Temporada de ciclones no Pacífico Sul de 2005-2006

temporada de ciclones no Pacífico Sul

Temporada de ciclones no Pacífico Sul de 2005-2006
imagem ilustrativa de artigo Temporada de ciclones no Pacífico Sul de 2005-2006
Mapa resumo da temporada
Datas
Início da atividade 30 de novembro de 2005
Fim da atividade 21 de abril de 2006
Tempestade mais forte
Nome Wati
 • Ventos máximos 155 km/h (100 mph)
 • Pressão mais baixa 950 hPa (mbar)
Estatísticas sazonais
Total depressões 15
Ciclones tropicais 5
Ciclones tropicais severos 3
Total fatalidades nenhuma reportada
Danos $0,03 (2006 USD)
Artigos relacionados
Temporadas de ciclones tropicais no Pacífico Sul
2003–04, 2004–05, 2005–06, 2006–07, 2007–08

A temporada de ciclones no Pacífico Sul de 2005-2006 foi um evento no ciclo anual de formação de ciclones tropicais. A temporada começou em 1 de novembro de 2005 e e terminou em 30 de abril de 2006. Estas datas delimitam convencionalmente o período de cada ano quando a maioria dos ciclones tropicais se formam no Oceano Pacífico sul a leste do meridiano 160 E. Além do mais, o plano de operações sobre ciclones tropicais define um "ano de ciclones tropicais" separado da temporada de ciclones tropicais. Este "ano" começou em 1 de julho de 2005 e terminou em 30 de julho de 2006.[1]

Os ciclones tropicais que se formam entre os meridianos 160°L e 120°O e entre a Linha do Equador e a latitude 25°S são monitorados pelo Serviço Meteorológico de Fiji. Os ciclones tropicais que se formam entre os mesmos meridianos citados acima e ao sul da latitude 25°S são monitorados pelo Centro de Aviso de Ciclone Tropical (CACT) em Wellington, Nova Zelândia.[1]

Previsões da temporada

editar
Fonte
recorde
Ciclone
Tropical
Ciclone
Tropical Severo
Ref
Recorde alto: 1997–98:16 1982–83:10 [2]
Recorde baixo: 2003–04: 3 1994–95: 1 [2]
RSMC Nadi 7–9 - [3]
Atividade durante a temporada: 5 3

Durante Outubro de 2005, tanto o RSMC Nadi quanto o Instituto Nacional de Água e Pesquisa Atmosférica da Nova Zelândia emitiram previsões sazonais que continham informações sobre o que era esperado para ocorrer durante a temporada de ciclones tropicais 2005-06. Ambas as agências esperavam que a temporada veria uma quantidade quase média de atividade ciclônica no dia em que não houvesse El Nino ou La Nina. Como resultado destas condições, o RSMC Nadi previu que entre 7-9 ciclones tropicais se desenvolveriam, enquanto o NIWA não previu quantos ciclones tropicais haveria durante a temporada. O RSMC Nadi também informou que Fiji tinha uma maior chance de ser atingido por um ciclone tropical nesta temporada do que durante as temporadas anteriores. A NIWA também previu que havia um risco médio de um ciclone tropical chegando a 550 km de Fiji, Tonga, Niue, Vanuatu, Nova Caledônia, Wallis e Futuna, Ilhas Cook do Sul, Samoa e Nova Zelândia.[3][4]

Resumo sazonal

editar
Ciclone LarryCiclone VaianuCiclone UrmilCiclone TamEscalas de ciclones tropicais

Sistemas

editar

Depressão tropical 03F

editar

Depressão tropical (Escala Australiana)
 
Imagem de satélite
 
Trajetória
Duração 8 de dezembro – 16 de dezembro
Intensidade máxima 35 km/h (25 mph) (10-min)  1001 hPa (mbar)

Formou-se em 8 de dezembro e dissipou-se em 18 de dezembro de 2005.

Ciclone tropical Tam

editar

ciclone tropical categoria 1 (Escala Australiana)
Tempestade tropical (SSHWS)
 
Imagem de satélite
 
Trajetória
Duração 6 de janeiro – 14 de janeiro
Intensidade máxima 85 km/h (50 mph) (10-min)  987 hPa (mbar)
 Ver artigo principal: Ciclone Tam

Tam originou-se em 6 de janeiro como a depressão tropical 04F perto de 15°S 179.5°E. O sistema permaneceu por alguns dias, aparentando enfraquecer significativamente, mas fortaleceu-se mais tarde. Como Tam se moveu para o sudeste em 12 de janeiro, um aviso de tempestade foi emitido para Tonga e mais tarde para Niue, bem como Samoa Americana. Tam acelerou para sudeste e tornou-se extratropical em 14 de Janeiro.

