Teletón (Chile)

Maratona beneficente televisa teleton

Teletón Chile é um evento beneficente televisivo realizado anualmente no Chile desde 1978. Esta é a primeira versão do formato criado em 1949 nos Estados Unidos realizado na América Latina, sendo idealizada por Dom Francisco, e devido a seu sucesso, sido imitada por outros países da América Latina até os dias de hoje.

Fundação Teletón
Teleton Chile Logo.svg
Tipo

Organização sem fins lucrativos

Género

Beneficente

Forma legal

Fundação

Fundação

1978

Fundador

Mario Kreutzberger

Sede

Santiago, Chile

Área de operação

Nacional

Presidente

Daniel Fernández Koprich

Serviços

Reabilitação infantojuvenil

Membro de

ORITEL

Lema Todos os dias
Sitio site

teleton.cl

[editar dados em Wikidata]

O Teletón é organizado pela Fundação Teletón — cuja direção executiva está a cargo da jornalista Ximena Casarejos. O Teletón Chile é um dos membros fundadores da ORITEL (Organizacão Internacional dos Teletons). O Teletón chileno consiste de um programa de televisão de 27 horas ininterruptas de duração, produzido e transmitido por todas as redes de televisão do Chile que fazem parte da Associação Nacional de Televisão (ANATEL) — Canal 13, Chilevisión, Mega, Televisión Nacional de Chile, TV+, La Red e Telecanal e também contam a participação dos meios de comunicação escritos e radiofônicos. O dinheiro arrecadado por esse evento, geralmente realizado no último fim de semana de novembro ou no primeiro fim de semana de dezembro, são utilizados para a construção e manutenção dos Institutos de Reabilitação Infantil (IRI) para o tratamento de crianças e adolescentes com deficiência física e síndrome de down.

HistóriaEditar

AntecedentesEditar

A Sociedade Pró-Ajuda a Criança Lesionada nasceu em Santiago em 8 de maio de 1947, quando um grupo de médicos do Hospital Luis Calvo Mackenna, pais e educadores se uniram para trabalhar na reabilitação das crianças com sequelas da poliomielite, que tinha açoitado ao país.[1] Ao longo do tempo essa instituição, começou a tratar pacientes com paralisia cerebral, malformações congênitas, e outras deficiências fisicas causadas por acidentes, problemas neurológicos, distrofia muscular progressiva e outras doenças do aparelho psicomotor. Durante mais de trinta anos, a Sociedade Pró-Ajuda a Criança Lesionada desenvolveu sem grandes problemas seu trabalho médico e educativos até 1975, quando começou a sofrer sérios problemas econômicos.

Uma realidade diametralmente oposta vivia nesse tempo Mario Kreutzberger, apresentador de televisão chileno conhecido como Don Francisco. No final da década de 1970, Kreutzberger era o comunicador mais famoso da televisão chilena, graças ao programa de TV Sábado Gigante. No entanto, o animador sentia que deveria fazer uma grande retribuição concreta ao público chileno, que o tinha levado até o auge do sucesso. Com isto na mente, ele criou uma campanha beneficente que entregasse contribuições em dinheiro a determinados grupos de pessoas com algum tipo de necessidade, similar ao evento realizado por Jerry Lewis nos Estados Unidos entre 1966 e 2010, conhecido como Jerry Lewis MDA Telethon.[2]

