Teoria das Duas Nações

Disambig grey.svg Nota: Não confundir com Solução dos dois Estados.

A teoria das duas nações (em urdu: دو-قومی نظریہDō-qaumī naẓariyah, Devanagari: दो-क़ौमी नज़रिया, em bengali: দ্বিজাতি তত্ত্বDijati totto) é uma ideologia em que a identidade primária e o denominador unificador dos muçulmanos no subcontinente sul asiático é sua religião, em vez de sua língua ou etnia, e, portanto, os indianos hindus e muçulmanos são duas nações distintas, independentemente da etnia ou outras semelhanças.[1][2] A teoria das duas nações foi um princípio fundador do Movimento pelo Paquistão (ou seja, a ideologia do Paquistão como um Estado-nação muçulmano no sul da Ásia), e a partição da Índia em 1947.[3]

Um mapa do Império Britânico Indiano, 1909, mostrando as religiões majoritárias prevalecentes da população para os diferentes distritos.

A ideologia de que a religião é o fator determinante na definição da nacionalidade dos muçulmanos indianos foi empreendida por Muhammad Ali Jinnah, que a denominava como o despertar dos muçulmanos para a criação do Paquistão.[4] É também uma fonte de inspiração para várias organizações nacionalistas hindus, com causas tão variadas como a redefinição dos muçulmanos indianos como estrangeiros não indianos e cidadãos de segunda classe na Índia, a expulsão de todos os muçulmanos da Índia, o estabelecimento de um Estado legalmente hindu na Índia, a proibição de conversões ao islamismo e a promoção de conversões ou reconversões de muçulmanos indianos ao hinduísmo.[5][6][7][8]

Existem diferentes interpretações da teoria das duas nações, com base no fato de as duas nacionalidades postuladas podem coexistir em um território ou não, com implicações radicalmente diferentes. Uma interpretação argumentava pela autonomia soberana, incluindo o direito de secessão, para as áreas de maioria muçulmana do subcontinente indiano, mas sem qualquer transferência de populações (ou seja, hindus e muçulmanos continuariam a viver juntos). Uma interpretação diferente sustenta que os hindus e os muçulmanos constituem "dois modos de vida distintos e frequentemente antagônicos, e que, portanto, eles não poderiam coexistir em uma nação".[9] Nesta versão, a transferência de populações (ou seja, a remoção total de hindus de áreas de maioria muçulmana e a remoção total de muçulmanos de áreas de maioria hindu) constitui um passo desejável para uma separação completa das duas nações incompatíveis que "não podem coexistir em um relacionamento harmonioso".[10][11]

A oposição à teoria vem de duas fontes. A primeira é o conceito de uma única nação indiana de que hindus e muçulmanos são duas comunidades interligadas.[12] Este é um princípio fundador da moderna, oficialmente secular, República da Índia. Mesmo depois da formação do Paquistão, os debates sobre se os muçulmanos e hindus são nacionalidades distintas ou não continuaram no país também. [13] A segunda fonte de oposição é o conceito de que embora os indianos não sejam uma nação, tampouco sejam os muçulmanos ou os hindus do subcontinente, são, ao invés disso, as unidades provinciais relativamente homogêneas do subcontinente que são verdadeiras nações e merecedoras de soberania; este ponto de vista foi apresentado pelas subnacionalidades do Paquistão: baluchis,[14] sindis[15] e pashtuns.[16]

NotasEditar

  • Este artigo foi inicialmente traduzido, total ou parcialmente, do artigo da Wikipédia em inglês, cujo título é «Two-nation theory».

