Abrir menu principal

Tábula rasa

(Redirecionado de Tabula rasa)
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações (desde janeiro de 2019). Ajude a melhorar este artigo inserindo fontes.
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados de outras acepções, veja Tabula rasa (desambiguação).
Recriação da tabuleta de cera romana, com stylus ao centro

Tábula rasa é a tradução para a expressão em latim tabula rasa, que significa literalmente "tábua raspada", e tem o sentido de "folha de papel em branco".[1]

A palavra tábula, neste caso, refere-se às tábuas cobertas com fina camada de cera, usadas na antiga Roma para escrever, fazendo-se incisões sobre a cera com uma espécie de estilete. As incisões podiam ser eliminadas ao aquecer a cera, de modo que se pudesse escrever de novo sobre a tábula rasa, isto é, sobre a tábua raspada ou apagada — no caso, sobre a cera resfriada e novamente sólida.[2]

Como metáfora, o conceito de tábula rasa foi utilizado por Aristóteles (em oposição a Platão) e difundido principalmente por Alexandre de Afrodísias, para indicar uma condição em que a consciência é desprovida de qualquer conhecimento inato — tal como uma folha em branco, a ser preenchida.[3] Esta ideia continuou a ser desenvolvida pela filosofia da Grécia Antiga; a epistemologia da escola estoica enfatiza que a mente inicia vazia, mas adquire conhecimento à medida que o mundo exterior impressiona.[4]

Já na modernidade, o conceito foi aplicado ao intelecto, através da tese epistemológica que fundamenta o empirismo.[5] Este argumento da tábula rasa foi usado pelo filósofo inglês John Locke, considerado como o protagonista do empirismo. Locke detalhou a tese da tábula rasa em seu livro Ensaio acerca do Entendimento Humano, de 1690. Para ele, todas as pessoas nascem sem conhecimento algum (i.e. a mente é, inicialmente, como uma "folha em branco"), e todo o processo do conhecer, do saber e do agir é aprendido através da experiência. A partir do século XVII, o argumento da tábula rasa foi importante não apenas do ponto de vista da filosofia do conhecimento, ao contestar o inatismo de Descartes, mas também do ponto de vista da filosofia política, ao defender que, não havendo ideias inatas, todos os homens nascem iguais. Forneceu assim a base da crítica ao absolutismo e da contestação do poder como um direito divino ou como atributo inato.[6]

Ver tambémEditar

Referências

  1. «Tábula». Aulete 
  2. Smith, sir W. (1898). Cornish, F. W., ed. A Concise Dictionary of Greek and Roman Antiquities. Londres: Spottiswoode and Co. pp. 608–9 
  3. FERRATER-MORA, José Dicionário de filosofia: Q-Z. "Tabula", p.2808s.
  4. Bardzell, Jeffrey (11 de junho de 2014). Speculative Grammar and Stoic Language Theory in Medieval Allegorical Narrative: From Prudentius to Alan of Lille. [S.l.]: Routledge. pp. 18–9 
  5. Piccolo Dizionario Filosofico."Tabula rasa".
  6. LOCKE, John Political writings. David Wootton (org), p. 247. Indianapolis: Hackett Publishing, 1993.

BibliografiaEditar


  Este artigo sobre filosofia/um(a) filósofo(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.