Tarcísio de Freitas

militar e político brasileiro; 64º Governador do Estado de São Paulo

Tarcísio Gomes de Freitas (Rio de Janeiro, 19 de junho de 1975)[3][4] é um engenheiro, militar da reserva e político brasileiro, filiado ao Republicanos. É o 64.º governador do estado de São Paulo desde 2023.[5] Foi ministro da Infraestrutura no governo Jair Bolsonaro,[6] bem como diretor-executivo e diretor-geral do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes durante o governo Dilma Rousseff.

Tarcísio de Freitas
Tarcísio de Freitas
Foto oficial como governador de São Paulo.
64.º Governador de São Paulo
Período 1º de janeiro de 2023 até a atualidade
Vice-governador Felicio Ramuth
Antecessor(a) Rodrigo Garcia
Ministro da Infraestrutura do Brasil
Período 1º de janeiro de 2019 até 31 de março de 2022
Presidente Jair Bolsonaro
Antecessor(a) Valter Casimiro Silveira
(como Ministro dos Transportes)
Sucessor(a) Marcelo Sampaio Cunha Filho
Diretor-geral do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes
Período 22 de setembro de 2014 até 16 de janeiro de 2015
Presidente Dilma Rousseff
Antecessor(a) Jorge Ernesto Pinto Fraxe
Sucessor(a) Adailton Cardoso Dias
Dados pessoais
Nascimento 19 de junho de 1975 (48 anos)
Rio de Janeiro, RJ, Brasil
Nacionalidade Brasileiro
Alma mater Academia Militar das Agulhas Negras
Instituto Militar de Engenharia
Prêmio(s)
Cônjuge Cristiane Freitas
Partido Republicanos (2022–atualidade)
Religião católico romano[2]
Ocupação engenheiro civil
Residência Palácio dos Bandeirantes
Serviço militar
Lealdade  Brasil
Serviço/ramo Exército Brasileiro
Anos de serviço 1996-2008
Graduação capitão

Carreira editar

Tarcísio de Freitas é servidor público de carreira, no cargo de consultor legislativo (área de desenvolvimento urbano, trânsito e transportes) da Câmara dos Deputados desde 2015.[7]

Formou-se em ciências militares pela Academia Militar das Agulhas Negras (AMAN), em 1996, e em engenharia civil pelo Instituto Militar de Engenharia (IME), em 2002,[3][7] tendo obtido a maior média histórica do curso na instituição.[8] Também pelo IME, concluiu o mestrado em engenharia de transportes em 2008.[7]

Foi oficial do Exército Brasileiro na área de engenharia, de 1996 a 2002, quando passou a atuar como engenheiro do Exército,[9] tendo sido chefe da seção técnica da Companhia de Engenharia do Brasil na Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti, entre 2005 e 2006.[7]

Em 2008, deixou o serviço militar, no posto de capitão, ao ingressar no serviço público federal como analista de finanças e controle da Controladoria-Geral da União (CGU),[9] onde foi assessor do diretor de auditoria da área de infraestrutura entre 2008 e 2011, e coordenador-geral de auditoria da área de transportes em 2011,[10] ano em que foi indicado para a função de diretor executivo do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) pelo general Jorge Fraxe. Este assumiu o órgão em meio à "faxina ética" determinada pela então presidente Dilma Rousseff, após uma crise provocada por denúncias de corrupção. Freitas foi promovido à diretoria-geral do DNIT em 2014, tendo exercido o cargo de diretor-geral entre 22 de setembro de 2014 e 16 de janeiro de 2015,[11] quando foi nomeado consultor legislativo da Câmara dos Deputados.[9]

Em 2015, atuou como secretário da Coordenação de Projetos da Secretaria Especial do Programa de Parceria de Investimentos (PPI), responsável pelo programa de privatizações, concessões e desestatizações.[10] Em 2016, foi secretário da Coordenação de Projetos da Secretaria Especial do Programa de Parceria de Investimentos (PPI), responsável pelo programa de privatizações, concessões e desestatizações, já no governo Michel Temer.[9]

Em novembro de 2018, foi anunciada pelo então presidente eleito Jair Bolsonaro a escolha de Freitas para assumir o Ministério da Infraestrutura.[12][13]

Ministério da Infraestrutura editar

Após ser convidado pelo presidente eleito Jair Bolsonaro, Tarcísio Gomes de Freitas tomou posse no comando do Ministério da Infraestrutura em janeiro de 2019,[14] com a missão de finalizar obras [15]inacabadas[16] e conceder o máximo possível de ativos para a iniciativa privada.[17] Tarcísio foi responsável por pavimentar e duplicar a BR-116 Sul[18] e construir pontes[19] que reduziram a dependência das balsas[20] e conectaram regiões remotas do país.

 
Tarcísio com a Ordem do Mérito Naval, recebida em 2019.

Ao longo do ano de 2019, o Ministério da Infraestrutura promoveu concessões em todos os modais de transporte (rodoviário, ferroviário, aquaviário e aéreo). Foram concedidos 27 ativos[21], com destaque para: BR-364/365 (trecho de 437 km entre Jataí-GO e Uberlândia-MG); leilão do tramo central da Ferrovia Norte-Sul[22]; 13 terminais portuários[23] e 12 terminais de aeroportos[24]. Entre as obras públicas, destaque para a conclusão da pavimentação da BR-163[25], que liga o Mato Grosso ao Pará.

No segundo ano de mandato de Tarcísio de Freitas à frente do Ministério da Infraestrutura, a pasta entregou a nova ponte do Guaíba, no Rio Grande do Sul.[26][27][28] Também foram realizadas concessões em 12 ativos de infraestrutura, com destaque para terminais do Porto de Santos, renovação antecipada de ferrovias da Malha Paulista[29][30], Vitória-Minas[31][32][33] e Carajás. [34]

Em 2021, o ministério empreendeu 5,5 bilhões de reais em obras[35][36] no setor de transporte, entre conclusões de obras, reformas e ampliações. Foram concedidos 39 ativos[37] à iniciativa privada.[38][39] Ganharam destaque ao longo daquele ano as autorizações ferroviárias.[40][41][42] Foram recebidos 49 pedidos e nove foram assinados, resultando em investimentos na ordem dos R$ 50 bilhões. Destaque para trecho entre Goiás e Bahia da Ferrovia de Integração Oeste Leste (Fiol)[43][44] e 13 arrendamentos portuários, além de três concessões de rodovias. Também foram realizadas 108 obras [35]públicas, com pavimentação, duplicação ou recuperação de 2.050 quilômetros de rodovias. No modal aeroviário, 22 aeroportos[45][46] da Infraero foram arrematados em leilões, com investimentos privados da ordem de R$ 6,1 bilhões.[47][48]

No primeiro semestre de 2022, o Ministério da Infraestrutura contabilizou cinco projetos concedidos[49] à iniciativa privada: a Rodovia BR-116/493/465 (RJ/MG)[50][51]; os terminais portuários[52] STS11 (Santos-SP),[53] SUA07 (Suape-PE) e PAR32 (Paranaguá-PR) e a renovação de concessão de ferrovia da MRS[54]. Entre as principais realizações de 2022, destaca-se a privatização da Companhia Docas do Espírito Santo (Codesa).[55]

Malha Nordeste da RFFSA editar

No final de 2018 a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) recomendou a cassação da Ferrovia Transnordestina Logística (FTL), concessão ferroviária do grupo CSN no Nordeste (antiga malha Nordeste da RFFSA), por descumprimento de metas.[56] Em outubro de 2019 a ANTT estava prestes a declarar a caducidade da concessão da malha Nordeste sob controle da CSN.[57] Naquele momento, dos 4207 quilômetros da malha concedida, apenas 26% se encontravam em uso (localizada nos estados do Ceará, Maranhão e Piauí) enquanto o restante da malha do Nordeste se encontrava abandonado.[58] Em 2017 um estudo da Confederação Nacional da Indústria indicou que 70% da malha Nordeste se encontrava sem uso.[59] O processo de caducidade chegou a ser entregue ao ministro Freitas.[60] Apesar do descumprimento do contrato apontado pela ANTT, a concessão acabou mantida pelo ministro. Porém o presidente da FTL (empresa responsável pela malha Nordeste) foi substituído.[61]

Segundo a FTL, sua operação atual se concentra nos estados do Ceará, Maranhão e Piauí (1195 quilômetros e 28% da malha concedida) e o restante da malha ferroviária do Nordeste (3014 quilômetros e 72% da malha concedida) estão desativados e desde 2013 em processo de devolução para a ANTT.[62]

Metrô de Belo Horizonte editar

Freitas anunciou em abril de 2019 que o Metrô de Belo Horizonte receberia 1 bilhão de reais para sua expansão (com a retomada das obras da Linha 2, paralisadas desde 2004), apesar do metrô ser ligado oficialmente ao Ministério do Desenvolvimento Regional. Os recursos seriam oriundos do pagamento de uma contrapartida da renovação do contrato de concessão da Ferrovia Centro-Atlântica S.A. (FCA), porém dependiam de aprovação do Tribunal de Contas da União.[63]

As negociações entre o Ministério da Infraestrutura e a FCA arrastaram-se até dezembro de 2019, quando o acordo foi assinado. O anúncio do Freitas de que a "contrapartida" seria destinada exclusivamente ao Metrô de Belo Horizonte desagradou as cidades mineiras atendidas pela FCA, que reivindicaram parte dos recursos.[64] O recurso para o metrô foi anunciado sucessivas vezes por Freitas ao longo de 2020 (em junho [65] , agosto[66] e setembro),[67] embora dependesse de aprovação do Ministério da Economia e da inclusão do valor no orçamento federal. O Ministério da Infraestrutura tentou por diversas vezes utilizar esse recurso sem a anuência do Ministério da Economia.[68]