O primeiro Teletón (1978)Editar

Coincidentemente, Kreutzberger é convidado a uma edição do programa de televisão Dingolondango, da rede estatal TVN, onde deveria doar dinheiro a uma organização beneficente. Foi nesse momento que conheceu a Ernesto Rosenfeld, presidente da Sociedade Pró-Ajuda, a quem doou $ 15 mil. Rosenfeld convidou Kreutzberger a conhecer a obra Sociedade Pró-Ajuda. Assim que conheceu a obra, ele decidiu que o grupo de crianças deficientes seriam o foco de uma nova campanha de arrecadação de dinheiro. Então, ele propôs essa ideia ao diretório da Sociedade e em 1978 comprometeu-se a arrecadar um milhão de dólares para a instituição. Para consegui-lo, precisava uma inédita cobertura de comunicação, que só lhe poderia ocorrer através da união de varias emissoras de TV. Um por um, Don Francisco convenceu a todos os executivos das principais televisões, rádios, jornais e revistas chilenas, para que cedessem gratuitamente seus espaços e juntos motivassem à sociedade chilena, podendo assim arrecadar dinheiro às crianças com deficiência. Assim, em 8 de dezembro de 1978 se deu início ao primeiro Teletón chileno, que durou 27 horas e foi transmitida em cores a partir do Teatro Casino Las Vegas, em Santiago do Chile. A meta de US$ 1 milhão foi duplicada, e o total arrecadado foi de US$ 2 504 000.[3]

Etapa pós primeiro Teletón (1979-1982)Editar

 
Fachada do Teatro Teletón

Depois do sucesso do primeiro Teletón, organizam-se mais quatro campanhas, as quais superaram as metas estabelecidas facilmente. De acordo com Don Francisco, com o dinheiro arrecadado até o Quinto Teletón em 1982, que alcançou a quantia de pouco mais de US$ 3,6 milhões, era possível manter a obra solidária sem a necessidade de realizar os eventos televisivos. O lema desta edição foi "O último passo, o mais importante".

A popularidade do Teletón possibilitou que muitas pessoas com deficiências fossem tratadas pelo novo Instituto de Reabilitação Infantil (IRI) de Santiago, capital do país. A partir de 1981, novos pacientes começaram a ser tratados nos IRI de Antofagasta (região norte do Chile), Concepción (região sul) e Valparaíso (região central). O crescimento explosivo dos atendimentos nos IRIs e a crise financeira que sucedeu o Teleton 1982, fez com que a decisão de não realizar mais teletons tivesse que ser reconsiderada. Assim, em 1985, se realizou o Sexto Teletón e partir desse ano, os teletons ocorreriam todos os anos, exceto nos anos de eleições presidenciais e parlamentares até 2017, para evitar que a Teletón fosse utilizada com fins políticos.

Segunda etapa (1985-1995)Editar

Através do Decreto Supremo Nº95, foi aprovada a personalidade jurídica da Fundação Teletón, em 22 de janeiro de 1986. A Fundação ficaria encarregada de organizar e administrar a arrecadação de fundos da Sociedade Pró-Ajuda a Criança Lesionada e o Teatro Casino Las Vegas, que foi comprado naquele mesmo ano pela Fundação Teletón e rebatizado como Teatro Teletón.

Com o passar do tempo, o Teletón converteu-se num dos principais eventos realizados no Chile, congregando grande parte da população. Em 1995, a campanha sofreu seu momento mais duro, quando pela única vez não alcançou a meta, que à época era duplicar o arrecadado no ano anterior. Depois deste episódio, o Teletón realizou um estudo para encontrar as falhas da campanha. Desde então, Don Francisco deixou de ter o protagonismo exclusivo do evento, delegando parte de seu papel como líder da campanha a outras figuras da televisão. A campanha da Teletón 1996 teve seu logotipo mudado, para atrair ao público jovem. A partir desse ano, a meta foi atingida com sucesso nos anos posteriores.

Terceira etapa (1996-2003)Editar

A campanha passou para o novo milênio com campanhas bem sucedidas, mas com uma crise financeira na Fundação que estourou no início de 2002, quando o Teletón pediu um empréstimo de 1 bilhão de pesos para poder até o final daquele ano atender a demanda de atenções e realizar o Teletón daquele ano, que pela primeira vez passou a marca dos 10 bilhões de pesos arrecadados. Em 2003, no aniversário de 25 anos do Teletón, uma série de erros que foram desde a escolha da data da campanha até a má fé de políticos de extrema-esquerda que se fizeram públicas nos noticiários, fizeram com que a campanha deste ano tivesse que ter a ajuda do governo para passar a meta, sendo necessário uma nova revisão de conteúdo, para ver o que poderia ser melhorado para a campanha de 2004.