Depressão tropical 05F

editar

Depressão tropical (Escala Australiana)
 
Imagem de satélite
 
Trajetória
Duração 10 de janeiro – 13 de janeiro
Intensidade máxima 55 km/h (35 mph) (10-min)  996 hPa (mbar)

Formou-se em 10 de janeiro e dissipou-se em 13 de janeiro de 2006.

Ciclone tropical Urmil

editar

ciclone tropical categoria 2 (Escala Australiana)
Tempestade tropical (SSHWS)
 
Imagem de satélite
 
Trajetória
Duração 13 de janeiro – 15 de janeiro
Intensidade máxima 110 km/h (70 mph) (10-min)  975 hPa (mbar)
 Ver artigo principal: Ciclone Urmil

A segunda tempestade nomeada da temporada formou-se a partir de uma perturbação tropical fraca em 13 de janeiro.[5] Mais tarde naquele dia, o CMRE de Nadi começou a emitir avisos sobre o sistema e classificou-o como Depressão Tropical 06F enquanto estava localizado a cerca de 370 km a oeste de Pago Pago Pago, Samoa Americana. Com condições ambientais favoráveis na sequência do ciclone tropical Tam, a depressão rapidamente se organizou, fortalecendo-se para um ciclone de categoria 1 seis horas após o primeiro aviso ter sido emitido e recebeu o nome de Urmil.[5][6] Várias horas depois, o JTWC também começou a emitir alertas em Urmil, designando-o como Ciclone Tropical 07P.[7] Em 14 de Janeiro, Urmil passou por um breve período de aprofundamento explosivo,[6] atingindo a sua intensidade de pico de 110 km/h (70 mph 10-min).[5] Não muito tempo depois de atingir o seu pico, aumento do cisalhamento do vento, águas mais frias, e o movimento mais rápido para a frente fez com que a tempestade enfraquecesse. Em 15 de janeiro, Urmil passou a ser um ciclone extratropical. Mais tarde, naquele dia, os remanescentes da tempestade foram absorvidos nos alísios de latitude média.[6]

O ciclone tropical Urmil teve pouco impacto em terra, com ventos fortes sendo sentidos apenas em Tonga.[8] Chuvas intensas exageraram as inundações produzidas pelo ciclone Tam no início de janeiro e causaram pequenos danos nas culturas.[9][10]

Depressão tropical 07F

editar

Depressão tropical (Escala Australiana)
 
Imagem de satélite
 
Trajetória
Duração 15 de janeiro – 16 de janeiro
Intensidade máxima 30 km/h (15 mph) (10-min) 

Ciclone tropical severo Jim

editar

ciclone tropical severo categoria 3 (Escala Australiana)
Ciclone tropical categoria 1 (SSHWS)
 
Imagem de satélite
 
Trajetória
Duração 30 de janeiro – 3 de fevereiro
Intensidade máxima 150 km/h (90 mph) (10-min)  955 hPa (mbar)

Depressão tropical 10F

editar

Depressão tropical (Escala Australiana)
 
Imagem de satélite
 
Trajetória
Duração 2 de fevereiro – 4 de fevereiro
Intensidade máxima 55 km/h (35 mph) (10-min)  998 hPa (mbar)

Depressão tropical 11F

editar

Depressão tropical (Escala Australiana)
 
Imagem de satélite
 
Trajetória
Duração 8 de fevereiro – 10 de fevereiro
Intensidade máxima 35 km/h (25 mph) (10-min) 

Formou-se em 8 de fevereiro e dissipou-se em 10 de fevereiro de 2006.

Ciclone tropical severo Vaianu

editar
 Ver artigo principal: Ciclone Vaianu

ciclone tropical severo categoria 3 (Escala Australiana)
Ciclone tropical categoria 1 (SSHWS)
 
Imagem de satélite
 
Trajetória
Duração 9 de fevereiro – 22 de fevereiro
Intensidade máxima 130 km/h (80 mph) (10-min)  965 hPa (mbar)

Depressão tropical 13F

editar

Depressão tropical (Escala Australiana)
 
Imagem de satélite
 
Trajetória
Duração 19 de fevereiro – 26 de fevereiro
Intensidade máxima 35 km/h (25 mph) (10-min) 

Formou-se em 19 de fevereiro e dissipou-se em 26 de fevereiro de 2006.

