Abrir menu principal

Tanabi

município brasileiro do estado de São Paulo
Disambig grey.svg Nota: Não confundir com Tanabe.
Tanabi
  Município do Brasil  
Símbolos
Bandeira de Tanabi
Bandeira
Brasão de armas de Tanabi
Brasão de armas
Hino
Lema Semper Fluit Flumen Papilionum
"Sempre Corre o Rio das Borboletas"
Gentílico tanabiense
Localização
Localização de Tanabi em São Paulo
Localização de Tanabi em São Paulo
Tanabi está localizado em: Brasil
Tanabi
Localização de Tanabi no Brasil
Mapa de Tanabi
Coordenadas 20° 37' 33" S 49° 38' 56" O
País Brasil
Unidade federativa São Paulo
Municípios limítrofes Bálsamo, Mirassolândia, Cosmorama, Palestina, Sebastianópolis do Sul e Monte Aprazível
Distância até a capital 477 km
História
Fundação 1882 (137 anos)
Aniversário 4 de julho
Administração
Prefeito(a) Norair Cassiano da Silveira ([PSB])
Características geográficas
Área total [1] 745,8 km²
População total (Censo IBGE/2010[1]) 24 055 hab.
Densidade 32,25 hab./km²
Clima tropical semiúmido
Altitude 518 m
Fuso horário Hora de Brasília (UTC−3)
Indicadores
IDH (PNUD/2000[2]) 0,792 alto
PIB (IBGE/2009[3]) R$ 296 018 mil
PIB per capita (IBGE/2009[3]) R$ 12 037,64

Tanabi é um município brasileiro no estado de São Paulo. Possui uma população de 24 055 habitantes (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística/2010) e área de 745,8 quilômetros quadrados.[1] Localiza-se a 477 quilômetros da cidade de São Paulo. O município é formado pela sede e pelo distrito de Ibiporanga[4][5].

EtimologiaEditar

"Tanabi" é derivado do guarani antigo tanambi, que significa "borboleta".[6]

HistóriaEditar

Tanabi foi fundada em 4 de julho de 1882. No local onde hoje é a Praça Stélio Machado Loureiro, antes chamada "24 de Outubro", o terreno fora convenientemente montado e, da clareira aberta na mata em volta, divulgava-se, ao fundo, a choça onde Joaquim Francisco de Andrade (Joaquim Chico), remanescente da tribo dos Caiapós, desde 1860 comerciava produtos da terra e mercadorias que trazia de longe.

Junto à confluência dos rios Jataí e do Mangue, ou Bacuri, repontavam raras choupanas onde viviam pacatos roceiros. Confiaram, a mestre Bento Perez de Souza, um carapina de truz, a incumbência de lavrar o madeiro roliço e transformá-lo em símbolo de suas aspirações religiosas, o qual foi, para todos os efeitos, considerado marco de fundação. Na data epigrafada, num meio-dia estival, lá estavam os moradores reunidos e irmanados por um só desejo – conduzir, em procissão, o pesado lenho de rija aroeira.

Feito isto, postaram-no para descanso ao lado de profunda escavação recém-aberta na terra vermelha e dadivosa. Entre vivas e rojões, salvas de garrucha e gritos de alegria, é alçado o majestoso cruzeiro que, paulatinamente, toma posição vertical; seus braços sagrados, onde se divisam os instrumentos de suplício a recordar a divina imolação, proclamam, altissonantes, que, na zona pioneira do Estado, mais uma citânia surgia, citânia que, desde então, batizaram com o expressivo topônimo "Jataí".

Logo após, junto ao emblema da fé, num altar improvisado, todo enfeitado de flores silvestres, ajoelharam-se todos, contritos e piedosos, como convém às almas simples, a rezar o terço tradicional do interior brasileiro. E a tradição guardou o nome dos que tomaram parte nesse ato de e civismo: o alferes Polenice Celeri, Leonildo Bataglia, João Barboza do Amaral, Hilário de Souza Rozendo, Agostinho Pereira, Manuel Francisco de Silva, Joaquim Euzébio, Joaquim Francisco de Andrade (Joaquim Chico, considerado o fundador), além do artista anônimo que, a golpes de enxó, lavrou o rijo cerne, transformando-o em objeto de culto e de veneração.

Erguida a cruz, cuidaram, logo, os moradores do Jataí de construir uma igreja em homenagem à padroeira escolhida – Nossa Senhora da Conceição. E foi essa rústica ermida de palha que deu o nome ao lugar então conhecido por "Capela do Jataí" e que, nove anos mais tarde, em 1891, foi substituída pela igreja feita de tijolos e telha vã, demolida em 1932/33.