Apesar de novas promessas de liberação dos recursos feitas por Freitas ao longo de 2021 (em fevereiro[69], junho[70], julho[71] e agosto),[72] nenhum recurso foi liberado para a expansão. Atualmente, a liberação dos recursos está condicionada a um controverso processo de concessão do Metrô de Belo Horizonte[73] com previsão de ser realizado em 2022.[74]

Itapemirim Transportes Aéreos editar

Em outubro de 2020 o Grupo Itapemirim, controlado pelo empresário Sidnei Piva de Jesus, apresentou ao Ministério de Infraestrutura uma proposta para retornar ao mercado de aviação.[75] Apesar de o Grupo Itapemirim estar em um processo de recuperação judicial, a proposta foi recebida com grande entusiasmo por Freitas ao ponto do ministro gravar um vídeo sobre o encontro com representantes da empresa e anunciar a proposta com destaque em uma live do presidente Jair Bolsonaro (onde levou uma miniatura de ônibus ofertada pelo Grupo Itapemirim).[76]

A Agência Nacional de Aviação Civil, ligada ao Ministério da Infraestrutura, aprovou a proposta da Itapemirim em maio de 2021.[77] Após realizar seu voo inaugural em fins de junho, a Itapemirim Transportes Aéreos passou a sofrer problemas financeiros e gestão que culminaram com uma abrupta suspensão de operações em 17 de dezembro de 2021. A suspensão prejudicou cerca de quarenta mil passageiros, com parte se dirigindo aos aeroportos e protestando contra a medida.[78][79]

Freitas permaneceu em silêncio durante três dias enquanto críticas se avolumavam em relação a sua atuação no caso, com os vídeos do ministro entusiasmado com representantes da Itapemirim e da live com o presidente sendo relembrados na imprensa e nas redes sociais.[76][80] Em 20 de dezembro Freitas deu suas primeiras declarações sobre a Itapemirim. Questionado sobre o porquê seu ministério avalizou a proposta de abertura de uma empresa aérea a um grupo em recuperação judicial, Freitas alegou que a Itapemirim possuía todas as certidões negativas e certificados que garantiam a operação da empresa. Ainda assim, Freitas lamentou o caso e que se tratava de “um problema muito grave”.[81]

Carreira política editar

Campanha eleitoral de 2022 editar

Tarcísio de Freitas teve seu nome cogitado para concorrer a um cargo público pela primeira vez em fevereiro de 2021 quando o jornalista Claudio Magnavita do "Correio da Manhã" informou ter apurado movimentações de políticos à respeito de uma suposta candidatura de Freitas ao governo do Rio de Janeiro.[82]

Em 26 de abril de 2021 o presidente Bolsonaro sugeriu que Tarcísio de Freitas poderia concorrer ao governo do estado de São Paulo.[83] No dia 23 de maio, Freitas participou da "motociata" promovida por Bolsonaro em algumas cidades do país, durante a pandemia de COVID-19 no Brasil, mesmo quando a calamidade já havia vitimado mais de 450 mil brasileiros.[84] O ato teria causado aglomerações e agravado a crise sanitária naquele momento.

A foto de Tarcísio na garupa de Bolsonaro, particularmente, foi destaque no jornal britânico The Guardian, que classificou o evento como "obsceno".[85]. Foi comparado ao formato dos passeios de moto promovidos pelo líder fascista italiano Benito Mussolini em 1933 pelo jornal O Estado de S. Paulo (Estadão).[86]

Em março de 2022 filiou-se ao partido Republicanos para concorrer ao governo de São Paulo.[87]

A partir do segundo semestre de 2021 Freitas intensificou sua agenda com vistas ao pleito de 2022.[88] O nome de Tarcísio de Freitas foi confirmado como candidato ao governo de São Paulo em 30 de julho de 2022 durante a convenção do partido Republicanos[89]

Em 30 de outubro de 2022 foi eleito com 13 480 643 votos válidos,[90] 55,27% do total, derrotando o antigo prefeito paulistano Fernando Haddad (PT).[91]

Suposto atentado durante campanha eleitoral editar

Em outubro de 2023, a Polícia Federal do Brasil abriu um inquérito para investigar se a campanha de Tarcísio forjou um suposto atentado para favorecê-lo na eleição de 2022. De acordo com apuração, na portaria que originou o inquérito, o delegado Eduardo Hiroshi Yamanaka apontou para a possível violação do Código Eleitoral e “outras que porventura forem constatadas no curso da investigação”. [92][93][94] Secretários da gestão Tarcísio acusaram a PF de uso político da investigação.[95]

Enquanto candidato ao governo do Estado de São Paulo, Tarcísio afirmou ter sido alvo de um atentado na comunidade de Paraisópolis, na Zona Sul da capital paulista, quando se preparava para a coletiva de imprensa. Um tiroteio aconteceu numa proximidade de 50 a 100 metros do local em que estava Tarcísio e sua equipe. Apesar da campanha e de aliados de Tarcísio terem classificado o ocorrido como "atentado",[96] a Polícia Militar do Estado de São Paulo afirmou não ter provas suficientes para sustentar essa classificação.[97]

Uma investigação do jornal Folha de S. Paulo revelou um áudio onde um integrante da campanha da Tarcísio ordena a um cinegrafista da Jovem Pan a exclusão das imagens que este havia filmado sobre o tiroteio.[98] Segundo reportagem do portal The Intercept, quatro testemunhas afirmaram que viram o mesmo integrante da campanha de Tarcísio atirando contra um morador da favela, que estava desarmado.[99] O fato levantou suspeitas e acusações de armação por parte da equipe de Fernando Haddad (PT), seu rival no segundo turno.[100]

Em outubro de 2023, a Polícia Federal do Brasil abriu um inquérito para investigar se a campanha de Tarcísio forjou um suposto atentado para favorecê-lo na eleição de 2022. De acordo com apuração, na portaria que originou o inquérito, o delegado Eduardo Hiroshi Yamanaka apontou para a possível violação do Código Eleitoral e “outras que porventura forem constatadas no curso da investigação”. [92][93][94] Secretários da gestão Tarcísio acusaram a PF de uso político da investigação.[95]

Desempenho eleitoral editar

Histórico eleitoral de Tarcísio de Freitas
Ano Eleição Cargo Partido Coligação Vice Votos % Resultado Ref.
2022 Estadual de São Paulo Governador Republicanos São Paulo Pode Mais (Republicanos, PSD, PL, PTB, PSC e PMN) Felicio Ramuth (PSD) 13 480 643 55,27 Eleito
2º turno
[101]
 
Tarcísio de Freitas é empossado Governador de São Paulo

Governo de São Paulo editar

Em um dos primeiros anúncios de sua gestão, ainda durante a transição, Tarcísio de Freitas confirmou a extinção da Secretaria dos Direitos da Pessoa com Deficiência 14 anos após sua criação, pretendendo integrá-la na estrutura de Justiça e Cidadania, que passaria a ser comandada pelo juiz federal Fábio Prieto.[102] Uma semana depois ele recuou da decisão frente a fortes críticas de grupos organizados em defesa dos direitos humanos.[103]

Tarcísio de Freitas tomou posse no cargo de governador em cerimônias na Assembleia Legislativa e no Palácio dos Bandeirantes, com discursos de pacificação, diálogo com o governo federal e gratidão ao ex-presidente e amigo Jair Bolsonaro. Tarcísio agradeceu a sua família, aos eleitores que lhe confiaram o voto e disse que apostou em “técnicos” para compor sua equipe, assim como em 2019, na gestão Bolsonaro. Tarcísio reconheceu a responsabilidade enorme de governar o Estado de São Paulo e afirmou que a motivação de fazer a diferença é ainda maior. O 64º governador de São Paulo assumiu depois de um ciclo de 28 anos do PSDB no poder.[104][105][106]

Nomeações editar

Desde o início de seu governo, Tarcísio de Freitas foi criticado e questionado por nomeações para diversos cargos, em especial de aliados ligados ao Bolsonarismo.[107][108] [109] Houve uma polêmica considerável em torno da nomeação de Diego Torres Dourado, irmão da ex-primeira-dama Michelle Bolsonaro, para o cargo de assessor especial do governo, bem como o marido da irmã de sua esposa, Mauricio Pozzobon Martins.[110][111] Esse último teve a nomeação cancelada 24 horas depois das polêmicas, fato que levou a uma manifestação do governador, dizendo que "achei que pudesse".[112][113] Posteriormente, ainda, o governador mudou o decreto sobre nepotismo e incluiu concunhados como "parentes por afinidade" e tendo nomeação vetada por padrão.[114] Mas, a nomeação do irmão de Michelle Bolsonaro foi mantida.

