Abrir menu principal

TV TEM Bauru

Emissora de televisão brasileira de Bauru, SP
TV TEM Bauru
TV Bauru Ltda.
Bauru, São Paulo
Brasil
Tipo Comercial
Canais Digital: 26 UHF
Virtual: 26 PSIP
Outros canais 24 e 524 HD (Claro TV)
2 (Sky)
206 (Vivo TV)
15 e 515 HD (NET)
ver mais
Analógico:
2 VHF (1960-2018)
Sede Bandeira Bauru.jpg Bauru, SP
Slogan Todo mundo cabe aqui
Rede TV TEM (Globo)
Fundador João Simonetti
Pertence a Traffic
Proprietário Stefano Hawilla
Antigo proprietário João Simonetti (1960)
Victor Costa Júnior (1960-1966)
Roberto Marinho (1966-2003)
J.Hawilla (2003-2018)
Fundação 1 de agosto de 1960 (58 anos)
Prefixo ZYB 856
Nome(s) anteriore(s) TV Bauru (1960-1984)
TV Globo Oeste Paulista (1984-1998)
TV Modelo (1998-2003)
Cobertura Cobertura - TV TEM Bauru.svg
Coord. do transmissor 22° 21' 35.6" S 49° 5' 59.5" O
Potência 4,2 kW[carece de fontes?]
Agência reguladora ANATEL
Informação de licença
CDB
PDF
Página oficial redeglobo.globo.com/sp/tvtem

TV TEM Bauru é uma emissora de televisão brasileira sediada em Bauru, cidade do estado de São Paulo. Opera no canal 26 UHF digital, e é afiliada à Rede Globo. Fundada em 1960 como TV Bauru, hoje integra a TV TEM, rede de televisão do interior paulista fundada em 2003, e cobre aproximadamente 95 municípios.[1][2] Seus estúdios estão localizados no bairro Jardim Bela Vista, e sua antena de transmissão está no bairro Jardim Ouro Verde.

Índice

HistóriaEditar

AntecedentesEditar

Na década de 1950, o empresário ítalo-brasileiro João Simonetti, fundador da Bauru Rádio Clube, primeira emissora de rádio de Bauru, decide se aventurar na implantação da primeira emissora de televisão do município. Ainda durante o governo de Getúlio Vargas, Simonetti solicitou ao presidente a concessão de um canal de televisão, que lhe fora outorgada apenas no fim da década, em 1959. Ele também investiu cerca de Cr$ 7,5 milhões em equipamentos necessários para a criação da emissora, e assinou ainda um contrato com a REBRATEL de Mário Wallace Simonsen, para que fosse possível a instalação de 1000 aparelhos de televisão na cidade. Ainda em 1959, os telespectadores puderam ver a TV Bauru operando em caráter experimental pelo canal 2 VHF.[3]

TV Bauru (1960-1984)Editar

Em 1º de agosto de 1960, foi oficialmente fundada a TV Bauru, primeira emissora de televisão do interior paulista e também de um estado brasileiro (as emissoras existentes até então só haviam sido fundadas em capitais). A emissora foi responsável pela produção de vários programas de auditório, musicais, o noticiário Nosso Jornal, e até uma telenovela que era escrita e também protagonizada por Clorinda Resta. Vários profissionais das emissoras de rádio do município também migraram para o novo meio de comunicação.[3][4]

No entanto, as dificuldades para manter uma emissora de televisão com alto nível eram enormes. Os anunciantes para o canal eram poucos, e com dinheiro faltando no caixa, muitos funcionários recebiam o pagamento já depois do vencimento.[5] Todos esses fatores fizeram com que Simonetti vendesse em outubro do mesmo ano a emissora para as Organizações Victor Costa. Com a compra, houve também um aumento considerável da faixa de programação, com a adição de entalados norte-americanos e programas retransmitidos da TV Paulista, que também pertencia a OVC.[3]

Em 1966, as Organizações Victor Costa e todos os seus meios de comunicação foram adquiridos por Roberto Marinho e as Organizações Globo, e a TV Bauru passou a ser uma emissora própria da Rede Globo, juntamente com a TV Paulista, que em 1967 passou a se chamar TV Globo São Paulo. Sob a direção de Arceno Athas, as produções locais vão sendo aos poucos extintas, e apenas o jornalismo vai sendo priorizado. Destacam-se nessa época os programas Globo Interior e Globo Agora à Noite, que eram produzidos e também apresentados por jornalistas como Roberto Purini, Edson Fagnani, João Dias Antunes e Fred Calmon. No entanto, esses programas foram sendo substituídos gradativamente pelo Jornal Nacional, transmitido via satélite.

