Abrir menu principal

Teodoro Obiang Nguema Mbasogo

Presidente da Guiné Equatorial
(Redirecionado de Teodoro Obiang)
Teodoro Obiang Nguema Mbasogo
Teodoro Obiang Nguema Mbasogo
2.° Presidente da Guiné Equatorial
Período 3 de agosto de 1979
a atualidade
Antecessor Francisco Macías Nguema
Dados pessoais
Nascimento 5 de junho de 1942 (77 anos)
Acoacán, Wele-Nzas, Rio Muni,
Guiné Equatorial
Primeira-dama Constancia Mangue de Obiang
Partido Partido Democrático de Guinea Ecuatorial
Profissão político e militar

Teodoro Obiang Nguema Mbasogo (Acoacán, 5 de junho de 1942) é um político e militar guinéu-equatoriano, atual presidente da Guiné Equatorial desde 1979, após depor seu tio, Francisco Macías , num golpe de estado militar. Obiang foi apontado pela revista Forbes como o oitavo governante mais rico do mundo, apesar da população do seu país ser considerada uma das mais pobres da Terra, sendo que 70% vivem abaixo da linha de pobreza.[1][2][3]

JuventudeEditar

Nascido no seio do clã Esangui em Acoacán, Obiang juntou-se aos militares durante o período colonial, tendo frequentado a Academia Militar Francisco Franco em Saragoça, Espanha. Alcançou o posto de tenente após a eleição de seu tio , Francisco Macías Nguema. como primeiro Presidente do país Sob a liderança de Macías, Obiang ocupou vários cargos, incluindo os de governador de Bioko, líder da Guarda Nacional , e director da prisão da Praia Negra, notória pelas torturas severas sobre os presos políticos. [4][5]

Em 19 de abril de 1971, foi promovido a capitão devido a sua participação no derrube de uma tentativa de golpe contra Francisco Macías. Após este ponto, a carreira de Obiang começou a realmente progredir.[6]

Carreira políticaEditar

PresidênciaEditar

Golpe de 1979Editar

Após Macias ter ordenado o assassinato de vários membros da sua família comum, incluindo o irmão de Obiang, este depôs Francisco Macías, de quem era sobrinho, a 3 de agosto de 1979 num golpe de estado sangrento. Macías foi levado a julgamento pelas suas atividades ao longo da década anterior, incluindo o genocídio dos bubis (com todo o cuidado para evitar expor o papel de Obiang e outros elementos golpistas nesse mesmo período) e condenado à morte. Foi executado a 29 de Setembro de 1979 por fuzilamento, que teve de ser realizado por tropas de élite marroquinas por os soldados equatorianos recearem envolver-se.[7] O Tribunal Internacional de Justiça (ICJ) revelou que apenas alguns nomes da anterior clique dominante de Macias foram levados a julgamento. [8]

Obiang declarou que o novo governo iria trazer um novo começo em contraste com as medidas repressivas tomadas pela administração de Macías. Uma junta militar, o Conselho Militar Supremo (CMS), a que ele presidia, assumiu o governo do país. Contudo, em vista da sua história anterior, muitos acreditavam que Obiang e os seus eram apenas uma nova embalagem do anterior sistema.[9][10] Obiang herdou um país com um tesouro vazio e uma população que tinha decaído para um terço do seu número em 1968, tendo 50% dos seus anteriores 1,2 milhões de habitantes emigrado para Espanha, para os países africanos africanos ou sido mortos durante a ditadura do predecessor de Obiang. A presidência foi assumida oficialmente em Outubro de 1979.

Após a execução de Macias, Obiang proclamou uma amnistia para todos os refugiados políticos no exterior do pa̟ís; mas estes desconfiavam da amnistia de Obiang. Ele era de facto acusado de numerosos crimes, e particularmente de ter assistido regularmente ás sessões de tortura na prisão da Praia Negra, onde aliás vários dos seus familiares estavam empregados. [11] O que se verificou foi que a maioria dos refugiados que voltaram foram maltratados no regresso. Um exílado político, o advogado Juan Esono Mbomio, chegou a Malabo em Junho de 1980. Descendo do avião, um oficial de uniforme partiu-lhe os dentes a murro. Episódios deste teor repetiam-se; os exilados políticos, na sua maior parte, preferiram não voltar. [12]