Quarta etapa (2004-2014)Editar

O Teletón 2004 teve mudanças radicais no seu conteúdo, o deixando mais jovem e enérgico, resultando num grande sucesso. Em 2008, o Teletón completou 30 anos com uma campanha auspiciosa, que recebeu duas doações dos multimilionários José Luiz Nasar e Leonardo Farkas por US$ 1,5 milhão cada, fechando uma arrecadação total de mais de 20 bilhões de pesos pela primeira vez. Em 2012, se supera a barreira dos 30 bilhões de pesos pela primeira vez, e em 2014, o Teletón recebeu a maior doação da sua história, por parte da família Luksic, que entregou US$ 15 milhões, entre as campanhas de 2014 a 2016, para a construção de um novo centro de reabilitação em Antofagasta, para substituir a estrutura anterior.

Quinta etapa (2015-atualmente)Editar

Desde 2015, o Teletón se tornou uma campanha com enfoque na participação popular, visto o grande número de empresas e empresários que já colaboram com a causa. A campanha enfoca nos 70% que as pessoas físicas tem de responsabilidade na arrecadação de fundos. Atualmente, 1 em cada 6 chilenos doa ao Teletón anualmente, sendo essa proporção algo único entre as campanhas solidárias de todo o mundo[4]. A média de doação do último Teletón, em 2020, foi de US$ 2.39 per capita, sendo a maratona televisiva de âmbito nacional que mais arrecada no mundo. Incluindo as maratonas de escala regional, o Teletón chileno fica em terceiro lugar, atrás das Jornadas pela Reabilitação da região de Magalhães e Antártida Chilena, que tem uma média de US$ 6.64 per capita, e do Teleton do canal 7 da Austrália Ocidental, que arrecada US$ 10.41 per capita.

Em 2019, a campanha seria feita nos dias 29 e 30 de novembro, mas a crise que se instalou no país no mês anterior adiou a campanha para os dias 3 e 4 de abril de 2020. A campanha foi realizada mesmo com a pandemia de COVID-19 no país, sendo suspendido a assistência de público no Teatro Teletón, onde é realizada a transmissão, e a maratona foi dividida em 4 blocos, sendo pela primeira vez a jornada de 27 horas reduzida a 15 horas e meia, para que houvesse o minimo necessário de técnicos no teatro. Pela situação do país, se desistiu da meta original de $ 32 851 438 341, no entanto, com um maior apoio das empresas, inédita união de toda a banca chilena e com doações exclusivamente eletrônicas, o total arrecadado foi surpresa a nível mundial: $ 34 703 593 204 (R$ 214.387.221), superando o que seria o objetivo ao final da maratona.