Em 1971, com o surgimento do Hoje, a emissora cria uma versão local do telejornal apresentado por Alonso Padilha, porém, esta é gradativamente substituída pela versão paulistana apresentada por Marília Gabriela. A emissora chega ao fim da década de 1970 apenas com uma equipe de reportagem composta pelo repórter Jair Acetuno, os cinegrafistas Moacir Mendonça e Walcir Coelho, e o iluminador Carlos Corrente, que juntos produziam apenas matérias exibidas durante o Jornal das Sete, produzido em São Paulo.[4] Em 28 de fevereiro de 1980, a emissora passa exibir um bloco local de 2 minutos do JS, que em 3 de janeiro de 1983 foi substituído pelo SPTV.[3]

TV Globo Oeste Paulista (1984-1998)Editar

O panorama se mantém o mesmo até 1984, quando a Central Globo de Afiliadas e Expansão surge para aperfeiçoar e revitalizar todo o jornalismo das emissoras próprias e afiliadas da Globo. Nesse interim, em 24 de outubro de 1984, a TV Bauru então passa a se chamar TV Globo Oeste Paulista. São investidos 2,5 milhões de dólares na compra de novos equipamentos e a criação de sucursais nos municípios de São José do Rio Preto, Marília e Presidente Prudente, e três meses depois, também é criada uma sucursal em Araçatuba, passando a cobrir 260 municípios do interior do estado. O número de equipes de jornalismo passa a ser de 11, e o SPTV que até então ocupava apenas um pequeno bloco do telejornal gerado em São Paulo ganha duas edições, às 12h45 e às 19h45.[3]

Em 21 de abril de 1986, as sucursais da emissora em Araçatuba e São José do Rio Preto são desvinculadas, e cria-se então a TV Globo Noroeste Paulista, seguindo também o mesmo padrão da emissora de Bauru.[4] Em 9 de julho de 1990, as emissoras da Rede Globo em São Paulo substituem o SPTV pelo SP Já, sendo a 1ª edição retransmitida da TV Globo São Paulo, e a segunda produzida localmente pela TV Globo Oeste Paulista.

Em 11 de abril de 1994, com a volta da exibição do Jornal Hoje para o estado de São Paulo, a primeira edição do SP Já passa a ser também produzida pela TV Globo Oeste Paulista. Também é nesse ano, que com o surgimento da TV Fronteira Paulista, em 1º de junho, a emissora deixa cobrir a Mesorregião de Presidente Prudente, restringindo sua cobertura, que em 1984 era de 260 municípios à 113 municípios. Em 1996, o SP Já é extinto e a emissora volta a produzir o SPTV.

TV Modelo (1998-2003)Editar

 
Logotipo da emissora entre 1998 e 2003

Já no fim da década de 1990, a Central Globo de Afiliadas e Expansão lança o "Projeto Regional do Futuro", que visava dar uma autonomia maior as emissoras próprias da Rede Globo no interior paulista e também a TV Globo Juiz de Fora em Minas Gerais, bem como a expansão da programação local e a interação com a comunidade local.[6] Com isso, a TV Globo Oeste Paulista passa a se chamar TV Modelo, e surgem também novos programas, como o Modelo Esporte, exibido antes da versão paulistana do Globo Esporte; o Comunidade no Ar, boletim exibido durante a programação que mostrava ações de entidades filantrópicas, ONG's, entre outros; Interação, revista eletrônica exibida aos sábados, e o Nosso Campo, programa sobre o agronegócio local, que era produzido junto com a TV Fronteira, TV Progresso de São José do Rio Preto e a TV Aliança Paulista de Sorocaba. A emissora também exibia o Terra da Gente, que era produzido pela EPTV Campinas.[3]

Também foram implementadas campanhas e projetos regionais como a "Campanha do Agasalho", "Semana da Faxina", "Música na Praça", "Recreança", além do "Ação Global", feito em parceria com o SESI, além de eventos esportivos como a Copa TV Modelo de Futsal e a Copa TV Modelo de Vôlei de Praia. Todos esses eventos visavam aproximar ainda mais a identidade da emissora e também das outras com a região onde se estabeleciam, e boa parte deles ocorre até hoje. Essa regionalização também afetou o jornalismo da emissora, quando o SPTV, a partir da remodelação do padrão de jornalismo local da Globo, passou a ter uma linha editorial mais próxima da comunidade.[3]

Em 2002, as Organizações Globo contraíram uma enorme dívida resultante dos investimentos nos canais Globosat e nas empresas de TV por assinatura, que ultrapassava a casa dos R$ 2 bilhões em outubro daquele ano. Como forma de aliviar os gastos, a Rede Globo vendeu suas ações em 15 emissoras onde tinha participação acionária ou estavam em sua propriedade. Dessa forma, 90% das ações da TV Modelo, juntamente com outros 90% da TV Progresso de São José do Rio Preto e da TV Aliança Paulista de Sorocaba foram vendidos para o empresário José Hawilla (proprietário da Traffic, empresa de marketing esportivo), por um valor entre 120 a 180 milhões de reais.[7][3]

