Abrir menu principal

Wikipédia β

Tentativa de golpe de Estado na Turquia em 2016

Tentativa de golpe de Estado na Turquia em 2016
Tentativa de golpe de Estado na Turquia.jpg
Apoiadores do governo protestam na Praça Taksim contra a tentativa de golpe.
Data 15 de julho – 16 de julho de 2016
Local Ancara, Istambul, Marmaris e Malatya
Desfecho Golpe fracassado[1]

Acontecimentos notáveis:

  • Parlamento Nacional bombardeado.[2]
  • Palácio Presidencial bombardeado.[3]
  • Residência de Erdoğan em Marmaris foi atacada, levando a confrontos entre policiais e soldados pró-golpe.[4]
  • 265 mortos e 1.440 feridos.[5][6]
Combatentes
Turquia Conselho de Paz da Turquia Turquia Governo da Turquia
Vítimas
2 Helicópteros Sikorsky derrubados[14][15]
104 militares pró-golpe mortos[16]
7 543–8 777 presos (incluindo 6 030 soldados)[16]
67 mortos (62 policiais e 5 militares)[17]

Uma tentativa de golpe de Estado na Turquia ocorreu em 15 de julho de 2016, porém fracassou. A investida foi supostamente orquestrada por uma facção pertencente às Forças Armadas Turcas.[18] Entretanto, ainda não estão claros os motivos da ofensiva militar nem seus principais líderes.

Apesar de a tentativa não ter cumprido com sua finalidade, propriedades foram danificadas, mais de mil pessoas ficaram feridas e outras centenas morreram.[19] Em Ancara, o Parlamento Nacional e o Palácio Presidencial foram bombardeados. Tiros também foram ouvidos perto dos principais aeroportos de Ancara e Istambul.[20]

As reações, tanto em nível nacional como internacional, foram amplamente desfavoráveis à tentativa de golpe. Os principais partidos de oposição condenaram o movimento, enquanto vários líderes internacionais, notadamente da União Europeia, e a NATO pediram respeito às instituições democráticas na Turquia e aos seus representantes eleitos.[21][22]

O governo reagiu rapidamente, denunciando o putsch e logo passou a demitir, processar e prender os envolvidos, incluindo militares e juízes.[23][24]

A primeira reação oficial veio do primeiro-ministro Binali Yıldırım, que, um dia depois da tentativa golpista, declarou aos meios de comunicação que a situação estava "completamente sob controle."[25][26][27]

Índice

AntecedentesEditar

 Ver artigo principal: História da República da Turquia

Desde que o estado moderno da Turquia foi estabelecido em 1923, as Forças Armadas do país (TSK) promoveram três golpes de Estado—em 1960, 1971 e 1980.[28] Em 1997, o primeiro-ministro Necmettin Erbakan renunciou após receber um memorando do almirante Salim Dervişoğlu que solicitava sua saída. Por não ter ocorrido derramamento de sangue ou a imposição de um regime militar, a renúncia de Erbakan foi considerada o primeiro "golpe pós-moderno".[29][30] Os militares historicamente se consideram o guardião do Estado secular, estabelecido durante o governo de Mustafa Kemal Atatürk, o fundador da Turquia moderna, enquanto que o presidente Recep Tayyip Erdoğan era frequentemente acusado de tentar islamizar o país.[31][32]

Nos anos que antecederam a tentativa de golpe em 2016, ocorreram os julgamentos de 275 pessoas consideradas integrantes da Ergenekon, uma suposta rede de golpistas que incluía altos oficiais militares, jornalistas, advogados e acadêmicos.[33][34] Este grupo era visto pelo presidente Erdoğan como uma tentativa de líderes civis de dominarem as forças armadas para derrubá-lo.[35] Essas pessoas foram acusadas de planejar golpes em 2003 e 2004 contra o então Primeiro-Ministro Erdoğan.[36] Em abril de 2016, as condenações desse caso foram derrubadas pela mais alta corte de apelações do país, que determinou que a existência de tal rede não havia sido comprovada.[37][38]