A partir dali, Obiang passou a estar protegido por um corpo de militares marroquinos, uma autêntica "guarda pretoriana", pois não confiava nos seus próprios súbditos.[11]

Em Abril de 1981, deu-se a suposta primeira de várias tentativas de derrube de Obiang, alegadamente apoiada por Moses Mba Ada, um empresário. O ditador aproveitou a oportunidade para ganhar o controle da Exigencia, a empresa fundada por Mba Ada e outros, fazendo-se o principal acionista.[13]

Nova ConstituiçãoEditar

O que diz Obiang

Percebi que a descoberta de petróleo na Guiné Equatorial e especialmente a importância destes recursos mudaram completamente a atitude de muitos dos nossos parceiros, especialmente aqueles que eram mais críticos. De repente eles se tornaram mais permissivos. Eu sei que é a natureza humana, mas não apenas os homens mudaram dessa maneira, as instituições fizeram o mesmo. E eu especificamente quero dizer o Fundo Monetário Internacional, o Banco Mundial e a União Europeia.

Teodoro Obiang, em My Life for my People, pág. 151

Uma nova constituição foi adotada em Agosto de 1982, e ao mesmo tempo, estabelecia Obiang como presidente para um mandato de 7 anos. Foi reeleito em 1989, sendo candidato único, com 99% dos votos. Após a legalização de outros partidos, foi eleito em 1996, 2002 e 2009 em eleições consideradas fraudulentas pelos observadores internacionais, e habitualmente contestadas pelos partidos da oposição, com um índice nunca menor que 95% dos votos.[14] A constituição garante a Obiang o poder de governar por decreto.

Grande parte da sua governação tem sido menos violenta que a do seu antecessor. Em termos de direitos humanos, como comenta Ibrahim K. Sundiata, a situação melhorou, mas dificilmente poderia ter piorado, depois da destruição do país e do seu povo, levada a cabo tão completamente por Macias, com inteiro conhecimento, se não assistência, do antigo colonizador (Espanha), Nigéria, Camarões e Gabão; dos EUA, Cuba, China, França, das organizações da ONU, da Comunidade Económica Europeia; e do Vaticano, para não mencionar a aquiescência tácita da OUA.[15]

Em agosto de 1987, Obiang Nguema anunciou a criação do Partido Democrático da Guiné Equatorial (PDGE).

Em 2003, Obiang informou o país de que se sentia obrigado a tomar controlo total sobre o tesouro nacional de forma a prevenir que funcionários públicos fossem tentados a participar em práticas corruptas. Para evitar esta forma de corrupção, Obiang depositou mais de metade de um bilião de dólares em cerca de sessenta contas controladas por ele mesmo e por sua família no Banco Riggs em Washington, D.C., levando um tribunal federal estado-unidense a multar o banco em 25 milhões de dólares por o ter permitido.[16][17]

Em 2016, Nguema, no poder há 36 anos, foi reeleito para um novo mandato de sete anos.[18]

Entrada na CPLPEditar

No dia 23 de Julho de 2014, a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) aprovou a adesão da Guiné Equartorial como Estado membro, "reiterando o empenho da Comunidade em continuar a apoiar as autoridades do país no pleno cumprimento das disposições estatutárias da CPLP, no que respeita à adoção e utilização efetiva da Língua Portuguesa, à adoção da moratória da pena de morte, até à sua abolição, e demais acervo da CPLP no respetivo ordenamento interno da Guiné Equatorial."[19][20]

Portugal não desejava a entrada da Guiné Equatorial na CPLP, por vários motivos, entre eles o triste recorde do país no campo dos direitos humanos, e a fraca presença da língua portuguesa no território, excepto na ilha de Ano Bom, onde se fala uma especie de criolo de origem portuguesa. Portugal foi pressionado por Angola e pelo Brasil; a própria permanência de Portugal na CPLP esteve em risco caso não cedesse, segundo uma fonte do governo.[21]

A adesão à CPLP nada significou para Obiang ou o regime, que continua imperturbávelmente a perseguir, prender, torturar e matar opositores. A pena capital continua a ser aplicada.[22][23] Sobre a abolição da pena de morte, diz Obiang que " não é preciso ter pressa."[24][25] Na página oficial do governo equatoriano, não consta a língua portuguesa.[26]