Ainda em janeiro de 2023, as trocas na Polícia Civil também receberam acusações de ingerência política por delegados,[115] e o governo Tarcísio nomeou o Coronel Sérgio de Souza Merlo, um dos PMs acusados pelo Massacre do Carandiru, para trabalhar na pasta que cuida de presídios.[116]

Em abril de 2023, e depois em setembro, o secretário-geral da Casa Civil do governo de Tarcísio de Freitas, Arthur Lima, indicou seu sócio, o advogado Carlos Augusto Duque Estrada, para 2 cargos em conselhos de administração de estatais paulistas. Lima ocupa o cargo no governo paulista desde janeiro de 2023. Questionada, a Casa Civil disse que as indicações ocorreram dentro da lei.[117]

Em fevereiro de 2024, o governo Tarcísio de Freitas (Republicanos-SP) afastou o major da reserva Angelo Martins Denicoli do cargo de assessor especial da Prodesp, empresa de tecnologia da gestão estadual. O militar foi um dos alvos da operação da Polícia Federal que mira suposta tentativa de golpe para manter Jair Bolsonaro (PL) na Presidência.[118]

São Sebastião editar

O primeiro grande desafio da gestão Tarcísio de Freitas em São Paulo aconteceu em fevereiro, com um volume de chuvas jamais registrado pela Defesa Civil do Estado atingindo o Litoral Norte, em meio ao feriado de Carnaval de 2023. Ao todo, 65 pessoas morreram. [119]

Imediatamente na manhã seguinte ao temporal[120], o governador já estava em São Sebastião para acompanhar de perto as ações envolvendo o resgate de vítimas, os locais mais afetados, os bloqueios das estradas da região em decorrência dos deslizamentos e as dificuldades de comunicação por conta da interrupção do fornecimento de alguns serviços. [121]

Ao todo, Tarcísio ficou cerca de 10 dias no Litoral Norte,[122] transferindo inclusive o seu gabinete para a região e reunindo todo o secretariado na busca por soluções para atender a quem necessitava. [123] [124] O Exército, junto da Defesa Civil, e demais organizações também contribuíram diretamente no apoio. A população do Estado foi chamada a participar com doações e a iniciativa privada também reforçou o movimento com mantimentos e até mesmo equipamentos no enfrentamento da tragédia. [125]

O Governo de São Paulo atuou em inúmeras frentes em suporte aos empresários locais, donos de hotéis e pousadas, e na preocupação em acolher quem morava em áreas de riscos. Novas moradias, em locais seguros, estão sendo construídas e uma vila de passagem foi feita pelo Estado para abrigar emergencialmente quem aguarda por um local definitivo para viver daqui em diante.[126][127]

Multilaser e Renato Feder editar

Desde o início de seu governo, Tarcísio de Freitas foi criticado pela sua escolha de Renato Feder como secretário da Educação por esse ser acionista da principal fornecedora de equipamentos de informática da pasta que ele comanda, a Multilaser, por meio de uma offshore, a Dragon Gem. O próprio governador afirmava, no começo de 2023, não ver conflito de interesses no fato.[128]

O governo Tarcísio, através de Feder, procurou substituir os livros didáticos por materiais inteiramente digitais em escolas da rede pública, mas acabou impedido pela reação à medida – uma liminar da 4ª Vara da Fazenda Pública proibiu o Estado de dispensar os livros físicos distribuídos gratuitamente pelo Ministério da Educação. Em seguida, o governo estadual cancelou a compra sem licitação por R$ 15 milhões de obras literárias em formato digital, que também podem ser fornecidas pelo Programa Nacional do Livro e do Material Didático (PNLD).[129][130][131][132]

A Multilaser firmou três contratos no valor de R$ 243 mil com o governo estadual desde janeiro de 2023 em Pastas comandadas por colegas de Feder no governo. O maior deles, de R$ 226 mil, foi de venda de materiais hospitalares para o Instituto de Atenção Médica do Servidor Estadual (Iamspe). Ao se tornar titular da Educação paulista, Feder tornou-se ainda responsável por fiscalizar o cumprimento de três contratos de sua própria empresa com o governo, que somados chegam a R$ 200 milhões. O último deles foi assinado em 21 de dezembro de 2022, ainda no governo de Rodrigo Garcia (PSDB), dez dias antes de Feder tomar posse, mas depois de já ter sido anunciado como futuro titular da secretaria por Tarcísio. No valor de R$ 76 milhões, ele prevê o fornecimento de notebooks para alunos.[133][134]

A Multilaser deixou de cumprir o cronograma de entrega dos equipamentos — que deveria começar em fevereiro — e recebeu de Feder, ao lado de outras empresas, o direito de quitar sua obrigação até o próximo dia 31 sem que nenhuma sanção fosse aplicada. Pela mesma infração em contrato de venda de notebooks para a Universidade Federal do Paraná (UFPR), a Multilaser foi punida e ficou de 1.º a 15 de agosto proibida de contratar com o poder público, entrando para o cadastro da Controladoria Geral da União (CGU). Tarcísio defendeu que os contratos foram feitos "dentro da regra do jogo", mas proibiu novas contratações com a empresa.[135]

Multas do período de pandemia de COVID-19 editar

Ficou para a gestão de Tarcísio de Freitas a necessidade de cobrança de certas multas do período da Pandemia de COVID-19. Ainda no começo de 2023, a gestão de Tarcísio cobrou R$113 mil de Eduardo Bolsonaro por não usar máscara durante a pandemia[136], e eventualmente a Justiça determinou que pagasse a multa.[137]

Jair Bolsonaro também foi multado diversas vezes durante a gestão João Doria[138], e em um primeiro momento do governo Tarcísio, a cobrança foi mantida.[139] Em novembro de 2023, porém, Tarcísio sancionou um projeto de lei que anistiou aqueles que receberam multas por descumprir regras sanitárias, perdoando mais de um milhão de reais em multas do ex-presidente.[140]

A decisão foi em seguida questionada por Luiz Fux, ministro do Supremo Tribunal Federal, que enxergou inconstitucionalidade na lei.[141] O governador negou que tivesse qualquer desvio de finalidade, e afirmou que, não havendo mais a emergência da pandemia, gerariam mais ônus do que benefícios.[142] A Advocacia-Geral da União defendeu, em seguida, no âmbito de uma ação apresentada pelo Partido dos Trabalhadores, que o STF declarasse a lei inconstitucional.[143]

Em janeiro de 2024, Tarcísio de Freitas sancionou a lei que perdoou cerca de 10 mil autuações considerando o não uso de máscara e a proibição de aglomerações em estabelecimentos comerciais, estabelecimento informais, festas clandestinas, entre outros, e 579 transeuntes autuados pela não utilização de máscaras de proteção facial.[144] O total arrecadado incluiria pouco mais de R$72,1 milhões. A medida beneficiou também 7 políticos bolsonaristas[145], incluindo Jair Bolsonaro[146][147] e Eduardo Bolsonaro.[148]

Programa de investimentos para São Paulo editar

Tarcísio de Freitas definiu para São Paulo um programa de investimentos voltado à iniciativa privada para fortalecer o desenvolvimento do Estado. Com uma secretaria dedicada ao assunto, o governo definiu um pacote de 15 projetos de concessões e de parcerias público-privadas (PPPs), com potencial de captar mais de R$ 180 bilhões. Entre os projetos, a concessão de linhas da CPTM e do Metrô, um trem intercidades, ligando São Paulo a Campinas e um outro, entre a capital e Sorocaba, a construção de um túnel ligando as cidades de Santos e Guarujá, a construção de uma nova sede do governo do estado na região central de São Paulo, além de uma PPP voltada à Educação, para a manutenção predial de 500 escolas da rede estadual, entre outros.[carece de fontes?]

Logo nos primeiros meses, Tarcísio foi a Davos para reuniões com possíveis investidores nos projetos paulista. O governador também já esteve na Europa, com passagens pela França, Reino Unido, Espanha e Portugal. Ele realizou um outro roadshow em viagem aos Estados Unidos. Soma-se ainda encontros com representantes de governos de países europeus no Palácio dos Bandeirantes, como Holanda, Alemanha, França e Reino Unido.[carece de fontes?]

Entre os projetos está o Trem Intercidades, entre São Paulo e Campinas, em um serviço expresso, de ligação direta, que vai conectar as duas cidades no prazo de uma hora e quatro minutos, com uma velocidade média de 96 km/h.[carece de fontes?]

Outra desestatização planejada é a da Sabesp. Em julho, Tarcísio anunciou que a empresa passará por uma oferta pública de ações no modelo de follow-on, atraindo acionistas de referência e mantendo o Estado com participação minoritária na empresa. O governo Tarcísio estima que a operação permitirá a redução imediata da tarifa de água e esgoto, informação contestada por especialistas que afirmam que esse valor só poderá ser sustentado através de subsídios do governo[149][150]. O governo do estado afirmou, também, que além da suposta redução, a privatização asseguraria R$ 66 bilhões em novos investimentos para universalizar o acesso à água e esgoto coletado e tratado dentro dos 375 municípios atendidos pela companhia, incluindo áreas urbanas irregulares e rurais hoje não contempladas, atendendo cerca de 10 milhões de pessoas e contribuindo para a antecipação da meta de universalização do saneamento para 2029.[151][152][153][154]

Leilão editar

Em março, o governo de São Paulo promoveu o primeiro leilão da gestão de Tarcísio de Freitas: o do trecho norte do Rodoanel,[155] uma obra bastante aguardada para ser finalizada no Estado. [156] O fundo de investimento Via Appia Infraestrutura foi o vencedor do leilão.[157][158] Estão previstos investimentos de R$ 3,4 bilhões para terminar o último segmento restante do Rodoanel, previsto para ser entregue em 2026.[159]

Em 9 de fevereiro, Tarcísio fez uma série de vetos legislativos, barrando leis anteriormente aprovadas pela Assembleia: vetou a redução da alíquota do ITCMD, o imposto de heranças, uma lei que ampliava a distribuição pública de absorventes, e um projeto que dava validade indeterminada à laudos médicos atestando o transtorno do espectro autista. No dia seguinte, o governo recuou do veto ao projeto de validade dos laudos.[carece de fontes?]