Em 13 de julho de 2016 Erdoğan sancionou uma lei que garantia imunidade aos soldados turcos que participassem de operações de segurança interna. Pela nova legislação, os processos contra comandantes militares necessitavam da aprovação do Primeiro-Ministro, enquanto que os processos contra soldados inferiores necessitavam da aprovação dos governadores distritais. O projeto de lei foi visto como parte de uma détente entre o governo e as Forças Armadas, que havia crescentemente assumido operações militares contra a milícia curda no leste do país.[39]

Desenvolvimento da tentativa de golpeEditar

Conforme relatado, em 15 de julho de 2016, pouco antes das 23 horas (UTC+3), jatos militares foram vistos voando sobre Ancara. A Ponte Fatih Sultão Mehmet e a Ponte do Bósforo em Istambul foram fechadas, bloqueando o acesso terrestre à cidade.[40][41][42]

Logo depois, a imprensa local informou que tanques invadiram o aeroporto Atatürk, impedindo pousos e decolagens, bloqueando o acesso aéreo na cidade.[43] Utilizadores da Internet na Turquia foram impedidos de acessar o Twitter, Facebook e YouTube.[44][45] Em comunicado, o Twitter afirmou que não havia razão para o bloqueio.[46]Algumas pessoas foram feitas de reféns na sede das Forças Armadas, incluindo o comandante Hulusi Akar.[47] Os militares também invadiram a sede do Partido da Justiça e Desenvolvimento em Istambul.[48]

Uma declaração emitida pelas Forças Armadas afirmou que estava no controle de todo o país, que iria manter o direito da liberdade e os acordos fixados com outros países.[49][50] Além disso, afirmaram que a tomada ocorreu para "preservar a ordem democrática".[51] O comandante das Forças Armadas afirmou que as mesmas não apoiaram o golpe, que, segundo ele, foi perpetuado por uma pequena facção dentro das mesmas.[52]

Às 21:02 (UTC), foi noticiado pela Reuters que os soldados turcos haviam invadido a sede da Türkiye Radyo Televizyon Kurumu (TRT), em Ancara.[49] Depois de os militares tomarem o controle do edifício, um militar leu uma declaração afirmando que o direito de democracia, por oito anos, não estava sendo cumprido pelo governo atual e que o país estaria agora liderado por um conselho de paz, que iria garantir a segurança da população.[45] O canal foi logo em seguida retirado do ar.[49]

Os militares ainda afirmaram que uma nova constituição estava sendo preparada e seria apresentada em breve.[51] Uma explosão na sede da TRT e tiros foram ouvidos em Ancara.[51]

Tanques abriram fogo próximo ao edifício da Grande Assembleia Nacional.[49] Relatórios divulgados pelo governo confirmam o bombardeamento do Parlamento.[53] Manifestantes foram feridos pelos soldados ao protestar na ponte do Bósforo.[51]

Um helicóptero pertencente às Forças Armadas foi abatido por um caça militar turco.[51][54] Há também relatos afirmando que os jatos militares voaram sobre Ancara para abater possíveis aeronaves das Forças Armadas para o golpe.[51]

Inicialmente, ambos os lados do conflito reivindicaram a vitória. Em um comunicado divulgado após as primeiras notícias da tentativa, o Exército afirmou ter tomado o controle de todo o país. O governo turco, entretanto, negou a notícia e afirmou que "aqueles que tentarem um golpe de Estado pagarão um preço alto."[55]

Reação do governoEditar

O presidente Erdoğan convocou então a população para as ruas para responder ao golpe. Milhares de pessoas foram as ruas para se manifestar contra as forças golpistas.[56]

À 1h da manhã do dia 16 de julho, foi reportado que as tropas golpistas estavam se retirando do aeroporto internacional de Atatürk frente a chegada de forças leais ao presidente.[57] Ao amanhecer, o próprio Erdoğan chegou a Istambul.[58] Quase ao mesmo tempo, um helicóptero UH-60 levando militares golpistas (ao menos oito) deixaram o país rumo a Grécia. Todos os oficiais foram presos quando pousaram por lá.[59]

