Telhados de Vidro

Telhados de Vidro é uma telenovela portuguesa [1]e a primeira novela da TVI e por conseguinte de um canal privado português. Transmitida pela TVI[2], em 1993, inicialmente às 20 horas, de segunda a sexta-feira.[3] É da autoria de Rosa Lobato de Faria.[4] Foi reposta em 1995 e nunca mais voltou à antena da estação até ao momento tanto na TVI generalista como na TVI Ficção.[5]

Telhados de Vidro
Informação geral
Formato Telenovela
Duração 30 minutos
Criador(es) Rosa Lobato de Faria
País de origem Portugal Portugal
Idioma original português
Produção
Produtor(es) Atlântida
Elenco Paulo Pires
Rosa Lobato de Faria
Tozé Martinho
Filomena Gonçalves
Eugénia Bettencourt
Carmen Santos
Sofia Grilo
André Maia
Natalina José
Carla Salgueiro
Mané Ribeiro
Tema de abertura "Telhados de Vidro" - Dina
Tema de encerramento "Telhados de Vidro" - Dina
Exibição
Emissora original Portugal TVI
Transmissão original 22 de fevereiro de 1993 – 18 de junho de 1993
Temporadas 1
Episódios 120
Cronologia
Todo o Tempo do Mundo

A música de abertura é cantada pela cantora Dina, com letra da autora da novela, a compositora compôs também outras 5 canções usadas exclusivamente para a banda sonora da novela. [6] [7]"Na TVI, fiz o genérico de Telhados de Vidro, e ainda mais duas ou três canções. É um processo muito diferente. Gosto muito de fazer músicas propositadamente para uma personagem."[8] , disse Dina em 2016.

HistóriaEditar

SinopseEditar

O ponto de partida centrava na morte de um homem rico, António Cortesão Vaz (Jacinto Ramos) que deixa a sua fortuna, provada em testamento, para pessoas diversas com as quais ele convivia. Maria Clara (Eugénia Bettencourt) é secretária na empresa Vazotel, empresa esta de António, ela é quase o bode expiatório em tudo o que lá acontece pois sabe que o patrão com uma certa idade vai-lhe deixar algum do seu património em testamento. Viriato (André Maia) , irmão de Maria Clara, é um lunático preso numa cadeira de rodas que usa a irmã para os seus esquemas sórdidos de vingança.

Maria Clara ascende na Vaz Hotel confiante no testamento e arma-se em patroa, para complicar a situação esta cria grandes opositores na empresa, Jorge, Henrique e Rosário. Rosário Vieira (Filomena Gonçalves), filha de Henriqueta Vieira (Carmen Santos) e Juvenal Vieira (João Rodrigo), namora com Jorge Malheiros (José Boavida).

Carolina (Manuela Carlos) , quer voltar a exercer a sua profissão de enfermagem, o seu marido Zé Maria (Luís Mata) passa dificuldades económicas, então decide aceitar o emprego de cuidar de António Vaz, o adoentado empresário começa a desenvolver sentimentos por Carolina, fazendo com que este peça para alterar o seu testamento favorecendo então outras pessoa dentre elas Carolina, Henriqueta e Rosário.

Com o surgimento de Carolina (Manuela Carlos), e Henriqueta (Carmen Santos) em cena que fazem António Vaz mudar as suas pretensões de quem vai deixar o seu património, Maria Clara vai começar um processo de afastamento dos potenciais herdeiros da herança. Todos os dias Viriato, delineia os passos seguintes da irmã, para que esta os ponha em prática na empresa.

Henrique (Tozé Martinho) é um homem apaixonado por Joana Simões (Margarida Reis), é também confrontado com um possível caso amoroso com Elena Sardi (Alexandra Leite), este é um grande opositor de Maria Clara.

Zana (João Maria Ameal), é uma criança que fica aos cuidados de Rosa (Isabel Quental) [e posteriormente será raptado], com a necessidade da figura materna este chama Elena Sardi (Alexandra Leite) de mãe, a única filha dos Sardi, quando vai à mansão da família com Chinita (Teresa Nagrão), empregada de balcão, que nesse dia conhece Renato (Rui Luís Brás), é quase uma paixão instantânea, os dois vivem uma grande paixão, até que Laura Maria (Sofia Lukeni) a melhor amiga da empregada entra no meio dos dois.

Já sem escolha a dupla mata António Cortesão Vaz, Maria Clara e o irmão festejam a morte do velho e tentam limpar todos os vestígios da tramoia que criaram. Com a morte do patrão e após o funeral o comportamento de Maria Clara altera-se, a empregada começa a disparar para todos os lado e enlouquece, insultando os trabalhadores da empresa, sendo então Henrique quem decide pôr termo à situação e ficar à frente da Vazotel.

No final da novela o testamento é lido, e é Rosário quem fica com a empresa. Descobre-se que Maria Clara e Viriato não herdaram o empreendimento e apenas uma casa de férias que em nada iria satisfazer os desejos de poder. Viriato revela que afinal consegue andar e atira a irmã de uma falésia explodindo a sua casa a seguir com gás. As restantes personagens festejam a derrota dos irmãos e fazem a festa na empresa.

ElencoEditar


Referências

  1. Fantastic. «Especial TVI - 20 Anos de Novelas». Fantastic - Mais do que Televisão. Consultado em 12 de setembro de 2021 
  2. ««Telhados de Vidro» foi a primeira novela transmitida na TVI». TVI Player. Consultado em 8 de abril de 2021 
  3. Alves de Sousa, Isolino (2019). TELEVISÃO E FICÇÃO TELEVISIVA EM PORTUGAL (1974-1992) - Do advento da democracia à liberalização da atividade televisiva (PDF). Porto: Universidade Lusófona do Porto. p. 155. 317 páginas 
  4. Infopédia. «Rosa Lobato de Faria - Infopédia». Infopédia - Dicionários Porto Editora. Consultado em 9 de abril de 2021 
  5. SAPO. ««Vila Faia» tem 30 anos». SAPO Mag. Consultado em 9 de abril de 2021  «O sucesso da telenovela impulsionou a produção de outras novelas nos anos seguintes, sempre na RTP - até à abertura dos canais privados SIC e TVI na década de 1990 -, como «Chuva na Areia» (1985), «Palavras Cruzadas» (1987) e «Telhados de Vidro» (1994).»
  6. Salema, Rodrigo Nogueira, Isabel. «Morreu Dina, uma pioneira da canção pop». PÚBLICO. Consultado em 12 de setembro de 2021 
  7. SAPO. «De "Telhados de Vidro" a "Impostora": Estas canções deram nomes a novelas». SAPO Mag. Consultado em 12 de setembro de 2021 
  8. «Dina». Agenda Cultural de Lisboa. 23 de março de 2016. Consultado em 12 de setembro de 2021 
  9. «Carmen Santos». HIT Management. Consultado em 12 de setembro de 2021