Mesmo com as Divergências com o Presidente Lula, Tarcísio se reuniu com Lula na cidade de São Sebastião por causa das fortes Chuvas no Litoral paulista em 20 de Fevereiro de 2023, Que deixou 64 Mortos e milhares de desalojados, o Governador decretou Estado de Calamidade. Tarcísio declarou a intenção de interiorizar o "desenvolvimento" no estado.[carece de fontes?]

Durante o governo de São Paulo, Tarcísio tem buscado manter o apoio de eleitores de Bolsonaro, ao mesmo tempo em que tenta agradar opositores - enquanto declarava alinhamento ao bolsonarismo, apareceu ao lado de Lula e ministros, em particular em apoio à reforma tributária, rendendo-lhe atritos com bolsonaristas.[160]

Ainda em fevereiro de 2023, após sucessivas falhas nas operações da ViaMobilidade nas linhas 8 e 9 dos trens metropolitanos na Grande São Paulo, o Ministério Público do Estado de São Paulo (MP-SP) pressionou Tarcísio para que houvesse o rompimento do contrato de concessão de ambas as linhas e a devolução das operações à CPTM, devido às falhas e riscos aos quais os passageiros e ferroviários vêm sendo submetidos. No entanto, após uma reunião à portas fechadas com executivos da concessionária, o mesmo descartou rompê-los, recusando-se pessoalmente a cumprir com a decisão homologada pelo MP-SP.[161]

Em Setembro de 2023, o Governador Tarcísio reuniu-se com prefeitos dos municípios abastecidos pela SABESP em um Bloco para discutir a privatização. A empresa de abastecimento de água é a maior do estado de São Paulo, abastecendo 375 municípios.[162]

Segurança pública editar

Em seu primeiro ano de governo, 2023, houve um corte de ao menos R$ 37,3 milhões no programa de câmeras corporais nos policiais do Estado[163] e o número de pessoas mortas pela Polícia Militar aumentou em 34%.[164] A SSP registrou ainda número recorde de estupros e feminicídios no Estado, mas ainda assim gastou apenas 3% do valor previsto na Lei Orçamentária Anual (LOA) para a implantação de Delegacias de Defesa da Mulher 24 horas (DDM).[165] Para 2024, Tarcísio congelou os investimentos de Enfrentamento à Violência Contra a Mulher. Os R$ 5 milhões do programa deveriam sair dos cofres da Secretaria de Políticas para a Mulher, mas a verba foi congelada por um decreto assinado pelo governador em 18 de janeiro.[166]

Também em 2024, com a Operação Escudo, Tarcísio foi denunciado formalmente à ONU devido à letalidade da operação. Ainda que o governo paulista já tenha sido denunciado anteriormente, foi a primeira vez que o governador foi implicado diretamente.[167] Tarcísio ironizou a denúncia, dizendo não estar "nem aí".[168]

Câmeras policiais editar

Desde as eleições de 2022, Tarcísio adotou uma postura crítica quanto à utilização de câmeras policiais,[169][170] rendendo-lhe críticas,[171] além de limiares visando a manutenção do programa das câmeras, que acabaram suspensas.[172][173]

Apesar de por vezes ter defendido a manutenção do programa,[174][175][176], esse foi eventualmente congelado,[177] passando por cortes de verba diversos.[178][179][180][181][182] Um estudo feito pela Fundação Getulio Vargas a pedido do governo de São Paulo na gestão Rodrigo Garcia havia indicado melhora no desempenho de batalhões que usam câmeras, mas a continuidade do estudo foi também descartada pela gestão Tarcísio, afirmando que seu papel havia sido cumprido.[183] Já um levantamento da GloboNews apontou que câmeras corporais coibiriam crimes cometidos por policiais.[184] No fim de outubro de 2023, questionado sobre a compra de novas câmeras, frente ao aumento da letalidade policial no estado[185], o governador afirmou que não o faria, por ter outras prioridades.[186][187]

Liminares que obrigavam o governo a instalar câmeras em todos os policiais militares do estado foram derrubadas pelo judiciário do estado,[172][188] uma durando apenas um dia.[173][189] Pedidos da Defensoria Pública foram igualmente negados pelo poder judiciário.[190][191] O deputado Emídio de Souza (PT) protocolou uma representação junto ao procurador-Geral de Justiça de São Paulo, Mario Sarrubbo, questionando o posicionamento do MPSP sobre as declarações de Tarcísio.[192]

A não renovação do contrato dos equipamentos foi criticada por algumas entidades como Conectas Direitos Humanos e Instituto Sou da Paz, além do Núcleo de Estudos da Violência da USP.[171] Em janeiro de 2024, o contrato das câmeras policiais havia sido renovado por apenas 6 meses.[193] Ainda no mesmo mês, poucos dias depois de questionar abertamente a eficácia das câmeras, o governador falou em uma possível ampliação do programa.[194][195]

Em março em 2024, o governador confirmou o lançamento de um edital até maio para a atualização de 3.125 das câmeras, sem ampliação do montante total.[196]

Viagem a Israel editar

Na contramão do governo brasileiro, que condenou as ações de limpeza étnica promovidas por Israel na Faixa de Gaza,[197][198][199] Tarcísio de Freitas assumiu uma postura de defesa do governo sionista de Benjamin Netanyahu, o qual tem promovido uma aproximação deliberada com lideranças de oposição ligadas ao ex-presidente Jair Bolsonaro.[200][201]

Em 11 de março, o governador de São Paulo anunciou que faria uma viagem oficial de cinco dias a Israel, juntamente com o governador de Goiás, Ronaldo Caiado, por convite expresso do primeiro-ministro israelense.[202] Em entrevista à CNN Brasil, Freitas declarou que

A gente tem uma excelente relação, estamos aceitando um convite e pronto. Sem ideologia e sem política.[202]

Ainda segundo o Portal do Governo paulista, a viagem teria como objetivo "além de estreitar as relações com o país", também "trocar experiências para o desenvolvimento de novas tecnologias no Estado", particularmente nos campos de aviação civil e militar, indústria eletrônica e tratamento de água e esgotos.[203]

A natureza oficial da viagem precisou ser confirmada pelo Palácio dos Bandeirantes, após a Embaixada de Israel no Brasil ter negado o que aparentava ser mais uma tentativa de associar o governo Natanyahu à lideranças bolsonaristas. Para que não restasse qualquer dúvida, em 13 de março o governo paulista divulgou o convite recebido dos israelenses e assinado pelo embaixador Yossi Shelley, o qual diz:[204]

É com grande honra e satisfação que o Governo de Israel convida V. Exa. para uma importante visita em Israel, na próxima semana. Durante a sua estadia, teremos o prazer de convidá-lo a reunir-se com o Primeiro Ministro, bem como a visitar empresas inovadoras, que podem proporcionar experiências enriquecedoras para promover o diálogo e a colaboração entre as nossas regiões sobre tecnologia, economia de Israel, segurança pública e recursos hídricos.[204]

A viagem foi encarada por setores à esquerda e à direita no espectro político brasileiro, como uma clara provocação à política externa do governo Lula.[205][206][207]Jair Bolsonaro, que também foi convidado para a visita oficial, não pôde comparecer por ter o passaporte apreendido por ordem do STF.[208]