Ainda na manhã de 16 de julho, militares golpistas que haviam firmado posição na ponte de Bósforo começaram a se render.[60] Partidários do governo, contudo, se lançaram contra soldados e alguns foram linchados.[61] Enquanto isso, pelo menos 700 militares pró-golpe foram presos no quartel-general do exército.[62] Até o fim do dia 16 e nos dias seguintes, militares e civis simpatizantes do movimento começaram a ser presos às centenas, liquidando o golpe em definitivo.[63]

ConsequênciasEditar

ExpurgosEditar

 
Manifestação contra o golpe em Tokat

Um extenso expurgo do serviço civil turco começou logo após a tentativa de golpe, sendo que o presidente Erdoğan alertou seus adversários de que "eles vão pagar um preço alto por isso."[63] O jornal estadunidense The New York Times, juntamente com alguns outros meios de comunicação ocidentais, como a revista britânica The Economist,[64] descreveu os expurgos como um "contragolpe", sendo que o Times disse que espera que Erdoğan "se torne mais vingativo e obcecado com o controle como nunca antes, ao explorar a crise não apenas para punir soldados amotinados, mas para reprimir ainda mais o que resta de dissidência política na Turquia".[63] Em 20 de julho de 2016, mais de 45.000 militares, policiais, juízes, governadores e funcionários públicos haviam sido detidos ou suspensos, incluindo 2.700 juízes, 15.000 professores e todos os reitores universitário do país.[65][66]

Em 18 de julho de 2016, o Secretário de Estado dos Estados Unidos, John Kerry, pediu para que as autoridades turcas cessassem as ações de repressão contra os cidadãos do país, sugerindo que tais ações teriam como objetivo "suprimir a dissidência" política. O chanceler francês, Jean-Marc Ayrault, expressou preocupação acerca de um "sistema político que se afasta da democracia", em alusão aos expurgos.[67] O governo francês também afirmou que Erdoğan não pode usar o golpe como um "cheque em branco" para iniciar purgas.[68]

Em 20 de julho, a agência Fars News noticiou que o Millî İstihbarat Teşkilatı (o serviço de inteligência turco, conhecido localmente como MIT) havia sido informado, pela inteligência russa, sobre a iminente tentativa de golpe, horas antes do seu início. [69]Segundo a agência, militares russos haviam interceptado comunicações entre militares turcos sobre um complô que estaria sendo organizado para depor o presidente Erdoğan.[70][71]

Alegações contra Fethullah GülenEditar

Fethullah Gülen, a quem Erdoğan tinha acusado de ser um dos principais conspiradores, condenou veementemente a tentativa de golpe e negou qualquer participação no episódio. "Condeno, nos termos mais fortes, a tentativa de golpe militar na Turquia", disse ele em um comunicado enviado por email relatado pelo The New York Times. "O governo deve ser ganho através de um processo de eleições livres e justas, não pela força. Peço a Deus pela Turquia, pelos cidadãos turcos e por todos aqueles atualmente na Turquia para que esta situação seja resolvida pacificamente e rapidamente. Para alguém que sofreu sob múltiplos golpes militares durante as últimas cinco décadas, é especialmente insultuoso ser acusado de ter qualquer ligação com tal tentativa. Nego categoricamente tais acusações".[58]

O presidente Erdogan pediu aos Estados Unidos a extradição de Gülen: "Peço-lhe novamente, depois houve uma tentativa de golpe, que extradite este homem da Pensilvânia para a Turquia. Se somos parceiros estratégicos ou parceiros modelo, faça o que é necessário".[72] O primeiro-ministro turco Yıldırım chegou a ameaçar guerra contra qualquer país que apoiar Gülen.[73]

