notícias do dia, através de matérias dos enviados especiais, com direito a análises e comentários do Âncora Ricardo Kizan, apostando também na interatividade com os telespectadores através do WhatsApp do programa.

Sinal digital editar

Canal virtual Canal digital Resolução de tela Programação
14.1 15 UHF 1080i Programação principal da TV Grão Pará / Gazeta

Em 21 de agosto do mesmo ano, foi publicada pelo Diário Oficial da União na página 63, Portaria Nº 1579 do Ministério das Comunicações, em que foi consignada à emissora, o Canal 15 (correspondente à faixa de frequência de 476 a 482 MHz) para transmissão de televisão digital.[5]

Em 21 de novembro de 2014 a emissora iniciou os testes do sinal digital.

Em 28 de agosto de 2015 programas locais, comerciais, chamadas foram exibidas em HD, porém programas da TV Gazeta eram exibidas no formato SD até que a rede disponibilizasse o sinal HDTV.

Transição para o sinal digital

Com base no decreto federal de transição das emissoras de TV brasileiras do sinal analógico para o digital, a TV Grão Pará, bem como as outras emissoras de Belém, cessou suas transmissões pelo canal 14 UHF em 30 de maio de 2018, seguindo o cronograma oficial da ANATEL.[6]

Referências

  1. Transparência CC. «Resumo da Empresa TV Grão Pará | J M Serfaty Ferreira Serviços de Comunicação Ltda de CNPJ 14.319.856/0001-39». transparencia.cc. Consultado em 4 de junho de 2023. Cópia arquivada em 4 de junho de 2023 
  2. Mauro C. F. Maia (Universidade da Amazônia, Belém, PA) (2011). «Mídia e Música na Amazônia Paraense: Aspectos históricos e culturais» (PDF). Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação. Consultado em 23 de fevereiro de 2012 
  3. ANDREY FARO DE LIMA (2006). «"É A FESTA DAS APARELHAGENS!"» (PDF). UFPA. Consultado em 23 de fevereiro de 2012 
  4. ANDREY FARO DE LIMA (2008). «"É A FESTA DAS APARELHAGENS!"». Repositório da UFPA. Consultado em 23 de fevereiro de 2012 
  5. a b «PORTARIA Nº 1.579, DE 1º DE AGOSTO DE 2012». Diário Oficial da União. 21 de agosto de 2012. Consultado em 23 de fevereiro de 2012 [ligação inativa]
  6. Higa, Paulo (15 de fevereiro de 2016). «Quando a TV analógica será desligada na sua cidade». Tecnoblog. Consultado em 30 de janeiro de 2017 

Ver também editar

Ligações externas editar