Resumo históricoEditar

Ano Data Lema Meta1 Arrecadação2 ±% US$3
1978 8 e 9 de dezembro Alcancemos o milagre 33 790 000 84 361 838 149,66 2 504 000
1979 30 de novembro e 1 de dezembro Repitamos o incrível 84 361 838 138 728 450 64,44 3 557 139
1980 5 e 6 de dezembro De pé a esperança 138 728 450 176 420 628 27,19 4 524 375
1981 11 e 12 de dezembro Juntos tudo é possível 176 420 628 202 436 220 14,73 5 190 672
1982 10 e 11 de dezembro O último passo, o mais importante 202 436 220 263 402 022 30,12 3 695 833
1985 6 e 7 de dezembro O milagre de todos 263 402 022 368 495 845 39,9 2 070 201
1987 4 e 5 de dezembro Para crer na vida 368 495 845 502 293 311 36,31 2 174 429
1988 2 e 3 de dezembro É tarefa de todos 502 293 311 711 712 019 41,69 2 916 852
1990 7 e 8 de dezembro Ninguém pode faltar 711 712 019 1 153 291 010 62,04 3 463 336
1991 29 e 30 de novembro Graças a você 1 153 291 010 1 803 923 485 56,42 4 901 966
1992 27 e 28 de novembro Há muito por fazer 1 803 923 485 2 874 230 697 59,33 7 563 764
1994 2 e 3 de dezembro O compromisso de Chile 2 874 230 697 3 640 286 169 26,65 9 100 715
1995 1 e 2 de dezembro Nossa grande obra 6 277 027 832 5 534 774 829 -11,82 13 401 391
1996 6 e 7 de dezembro Outro passo adiante 5 534 774 829 6 050 000 000 9,31 14 370 546
1998 4 e 5 de dezembro Todos contamos 5 692 426 301 6 348 923 458 11,53 13 537 150
2000 1 e 2 de dezembro Um desafio para os chilenos 6 029 912 577 6 772 445 028 12,31 12 899 895
2002 29 e 30 de novembro O Teletón é seu 10 000 000 000 11 573 600 179 15,73 21 003 630
2003 21 e 22 de novembro É seu, lembre-se! 10 532 480 521 10 946 288 369 3,92 19 902 342
2004 3 e 4 de dezembro Eles dependem de você 10 600 000 000 13 227 892 546 24,79 23 791 173
2006 1 e 2 de dezembro Com todo o coração 11 403 914 256 14 110 203 362 23,73 26 774 579
2007 30 de novembro e 1 de dezembro Em cada passo está você 11 804 425 008 16 929 371 138 43,41 33 325 533
2008 28 e 29 de novembro Graças a você, podemos seguir 13 255 231 970 22 533 294 849 69,93 33 682 055
2010 3 e 4 de dezembro Chile, um só coração 16 589 850 127 24 420 293 420 47,2 50 632 995
2011 2 e 3 de dezembro Com a força do coração 18 890 559 347 28 457 298 750 50,64 55 596 950
2012 30 de novembro e 1 de dezembro Puro coração 21 735 065 277 31 255 222 196 43,8 65 121 830
2014 28 e 29 de novembro Somos todos 25 445 520 245 34 582 986 027 35,9 55 332 778
2015 27 e 28 de novembro Nós todos fazemos 28 176 895 804 36 126 424 717 28,21 50 665 000
2016 2 e 3 de dezembro O abraço do Chile 30 601 978 621 36 079 639 839 17,9 53 856 318
2017 1 e 2 de dezembro O abraço de todos 32 040 179 848 35 140 164 263 9,68 52 453 956
2018 30 de novembro e 1 de dezembro O presente de todos 32 522 991 111 37 954 551 757 16,7 56 733 261
2020 3 e 4 de abril[5] Te acompanha[6] Sem meta[7] 39 835 201 003 46 266 203
2021 3 e 4 de dezembro Todos os dias 34 703 593 204

Notas:

  1. Pesos chilenos da época.
  2. Pesos chilenos da época. Cifras entregues pela Fundação Teletón, e que reflete em todos os casos a partir de 1985 a arrecadação final.
  3. Dólares da época

Reabilitação infantilEditar

 
Voluntários na entrada do Instituto de Reabilitação Infantil (IRI) em Santiago.
 
Don Francisco apresenta o caso de um menino que se reabilita na Fundação, durante o evento da Teletón 2007.

O trabalho dos profissionais dos Institutos de Reabilitação Infantil (IRI) da Teletón especializou-se em atender meninos e jovens de até 24 anos que apresentem alguma deficiência motora, por causas musculares, neurológicas ou ósseas. Entre as principais causas das deficiências atendidas pela Teletón, se encontram: Paralisia cerebral, espinha bífida, amputações e malformações congênitas, Paraplegia e Tetraplegia por lesões da Medula espinhal, sequelas de traumatismos cranianos e diversas doenças neuromusculares, genéticas ou do sistema nervoso central.