Ciclone tropical severo Wati

editar

ciclone tropical severo categoria 3 (Escala Australiana)
Ciclone tropical categoria 1 (SSHWS)
 
Imagem de satélite
 
Trajetória
Duração 17 de março – 28 de março
Intensidade máxima 140 km/h (85 mph) (10-min)  965 hPa (mbar)

Nomes das tempestades

editar

Áreas de baixa pressão de escala sinótica que se formam sobre águas quentes são nomeados a qualquer momento, desde que análises via Técnica Dvorak indiquem ventos fortes perto do centro do sistema. Diferente do padrão atlântico, um sistema tropical não nomeado poderá ter ventos fortes em um ou mais quadrantes, mas nunca perto do centro.[1]

Ciclones tropicais que se formam entre os meridianos entre 160°L e 120°W são monitorados pelo Serviço Meteorológico de Fiji (SMF). Nunca foi observado a formação de um ciclone tropical a leste do meridiano 120°O e a costa oeste da América do Sul.[11] Se futuramente um ciclone tropical se formar nesta região, é incerto como ele será monitorado.

Os nomes são dados em listas sequenciais. Os nomes usados na temporada de 2005 e 2006 estão listados abaixo:[12]

Além disso, o nome "Jim", que se formou e ganhou seu nome na área de responsabilidade do Centro de Aviso de Ciclone Tropical (CACT) de Brisbane, Austrália, manteve seu nome ao entrar na área de responsabilidade do Centro Meteorológico Regional Especializado (CMRE) de Nadi.

Efeito sazonais

editar
Nome Datas ativo Classificação máxima Velocidade de vento
sustentados
Pressão Áreas afetadas Danos
(USD)
Fatalidades Refs
01F 30 de novembro – 2 de dezembro Depressão tropical Não definido 1004 hPa (29.6 inHg) Nenhum Nenhum Nenhum
02F 3 de dezembro–6 Depressão tropical Não definido 1002 hPa (29.6 inHg) Nenhum Nenhum Nenhum
Tam 6 de janeiro–14 Cat 1 85 km/h (50 mph) 987 hPa (29.1 inHg)
09F 30 de janeiro Depressão tropical Não definido 994 hPa (29.4 inHg) Nenhum Nenhum Nenhum

Ver também

editar

Referências

  1. a b c «Tropical Cyclone Operational Plan for the South Pacific and South-East Indian Ocean» (PDF). WMO. 2006. Consultado em 15 de agosto de 2008. Cópia arquivada (PDF) em 11 de setembro de 2008 
  2. a b Climate Services Division (26 de outubro de 2010). Tropical Cyclone Guidance for Season 2010/11 for the Fiji and the Southwest Pacific (PDF) (Relatório). Fiji Meteorological Service. Consultado em 6 de abril de 2012. Arquivado do original (PDF) em 27 de fevereiro de 2012 
  3. a b Climate Services Division (1 de novembro de 2005). Fiji Islands Weather Summary outubro 2005 Volume:5/26 Issue:5 (PDF) (Relatório). Fiji Meteorological Service. p. 5. Consultado em 1 de agosto de 2011. Cópia arquivada (PDF) em 1 de agosto de 2011 
  4. Salinger, Jim; Burgess, Stuart; Renwick, Jim (2005). «Tropical cyclone guidance for the 2005/06 season». National Institute of Water and Atmospheric Research. Island Climate Update. 61 (20 de outubro05). Consultado em 1 de agosto de 2011. Cópia arquivada em 1 de agosto de 2011 
  5. a b c Fiji Meteorological Service (2006). «Tropical Cyclone Summary: 2005–2006 Season» (PDF). World Meteorological Organization. Consultado em 12 de maio de 2009. Arquivado do original (PDF) em 27 de dezembro de 2011 
  6. a b c Gary Padgett (25 de abril de 2006). «Monthly Tropical Weather Summary for janeiro 2006». Typhoon 2000. Consultado em 11 de março de 2009. Cópia arquivada em 24 de fevereiro de 2009 
  7. Joint Typhoon Warning Center (16 de janeiro de 2006). «JTWC Advisories for Tropical Cyclone 07P (Urmil)». Australia Severe Weather. Consultado em 11 de março de 2009 
  8. Kevin Vang (14 de janeiro de 2006). «Cyclone Urmil develops from Tropical Depression 06F; Urmil over Tafahi and Niuatoputapu». AFAP Asia-Pacific Disaster Alerts. Consultado em 11 de março de 2009. Arquivado do original em 7 de agosto de 2008 
  9. Staff Writer (16 de janeiro de 2006). «Cyclones cause minimal damage to Niuatoputapu in northern Tonga». Radio New Zealand. Consultado em 11 de março de 2009 
  10. Staff Writer (27 de janeiro de 2006). «Hurricanes fizzle out in Samoa, where some of the policemen wear skirts». Lohontan Valley News. Consultado em 11 de março de 2009 
  11. https://metocph.nmci.navy.mil/jtwc/best_tracks/shindex.html
  12. http://www.wmo.int/pages/prog/www/tcp/documents/FactShtTCNames1July05.pdf

Ligações externas

editar
 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Temporada de ciclones no Pacífico Sul de 2005-2006