Segundo João Paulo Batalha, vogal da direção da Associação Cívica Transparência e Integridade, parceira da Transparency Internacional, a CPLP está a tornar-se “um cartel de potências energéticas”.[21]

Relações com os EUAEditar

 
Condoleeza Rice e Obiang, em 12 de Abril de 2006

A diplomacia entre Estados Unidos e Guiné Equatorial entrou em colapso em 1993, quando o embaixador John E. Bennett foi acusado de prática de bruxaria nas sepulturas de 10 aviadores britânicos. Depois de receber uma ameaça de morte, em Malabo, Bennett deixou o país em 1994.[27] Nenhum novo diplomata foi nomeado, e a embaixada foi fechada por Bill Clinton em 1995. Pouco depois nesse mesmo ano, a Mobil descobriu petróleo, em quantidades consideráveis, no país.[5]

Em 2004, a empresa de relações públicas de Cassidy & Associates foi contratada pelo regime para melhorar as relações entre Obiang e o governo dos Estados Unidos . um tipo de procedimento já usado por vários regimes ditatoriais como o Qatar, o Uganda, o Cazaquistão, e a Arábia Saudita. [28] No final de 2006, o Presidente Obiang foi calorosamente recebido pela secretária de Estado, Condoleezza Rice, chamando-o de "bom amigo", enquanto o próprio Obiang ficou "extremamente satisfeito e esperançoso de que essa relação vai continuar a crescer em amizade e cooperação".[29] A nova chancelaria da embaixada abriu em 2013.[30] Segundo os dados de Max Liniger-Goumaz, foi em Junho de 1981 que a embaixada em Malabo reabriu, com a responsável Joanne Thomson .[31]

A embaixada da Guiné Equatorial em Washington, nos EUA , foi financiada pela petrolífera Mobil, que também financiou parte da sua campanha eleitoral de 1996. [32]

O caso do lixo tóxico em Ano-BomEditar

De acordo com várias fontes, foi despejado lixo tóxico em grande escala na ilha de Ano-Bom, durante os anos 80 e 90. O diário espanhol El País aponta a chegada à ilha cerca de 1987, de um destacamento de doze presos comuns, que "tomaram conta" da ilha, roubando colheitas e maltratando a população. A edição alemã do Der Spiegel, de 28 de agosto de 2006, informou que o governo da Guiné Equatorial vendeu permissões a empresas britânicas (Emvatrex, de Buckinghampshire) e norte-americanas (o Axim Consortium Group) para enterrar 10 milhões de toneladas de lixo tóxico e 7 milhões de toneladas de lixo radioativo na ilha. Teodoro Obiang , o presidente da Guiné Equatorial,alegadamente recebe 200 milhões de dólares por ano para novas autorizações, enquanto a população de Annobón vive em extrema pobreza. O ecossistema da ilha está prestes a entrar em colapso devido ao enorme despejo de resíduos.[33][34][35][36][37][38][39]

Golpe WongaEditar

Em março de 2004, Obiang declarou que as autoridades da Guiné Equatorial haviam descoberto um complot contra o seu governo e que os serviços secretos nos Estados Unidos, na Grã-Bretanha e na Espanha estavam envolvidos. 15 pessoas foram presas e, pouco depois, outros 67 mercenários liderados por Simon Mann, um antigo oficial das SAS, foram presos no aeroporto de Harare, no Zimbabue. Simon Mann foi condenado a mais de 34 anos de prisão na Guiné Equatorial em 2008, mas só cumpriu quatro.

O golpe ficou conhecido como o golpe Wonga (um calão que significa dinheiro) , e pretenderia substituir Obiang pelo exilado político Severo Moto, sendo recompensado com direitos preferenciais sobre o petróleo do país para as corporações ligadas aos mercenários.

