Taraxacum officinale

página de desambiguação de um projeto da Wikimedia


Como ler uma infocaixa de taxonomiaTaraxacum officinale
Taraxacum officinale - Köhler–s Medizinal-Pflanzen-135.jpg
Classificação científica
Reino: Plantae
Ordem: Asterales
Família: Asteraceae
Género: Taraxacum
Espécie: T. officinale
Nome binomial
'''Taraxacum officinale'''
Wiggers

Taraxacum officinale, conhecido como dente-de-leão, é uma planta perene herbácea da família Asteraceae (Compositae).

Pode ser encontrada em regiões temperadas e cresce em relvados, nas margens das estradas e de cursos de água e em outras áreas com solos úmidos. É frequentemente considerada uma erva daninha, especialmente em relvados, mas é usada como planta medicinal e na culinária.

EtimologiaEditar

Taraxacum deriva do Árabe tarakhshagog (ou tarakhshaqūn), palavra usada para ervas amargas. [1] O epíteto específico officinale é usado para plantas com usos na medicina e herbalismo. [2] A planta é conhecida como dente-de-leão em referência às suas folhas dentadas.

DescriçãoEditar

Taraxacum officinale cresce a partir de uma raiz primária não ramificada e produz um ou mais de dez caules com tipicamente 5-40 centímetros de altura mas às vezes até 70 centímetros de altura. O caule pode ter uma cor arroxeada, podem ser eretos ou frouxos e produzem capítulos mais altos à mesma altura ou mais altos que a folhagem. A folhagem pode crescer na vertical ou espalhar-se horizontalmente. As folhas são todas basais. Os caules podem ser glabros ou esparsamente cobertos com pequenos pelos.

As folhas têm 5-45 centímetros de comprimento e 1-10 centímetros de largura e têm uma forma oblanceolada, oblonga ou obovada com a base ficar gradualmente mais estreita em direção ao petíolo. As margens apresentam tipicamente lóbulos rasos a profundos e muitas vezes são laceradas ou dentadas. [3]

As brácteas que sustentam o capítulo são compostas por 12 a 18 segmentos. Têm uma forma lanceolada e os ápices têm forma acuminada. Num capítulo pode-se ter 40-100 flores e as corolas são amarelas.

Os frutos, chamados cipsela, têm 2-3 milímetros de comprimento e apresentam 4-12 estrias que facilitam a sua aderência à pelagem de animais e a outras superfícies. O papus tem uma textura sedosa e cerca de 6 milímetros de largura. Tem um papel importante na dispersão dos frutos.

 
Taraxacum officinale

EcologiaEditar

Taraxacum officinale é nativa da Europa e Ásia.[4] Atualmente é naturalizada na América do Norte, América do Sul, África meridional, Nova Zelândia, Austrália e Índia.[5]

 
Campo de dentes-de-leão em Weiler, Áustria

Trata-se de uma espécie frequentemente colonizadora de habitats perturbados através da dispersão pelo vento ou em sementes no solo em estado dormente.[6]

Embora o seu pólen tenha baixa qualidade nutricional para as abelhas, estas consomem-no rapidamente e pode ser uma fonte importante de diversidade nutricional em monoculturas. [7][8]

UsosEditar

CulináriaEditar

Os dentes-de-leão são colhidos na natureza ou cultivados a uma escala pequena. As folhas podem ser consumidas cozidas ou cruas em sopas ou saladas. Normalmente, as folhas mais jovens e os rebentos fechados são comidos crus em saladas, enquanto que as folhas mais velhas são cozidas. As folhas cruas têm um sabor ligeiramente amargo.

As flores podem ser usadas para fazer vinho, havendo várias receitas. [9] Também tem sido usado para fazer Pissenlit (um tipo de ale feito na Bélgica; pissenlit quer dizer dente-de-leão em francês).

FitoterapiaEditar

Dentes-de-leão têm sido usados na medicina tradicional da Europa, América do Norte e China. [10]

ReferênciasEditar

  1. Gledhill, D. (6 de março de 2008). The Names of Plants (em inglês). [S.l.]: Cambridge University Press. ISBN 978-0-521-86645-3 
  2. Pearn, John (2010). «On "officinalis" the names of plants as one enduring history of therapeutic medicine». Vesalius: Acta Internationales Historiae Medicinae. Suppl: 24–28. ISSN 1373-4857. PMID 21657104 
  3. Morley, Thomas (1969). Spring Flora of Minnesota: Including Common Cultivated Plants (em inglês). [S.l.]: University of Minnesota Press 
  4. Bojnanský, Vít; Fargašová, Agáta (17 de setembro de 2007). Atlas of Seeds and Fruits of Central and East-European Flora: The Carpathian Mountains Region (em inglês). [S.l.]: Springer Science & Business Media. ISBN 978-1-4020-5362-7 
  5. «Taraxacum officinale complex (dandelion)». www.cabi.org. Consultado em 14 de dezembro de 2019 
  6. «Taraxacum officinale». www.fs.fed.us. Consultado em 14 de dezembro de 2019 
  7. Girard, Mélissa; Chagnon, Madeleine; Fournier, Valérie (21 de junho de 2012). «Pollen diversity collected by honey bees in the vicinity of Vaccinium spp. crops and its importance for colony development1This article is part of a Special Issue entitled "Pollination biology research in Canada: Perspectives on a mutualism at different scales".». Botany. 90 (7): 545–555. ISSN 1916-2790. doi:10.1139/b2012-049 
  8. Schmidt, Justin O.; Thoenes, Steven C.; Levin, M. D. (1 de março de 1987). «Survival of Honey Bees, Apis mellifera (Hymenoptera: Apidae), Fed Various Pollen Sources». Annals of the Entomological Society of America (em inglês). 80 (2): 176–183. ISSN 0013-8746. doi:10.1093/aesa/80.2.176 
  9. «winemaking: Dandelion Wines». winemaking.jackkeller.net. Consultado em 14 de dezembro de 2019 
  10. Schütz, Katrin; Carle, Reinhold; Schieber, Andreas (outubro de 2006). «Taraxacum—A review on its phytochemical and pharmacological profile». Journal of Ethnopharmacology. 107 (3): 313–323. ISSN 0378-8741. doi:10.1016/j.jep.2006.07.021 
  Este artigo sobre Flores, integrado no Projeto Plantas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.