2003 - presenteEditar

Em 7 de maio de 2003, já com a compra aprovada pelo CADE e o Ministério das Comunicações, as emissoras de TV de Bauru, Sorocaba e São José do Rio Preto passaram a formar a TV TEM (sigla de Traffic Entertainment and Marketing), que juntamente com a emissora de Itapetininga, fundada no mesmo dia, passava a cobrir 318 municípios do interior paulista, totalizando 49% do estado de São Paulo. A TV Modelo então passa a se chamar TV TEM Bauru, e os programas exibidos até então são extintos e substituídos pelo Bom Dia Cidade, sucessor do bloco local do Bom Dia São Paulo, e o TEM Notícias, sucessor do SPTV. Os demais programas passam a ser produzidos pela TV TEM Sorocaba, matriz da rede.[4]

Sinal digitalEditar

Canal virtual Canal digital Resolução de tela Programação
26.1 26 UHF 1080i Programação principal da TV TEM Bauru / Globo

A emissora inaugurou o seu sinal digital em 23 de julho de 2012, em uma cerimônia realizada em sua sede em Bauru.[8] O presidente da TV TEM, J.Hawilla, e a diretora da Central Globo de Afiliadas, Cláudia Quaresma, apertaram simbolicamente um botão que acionava o sinal digital da emissora, pelo canal 26 UHF.[9] Os telejornais da emissora porém, passaram a ser exibidos em alta definição apenas em 2 de junho de 2015, com a exceção dos programas retransmitidos da TV TEM Sorocaba já exibidos no formato.[10]

Transição para o sinal digital

Com base no decreto federal de transição das emissoras de TV brasileiras do sinal analógico para o digital, a TV TEM Bauru, bem como as outras emissoras de Bauru, cessou suas transmissões pelo canal 02 VHF em 28 de março de 2018, seguindo o cronograma oficial da ANATEL.[11]

ProgramasEditar

Além de retransmitir a programação nacional da Rede Globo, a TV TEM produz e exibe os seguintes programas:

  • Bom Dia Cidade: Telejornal, com Fernanda Ubaid;
  • TEM Notícias 1ª edição: Telejornal, com Evandro Cini;
  • TEM Notícias 2ª edição: Telejornal, com Giuliano Tamura;
  • TEM Informa: Boletim informativo, durante a programação

Retransmitidos da TV TEM SorocabaEditar

Retransmitidos da TV Globo São PauloEditar

RetransmissorasEditar

Lista de retransmissoras

Referências

  1. «Confira quais são as cidades que recebem o sinal digital da TV TEM». TV TEM - Rede Globo. 29 de novembro de 2018. Consultado em 26 de dezembro de 2018 
  2. «TV TEM amplia o sinal digital para a região de Marília, SP». TV TEM Digital - Rede Globo. 11 de março de 2015. Consultado em 26 de dezembro de 2018 
  3. a b c d e f g h Fernandes da Silva, Adriana (2005). «Telejornalismo Regional: Identidade e Representações» (PDF). UNESP. Consultado em 27 de junho de 2015. Arquivado do original (PDF) em 29 de junho de 2015 
  4. a b c d Soler, Mário Novelino Alonso (Agosto de 2005). «Quem Pauta a Pauta: Rotinas Produtivas do TEM Notícias 1ª edição» (PDF). UNESP. Consultado em 7 de setembro de 2015 
  5. «O pioneiro João Simonetti». Vivendo Bauru. Consultado em 7 de setembro de 2015 
  6. Oliveira, Wagner (19 de outubro de 1998). «Globo dá mais autonomia a TVs regionais». Folha Web. Consultado em 7 de setembro de 2015 
  7. «Crise financeira afeta as Organizações Globo». Paraná Online. 12 de outubro de 2002. Consultado em 7 de setembro de 2015 
  8. «TV TEM estreia sinal digital para Bauru nesta segunda-feira (23)». TV TEM. 19 de julho de 2012. Consultado em 7 de setembro de 2015 
  9. Redação (24 de julho de 2012). «Evento inaugura o sinal digital em alta definição em Bauru, SP». G1. Consultado em 7 de setembro de 2015 
  10. «Sinal da TV TEM começa a ser exibido em alta definição». globo.tv. 2 de junho de 2015. Consultado em 7 de setembro de 2015 
  11. Nascimento, Luciano (28 de março de 2018). «Sinal analógico de TV será desligado hoje em cidades do Maranhão e de São Paulo». Agência Brasil. Consultado em 29 de março de 2018 

Ver tambémEditar

BibliografiaEditar

  • Cava, Márcio Antônio Blanco (2001). Um Modelo de Televisão. Como nasceu a TV Modelo, primeira emissora do interior da América Latina. Bauru: EDUSC e IMESP. 148 páginas. ISBN 8574601349 

Ligações externasEditar