Referências

  1. «DIÁRIO OFICIAL DA UNIÃO - Seção 1 | Edição Extra | Nº 82-B, terça-feira, 30 de abril de 2019». Imprensa Nacional. 30 de abril de 2019. p. 8. Consultado em 15 de fevereiro de 2024 
  2. «Saiba quem é Tarcísio de Freitas, pré-candidato ao governo de São Paulo». Uol. 27 de junho de 2022. Consultado em 14 de fevereiro de 2023 
  3. a b «Perfil do ministro Tarcísio Gomes de Freitas no portal do Governo Federal». Secom - Governo Federal. 1 de janeiro de 2019. Consultado em 2 de janeiro de 2019 
  4. «Twitter oficial do ministro Tarcísio Gomes de Freitas». Twitter.com. Dezembro de 2018. Consultado em 13 de janeiro de 2018 
  5. «Tarcísio de Freitas dá como certa ida ao PL e já pensa em nomes para vice em SP». Folha de S.Paulo. 11 de fevereiro de 2022. Consultado em 14 de fevereiro de 2022 
  6. «Decretos de 30 de março de 2022». Diário Oficial da União. 31 de março de 2022. Consultado em 31 de março de 2022 
  7. a b c d «Tarcísio Gomes de Freitas». Ministério da Infraestrutura. Consultado em 14 de fevereiro de 2023 
  8. Rothenburg, Denise (28 de novembro de 2018). «Bolsonaro aumenta número de ministérios para atender núcleos econômico, militar e político». Correio Braziliense. Consultado em 13 de janeiro de 2019 
  9. a b c d «Saiba quem é Tarcísio de Freitas, que disputa o segundo turno em São Paulo». CNN Brasil. 2 de outubro de 2022. Consultado em 14 de fevereiro de 2023 
  10. a b «Site Governamental da Secretaria Especial do Programa de Parcerias de Investimentos (SPPI)». Governo Federal. 2016. Consultado em 29 de dezembro de 2018 
  11. Livro 20 anos DNIT. Brasília: DNIT. 2021. p. 7 
  12. Pedro Rafael Vilela (27 de novembro de 2018). «Bolsonaro indica ex-diretor do Dnit para Ministério da Infraestrutura». Agência Brasil. Consultado em 28 de novembro de 2018 
  13. Guilherme Mazui (27 de novembro de 2018). «Bolsonaro anuncia ex-diretor do Dnit Tarcísio Gomes de Freitas para ministro da Infraestrutura». G1. Consultado em 28 de novembro de 2018 
  14. «Tarcísio Gomes de Freitas toma posse como ministro da Infraestrutura». Ministério da Infraestrutura. Consultado em 17 de janeiro de 2023 
  15. Barros, Rafaella (20 de dezembro de 2021). «Infraestrutura fecha 2021 com R$ 5,5 bilhões em obras». Poder360. Consultado em 16 de janeiro de 2023 
  16. «Balanço da Infraestrutura registra 108 obras públicas entregues no ano». Agência Brasil. 20 de dezembro de 2021. Consultado em 16 de janeiro de 2023 
  17. «Freitas defende melhoria na regulacao para tornar ambiente de negocios mais facil». Estado de Minas. 23 de abril de 2020. Consultado em 17 de janeiro de 2023 
  18. Comunello, Patrícia (18 de julho de 2022). «Ministro de Infraestrutura diz que duplicação da BR-116 Sul termina no fim de 2022». Jornal do Comércio. Consultado em 16 de janeiro de 2023 
  19. «Jair Bolsonaro participa da inauguração da ponte do Abunã». Poder360. Consultado em 16 de janeiro de 2023 
  20. «Bolsonaro inaugura ponte entre Piauí e Maranhão». Poder360. 20 de maio de 2021. Consultado em 16 de janeiro de 2023 
  21. «Somente neste ano concedemos para o setor privado 27 ativos, diz ministro». Exame. 11 de outubro de 2019. Consultado em 17 de janeiro de 2023 
  22. «Rumo vence trecho de 1,5 mil quilômetros da Ferrovia Norte-Sul». G1. Consultado em 17 de janeiro de 2023 
  23. «Leilão de terminais portuários arrecada R$ 148 milhões». Folha de S.Paulo. 13 de agosto de 2019. Consultado em 17 de janeiro de 2023 
  24. «Governo arrecada R$ 2,377 bilhões à vista com leilão de 12 aeroportos». G1. Consultado em 17 de janeiro de 2023 
  25. «Governo Federal conclui asfaltamento da BR-163/PA». Ministério da Infraestrutura. Consultado em 17 de janeiro de 2023 
  26. «Informativo dos Portos». Informativo dos Portos. 10 de dezembro de 2020. Consultado em 17 de janeiro de 2023 
  27. Redação. «Nova ponte do Guaíba inaugura nesta quinta-feira com a presença de Bolsonaro». Jornal O Lourenciano. Consultado em 17 de janeiro de 2023 
  28. «Leite e Bolsonaro inauguram a nova ponte do Guaíba». Portal do Estado do Rio Grande do Sul. 10 de dezembro de 2020. Consultado em 17 de janeiro de 2023 
  29. Carboni, Nivaldo (27 de maio de 2020). «Governo renova contrato da ferrovia Malha Paulista com empresa Rumo». Poder360. Consultado em 17 de janeiro de 2023 
  30. «"Novo contrato da Malha Paulista é marco histórico para a Infraestrutura do País", afirma ministro Tarcísio». Ministério da Infraestrutura. Consultado em 17 de janeiro de 2023 
  31. «Portal Goiás - Renovação de contrato viabiliza construção de ferrovia e garante empregos para Goiás». Governo de Goiás. Consultado em 17 de janeiro de 2023. Arquivado do original em 17 de janeiro de 2023 
  32. «TCU autoriza renovação de concessão de estradas de ferro com a Vale». Agência Brasil. 30 de julho de 2020. Consultado em 17 de janeiro de 2023 
  33. «Renovação de ferrovias da Vale ajudará a concluir Fiol e Transnordestina, diz Tarcísio». Valor Econômico. Consultado em 17 de janeiro de 2023 
  34. Rocha, Ludmylla (18 de dezembro de 2020). «Governo assina renovação antecipada das ferrovias de Carajás e Vitória-Minas». Poder360. Consultado em 17 de janeiro de 2023 
  35. a b «Balanço da Infraestrutura registra 108 obras públicas entregues no ano». Agência Brasil. 20 de dezembro de 2021. Consultado em 17 de janeiro de 2023 
  36. Barros, Rafaella (20 de dezembro de 2021). «Infraestrutura fecha 2021 com R$ 5,5 bilhões em obras». Poder360. Consultado em 17 de janeiro de 2023 
  37. Malar, João Pedro. «Governo leiloará 50 ativos em 2022, com R$ 165 bi em investimentos, diz ministro». CNN Brasil. Consultado em 17 de janeiro de 2023 
  38. Barbosa, Marina (4 de outubro de 2021). «Em NY, Tarcísio apresenta programa de concessões e tenta atrair investidores». Poder360. Consultado em 17 de janeiro de 2023 
  39. «Maior programa de concessões do mundo é destaque no roadshow do ministro Tarcísio Freitas». Ministério da Infraestrutura. Consultado em 17 de janeiro de 2023 
  40. «Governo já recebeu 80 pedidos para construção de novas ferrovias, diz ministro». Valor Econômico. Consultado em 17 de janeiro de 2023 
  41. «Brasil vai dobrar malha ferroviária em 15 anos, diz Tarcísio». Exame. 22 de fevereiro de 2022. Consultado em 17 de janeiro de 2023 
  42. «Tarcísio: ampliação de ferrovias na matriz de transportes dará vantagem competitiva ao Brasil». Ministério da Infraestrutura. Consultado em 17 de janeiro de 2023 
  43. «Assinatura da concessão da Fiol representa o futuro do setor ferroviário, diz Tarcísio». Ministério da Infraestrutura. Consultado em 17 de janeiro de 2023 
  44. «'Leilão da Fiol é muito atrativo para dono do minério', diz Tarcísio». A Gazeta. Consultado em 17 de janeiro de 2023 
  45. «Governo arrecada R$ 3,3 bilhões com leilão de 22 aeroportos; veja os vencedores». G1. Consultado em 17 de janeiro de 2023 
  46. Rocha, Ludmylla (7 de abril de 2021). «Governo abre "Infra Week" com leilão de 22 aeroportos nesta 4ª feira». Poder360. Consultado em 17 de janeiro de 2023 
  47. «Governo vai cumprir plano de R$ 250 bi em investimentos até 2022, diz ministro». CNN Brasil. Consultado em 17 de janeiro de 2023 
  48. «'Superou as expectativas', diz ministro sobre leilão de aeroportos». UOL. Consultado em 17 de janeiro de 2023 
  49. Poder360 (30 de outubro de 2021). «Tarcísio de Freitas viraliza ao bater martelo com força em leilão». Poder360. Consultado em 17 de janeiro de 2023 
  50. Forbes (20 de maio de 2022). «Ecorodovias apresenta única oferta e vence sozinha leilão de sistema Rio-Valadares». Forbes Brasil. Consultado em 17 de janeiro de 2023 
  51. Comércio, Diário do (21 de maio de 2022). «Ecorodovias vence leilão de Sistema Rio-Valadares». Diário do Comércio. Consultado em 17 de janeiro de 2023 
  52. Gonzaga, Bernardo (30 de março de 2022). «Governo arrecada R$ 40 mi com leilões de terminais portuários». Poder360. Consultado em 17 de janeiro de 2023 
  53. «Empresa chinesa arremata terminal para granéis vegetais no Porto de Santos e investirá mais de R$ 760 milhões». G1. Consultado em 17 de janeiro de 2023 
  54. «ANTT aprova prorrogação antecipada de concessão da MRS por mais 30 anos». Diário do Transporte. 28 de julho de 2022. Consultado em 17 de janeiro de 2023 
  55. «'Processo é irreversível', diz Tarcísio de Freitas, sobre privatizações portuárias». Valor Econômico. Consultado em 17 de janeiro de 2023 
  56. Alex Rodrigues (4 de dezembro de 2018). «ANTT e governo não descartam revogar concessão da Transnordestina». Agência Brasil. Consultado em 23 de abril de 2022 