Segundo Simon Mann, houve apoio de vários países e indivíduos, entre os quais Mark Thatcher, filho de Margaret Thatcher, e Ely Calil, um homem de negócios britânico de origem libanesa.[40][41]

Tem havido muitas outras tentativas de derrube de Obiang - mais de uma dezena desde a sua subida ao poder, grande parte delas concebidas por elites rivais, desejando apoderar-se da riqueza do país em petróleo. Reais ou imaginadas, as tentativas de golpe são sempre pretexto benvindo pelo regime para detenções arbitrárias, torturas e maus tratos. [42]

ControvérsiasEditar

O regime de Obiang reteve características claramente autoritárias, mesmo após a legalização dos outros partidos em 1991. Muitos observadores nacionais e internacionais consideram o seu regime um dos mais corruptos, etno-cêntricos, opressivos e não democráticos do mundo. A Guiné Equatorial é essencialmente um país de partido único, dominado pelo Partido Democrático da Guiné Equatorial (PDGE) de Obiang. Em 2008, o jornalista americano Peter Maas chamou a Obiang "o pior ditador de África", pior mesmo que Robert Mugabe do Zimbabué.[43][44]

Todos os membros com exceção de um dos 100 assentos parlamentares pertencem ao PDGE ou estão alinhados com o partido. A oposição está severamente desamparada pela falta de imprensa livre como veículo para a propagação das suas ideias. Cerca de 90% de todos os políticos da oposição vivem no exílio, 550 ativistas anti-Obiang estão presos injustamente e vários foram mortos desde 1979.[carece de fontes?] Em Julho de 2003, a estação de rádio estatal declarou que Obiang era um deus "em permanente contacto com o Todo Poderoso" e que "pode decidir matar sem ninguém o chamar a prestar contas e sem ir para o inferno". Ele próprio fez comentários semelhantes em 1993. Apesar desses comentários, continua a alegar ser um devoto católico, tendo sido convidado para ir ao Vaticano pelos papas João Paulo II e Bento XVI. Macías proclamava igualmente ser um deus.[45]

Obiang tem encorajado um culto de personalidade em torno de si, assegurando-se que os discursos públicos terminam em votos de prosperidade para si e não para a república. Vários edifícios importantes têm um pavilhão presidencial, várias vilas e cidades têm ruas comemorando o golpe de estado de Obiang contra Macías, tal como é comum entre a população utilizar roupas com a sua cara estampada.Tal como o seu predecessor e outros ditadores africanos tais como Idi Amin ou Mobutu Sese Seko, Obiang atribuiu a si mesmo vários títulos criativos. Entre eles estão "cavalheiro da grande ilha de Bioko, Annobón e Río Muni". Também se refere a si próprio como El Jefe (O Chefe).[46][47]

FortunaEditar

A revista Forbes considera Obiang um dos chefes de estado mais ricos do mundo, com uma riqueza avaliada em cerca de 600 milhões de dólares. Tal fortuna formada durante quase 40 anos de ditadura na Guiné, que ao mesmo tempo é um dos países mais pobres do mundo. Fontes oficiais têm-se queixado de que a Forbes está a contar erradamente propriedades estaduais como pessoais do presidente.[1]

CanibalismoEditar

De forma semelhante a Idi Amin, os opositores de Obiang acusam-no de canibalismo , mais específicamente de devorar determinadas partes do corpo dos adversários para ganhar o seu poder.[48] Obiang pertence ao grupo étnico dos Fang, maioritário no país, e que se tornou conhecido no século dezanove por acusações de canibalismo; de facto, o que parecia acontecer era que partes de cadáveres seriam devoradas para adquirir as qualidades dos seus próprios antepassados mortos. [49]

Severo Moto, um dos seus principais opositores, exilado em Espanha, acusou-o públicamente numa rádio espanhola de ser um "autêntico canibal"" que come os seus rivais políticos. " Ele quer que eu volte á Guiné para comer os meus testículos" - finalizou. [50]