Referências

  1. Robin W. Winks, Alaine M. Low (2001), The Oxford history of the British Empire: Historiography, ISBN 978-0-19-924680-9, Oxford University Press, ... At the heart of the two-nation theory was the belief that the Indian Muslims' identity was defined by religion rather than language or ethnicity ... 
  2. Liaquat Ali Khan (1940), Pakistan: The Heart of Asia, Thacker & Co. Ltd., ... There is much in the Musalmans which, if they wish, can roll them into a nation. But isn't there enough that is common to both Hindus and Muslims, which if developed, is capable of molding them into one people? Nobody can deny that there are many modes, manners, rites and customs which are common to both. Nobody can deny that there are rites, customs and usages based on religion which do divide Hindus and Muslmans. The question is, which of these should be emphasized ... 
  3. «Two-Nation Theory Exists». Pakistan Times 
  4. Holy War Against India by Conor Cruise O'Brien; The Atlantic - Jinnah: "Islam and Hinduism are not religions in the strict sense of the word, but in fact different and distinct social orders, and it is only a dream that the Hindus and Muslims can ever evolve a common nationality.... To yoke together two such nations under a single state ... must lead to a growing discontent and final destruction of any fabric that may be so built up for the government of such a state.
  5. Economic and political weekly, Volume 14, Part 3, Sameeksha Trust, 1979, ... the Muslims are not Indians but foreigners or temporary guests - without any loyalty to the country or its cultural heritage - and should be driven out of the country ... 
  6. M. M. Sankhdher, K. K. Wadhwa (1991), National unity and religious minorities, ISBN 978-81-85060-36-1, Gitanjali Publishing House, ... In their heart of hearts, the Indian Muslims are not Indian citizens, are not Indians: they are citizens of the universal Islamic ummah, of Islamdom ... 
  7. Vinayak Damodar Savarkar, Sudhakar Raje (1989), Savarkar commemoration volume, Savarkar Darshan Pratishthan, ... His historic warning against conversion and call for Shuddhi was condensed in the dictum 'Dharmantar is Rashtrantar' (to change one's religion is to change one's nationality) ... 
  8. N. Chakravarty (1990), «Mainstream», Mainstream, Volume 28, Issues 32-52, ... 'Dharmantar is Rashtrantar' is one of the old slogans of the VHP ... 
  9. Carlo Caldarola (1982), Religions and societies, Asia and the Middle East, ISBN 978-90-279-3259-4, Walter de Gruyter, ... Hindu and Muslim cultures constitute two distinct, and frequently antagonistic, ways of life, and that therefore they cannot coexist in one nation ... 
  10. S. Harman (1977), Plight of Muslims in India, ISBN 978-0-9502818-2-7, DL Publications, ... strongly and repeatedly pressed for the transfer of population between India and Pakistan. At the time of partition some of the two-nation theory protagonists proposed that the entire Hindu population should migrate to India and all Muslims should move over to Pakistan, leaving no Hindus in Pakistan and no Muslims in India ... 
  11. M. M. Sankhdher (1992), Secularism in India, dilemmas and challenges, Deep & Deep Publication, ... The partition of the country did not take the two-nation theory to its logical conclusion, i.e., complete transfer of populations ... 
  12. Rafiq Zakaria (2004), Indian Muslims: where have they gone wrong?, ISBN 978-81-7991-201-0, Popular Prakashan, ... As a Muslim ... Hindus and Muslims are one nation and not two ... two nations has no basis in history ... they shall continue to live together for another thousand years in united India ... 
  13. Pakistan Constituent Assembly (1953), Debates: Official report, Volume 1; Volume 16, Government of Pakistan Press, ... say that Hindus and Muslims are one, single nation. It is a very peculiar attitude on the part of the leader of the ppposition. In fact if his point of view was accepted, then the very justification for the existence of Pakistan would disappear ... 
  14. Janmahmad (1989), Essays on Baloch national struggle in Pakistan: emergence, dimensions, repercussions, Gosha-e-Adab, ... would be completely extinct as a people without any identity. This proposition is the crux of the matter, shaping the Baloch attitude towards Pakistani politics. For Baloch to accept the British-conceived two-nation theory for the Indian Muslims ... would mean losing their Baloch identity in the process ... 
  15. Stephen P. Cohen (2004), The idea of Pakistan, ISBN 978-0-8157-1502-3, Brookings Institution Press, ... and the two-nation theory became a trap for Sindhis — instead of liberating Sindh, it fell under Punjabi-Mohajir domination, and until his death in 1995 he called for a separate Sindhi "nation," implying a separate Sindhi country ... 
  16. Ahmad Salim (1991), Pashtun and Baloch history: Punjabi view, Fiction House, ... Attacking the 'two nation theory' in Lower House on December 14, 1947, Ghaus Bux Bizenjo said: "We have a distinct culture like Afghanistan and Iran, and if the mere fact that we are Muslim requires us to amalgamate with Pakistan, then Afghanistan and Iran should also be amalgamated with Pakistan ... 

Ligações externasEditar