Abrir menu principal

Tentativa de golpe de Estado no Gabão em 2019

Tentativa de golpe de Estado no Gabão em 2019
Data 7 de janeiro de 2019
Local Libreville, Gabão
Desfecho Tentativa de golpe falha
Combatentes
Governo do Gabão
Forças Armadas do Gabão
Dissidentes das Forças Armadas
Líderes e comandantes
Ali Bongo (presidente do Gabão) Tenente Kelly Ondo Obiang
(líder do Movimento Patriótico das Forças
de Defesa e Segurança do Gabão)
Exército do Gabão nas ruas de Libreville durante a tentativa de golpe de 2019.

Tentativa de golpe de Estado no Gabão em 2019 refere-se a uma tentativa de golpe de Estado por facções dissidentes das Forças Armadas do Gabão contra o presidente do Gabão Ali Bongo ocorrida em 7 de janeiro de 2019. Os oficiais militares declararam que haviam destituído o presidente Ali Bongo, que foi reeleito em 2016 após uma eleição controversa e protestos violentos.[1] Durante a ausência de Ali Bongo, que estava recebendo tratamento médico no Marrocos, rebeldes armados na capital Libreville fizeram reféns e declararam que haviam estabelecido um "Conselho Nacional de Restauração" para "restaurar a democracia no Gabão". Interrupções generalizadas na internet ocorreram em todo o país, embora não se saiba se a internet foi fechada pelos próprios rebeldes ou por civis. O governo do Gabão declarou mais tarde que havia reafirmado o controle.

ContextoEditar

O porta-voz militar e líder do Movimento Patriótico das Forças de Defesa e Segurança do Gabão, tenente Kelly Ondo Obiang, declarou na rádio nacional e na televisão estatal na manhã de segunda-feira que ele e seus partidários ficaram desapontados com a mensagem do presidente Ali Bongo à véspera do ano novo, chamando-a de "tentativa implacável de se apegar ao poder"[1] e dizendo que "reforçou as dúvidas sobre a capacidade do presidente de continuar cumprindo as responsabilidades de seu cargo".[2] Obiang também afirmou que eles estavam montando um "Conselho Nacional de Restauração ... [para] restaurar a democracia" no Gabão.[3][4] Uma interrupção da Internet em todo o país foi detectada pelo observatório global da Internet NetBlocks a partir de aproximadamente 7:00 da manhã UTC.[5] Entre outras coisas, Obiang entregou a seguinte mensagem (em francês) na rádio nacional:[6]

O dia ansiosamente esperado chegou quando o exército decidiu se colocar ao lado do povo para salvar o Gabão do caos ... Se você está comendo, pare; se você está tomando uma bebida, pare; se você está dormindo, acorde. Acorde seus vizinhos ... levante-se como um e assuma o controle da rua.

Na época do golpe, em 7 de janeiro, o presidente Bongo estava recebendo tratamento médico não-relacionado em Marrocos; ele esteve fora do país por cerca de dois meses. O presidente Bongo sofreu um derrame em Riade, na Arábia Saudita, em outubro; seus desejos registrados de Ano Novo foram a primeira vez que ele falou em público desde então.[1][7]

As forças pró-golpe tomaram o controle da emissora nacional Radio Télévision Gabonaise. A Guarda Republicana do Gabão empregou vários veículos blindados em toda a capital, incluindo Nexter Aravis MRAPs, um tipo que não se sabia que estava no inventário das Forças Armadas do Gabão. A tentativa de golpe foi debelada por volta das 10h30 da manhã, depois que o Grupo de Intervenção da Gendarmaria Gabonesa atacou a Rádio Télévision Gabonesa, na qual as forças pró-golpe estavam escondidas. Dois soldados pró-golpe foram mortos no assalto.[8] Os oficiais envolvidos no golpe tomaram reféns que já foram libertados por oficiais gaboneses.[9]

Horas após o anúncio do golpe, funcionários do governo afirmaram que a situação estava "sob controle", com rebeldes presos ou em fuga; dois dos rebeldes foram mortos a tiro e o tenente Obiang foi preso.[1] O NetBlocks observou que a conectividade com a Internet foi restaurada brevemente (embora parcialmente) em todo o Gabão até às 10h00 da manhã, UTC, antes de voltar a ficar offline e apenas regressar totalmente às 11h00 do dia seguinte.[5] O ministro da segurança Guy-Bertrand Mapangou afirmou que os 8 rebeldes sobreviventes foram entregues ao promotor público. O governo do Gabão anunciou que o presidente Bongo retornaria ao país "muito em breve".[9]

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b c d «Gabon foils coup attempt by army rebels». BBC News (em inglês). 7 de janeiro de 2019 
  2. «What you need to know about Gabon's coup d'etat». Evening Standard (em inglês). 7 de janeiro de 2019. Consultado em 11 de janeiro de 2019 
  3. News, B. N. O. (7 de janeiro de 2019). «Soldiers in Gabon try to seize power in failed coup attempt». BNO News (em inglês). Consultado em 11 de janeiro de 2019 
  4. «Gabon thwarts military coup attempt in President's absence». Reuters (em inglês). 7 de janeiro de 2019 
  5. a b «Evidence of internet shutdown in Gabon amid apparent coup attempt». NetBlocks (em inglês). 7 de janeiro de 2019. Consultado em 11 de janeiro de 2019 
  6. Maclean, Ruth (7 de janeiro de 2019). «Gabon detains soldiers after failed coup». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077 
  7. La-Croix.com (7 de janeiro de 2019). «Après le coup d'État au Gabon, un retour à l'anormale». La Croix (em francês). Consultado em 11 de janeiro de 2019 
  8. «Gabon's Republican Guard uses Aravis vehicles in counter-coup operation | Jane's 360». web.archive.org. 9 de janeiro de 2019. Consultado em 11 de janeiro de 2019 
  9. a b Press, The Associated (9 de janeiro de 2019). «Gabon's Ruling Party Says President to Return 'Very Soon'». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331