O trabalho de reabilitação realiza-se diariamente nos 14 Institutos de Reabilitação Infantil espalhadas pelo Chile. A área médica é administrada pela Sociedade Pró-Ajuda a Criança Lesionada, enquanto a administração de recursos é executada pela Fundação Teletón. Dentro dos planos da Fundação encontra-se a criação de novos IRI, sendo os de maior urgência os das cidades de Rancagua, Curicó, Chillán e Punta Arenas. No dia 16 de setembro de 2015, um terremoto e posterior tsunami atingiu a Coquimbo, provocando inundação e destruição do centro de reabilitação IRI localizado na referida cidade. Diante disso, o instituto foi transferido para as instalações da Universidade Pedro de Valdívia da cidade vizinha de La Serena. As novas instalações permanentes estão sendo construídas no bairro Pampilla, em Coquimbo.

Instituto Inauguração
Arica 6 de março de 1989
Iquique 7 de dezembro de 1996
Calama 27 de setembro de 2013
Antofagasta 1 de julho de 1981
Copiapó 18 de julho de 2011
Coquimbo 25 de abril de 2003
Valparaíso 2 de abril de 1982
Santiago 1 de dezembro de 1979
Talca 2 de dezembro de 2006
Concepción 20 de julho de 1981
Temuco 13 de novembro de 2001
Valdivia 22 de novembro de 2016
Porto Montt 7 de dezembro de 1990
Coyhaique 6 de janeiro de 2014

Evento TeletónEditar

CampanhaEditar

 
Don Francisco e o «menino símbolo» de 2014, Matías Torres.

Meses antes do evento, a Fundação Teletón inicia a campanha para incentivar à sociedade a participar da obra beneficente. À essa campanha midiática se somam as redes de televisão aberta, que são membros da Associação Nacional de Televisão (ANATEL), diversas estações de rádio e jornais, assim como, diversas celebridades da televisão e do esporte e mais de uma dezena de empresas patrocinadoras.

Diversos cartazes são colocados nas grandes cidades do Chile e as cadeias de televisão transmitem os avisos publicitários tanto da Teletón, como das empresas patrocinadoras do evento. Para reforçar a campanha, a Fundação Teletón escolhe um(a) embaixador(a), que participa ativamente durante a campanha, representando todos os pacientes que são tratados nos institutos da Teletón, como forma de promover a solidariedade da nação chilena. Os embaixadores devem ter entre 4 e 7 anos, devem ser comunicativos, fotogênicos e que não tenham medo de câmaras ou de aparições públicas.

A campanha reforça-se a partir do mês de novembro, quando diversas figuras artísticas iniciam visitas ao longo do país. A campanha inicia-se oficialmente com visita as cidades do norte do país e posteriormente é continuada com o Trem do Teletón, que sai de Santiago ao sul ao longo da linha férrea.

Empresas patrocinadorasEditar

Em cada edição da Teletón, mais de uma dezena de empresas comprometem-se a serem patrocinadores oficiais da Teletón. No Teletón 2018, 21 empresas patrocinaram o evento, ainda que em anos anteriores, chegaram a ser 30 empresas patrocinadoras. Para as empresas poderem ser patrocinadoras da Teletón, elas devem ser marcas de consumo em massa, líderes no mercado e de importância na cesta básica do consumidor. Ademais, as empresas não devem ser concorrência entre si e deve existir um banco, destinado à operação do processo de doações. As empresas patrocinadoras devem dar uma importante soma de dinheiro durante a campanha, bem como financiar atividades de difusão e produção da campanha. A cada ano, a Fundação Teletón estabelece um montante mínimo de dinheiro que cada empresa deve colocar para poder participar na próxima campanha, o qual aumenta de ano a ano.