Após o apelo de Erdoğan, Gülen, em uma de suas raras entrevistas, levantou a possibilidade de o golpe ter sido um trabalho interno do próprio governo de Erdoğan para justificar a repressão posterior.[74]

Ver tambémEditar

Referências

  1. «Motivos e repercussões do golpe militar frustrado na Turquia». IstoÉ. 16 de julho de 2016. Consultado em 15 de julho de 2016 
  2. «Ankara parliament building 'bombed from air' – state agency». RT. 15 de julho de 2016. Consultado em 16 de julho de 2016 
  3. «At least 60 dead in attempted Turkish coup as shootouts continue in Ankara & Istanbul». RT. 15 de julho de 2016. Consultado em 16 de julho de 2016 
  4. «Marmaris'te Erdoğan'ın oteli vuruldu!». Milliyet. 16 de julho de 2016. Consultado em 16 de julho de 2016 
  5. «Turkey coup attempt live updates». The Guardian. 16 de julho de 2016. Consultado em 16 de julho de 2016 
  6. «Turkey PM: Attempted coup leaves 265 people dead». Al Jazeera. 16 de julho de 2016. Consultado em 16 de julho de 2016 
  7. Simon Osborne e Rob Virtue (15 de julho de 2016). «TURKISH MILITARY COUP LATEST: 48 dead and 150 injured as plot to overthrow Erdogan 'FAILS'». Express. Consultado em 16 de julho de 2016 
  8. «Uncertainty in Turkey after military faction coup attempt». CBS. 15 de julho de 2016. Consultado em 16 de julho de 2016 
  9. a b «Tuğgeneraller cuntası kurulacaktı». Al Jazeera. 16 de julho de 2016. Consultado em 16 de julho de 2016 
  10. «The Latest: Prime minister appoints acting military chief». Associated Press. 15 de julho de 2016. Consultado em 16 de julho de 2016 
  11. «BREAKING: Military Coup In Turkey Against Islamist President. Here's Everything You Need to Know.». The Daily Wire. 15 de julho de 2016. Consultado em 16 de julho de 2016 
  12. «Turkey Coup LIVE: 42 people killed in Ankara, President Erdogan calls it 'treason'». The Indian Express. 16 de julho de 2016. Consultado em 16 de julho de 2016 
  13. «Aliado de Merkel acredita que Erdogan fortalecerá seu controle sobre o poder». Reuters. 16 de julho de 2016. Consultado em 16 de julho de 2016 
  14. Matt Payton (15 de julho de 2016). «Turkish Coup Attempt: A Turkish fighter jet has shot down a military helicopter 'used by the coup plotters'». Independent. Consultado em 16 de julho de 2016 
  15. «Darbe girişimi 11'inci Cumhurbaşkanı Gül'ün yaveri de gözaltında». Diken. 16 de julho de 2016. Consultado em 16 de julho de 2016 
  16. a b News, ABC (18 de julho de 2016). «The Latest: Turkish Journalists Condemn Raids Against Media» 
  17. "Turkey shuts 1,000 schools, arrests wanted cleric’s nephew". Página acessada em 29 de setembro de 2016.
  18. «Erdogan Arrives in Istanbul as Turkish Military Coup Crumbles». Haaretz. 16 de julho de 2016. Consultado em 16 de julho de 2016 
  19. «Mais de 200 pessoas morreram após tentativa de golpe na Turquia». Veja. 16 de julho de 2016. Consultado em 15 de julho de 2016 
  20. «Militares turcos tomam pontos de Ancara e Istambul e governo denuncia golpe». IstoÉ. 15 de julho de 2016. Consultado em 16 de julho de 2016 
  21. «Oposição turca condena tentativa de golpe de Estado». EFE. Uol. 15 de julho de 2016. Consultado em 15 de julho de 2016 
  22. «Líderes mundiais condenam tentativa de golpe na Turquia». Terra. 16 de julho de 2016. Consultado em 15 de julho de 2016 
  23. «Turkey: Mass arrests after coup bid quashed, says PM». BBC. 16 de julho de 2016. Consultado em 15 de julho de 2016 
