Tanga (Deu no New York Times?)

Tanga (Deu no New York Times?)
Tanga (Deu no New York Times?) (BRA)
 Brasil

1987 •  cor •  90 min 
Direção Henfil
Produção Daniel de Carvalho
Roteiro Jofre Rodrigues
Elenco Chico Anysio, Cristina Pereira, Zózimo Bulbul
Género comédia
Música Wagner Tiso
Cinematografia Edgar Moura
Direção de arte Edgard Moura
Edição Rafael Justo Valverde Jayme Justo
Distribuição Brasil Embrafilme
Lançamento Brasil 1987
Idioma português
Página no IMDb (em inglês)

Tanga (Deu no New York Times?) é um filme de comédia brasileiro de 1987, dirigido por Henfil e roteirizado por Joffre Rodrigues.

SinopseEditar

Um filme de comédia coberto de metáforas críticas sobre a "ditadura maquiada" e a aculturação, que é muito atual. A história se passa na fictícia república do Caribe, na ilha de Tanga, que têm mais de 99% da população analfabeta. No poder, um ditador que acabou com a imprensa local, e que todos os dias recebe o único exemplar na ilha do jornal The New York Times, enviado por seu sobrinho. É a partir deste jornal que ele recebe as informações de todo o mundo e confia em todas as informações do jornal. Porém após lê-lo todos os dias, o jornal é queimado para que não haja o risco de cair nas mãos de um dos sete grupos guerrilheiros que lutam para ter o The New York Times, pois quem tem o jornal, tem poder.[1]

HistóriaEditar

O filme é uma metáfora da situação do Brasil nos anos 1980. O país estava sobre o poder de ditadores, a imprensa censurada, a população pobre e analfabeta. A informação não chegava para a grande massa de brasileiros. Para se instruir sobre o que realmente estava acontecendo no mundo (e às vezes mesmo no Brasil), era necessário recorrer a jornais estrangeiros. Entre eles, o mais exaltado e procurado era o jornal estado-unidense The New York Times.[2]

ElencoEditar

Rubens Correa (Herr Walkyria Von Mariemblau - ditadura)

Elke Maravilha (Frau Regine de Regine, primeira-dama - ditadura)

Cristina Pereira (Liga da Mulher Ideal - guerrilheira)

Henfil (Kubanin - ditadura)

Flavio Migliaccio (Partido Comunista Tanganês - guerrilheiro)

Procópio Mariano

Haroldo Costa (ovo)

Ricardo Blat (Pentelho Luminoso - guerrilheiro)

Jofre Rodrigues (Paralelo Zero - guerrilheiro)

Sérgio Roperto (Ação Paranóica Radical - guerrilheiro)

Lutero Luiz (militar de tanga)

Hélio Pellegrino (militar americano)

Zózimo Barroso do Amaral (militar americano)

Marcelo Escorel (Ação Insurreicional Democrática Sexual - Aids - guerrilheiro)

Ernani Moraes (Vodka Sectária - guerrilheiro)

Ken Kaneco (ditadura)

Fausto Wolff (militar americano)

Regina Rocha (povo)

Nelson Rodrigues Filho (povo)

Zaqueu Bento (povo)

Gugu Olimecha (povo)

Fabio Perez (o locutor - povo)

População de QuissamãEditar

Procopio Mariano (militar de tanga)

Olney Cazarré (militar de tanga)

→ Luizão (militar de tanga (saudades))

→ Robson (militar de tanga)

→ Sidney (militar de tanga)

Nelson Conceição (militar de tanga)

Evandro Patello Jr. (militar de tanga)

Ivan La Belle (militar americano)

Antonio Carlos (militar americano)

Alfredo "Sirkis" (militar americano)

André Carvalho (militar americano)

Participação especialEditar

Chico Anysio

Daniel Filho

→ Jaguar

Alan Riding

PrêmiosEditar

Prêmio Categoria Resultado Ref.
Rio Cine Festival Melhor Filme Venceu [3]
Melhor atriz para Cristina Pereira Venceu [3]
Melhor Fotografia para Edgard Moura Venceu [3]
Melhor Cénario para Henfil e Sales Venceu [3]
Melhor Figurino para Henfil e Sales Venceu [3]
Melhor ator coadjuvante para Lutero Luiz Venceu [3]
Festival de Natal Melhor Cenografia Venceu [3]
  A Wikipédia tem os portais:

Referências

  1. «Tanga (Deu no New York Times?)». Consultado em 23 de junho de 2015 
  2. «Deu no New York Times». Consultado em 22 de junho de 2015 
  3. a b c d e f g «Cinemateca - Tanga (Deu no New York Times)». Consultado em 21 de junho de 2015 
  Este artigo sobre um filme brasileiro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.