  57. Luciano Nascimento (23 de outubro de 2019). «ANTT propõe declarar caducidade de contrato da Transnordestina». Agência Brasil. Consultado em 23 de abril de 2022 
  58. Angela Fernanda Belfort (5 de julho de 2016). «Malha ferroviária sofreu desmonte:Linha férrea que interligava oito capitais do Nordeste foi encolhendo aos poucos e quase desapareceu». Jornal do Commércio (PE). Consultado em 23 de abril de 2022 
  59. Confederação Nacional da Indústria (2018). «Tabela 2 – Percentagem da malha ferroviária que não é objeto de exploração comercial em 2017» (PDF). Transporte Ferroviário: colocando a competitividade nos trilhos, página 23. Consultado em 23 de abril de 2022 
  60. Robson Bonin (15 de dezembro de 2019). «Processo para retirar CSN da Transnordestina chega à mesa de ministro». Veja. Consultado em 23 de abril de 2022 
  61. Sérgio Ripardo (19 de outubro de 2021). «Presidente da Ferrovia Transnordestina, da CSN, renuncia ao cargo». Bloomberg Línea. Consultado em 23 de abril de 2022 
  62. Ferrovia Transnordestina Logística (2021). «Notas Explicativas-Contrato de concessão» (PDF). Relatório da Administração para 2020, página 20. Consultado em 23 de abril de 2022 
  63. «Ministro anuncia R$ 1 bilhão para expansão do metrô de BH para o Barreiro e Contagem». Itatiaia. 11 de abril de 2019. Consultado em 13 de março de 2022 
  64. Matheus Muratori (3 de dezembro de 2019). «Destinação exclusiva de multa ao metrô de BH desagrada a cidades do interior». Estado de Minas. Consultado em 13 de março de 2022 
  65. Via Trolebus (17 de junho de 2020). «Ministro da Infraestrutura promete recursos para a Linha 2 do Metrô de Belo Horizonte». ANPTrilhos. Consultado em 13 de março de 2022 
  66. «Ministro da Infraestrutura garante repasse de R$1,2 bilhão para a ampliação do metrô de BH». Hoje em Dia. 4 de agosto de 2020. Consultado em 13 de março de 2022 
  67. Thais Mota (2 de setembro de 2020). «Ministro Tarcísio de Freitas confirma repasses de recursos para metrô de BH». O Tempo. Consultado em 13 de março de 2022 
  68. Idiana Tomazelli e Amanda Pupo (3 de setembro de 2020). «Recursos para obra do metrô em BH precisam passar pelo Orçamento, diz Economia». Estadão. Consultado em 13 de março de 2022 
  69. Franscinny Alves e Thais Mota (23 de fevereiro de 2021). «Ministro da Infraestrutura afirma que expansão do metrô de BH 'não morreu'». O Tempo. Consultado em 13 de março de 2022 
  70. Renato Lobo (9 de junho de 2021). «Ministério da Infraestrutura promete licitação da Linha 2 do Metrô de BH em 2022». Via Trólebus. Consultado em 13 de março de 2022 
  71. Guilherme Peixoto (2 de julho de 2021). «Leilão do metrô de BH deve ocorrer em 2022, diz ministro de Bolsonaro». Estado de Minas. Consultado em 13 de março de 2022 
  72. «Zema anuncia acordo com o governo federal para expansão do metrô de BH». G1 MG. 25 de agosto de 2021. Consultado em 13 de março de 2022 
  73. «Movimentos sociais e funcionários são contrários à privatização do metrô». Câmara Municipal de Belo Horizonte. 29 de setembro de 2021. Consultado em 13 de março de 2022 
  74. Patrícia Fiúza (24 de fevereiro de 2022). «Governo federal muda previsão, e leilão do metrô de BH é adiado». G1. Consultado em 13 de março de 2022 
  75. «Itapemirim apresenta ao MInfra projeto para atuar na aviação comercial». Ministério da Infraestrutura. 22 de outubro de 2020. Consultado em 13 de março de 2022 
  76. a b Suzana Petropouleas (20 de dezembro de 2021). «Ministro é criticado por live com Bolsonaro sobre Itapemirim e defende licença dada à empresa». Folha de S.Paulo. Consultado em 13 de março de 2022 
  77. «ANAC aprova a concessão da Itapemirim Transportes Aéreos». Agência Nacional de Aviação Civil. 20 de maio de 2021. Consultado em 13 de março de 2022 
  78. «Sem conseguir embarcar após Itapemirim suspender operação, passageiros protestam no aeroporto de Guarulhos». G1. 17 de dezembro de 2021. Consultado em 13 de março de 2022 
  79. Luisa Farias, Estadão Conteúdo e Agência Brasil (18 de dezembro de 2021). «Com suspensão de voos da Itapemirim, 40 mil passageiros podem sair prejudicados no fim do ano». Jornal do Commércio (PE). Consultado em 13 de março de 2022 
  80. André Augusto Stumpf (4 de janeiro de 2022). «Ilhéus, sul de Minas». Correio Braziliense. Consultado em 13 de março de 2022 
  81. Mariana Costa (20 de dezembro de 2021). «Tarcísio sobre Itapemirim: "Empresa aérea tinha certidões negativas"». Metrópoles. Consultado em 13 de março de 2022 
  82. Quintino Gomes Freire (27 de fevereiro de 2021). «Tarcísio Freitas candidato a governador do Rio?». Diário do Rio. Consultado em 9 de novembro de 2022 
  83. «Bolsonaro sugere que ministro Tarcísio pode disputar eleição em SP em 2022». UOL. 26 de abril de 2021. Consultado em 9 de novembro de 2022 
  84. *«Bolsonaro provoca aglomeração em passeio de moto com apoiadores no Rio de Janeiro». G1. Consultado em 25 de maio de 2021 
  85. «Thousands rally at 'obscene' motorcade for Jair Bolsonaro». the Guardian (em inglês). 23 de maio de 2021. Consultado em 25 de maio de 2021 
  86. «Mussolini e Bolsonaro, de moto contra a lei». José Nêumanne. Consultado em 25 de maio de 2021 
  87. «Ministros Tarcísio de Freitas e Damares Alves se filiam ao Republicanos e devem disputar eleições». Portal g1. 28 de março de 2022 
  88. Victor Irajá (5 de outubro de 2021). «Tarcísio de Freitas entre a pavimentação de rodovias e candidaturas». Veja. Consultado em 9 de dezembro de 2022 
  89. «Republicanos oficializa candidatura de Tarcísio com presença de Bolsonaro». G1. Consultado em 9 de novembro de 2022 
  90. «Tarcísio de Freitas: a trajetória do novo governador de São Paulo». InfoMoney. Consultado em 16 de janeiro de 2023 
  91. «Tarcísio, do Republicanos, é eleito governador de São Paulo». G1. Consultado em 30 de outubro de 2022 
  92. a b «PF investiga se campanha de Tarcísio forjou suposto atentado para favorecê-lo na eleição de 2022». Brasil de Fato. 23 de outubro de 2023. Consultado em 16 de novembro de 2023 
  93. a b «Do que trata a investigação da PF contra Tarcísio de Freitas». CartaCapital. 23 de outubro de 2023. Consultado em 16 de novembro de 2023 
  94. a b «PF investiga se campanha de Tarcísio forjou 'atentado' para favorecê-lo na eleição ao governo». Estadão. Consultado em 16 de novembro de 2023 
  95. a b «Governo de SP vê uso político da PF contra Tarcísio após abertura de novo inquérito». O Globo. 23 de outubro de 2023. Consultado em 16 de novembro de 2023 
  96. «Após tiros em Paraisópolis, aliados de Tarcísio dizem que ele está bem». UOL. Consultado em 31 de outubro de 2022 
  97. «Polícia diz ser 'prematuro' afirmar que tiroteio seja atentado contra Tarcísio em Paraisópolis, mas 'não descarta nenhuma hipótese'». G1. 17 de outubro de 2022. Consultado em 4 de novembro de 2022 
  98. «Equipe de Tarcísio mandou cinegrafista apagar vídeo de tiroteio em Paraisópolis; ouça áudio». Folha de S. Paulo. 25 de outubro de 2022. Consultado em 4 de novembro de 2022 
  99. «Intercept: Segundo testemunhas, segurança de Tarcísio matou homem desarmado». UOL. 27 de outubro de 2022. Consultado em 4 de novembro de 2022 
  100. «Áudio de equipe de Tarcísio mantém caso de tiroteio vivo nas redes». Terra. 4 de novembro de 2022. Consultado em 4 de novembro de 2022 
  101. «Resultados - TSE». TSE. 2022. Consultado em 31 de outubro de 2022 
  102. «Tarcísio extingue Secretaria dos Direitos da Pessoa com Deficiência 14 anos após criação». G1. 22 de dezembro de 2022. Consultado em 14 de novembro de 2023 
  103. UOL (19 de dezembro de 2022). «SP: Tarcísio recua e mantém Secretaria da Pessoa com Deficiência». UOL. Consultado em 14 de novembro de 2023 
  104. «Tarcísio é empossado governador de SP, cita tucanos e agradece a Bolsonaro». Folha de S.Paulo. 1 de janeiro de 2023. Consultado em 30 de outubro de 2023 
  105. «Tarcísio de Freitas toma posse em SP e agradece a Bolsonaro em discurso». VEJA. Consultado em 30 de outubro de 2023 
  106. Buss, Gabriel (1 de janeiro de 2023). «Tarcísio toma posse em SP: "Demanda popular deve guiar ações"». Poder360. Consultado em 30 de outubro de 2023 
  107. «Tarcísio dá espaço a bolsonaristas e ex-integrantes do governo federal no segundo escalão». Folha de S.Paulo. 21 de janeiro de 2023. Consultado em 22 de novembro de 2023 
  108. «Painel: Tarcísio nomeia ex-secretário de Doria e aumenta cota de bolsonaristas». Folha de S.Paulo. 6 de janeiro de 2023. Consultado em 22 de novembro de 2023 