Do total de dinheiro arrecadado em cada versão, as empresas contribuem com 25% a 30% do valor total arrecado. Com a participação das empresas patrocinadoras, a Teletón consegue financiar grande parte dos custos publicitários do evento e por outro lado, as empresas patrocinadoras melhoram sua imagem e promovem seus principais produtos utilizando a algumas das celebridades mais populares da nação. Desde 1978, diversas empresas têm trabalhado participado da Teletón, mas só cinco o fizeram de maneira ininterrupta: Banco de Chile, CCU, Soprole, Unilever e Irmãos Cambiaso (chá Supremo e bolsas de lixo Superior). Outras empresas destacadas que historicamente têm trabalhado como parte da Teletón são: Nestlé, Colún, Arcor, P&G, Ripley, Copec, LATAM, Softys e Claro.

Transmissão televisivaEditar

 
Abertura da Teletón 2008.
 
Dom Francisco durante a abertura da Teletón 2014.
 
Palco para o fechamento da Teletón 2007 no Estádio Nacional de Chile.

O ponto culminante da campanha é o evento televisivo da Teletón, que se dá início às 22 horas (UTC-3 pelo horário de verão) geralmente na primeira sexta-feira de dezembro ou na última sexta-feira de novembro. O evento desenvolve-se principalmente no Teatro Teletón, partindo com o discurso inicial de Don Francisco diante das principais autoridades do país. Depois da abertura, diversos artistas realizam apresentações intercaladas com as doações e as histórias de pessoas tratadas nos centros de reabilitação da Teletón. Ao longo das 27 horas de amor (denominação que recebe tradicionalmente o evento), se sucedem diversos contatos ao vivo ao longo do país com as diversas sucursais e caixas auxiliares do Banco de Chile, para fazer uma avaliação do avanço das arrecadações. A cada meio tempo, Don Francisco realiza os cômputos oficiais da quantidade de dinheiro arrecadado até esse momento.

Depois da abertura, realizam-se diversos blocos, geralmente liderados por diferentes apresentadores destacados de cada canal de TV. Alguns dos segmentos mais tradicionais incluem um bloco matinal realizado geralmente ao ar livre, a inauguração de um novo centro, o bloco infantil mais conhecido como Acorda, papai!, um show de variedades e eventos esportivos. Em todas as cidades do país e diversas organizações, se realizam eventos simultâneos para poder incentivar à população local para que participe e para arrecadar dinheiro destinado para a Teletón.

O encerramento da Teletón era realizado tradicionalmente à meia-noite do sábado no Teatro Teletón, com a leitura do cômputo final oficial. No entanto, desde 1995 a cerimônia de encerramento realiza-se diante de multidão de 70 mil pessoas no Estádio Nacional de Chile. Nesta cerimônia, apresentam-se os principais artistas convidados e as empresas entregam as doações maiores e aqueles provenientes de metas cumpridas durante a jornada. A cerimônia, que se dá início às 22 horas, se estende além da meia-noite, depois de que nos últimos anos as metas têm sido atingidas passadas as 27 horas oficiais. Desde esse então, as duas vezes que a cerimônia de encerramento não ocorreu no Estádio Nacional foram em 2014, devido as más condições climáticas que obrigaram a transferir o encerramento para o Teatro Teletón; e em abril de 2020, quando por causa da pandemia de COVID-19 a transmissão também se encerrou no Teatro Teletón.

Alguns dos artistas mais importantes que se apresentaram na Teletón são Os Jaivas, Faith No More, Celia Cruz, Chancho em Pedra, Glória Estefan, Emmanuel, José Feliciano, Ricardo Montaner, Os Prisioneiros, Lucero, José Luis Rodríguez "O Puma", Sandro, Chayanne, Juanes, Fito Páez, Marco Antonio Solís, Ricky Martin, Beto Grutas, Os Bunkers, Juan Luis Guerra, Tito o Bambino, Os Pitbulls, Mocedades, Luis Fonsi, Diego Torres, Joan Manuel Serrat, Yuri, Glória Trevi, Prince Royce, Axel, Luis Jara, Américo, Daddy Yankee, Carlos Vives, Rosana, Congresso, Illapu, Alberto Plaza, David Bisbal, Carlos Baute, Enrique Iglesias, Natalino, Myriam Hernández, Pedro Fernández, Elvis Crespo, Miguel Bose, Franco de Vita, Xuxa, Roberto Carlos, entre muitos outros.

