Abrir menu principal

Trans World Airlines

(Redirecionado de TWA)
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde dezembro de 2017). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Trans World Airlines
IATA TW
ICAO TWA
Indicativo de chamada TWA
Fundada em 13 de julho de 1925 (como Western Air Express)
1 de outubro de 1930 (como Transcontinental & Western Air)[1]
Encerrou atividades em 1 de dezembro de 2001 (adquirida pela American Airlines)
Principais centros
de operações
Aeroporto Internacional John F. Kennedy
Aeroporto Internacional Luis Muñoz Marin
Sede Saint Louis, Missouri, EUA
Pessoas importantes Howard Hughes

A Trans World Airlines (TWA) foi uma companhia aérea americana criada em 1925 como Western Air Express.

Foi uma das linhas aéreas mais conhecidas do mundo. Iniciou as atividades em Kansas City, Missouri, e depois mudou sua sede/hub para Saint Louis. Teve sedes em Nova Iorque (JFK), San Juan - Porto Rico (SJU) e Los Angeles - California (LAX).

Serviu diversas cidades nos EUA, Canadá, América Latina, Europa e Médio Oriente.

Teve dificuldades econômicas, especialmente na década de 90, e foi adquirida pela American Airlines em abril de 2001. A companhia encerrou definitivamente suas atividades em 1 de dezembro de 2001[1].

HistóriaEditar

 
Lockheed Constellation da TWA.

Em abril de 1926 decolava de Los Angeles para Salt Lake City o primeiro voo da Western Air Express (WAE). Em 1929 a WAE adquiriu a Standard Air Lines (fundada em 1925) e no ano seguinte associou-se a Transcontinental Air Transpot (TAT) dando origem a Transcontinental & Western Air, ou simplesmente TWA.

Operando até então com alguns Ford-Trimotor, estes tornaram-se pequenos e desconfortáveis para as principais rotas da empresa. Charles Lindbergh, associado à empresa, foi incumbido de estabelecer as características e solicitar aos fabricantes a construção de um novo avião para 12 passageiros. A Douglas Aircraft Company aceitou o desafio e desenvolveu o DC-2, com capacidade para 14 passageiros.

Foi o salto qualitativo que a TWA precisava. Seguiram-se o Douglas DC-3 e o Boeing 307 Stratoliner, do qual a empresa foi um das duas únicas operadoras.

Em 1939 o milionário Howard Hughes comprou a empresa. Comprou aviões novos e revolucionários como o Constellation, (que tinha um dedo de Hughes) e anos mais tarde, o Convair 880. Não faltam histórias e fatos pitorescos durante os 30 anos que Hughes esteve à frente da TWA: Em 1946 por exemplo ele próprio pilotou o voo inaugural do Constellation entre Los Angeles e Nova York, com uma "constelação" de estrelas de Hollywood a bordo.

Logo após a Segunda Guerra a TWA lançou voos internacionais para a Europa, ligando Nova York à Paris, com escalas em Gander e Shannon. Graças à sua crescente participação internacional, a TWA passou a adotar em 1950 o nome Trans World Airlines, embora suas rotas fossem basicamente para a Europa.

 
Boeing 707 da TWA em 1967.

Os primeiros jatos (Boeing 707) foram colocados em operação em março de 1959, inicialmente em voos domésticos. Em 1970, foi a primeira a operar o Boeing 747 em rotas domésticas, uma primazia que logo descobriria ter sido um erro pois o 747 era grande demais para este mercado. Em 1972 chegariam os primeiros Lockheed L-1011 Tristar. O 747 passou então para as rotas do Atlântico Norte (onde continuou dando prejuízos).

 
Boeing 747SP da TWA em 1983.

O final da década e os anos 80 foram particularmente difíceis para a empresa, que foi lenta ao responder a uma avalanche de acontecimentos: a desregulamentação do mercado americano, a recessão econômica, o aumento vertiginoso no preço do combustível... tudo conspirou para o enfraquecimento financeiro da TWA.

Em 1985 foi comprada por Carl Icahn, mega-investidor de Nova York. O "corporate raider" fizera fortuna comprando empresas e revendendo-as aos pedaços. Foi o que fez: a malha internacional da TWA foi lapidada. Até mesmo a prestigiosa (e lucrativa) rota para Londres foi vendida para a American Airlines.

Também em 1985, a TWA teve um de seus aviões sequestrados na Grécia, com um grupo de Judeus, por um grupo Islâmico e custou a vida de um militar americano. O incidente originou o Filme The Delta Force.

Outro duro golpe foi o acordo feito em 1995 com a Karabu, uma das empresas de Icahn, que logo depois saiu da TWA. Através deste acordo, a Karabu poderia comprar qualquer bilhete da TWA por apenas 55% da tarifa publicada e revendê-lo ao mercado pelo preço que lhe bem entendesse. Foi um massacre.

 
Boeing 757 com a pintura híbrida em 2001 após a compra pela American Airlines.

Os anos 90 começaram um pouco melhor para a combalida TWA. Um plano de reestruturação da empresa que incluía a modernização da frota - a TWA foi uma das lançadoras do Boeing 717 - trazia resultados quando o acidente no voo 800 com o Boeing 747 em Nova York em 1996 pôs tudo a perder. Foi o início de uma descendente que culminou com a venda da empresa para a American Airlines, concretizada no primeiro semestre de 2001.

O último voo da Trans World pousou em Saint Louis às 10:00 da noite de 1 de dezembro de 2001, (TW2 procedente de Honolulu)[1] encerrando-se assim uma história gloriosa.

A TWA assim como a PAN AM, saiu do ar e entrou pra história.

Frota em 2001Editar

Acidentes e incidentesEditar

Referências

  1. a b c «Milestones in TWA History» (em inglês). Consultado em 30 de dezembro de 2018 

Ver tambémEditar

  Este artigo sobre aviação, integrado ao Projeto Aviação, é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.