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b «The Five Worst Leaders in Africa». Forbes. 9 de fevereiro de 2012 
  2. «Palace in the jungle». The Economist. 10 de março de 2016. ISSN 0013-0613 
  3. «Here's What You Need to Know About Equatorial Guinea» (em inglês). Africa.com. 17 de março de 2019 
  4. Gardner, Dan (12 de junho de 2008). «The Pariah President: Teodoro Obiang is a brutal dictator responsible for thousands of deaths. So why is he treated like an elder statesman on the world stage?». The Ottawa Citizen (Arq. em WayBack Machine) 
  5. a b Smoltczyk, Alexander (28 de Agosto de 2006). «Rich in Oil, Poor in Human Rights -Torture and Poverty in Equatorial Guinea». Spiegel 
  6. «Dictator of the Month: March 2005ː Teodoro Obiang Nguema Mbasogo». Dictator of the Month (Arq. em WayBack Machine). Março de 2005 
  7. Fegley, Randall (1989). Equatorial Guinea , An African Tragedy. [S.l.]: Peter Lang Publishing Inc. pp. 1, 167,168 
  8. Liniger-Goumaz, Max (2000). Historical Dictionary of Equatorial Guinea (3.a Ed.). [S.l.]: The Scarecrow Press, Inc. pp. xxvii 
  9. Fegley, Randall (1989). Equatorial Guinea , An African Tragedy. [S.l.]: Peter Lang Publishing Inc. 1 páginas 
  10. «Mass Atrocity Endings». Tufts University. 7 de Agosto de 2015 
  11. a b Liniger-Goumaz, Max (2000). Historical Dictionary of Equatorial Guinea (3.a Ed.) -. [S.l.]: The Scarecrow Press, Inc,. 335 páginas 
  12. Fegley, Randall (1989). Equatorial Guinea, An African Tragedy. [S.l.]: Peter Lang Publishing, Inc. pp. 201–202 
  13. Sundiata, Ibrahim K. (1990). Equatorial Guineaː Colonialism, State Terror, and the Search for Stability. [S.l.]: Westview Press. 78 páginas 
  14. «Elections in Equatorial Guinea». African Elections Database. Consultado em 10 de Maio de 2019 
  15. Sundiata, Ibrahim K. (1990). Equatorial Guineaː Colonialism, State Terror, and the Search for Stability. [S.l.]: Westview Press. 149 páginas 
  16. «Does US Bank Harbour Equatorial Guinea's Oil Millions In Secret Accounts? US Department of Justice must investigate.». Global Witness. Consultado em 16 de maio de 2019 
  17. «Friendly Dealings With Dictators». The Progress Report (Arq. em WayBack Machine). 27 de Julho de 2004 
  18. «Jornal «Avante!» - Internacional - Vitória anunciadade Obiang Nguema». www.avante.pt. Consultado em 1 de maio de 2016 
  19. «X CONFERÊNCIA DE CHEFES DE ESTADO E DE GOVERNO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESAː DECLARAÇÃO DE DÍLI». CPLP (Arq. em WayBack Machine). 23 de Julho de 2014 
  20. «Guiné Equatorial aceite sem votação na Comunidade dos Países de Língua Portuguesa». Jornal de Notícias. 23 de Julho de 2014 
  21. a b Monteiro, Fábio (23 de Julho de 2014). «A CPLP esteve para ruir devido à entrada da Guiné Equatorial». Observador 
  22. «World Report 2019ː Equatorial Guinea». Human Rights Watch. 2019 
  23. «Amnesty International Report 2017/18 The State of the World's Human Rights» (PDF). Amnesty International. 2018 
  24. «Malabo: pena de morte será abolida, mas sem pressa». RFI. 15 de abril de 2019. Consultado em 31 de maio de 2019 
  25. Welle (www.dw.com), Deutsche. «Teodoro Obiang convicto que o fim da pena de morte será para breve na Guiné Equatorial | DW | 15.04.2019». DW.COM. Consultado em 31 de maio de 2019 
  26. «Official Web Page of the Government of the Republic of Equatorial Guinea». www.guineaecuatorialpress.com. Consultado em 12 de maio de 2019 
  27. «A Touch of Crude». Mother Jones. Consultado em 5 de maio de 2016 
  28. «Putting Lipstick On A Dictator». Mother Jones. Consultado em 5 de maio de 2016 