  24. «Erdogan reage a tentativa de golpe na Turquia com prisões e ameaças». Folha de S. Paulo. 16 de julho de 2016. Consultado em 15 de julho de 2016 
  25. «Primeiro-ministro da Turquia denuncia tentativa de golpe de Estado». Ig. 15 de julho de 2016. Consultado em 15 de julho de 2016 
  26. «Tentativa de golpe de Estado em curso na Turquia». Expresso. 15 de julho de 2016. Consultado em 15 de julho de 2016 
  27. «Primeiro-ministro turco diz que situação está "completamente sob controlo"». TSF. 16 de julho de 2016. Consultado em 15 de julho de 2016 
  28. Tim Arango e Ceylan Yeginsu (15 de julho de 2016). «President of Turkey Urges Resistance as Military Attempts Coup». The New York Times. Consultado em 15 de julho de 2016 
  29. «Entenda as tentativas de golpe na história recente da Turquia». Mundo ao Minuto. 15 de julho de 2016. Consultado em 15 de julho de 2016 
  30. «Julgamento contra acusados de golpe de Estado de 1997 na Turquia começará segunda». France Presse. G1. 1 de setembro de 2013. Consultado em 15 de julho de 2016 
  31. «Os golpes turcos chegam ao século XXI». Época. 15 de julho de 2016. Consultado em 15 de julho de 2016 
  32. «Autoridades religiosas turcas pedem que noivos evitem namorar». France Presse. G1. 4 de janeiro de 2016. Consultado em 15 de julho de 2016 
  33. «Justiça turca absolve 21 pessoas em julgamento de rede acusada de golpe». France Presse. G1. 5 de agosto de 2013. Consultado em 15 de julho de 2016 
  34. «Ex-chefe do Exército turco é detido por tentativa de golpe». Veja. 6 de janeiro de 2012. Consultado em 15 de julho de 2016 
  35. «Turkey Ergenekon: Court quashes 'coup plot' convictions». BBC. 21 de abril de 2016. Consultado em 15 de julho de 2016 
  36. Suzan Fraser (21 de abril de 2016). «Turkish court overturns 275 verdicts in 'coup plot' trial». Associated Press. Consultado em 15 de julho de 2016 
  37. Gulsen Solaker (21 de abril de 2016). «Turkish appeals court overturns 'Ergenekon' coup plot convictions». Reuters. Consultado em 15 de julho de 2016 
  38. Krishnadev Calamur (21 de abril de 2016). «The Overturning of the Ergenekon Convictions in Turkey». The Atlantic. Consultado em 15 de julho de 2016 
  39. Hannah Lucinda Smith (15 de julho de 2016). «Erdogan gives Turkish military immunity». The Times. Consultado em 15 de julho de 2016 
  40. Suzan Fraser & Dominique Soguel. «Turkish officials say coup attempt appears to have failed». Associated Press. Consultado em 15 de julho de 2016 
  41. «Turkey coup: military attempt to seize power from Erdogan as low flying jets and gunfire heard in Ankara and bridges across Bosphorus in Istanbul closed» 
  42. «Turkish Prime Minister Reports Coup Attempt». WSJ. 15 de julho de 2016. Consultado em 15 de julho de 2016 
  43. «Turkey army group announces takeover on TV». BBC News. Consultado em 16 de julho de 2016 
  44. «Turkish military seizes power according to media reports; jets flyover Ankara, Istanbul's bridges closed — Quartz» 
  45. a b «Turkey 'coup': Live updates as explosion and gunfire reported in capital Ankara – Mirror Online» 
  46. «We have no reason». Twitter. Consultado em 15 de julho de 2016 
  47. «Live: Turkey coup». Daily Telegraph. 15 de julho de 2016. Consultado em 15 de julho de 2016 
  48. «Update - Turkish media reports». SkyNews. Consultado em 15 de julho de 2016 