  109. «Braço direito de Queiroga será número 2 da Saúde no governo Tarcísio | Metrópoles». www.metropoles.com. 5 de janeiro de 2023. Consultado em 22 de novembro de 2023 
  110. «Tarcísio nomeia irmão de Michelle Bolsonaro como assessor especial, com salário de R$ 21,5 mil». Valor Investe. 11 de janeiro de 2023. Consultado em 22 de novembro de 2023 
  111. «Tarcísio nomeia irmão de Michelle Bolsonaro e marido de sua cunhada para cargos de confiança no governo de SP». G1. 11 de janeiro de 2023. Consultado em 22 de novembro de 2023 
  112. «Tarcísio cancela nomeação de marido de sua cunhada para cargo de confiança no governo de SP». G1. 12 de janeiro de 2023. Consultado em 22 de novembro de 2023 
  113. PODER360 (13 de janeiro de 2023). «"Achei que pudesse", diz Tarcísio sobre nomeação de cunhado». Poder360. Consultado em 22 de novembro de 2023 
  114. «Após polêmica, Tarcísio muda decreto sobre nepotismo e inclui concunhados como 'parentes por afinidade', que têm nomeação vetada». G1. 13 de janeiro de 2023. Consultado em 4 de dezembro de 2023 
  115. «Trocas no comando da Polícia Civil de São Paulo geram tensão no governo de Tarcísio». CartaCapital. 21 de janeiro de 2023. Consultado em 22 de novembro de 2023 
  116. «Tarcísio nomeia PM envolvido no caso Carandiru para a Administração Penitenciária | Metrópoles». www.metropoles.com. 15 de janeiro de 2023. Consultado em 22 de novembro de 2023 
  117. Napoli, Eric (11 de fevereiro de 2024). «Secretário de Tarcísio indicou sócio para 2 cargos em estatais». Poder360. Consultado em 14 de fevereiro de 2024 
  118. «Painel: Governo Tarcísio afasta major alvo de operação da Polícia Federal que mira trama golpista». Folha de S.Paulo. 9 de fevereiro de 2024. Consultado em 14 de fevereiro de 2024 
  119. «Em 24 horas, volume de chuva em cidades do Litoral Norte de SP ultrapassa média esperada para o mês inteiro». G1. 19 de fevereiro de 2023. Consultado em 30 de outubro de 2023 
  120. «Governador Tarcísio de Freitas visita às áreas afetadas pelas chuvas em São Sebastião». Tamoios News. 19 de fevereiro de 2023. Consultado em 30 de outubro de 2023 
  121. «Governador de SP pede que turistas ainda não peguem as estradas». Agência Brasil. 20 de fevereiro de 2023. Consultado em 30 de outubro de 2023 
  122. Borenstein, Carlos Eduardo Bellini (28 de fevereiro de 2023). «Tarcísio mostra eficiência no gerenciamento da tragédia de São Sebastião». O Brasilianista. Consultado em 30 de outubro de 2023 
  123. «Tarcísio transfere gabinete para São Sebastião temporariamente». Exame. 20 de fevereiro de 2023. Consultado em 30 de outubro de 2023 
  124. «SP: Governador Tarcísio de Freitas transfere gabinete para São Sebastião». UOL 
  125. Junqueira, Caio. «Tarcísio debate "Plano de Reconstrução" com secretariado em São Sebastião». CNN Brasil. Consultado em 30 de outubro de 2023 
  126. «Tarcísio de Freitas cria gerência estadual para acompanhar reconstrução de São Sebastião». Radar Litoral. Consultado em 30 de outubro de 2023 
  127. Redação (17 de maio de 2023). «No Paraná, Tarcísio visita empresa que vai construir casas em São Sebastião». Blog Politicamente. Consultado em 30 de outubro de 2023 
  128. «Tarcísio diz não ver conflito de interesses sobre titular da Educação | Metrópoles». www.metropoles.com. 5 de janeiro de 2023. Consultado em 14 de novembro de 2023 
  129. «Em novo recuo, governo Tarcísio desiste de comprar livros digitais sem licitação». O Globo. 17 de agosto de 2023. Consultado em 14 de novembro de 2023 
  130. «Em 2º recuo, Tarcísio cancela compra de 200 milhões de livros digitais sem licitação | Metrópoles». www.metropoles.com. 17 de agosto de 2023. Consultado em 14 de novembro de 2023 
  131. Souza, Felipe. «Governo de SP recua e decide cancelar compra de livros digitais». CNN Brasil. Consultado em 14 de novembro de 2023 
  132. Figueiredo, Carolina. «Governo de SP recua e diz que vai oferecer livros também impressos para alunos». CNN Brasil. Consultado em 14 de novembro de 2023 
  133. «Renato Feder: o 'trainee' de Alckmin que virou o primeiro 'secretário problema' de Tarcísio». Estadão. Consultado em 14 de novembro de 2023 
  134. «Sob pressão, Feder acumula recuos na Educação de SP e tem métodos questionados». O Globo. 22 de agosto de 2023. Consultado em 14 de novembro de 2023 
  135. «Tarcísio diz que contratos do governo de SP com empresa ligada a secretário foram feitos 'dentro da regra do jogo', mas proíbe novas contratações». G1. 15 de agosto de 2023. Consultado em 14 de novembro de 2023 
  136. «Gestão de Tarcísio cobra R$ 113 mil de Eduardo Bolsonaro por não usar máscara durante a pandemia». G1. 6 de janeiro de 2023. Consultado em 17 de novembro de 2023 
  137. «Juíza acata ação de gestão Tarcísio e manda Eduardo Bolsonaro pagar multa | Maquiavel». VEJA. Consultado em 17 de novembro de 2023 
  138. «A multa de R$ 290.000 que Bolsonaro não quer pagar de jeito nenhum | Maquiavel». VEJA. Consultado em 17 de novembro de 2023 
  139. Luz, Yurick (14 de janeiro de 2023). «Fogo amigo? Tarcísio vai à Justiça para cobrar R$ 431 mil de Bolsonaro por ausência de máscara». Diário do Centro do Mundo. Consultado em 17 de novembro de 2023 
  140. PODER360 (10 de novembro de 2023). «Tarcísio sanciona lei que anistia multas a Bolsonaro na pandemia». Poder360. Consultado em 17 de novembro de 2023 
  141. autor, Sem (21 de novembro de 2023). «Tarcísio e Alesp devem prestar informações sobre anistia de multa». Consultor Jurídico. Consultado em 22 de novembro de 2023 
  142. «Ao STF, Tarcísio nega que lei para perdoar multas da pandemia seja benefício a aliados políticos». Valor Econômico. 5 de dezembro de 2023. Consultado em 27 de dezembro de 2023 
  143. «AGU pede que STF derrube a lei de Tarcísio que anistia multas da pandemia». CartaCapital. 11 de dezembro de 2023. Consultado em 28 de dezembro de 2023 
  144. «Tarcísio perdoa multas da pandemia, abre mão de R$ 72 milhões e beneficia Bolsonaro». CartaCapital. 9 de novembro de 2023. Consultado em 17 de janeiro de 2024 
  145. «Após lei de Tarcísio aprovada na Alesp, Justiça anula multa de R$ 357 mil de Bolsonaro por não uso de máscara na pandemia em SP». G1. 14 de janeiro de 2024. Consultado em 17 de janeiro de 2024 
  146. «Justiça de São Paulo livra Bolsonaro de multa de R$ 370 mil após lei de Tarcísio». CartaCapital. 12 de janeiro de 2024. Consultado em 17 de janeiro de 2024 
  147. estadaoconteudo. «Graças a Tarcísio, Justiça de SP anula multa de Bolsonaro por não usar máscara». Terra. Consultado em 17 de janeiro de 2024 
  148. «Lei promulgada por Tarcísio livra Eduardo Bolsonaro de R$ 100 mil em multas». CartaCapital. 11 de janeiro de 2024. Consultado em 17 de janeiro de 2024 
  149. «Sabesp faz 50 anos à beira de ser privatizada; conheça os argumentos a favor e contra». Folha de S.Paulo. 1 de novembro de 2023. Consultado em 17 de novembro de 2023 
  150. «Especialista não vê justificativa para privatização da Sabesp». Agência Brasil. 17 de junho de 2023. Consultado em 17 de novembro de 2023 
  151. «Privatização da Sabesp: Tarcísio anuncia follow on e investimento de R$ 66 bilhões». Exame. 31 de julho de 2023. Consultado em 30 de outubro de 2023 
  152. «Privatização da Sabesp terá acionista privado com participação relevante na empresa, diz Tarcísio». O Globo. 31 de julho de 2023. Consultado em 30 de outubro de 2023 
  153. PODER360 (1 de agosto de 2023). «Governo de SP aprova modelo de privatização da Sabesp». Poder360. Consultado em 30 de outubro de 2023 
  154. «Tarcísio deve confirmar hoje privatização da Sabesp». Jovem Pan. 31 de julho de 2023. Consultado em 30 de outubro de 2023 
  155. «Tarcísio assina contrato para retomada das obras do Rodoanel em SP». Metrópoles. 8 de agosto de 2023. Consultado em 30 de outubro de 2023 
  156. «Rodoanel: Tarcísio planeja antecipar entrega de trecho entre Dutra e Fernão Dias». Metrópoles. 9 de agosto de 2023. Consultado em 30 de outubro de 2023 
  157. «Leilão do Rodoanel Norte é vencido pela Via Appia; obra tem previsão de entrega para 2026». Uol. 14 de março de 2023 
  158. Conteúdo, Estadão (15 de março de 2023). «Leilão do Rodoanel Norte é vencido pela Via Appia; obra tem previsão de entrega para 2026». InfoMoney. Consultado em 30 de outubro de 2023 
  159. «Rodoanel Norte: novo contrato de concessão é assinado; previsão de entrega é 2026». Uol. 9 de agosto de 2023 