CríticasEditar

 
Sucursal do Banco de Chile em Maipú durante uma das noites da Teletón. O banco põe a disposição suas instalações e empregados durante as 27 horas da jornada.

A Teletón tem recebido uma série de críticas ao longo do tempo. Isto se deve tanto a ser considerado por alguns setores como um «aparelho ideológico» [carece de fontes?] como também por estar vinculada a uma série de controvérsias.

O evento tem sido criticado por sua mercantilização devido à presença de empresas patrocinadoras que, utilizando a marca da Teletón, aumentam suas vendas. Estas críticas acentuaram-se quando o então prefeito da comuna de Las Condes em 2006, Francisco de la Maza, recusou colocar gratuitamente faixas publicitários nas nas avenidas dessa comuna e pensou em cobrar por aquelas empresas que colocassem a publicidade junto ao logotipo da Teletón, para depois doar o dinheiro arrecadado ao evento beneficente. Entretanto, Don Francisco ao recusar tal proposta, foi acusado por Francisco de la Maza de ter uma "atitude mafiosa".

As críticas também ocorreram inclusive dentro do mesmo evento: no fechamento da Teletón 2002 no Estádio Nacional, apresentou-se o grupo Os Prisioneiros, que mudaram a letra do tema Querem dinheiro. Nas novas letras, Jorge González criticava tanto aos grupos econômicos e a diversos políticos de direita no coro: Quero mais Luksic, quero mais Angelini; quero mais UDI, quero mais Pinocheques; quero mais Büchi, quero mais Lavín; quero mais Libras, quero mais dólares. O fato foi criticado pelos organizadores, não só pela crítica para o sentido do evento, senão também pela utilização da campanha com fins proselitistas. Jorge González se acidentaria 14 anos depois, e acaba sendo atendido pelo Teletón mesmo tendo mais de 24 anos de idade, como um gesto de que os serviços prestados pela fundação são para todas as pessoas, não importando opiniões políticas.[8] Além dos serviços de reabilitação recebidos, o vocalista dos Prisioneiros abriu a parte final do Teletón 2016.

No ano de 2016 Iván Álvarez, fiscalizador do Serviço de Impostos Internos, declarou que a Teletón estava vinculada com o caso Penta, caso judicial por fraude ao fisco e corrupção dentro do grupo Penta, o qual supostamente receberia 15% do investimento da Teletón através do Banco de Chile.[9] Isso finalmente não foi comprovado e a Penta foi afastada do conselho diretor da fundação.

Referências

  1. «Sociedad Pro Ayuda del Niño Lisiado». Consultado em 3 de dezembro de 2017 
  2. «Nace la Teletón». Consultado em 3 de dezembro de 2017 
  3. «Teletón». Consultado em 3 de dezembro de 2017 
  4. http://www.ilogica.cl, ilogica-. «Con tu aporte · Teletón Chile». www.teleton.cl (em espanhol). Consultado em 8 de junho de 2019 
  5. «Telethon adiada para abril de 2020». www.teleton.cl (em espanhol). Consultado em 7 de novembro de 2019 
  6. O lema original seria Todos os dias, mas pela pandemia de COVID-19, o evento televisivo teve de ser reprogramado, o que mudou a temática da campanha.
  7. Em função da pandemia de COVID-19, preferiu-se realizar a campanha sem meta, em função da impossibilidade de abertura de agências bancárias.
  8. Mentiras Verdaderas La Red (2 de abril de 2018), Don Francisco: 'Jorge Gonzalez fue un caso excepcional en la Teletón', consultado em 8 de junho de 2019 
  9. Carmona, Alejandra (21 de janeiro de 2016). «Iván Álvarez declara que los dineros recaudados por la Teletón a través del Banco de Chile eran usados por el grupo Penta». El Mostrador. Consultado em 4 de dezembro de 2017 

Ligações externasEditar