  49. a b c d Levin, Sam; Rawlinson, Kevin (16 de julho de 2016). «Turkey military coup: tanks open fire near parliament building – live updates». The Guardian. Consultado em 16 de julho de 2016 
  50. «Turkish military has said in a statement that the military has taken over». The Jerusalem Post. 15 de julho de 2016. Consultado em 15 de julho de 2016 
  51. a b c d e f «Turkish army 'takes over power'». BBC News. Consultado em 16 de julho de 2016 
  52. «1. Ordu Komutanı'ndan açıklama!» [Explanation from the commander of the 1st Army !]. haber7.com (em Turkish). 16 de julho de 2016. Consultado em 15 de julho de 2016 
  53. «LIVE: Gunfire And injuries On Istanbul Bridge» 
  54. «Turkey coup: Live updates - CNN.com» 
  55. Gabriela Ruic (15 de julho de 2016). «Militares dizem ter tomado o controle na Turquia». Exame. Consultado em 15 de julho de 2016 
  56. Rawlinson, Kevin; Phipps, Claire; Levin, Sam; Kingsley, Patrick; Beaumont, Peter; Lewis, Paul; Abdul-Ahad, Ghaith; Wong, Julia Carrie; Yuhas, Alan (16 de julho de 2016). «Turkey coup attempt: Erdoğan calls military uprising 'treason' – live updates». the Guardian. Consultado em 23 de julho de 2016 
  57. «Darbe girişimi». Diken. Consultado em 16 de julho de 2016 
  58. a b «194 killed in quashed Gülenist coup attempt: Military». Hürriyet Daily News. 16 de julho de 2016. Consultado em 23 de julho de 2016 
  59. «Turkey coup: Turkish military helicopter lands in Greece and crew requests asylum». independent 
  60. «Turkish soldiers walk with hands up – CNN Video». Consultado em 16 de julho de 2016 
  61. «The people retake Turkey: ordinary citizens rise up against coup». Consultado em 16 de julho de 2016 
  62. «Köprüdeki askerler teslim oldu». NTV. Consultado em 16 de julho de 2016 
  63. a b c «The Counter-Coup in Turkey». New York Times. 16 de julho de 2016. Consultado em 16 de julho de 2016. Cópia arquivada em 16 de julho de 2016 
  64. After the coup, the counter-coup, 23 de julho de 2016, The Economist
  65. Morris, Loveday (19 de julho de 2016). «Turkey suspends more than 15,000 education workers in widening purge». Consultado em 19 de julho de 2016 
  66. «Turquia - Erdogan purga juízes, prende militares e ataca Obama». Diário de Notícias. Consultado em 17 de julho de 2016 
  67. Robinson, Duncan; Srivastava, Mehul (18 de julho de 2016). «US and EU leaders warn Turkey's Erdogan over post-coup crackdown» (em English). Financial Times. Consultado em 18 de julho de 2016 
  68. «Turquia - França diz que fracasso do golpe "não dá cheque em branco" a Erdogan». Consultado em 17 de julho de 2016 
  69. Erdogan Warned of Incoming Coup by Russian Alert. Fars News, 20 de julho de 2016.
  70. Hours Before Military Coup Attempt, Turkey Warned by Russia – Reports. Sputnik, 21 de julho de 2016.
  71. Turquia: o golpe que pode abalar a OTAN. Por Pepe Escobar. Outras Palavras, 28 de julho de 2016.
  72. La Porte, Amy; Watson, Ivan; Tuysuz, Gul (16 de julho de 2016). «Who is Fethullah Gulen, the man blamed for coup attempt in Turkey?» (em English). CNN. Consultado em 16 de julho de 2016 
  73. East, Kristen (16 de julho de 2016). «Turkey accuses US of harboring coup mastermind» (em inglês). Politico. Consultado em 16 de julho de 2016 
  74. «Turquia - Foi o Presidente Erdogan a instigar o golpe? Fethullah Gulen diz que sim». Consultado em 17 de julho de 2016