  160. «Os elogios de Tarcísio ao retorno de investimentos no governo Lula». O Globo. 18 de setembro de 2023. Consultado em 17 de novembro de 2023 
  161. «Apesar de falhas, Tarcísio descarta romper com ViaMobilidade | Metrópoles». www.metropoles.com. 26 de janeiro de 2023. Consultado em 8 de janeiro de 2024 
  162. estadaoconteudo. «Articulação antecipada de Tarcísio garante aprovação da privatização da Sabesp no 1º ano de governo». Terra. Consultado em 2 de fevereiro de 2024 
  163. «SP corta R$ 37 milhões do programa de câmeras corporais em policiais». Brasil de Fato. 2 de janeiro de 2024. Consultado em 8 de janeiro de 2024. Cópia arquivada em 7 de janeiro de 2024 
  164. «PM de São Paulo matou 34% a mais no primeiro ano do governo Tarcísio de Freitas». Brasil de Fato. 3 de janeiro de 2024. Consultado em 8 de janeiro de 2024. Cópia arquivada em 7 de janeiro de 2024 
  165. «Em meio a recorde de feminicídios, Tarcísio gasta 3% do previsto com delegacias da mulher 24h». Folha de S.Paulo. 18 de fevereiro de 2024. Consultado em 27 de fevereiro de 2024 
  166. «Com feminicídio em alta, Tarcísio congela verba de violência contra mulher». UOL. 4 de março de 2024. Consultado em 13 de março de 2024 
  167. «Mônica Bergamo: Tarcísio será denunciado à ONU por operações mais letais da história de SP». Folha de S.Paulo. 7 de março de 2024. Consultado em 13 de março de 2024 
  168. «Tarcísio ironiza denúncias contra abusos da PM: 'Pode ir na ONU, na Liga da Justiça, tô nem aí'». Brasil de Fato. 8 de março de 2024. Consultado em 13 de março de 2024 
  169. «Tarcísio ao criticar câmeras: Preferem monitorar policial do que o bandido». www.uol.com.br. Consultado em 28 de novembro de 2023 
  170. Martins, Victor (5 de abril de 2022). «Tarcísio quer acabar com uso de câmeras nas fardas de PMs». O Antagonista. Consultado em 28 de novembro de 2023 
  171. a b «Painel: Entidades veem retrocesso em fala de Tarcísio contra câmeras corporais em PMs». Folha de S.Paulo. 3 de janeiro de 2024. Consultado em 3 de janeiro de 2024 
  172. a b Sardinha, Edson (14 de setembro de 2023). «Juiz intima Tarcísio e dá 90 dias para instalação de câmera corporal em todos os PMs de SP». Congresso em Foco. Consultado em 28 de novembro de 2023 
  173. a b Dalapola, Kaique (24 de setembro de 2023). «Liminar que obrigava uso de câmeras em PMs da Operação Escudo dura um dia». Ponte Jornalismo. Consultado em 28 de dezembro de 2023 
  174. Borges, Stella (14 de outubro de 2022). «Tarcísio recua e agora diz que vai reavaliar câmeras em uniforme de PMs». UOL. Consultado em 28 de novembro de 2023 
  175. «Tarcísio recua sobre câmeras corporais da PM e agora diz que vai avaliar uso». Estadão. Consultado em 28 de novembro de 2023 
  176. «Tarcísio de Freitas descarta tirar câmeras em uniformes da Polícia Militar». www.band.uol.com.br. 5 de janeiro de 2023. Consultado em 28 de novembro de 2023 
  177. «Governo Tarcísio congela número de câmeras corporais em uniformes da PM em SP». G1. 21 de junho de 2023. Consultado em 28 de novembro de 2023 
  178. RBA, Cida de Oliveira, da (18 de agosto de 2023). «Tarcísio retira R$ 11 mi do orçamento para compra de câmeras». Rede Brasil Atual. Consultado em 28 de novembro de 2023 
  179. «Tarcísio reduz orçamento de câmeras corporais da Polícia Militar». CartaCapital. 18 de agosto de 2023. Consultado em 28 de novembro de 2023 
  180. «Tarcísio tira R$ 15 mi das câmeras corporais para pagar "bico" dos PMs | Metrópoles». www.metropoles.com. 5 de outubro de 2023. Consultado em 28 de novembro de 2023 
  181. almapreta. «Com mais um corte, Tarcísio já tirou R$ 25,9 milhões das câmeras nas fardas de policiais». Terra. Consultado em 28 de dezembro de 2023 
  182. «Tarcísio admite que não irá investir em câmeras nas fardas de PMs e diz que equipamento não oferece segurança efetiva do cidadão». G1. 2 de janeiro de 2024. Consultado em 2 de janeiro de 2024 
  183. «Governo Tarcísio abandona estudo que avalia uso de câmeras pela PM». Folha de S.Paulo. 26 de setembro de 2023. Consultado em 28 de novembro de 2023 
  184. «2,3 mil policiais militares foram presos nos últimos 10 anos em SP; detenções caíram 30% com uso de câmeras corporais». G1. 28 de dezembro de 2023. Consultado em 2 de janeiro de 2024 
  185. «Mortes cometidas por PMs em serviço aumentam 86% em SP no terceiro trimestre». G1. 26 de outubro de 2023. Consultado em 28 de novembro de 2023 
  186. «Tarcísio não planeja comprar mais câmeras para PMs e diz ter outras prioridades». VEJA SÃO PAULO. Consultado em 28 de novembro de 2023 
  187. «Tarcísio diz que não vai ampliar número de câmeras corporais da polícia em São Paulo». Exame. 31 de outubro de 2023. Consultado em 28 de novembro de 2023 
  188. Foco, Congresso em (24 de setembro de 2023). «TJSP derruba liminar que obrigava governo Tarcísio a instalar câmeras em policiais e viaturas». Congresso em Foco. Consultado em 28 de novembro de 2023 
  189. ConJur, Redação (26 de setembro de 2023). «TJ-SP veda câmeras corporais em PMs nas operações retaliadoras». Consultor Jurídico. Consultado em 28 de dezembro de 2023 
  190. autor, Luiza Calegari, Sem (15 de dezembro de 2023). «TJ-SP decide que policiais não precisam usar câmeras em operações». Consultor Jurídico. Consultado em 28 de dezembro de 2023 
  191. «'Uso de câmeras pela PM é imposição da realidade de violência', diz advogado após TJ-SP desobrigar a medida». Brasil de Fato. 16 de dezembro de 2023. Consultado em 28 de dezembro de 2023 
  192. «Negacionismo de Tarcísio sobre uso de câmeras corporais na PM será pauta no Ministério Público». Revista Fórum. 9 de janeiro de 2024. Consultado em 17 de janeiro de 2024 
  193. Resk, Felipe (10 de janeiro de 2024). «Governo Tarcísio renova câmeras corporais da PM por apenas 6 meses». Metrópoles. Consultado em 17 de janeiro de 2024 
  194. «Após questionar eficácia, Tarcísio fala em possível ampliação no uso de câmeras corporais pela PM». Folha de S.Paulo. 22 de janeiro de 2024. Consultado em 23 de janeiro de 2024 
  195. «Tarcísio recua e agora diz que pode ampliar câmeras em uniformes de PMs». O Globo. 22 de janeiro de 2024. Consultado em 23 de janeiro de 2024 
  196. «Sem ampliar programa, governo Tarcísio vai trocar 3 mil câmeras da PM | Metrópoles». www.metropoles.com. 26 de março de 2024. Consultado em 10 de abril de 2024 
  197. Miazzo, Leonardo (20 de fevereiro de 2024). «Ataque contra Lula é parte do 'genocídio generalizado' imposto por Israel, diz embaixador da Palestina». Carta Capital. Consultado em 19 de março de 2024 
  198. Michelle Ventura, Helena Othman, Rafael Oliveira e Bárbara Caramuru (15 de dezembro de 2023). «O genocídio em Gaza: uma massiva operação de limpeza étnica em curso». Le Monde Diplomatique. Consultado em 19 de março de 2024 
  199. «Relatora da ONU denuncia limpeza étnica de Israel na Faixa de Gaza». O Globo. 10 de dezembro de 2023. Consultado em 19 de março de 2024 
  200. Chade, Jamil (25 de janeiro de 2024). «Espionagem aproximou israelenses ao governo Bolsonaro». UOL. Consultado em 19 de março de 2024 
  201. Montanini, Marcelo (18 de março de 2024). «Por que governadores bolsonaristas foram para Israel». Nexo. Consultado em 19 de março de 2024 
  202. a b «Viagem a Israel é sem "ideologia e política", diz Tarcísio». Poder360. 12 de março de 2024. Consultado em 19 de março de 2024 
  203. «Governador de São Paulo embarca para visita oficial a Israel». Governo de São Paulo. 18 de março de 2024. Consultado em 19 de março de 2024 ]
  204. a b «Após negativa da embaixada, governo de SP divulga convite do consulado de Israel». CNN Brasil. 13 de março de 2024. Consultado em 19 de março de 2024 
  205. Da Silva, Murilo (18 de março de 2024). «"Missão Israel" é novo aceno de Caiado e Tarcísio à extrema-direita». vermelho.org.br. Consultado em 19 de março de 2024 
  206. «Em visita a Israel, Tarcísio fará mais um contraponto político a Lula». Veja. 18 de março de 2024. Consultado em 19 de março de 2024 
  207. Fantin, Rafael (18 de março de 2024). «Tarcísio e Caiado desembarcam em Israel para visita a locais de atentado e encontro com Netanyahu». Gazeta do Povo. Consultado em 19 de março de 2024 
  208. «Bolsonaro: viagem para Israel com escala no STF». O Antagonista. 10 de março de 2024. Consultado em 19 de março de 2024 

Ligações externas editar

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
  Categoria no Wikinotícias

Precedido por
Valter Casimiro Silveira
Ministro da Infraestrutura do Brasil
2019–22
Sucedido por
Marcelo Sampaio Cunha Filho