  29. «Remarks With Equatorial Guinean President Obiang Before Their Meeting». U.S. Department of State (Arq. em WayBack Machine). 14 de março de 2007 
  30. «United States Dedicates New U.S. Embassy in Malabo, Equatorial Guinea». U.S. Department of State. Consultado em 5 de maio de 2016 
  31. Liniger-Goumaz, Max (2000). Historical Dictionary of Equatorial Guinea (3.a Ed.). [S.l.]: The Scarecrow Press, Inc. 489 páginas 
  32. Liniger-Goumaz, Max (2000). Historical Dictionary of Equatorial Guinea (3.a Ed.) -. [S.l.]: The Scarecrow Press, Inc. pp. 10,487 
  33. «ANNOBON: ONCE A PARADISE, NOW AFRICA'S DUMPING SITE FOR TOXIC AND RADIOACTIVE WASTES». MONALIGE (arq. em WayBack Machine). 24 de fevereiro de 2009. Consultado em 13 de maio de 2019 
  34. www.americanhealthstudies.org http://www.americanhealthstudies.org/wastenot/wn138.htm. Consultado em 13 de maio de 2019  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  35. https://elpais.com/diario/1988/09/22/internacional/590882404_850215.html
  36. Smoltczyk, Alexander (28 de agosto de 2006). «Rich in Oil, Poor in Human Rights: Torture and Poverty in Equatorial Guinea (Part 1)». Spiegel Online 
  37. Smoltczyk, Alexander (28 de agosto de 2006). «Rich in Oil, Poor in Human Rights: Torture and Poverty in Equatorial Guinea (Part 2)». Spiegel Online 
  38. Smoltczyk, Alexander (28 de agosto de 2006). «Rich in Oil, Poor in Human Rights: Torture and Poverty in Equatorial Guinea (Part 3)». Spiegel Online 
  39. Scafidi, Oscar (20 de novembro de 2015). Equatorial Guinea (em inglês). [S.l.]: Bradt Travel Guides. pp. 177–178. ISBN 9781841629254 
  40. Sengupta, Kim (12 de Março de 2008). «An African adventure: Inside story of the wonga coup». The Independent 
  41. Leigh, David (e outros) (10 de Setembro de 2004). «'Wonga list' reveals alleged backers of coup». The Guardian 
  42. «Well Oiled ː Oil and Human Rights in Equatorial Guinea». Human Rights Watch. 9 de Julho de 2009 
  43. Maass, Peter (24 de junho de 2008). «Who's Africa's Worst Dictator?». Slate. The Washington Post. Consultado em 30 de junho de 2008. But Mugabe may not be Africa's worst. That prize arguably goes to Teodoro Obiang, the ruler of Equatorial Guinea 
  44. «"O cinismo dos negócios sobrepôs-se aos Direitos Humanos na CPLP"». Esquerda. Consultado em 5 de maio de 2019 
  45. «Equatorial Guinea's 'God'». BBC. 26 de julho de 2003. Consultado em 1 de novembro de 2007 
  46. Maass, Peter (2005) "A Touch of Crude" Mother Jones 30 (1): pp. 48–89
  47. Silverstein, Ken (2010) "Saturday Lagniappe: UNESCO for Sale: Dictators allowed to buy their own prizes, for the right price" Petroleumworld, originally published by Harpers Magazine, 2 June 2010, archived at Freezepage
  48. Norman, Joshua (13 de abril de 2013). «The world's enduring dictators: Teodoro Obiang Nguema Mbasogo, Equatorial Guinea». CBS News 
  49. Sundiata, Ibrahim K. (1990). Equatorial Guineaː Colonialism, State Terror, and the Search for Stability. [S.l.]: Westview Press. pp. 11, 124 
  50. «Obiang 'will eat my testicles'». News24 (Arq. em WayBack Machine). 11 de Março de 2004 

BibliografiaEditar

  • Fegley, Randall - Equatorial Guinea, An African Tragedy - Peter Lang Publishing, Inc., 1989
  • Ibrahim K. Sundiata - Equatorial Guineaː Colonialism, State Terror, and the Search for Stability - Westview Press, 1990
  • Klitgaard, Robert E. -Tropical Gangsters - I.B.Tauris & Co. Ltd. , 1990
  • Liniger-Goumaz, Max - Historical Dictionary of Equatorial Guinea (3.a Ed.) - The Scarecrow Press, Inc, 2000
  • Roberts, Adam -The Wonga Coupː Simon Mann’s Plot to Seize Oil Billions in Africa - Profile Books, 2009 (edição revista )

Ligações externasEditar