Em 1906, o povoado foi elevado à condição de distrito pertencente ao município de São José do Rio Preto com o nome de "Tanabi". Em 1924, o distrito foi elevado à condição de município, separando-se de São José do Rio Preto.[7]

GeografiaEditar

Localiza-se a uma latitude 20°37'35" Sul e a uma longitude 49°38'57" Oeste, estando a uma altitude de 518 metros.

EconomiaEditar

Tanabi é um município que tem grande força na indústria, destacando-se principalmente na produção de alumínio, móveis e calçados, conta também com uma usina que produz açúcar e álcool. Além da indústria, a pecuária, a agricultura e o comércio movimentam a economia do município. Tanabi conta com várias agências bancárias como Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Bradesco e Banco Santander.

HidrografiaEditar

RodoviasEditar

  • SP-320 Rodovia Euclides da Cunha
  • SP-377 Rodovia Deputado Bady Bassitt

DemografiaEditar

Dados do Censo - 2010:

População total: 24 055[1]

  • Urbana: 21 735
  • Rural: 2 320
  • Homens: 12 042[8]
  • Mulheres: 12 013

Densidade demográfica (hab./km²): 32,25

Taxa de alfabetização: 93,0%[9]

ComunicaçõesEditar

A cidade era atendida pela Cia. Telefônica Rio Preto[10][11], empresa administrada pela Companhia Telefônica Brasileira (CTB)[12], até que em 1973 passou a ser atendida pela Telecomunicações de São Paulo (TELESP)[13], que construiu a central telefônica utilizada até os dias atuais. Em 1998 esta empresa foi privatizada e vendida para a Telefônica[14], sendo que em 2012 a empresa adotou a marca Vivo[15] para suas operações de telefonia fixa.

AdministraçãoEditar

EsportesEditar

Jorge Tadeu Colombo do Nascimento, o prof. Jorge Colombo, Atualmente está na Seleção Peruana de Futebol, foi preparador físico da Seleção Brasileira Feminina de Futebol campeã Sul-americana em 2018 no Equador nasceu em Tanabi no dia 03/09/1983 na Santa Casa São Vicente de Paula, Jorge foi o preparador físico da Seleção na Copa do Mundo Sub-20 na França em 2018. No Futebol profissional masculino, passou por equipes como Internacional de Porto Alegre, São Caetano e Audax. A cidade possui um arena chamado Estádio Municipal Alberto Victolo.

Em abril de 2012, o jogador Túlio Maravilha, ex-Botafogo do Rio de Janeiro e Seleção Brasileira de Futebol, transferiu-se para o Tanabi Esporte Clube, em busca do 1000º gol na carreira.[16]

O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Tanabi

Luan atualmente no Grêmio também se destacou pelo índio do Noroeste em 2012

Ligações externasEditar

 
O Wikisource contém fontes primárias relacionadas com Hino de Tanabi

Referências

  1. a b c d «Censo Populacional 2010» (PDF). Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 29 de novembro de 2010. Consultado em 15 de julho de 2010 
  2. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2000. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  3. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2005-2009» (PDF). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 21 dez. 2011. Arquivado do original (PDF) em 5 de agosto de 2012 
  4. «Municípios e Distritos do Estado de São Paulo» (PDF). IGC - Instituto Geográfico e Cartográfico 
  5. «Divisão Territorial do Brasil». IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística 
  6. NAVARRO, E. A. Dicionário de Tupi Antigo: a Língua Indígena Clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 600.
  7. Site de Tanabi. Disponível em http://www.sitedetanabi.com.br/?gatghes1s6ssrr-historia-de-tanabi-sp.html. Acesso em 4 de dezembro de 2015.
  8. «SIDRA IBGE - Tabela 608 - População residente, por situação do domicílio e sexo». IBGE. Consultado em 25 de agosto de 2011 
  9. «Taxa de Alfabetização 2010» (zip). Censo 2010 IBGE: Indicadores Sociais Municipais. IBGE.gov.br. Consultado em 23 de janeiro de 2012 
  10. «Relação do patrimônio da Cia. Telefônica Rio Preto incorporado pela Telesp» (PDF). Diário Oficial do Estado de São Paulo 
  11. «Telesp assume controle da Cia. Telefônica Rio Preto e da Empresa Telefônica Paulista». Acervo O Estado de São Paulo 
  12. «Relação do patrimônio da CTB incorporado pela Telesp» (PDF). Diário Oficial do Estado de São Paulo 
  13. «Área de atuação da Telesp em São Paulo». Página Oficial da Telesp (arquivada) 
  14. «Nossa História». Telefônica / VIVO 
  15. GASPARIN, Gabriela (12 de abril de 2012). «Telefônica conclui troca da marca por Vivo». G1 
  16. «Túlio Maravilha vai assinar com o Tanabi». Placar.abril.com.br. Consultado em 13 de maio de 2012