Abrir menu principal

Templo de Juno Moneta

Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Templo de Juno.
Templo de Juno Moneta
Maquete do cume do Monte Capitolino: o maior templo é o de Templo de Júpiter Capitolino. Um dos demais é o Templo de Juno Moneta.
Denário de prata com a efígie de Juno Moneta.
Tipo Templo romano
Construção 344 a.C.[1]
Promotor / construtor Lúcio Fúrio Camilo
Geografia
País Itália
Cidade Roma
Localização VIII Região - Fórum Romano
Coordenadas 41° 53' 36" N 12° 29' 1" E
Templo de Juno Moneta está localizado em: Roma
Templo de Juno Moneta
Templo de Juno Moneta

Templo de Juno Moneta (em latim: Templum Iunonis Monetæ) era um antigo templo romano da era republicana que ficava na Cidadela do Capitolino (arx), dominando o Fórum Romano[2]. No centro da antiga cidade de Roma, era o local onde as moedas romanas eram cunhadas, um costume que deu início à antiga prática de cunhar moedas em templos[3]. Era ali também que se abrigavam os livros dos magistrados.

EtimologiaEditar

Juno Moneta, um epíteto da deusa romana Juno, era a protetora dos recursos financeiros. Por conta disto, todas as moedas da Roma Antiga foram cunhadas em seu templo por quatro séculos, até finalmente o local ser alterado para um outro, próximo do Coliseu, durante o reinado de Domiciano[1].

Assim, moneta passou a significar "casa da moeda" em latim, um termo utilizado em obras de escritores antigos como Ovídio, Marcial, Juvenal e Cícero. O termo também está na raiz de vários termos financeiros em língua portuguesa, como "monetário" e "moeda".

Cícero sugere que o nome deriva do verbo "monere" ("avisar", "alertar"), pois, durante um terremoto, uma voz vinda deste templo teria exigido o sacrifício expiatório de uma porca grávida, uma referência à antiga lenda romana de que os gansos sagrados de Juno teriam alertado o comandante Marco Mânlio Capitolino sobre o avanço dos gauleses em 390 a.C.. Moneta é também o nome utilizado para Mnemósine, mãe das musas, por Lívio Andrônico em sua tradução da Odisseia, e também por Higino, que cita Júpiter e Moneta como pais das musas. O nome "Mnemósine" ("memória") estava ligado a Juno Moneta, que mantinha em seu templo um minucioso registro dos eventos históricos[2].

HistóriaEditar

No início da guerra contra os auruncos (aurunci), em 345 a.C., o ditador Lúcio Fúrio Camilo decidiu pedir a ajuda dos deuses em seu conflito jurando construir um templo a Juno Moneta. Apesar de retornar vitoriosamente a Roma, ele renunciou ao seu posto e o senado nomeou dois encarregados para construir o templo. Eles escolheram um local na cidadela onde ficava a casa de Marco Mânlio Capitolino, e dedicaram o templo um ano depois do juramento pelos cônsules Tito Mânlio Imperioso Torquato e Caio Márcio Rutilo[1]. Segundo Lívio, esta dedicação foi seguida por uma chuva de pedras e um escurecimento do céu, um prodígio que levou a nomeação de um ditador feriarum constituendarum causa, Públio Valério Publícola (com poderes limitados)[4]. O evento também foi relatado nos "Fastos", de Ovídio[5][6].

O templo abrigava os Libri Lintei, os registros dos cônsules eleitos anualmente, de 444 a.C. até 428 d.C.. A partir de 273 d.C., a casa da moeda romana e suas oficinas foram anexadas ao templo[2]

Segundo a lenda, foi neste local que uma sibila teria previsto a chegada de Cristo ao imperador Augusto, que teria recebido uma visão celestial da Virgem Maria num altar segurando o Menino Jesus. Augusto teria supostamente construído um altar no local depois da visão — o "altar celestial" ou "ara coeli" — e a igreja de Santa Maria in Aracoeli se desenvolveu à volta dele. A estrutura atual certamente não é da época de Augusto (e o Império Romano só se tornou oficialmente cristão no século IV), mas, no século IV, ela já era considerada "antiga". O edifício foi depois reconstruído e a atual estrutura data do século XIII[7].

LocalizaçãoEditar

Por causa da falta de vestígios e das poucas informações sobre sua localização exata, o templo é considerado um enigma na topografia da Roma Antiga. Porém, todos concordam que ele ficava no cume da Cidadela Capitolina e não nas duas outras áreas do monte Capitolino. Alguns topógrafos colocam o templo exatamente abaixo da atual igreja de Santa Maria in Aracoeli, ao passo que outros defendem que ele ficava mais próximo da beira da colina, de frente para o Fórum Romano, ao lado da escada que leva ao fundo da igreja[1].

Embora a tradição fale sobre a construção do templo no local da casa do herói Mânlio[1], as fontes antigas do período das Guerras Gálicas de 390 a.C., sugerem a existência de um templo anterior, que foi relacionado a dois artefatos arcaicos em terracota encontrados no jardim da igreja e datando do período entre os séculos V e IV a.C. Outros restos de paredes e pedras também sobreviveram no jardim e foram atribuídos pelos estudiosos às fortificações da Cidadela, remontando provavelmente às supostas fases arcaicas e republicadas no templo[8].

Planimetria do Capitólio antigo


Referências

  1. a b c d e Peter J. Aicher, Bolchazy-Carducci Publishers, (2004). Rome Alive: A Source-Guide to the Ancient City, Volume 1 p.66-68.
  2. a b c R. Joy Littlewood, Oxford University Press, (2006). A Commentary on Ovid's Fasti, Book 6 p.57. ISBN 0-19-156920-8
  3. Mark C. Taylor, University of Chicago Press, (1992). Disfiguring: Art, Architecture, Religion p. 146.
  4. Lívio, Ab Urbe condita VII, 2, 28.
  5. William Smith, Walton & Maberly, (1857). Dictionary of Greek and Roman geography, Volume 2 p.766.
  6. Fastos, de Ovídio, (vi. 183-186); Ovídio, Notes & Introduction: Thomas Keightley, Richard Miliken and Son, 1833. Fastos de Ovídio, p.229.
  7. George H. Sullivan, Da Capo Press, (2006). Not Built in a Day: Exploring The Architecture of Rome p. 33. ISBN: 0-78-671749-1
  8. The Temple of Juno Moneta, Ancient Capitol Musei Capitolini Retrieved on April 17, 2012.