Teoria dos Valores Básicos Humanos

A Teoria dos Valores Humanos Básicos, desenvolvida por Shalom H. Schwartz , é uma teoria no campo da pesquisa intercultural. O autor considera a teoria como uma extensão essencial de abordagens anteriores para as teorias de pesquisa comparativa intercultural,[2] tais como a teoria das dimensões culturais de Hofstede , e tem sido amplamente aplicada em estudos transculturais de valores individuais.[3] A Teoria dos Valores Humanos Básicos tenta medir os valores universais que são reconhecidos em todas as principais culturas. A teoria de Schwartz identifica dez desses valores motivacionalmente distintos e descreve ainda mais as relações dinâmicas entre eles. Para melhor representar graficamente essas relações, a teoria organiza os dez valores em uma estrutura circular.

Ficheiro:Theory of Basic Human Values Graphic.jpg
Teoria do Gráfico Básico de Valores Humanos[1]

No artigo de 2012, Schwartz e seus colegas apresentaram um conjunto refinado de 19 valores individuais básicos que servem como "princípios orientadores na vida de uma pessoa ou grupo".[4]

Tipos motivacionais de valoresEditar

A Teoria dos Valores Humanos Básicos reconhece dez valores universais, que podem ser organizados em quatro grupos de ordem superior. Cada um dos dez valores universais tem um objetivo central que é o motivador subjacente.[2]

Abertura para mudançaEditar

Auto-direção: pensamento e ação independentes, criação escolhas e exploração.

Estimulação: excitação, novidade e desafio na vida.

Promoção de siEditar

Hedonismo: prazer ou gratificação sensual para si mesmo.
Realização: sucesso pessoal através da demonstração de competência de acordo com os padrões sociais.
Poder: status social e prestígio, controle ou domínio sobre pessoas e recursos.

ConservaçãoEditar

Segurança: segurança, harmonia e estabilidade da sociedade, dos relacionamentos e do eu.
Conformidade: restrição de ações, inclinações e impulsos que possam perturbar ou prejudicar outras pessoas e violar expectativas ou normas sociais.
Tradição: respeito, compromisso e aceitação dos costumes e ideias que a cultura ou religião de alguém proporciona.

Transcendência de siEditar

Benevolência: preservar e melhorar o bem-estar daqueles com quem se está em contato pessoal frequente (o 'em grupo').
Universalismo: compreensão, apreciação, tolerância e proteção para o bem-estar de todas as pessoas e da natureza.

De outrosEditar

Espiritualidade: foi considerada como um décimo primeiro valor adicional, no entanto, verificou-se que não existia em todas as culturas.[5]

A estrutura das relações de valorEditar

Além de identificar os dez valores básicos, a teoria também explica como esses dez valores estão interconectados e se influenciam mutuamente, já que a busca de qualquer um dos valores resulta em um acordo uns com os outros (conformidade e segurança) ou um conflito com um menos um outro valor (benevolência e poder). Tradição e conformidade compartilham objetivos motivacionais particularmente semelhantes e, consequentemente, são consolidados na mesma cunha.[1] Os valores podem se opor levemente ou mais fortemente, o que levou à organização dos valores em uma estrutura circular ao longo de duas dimensões bipolares. A primeira dimensão é a abertura à mudança versus a conservação , que contrasta a independência e a obediência. A segunda dimensão bipolar é o promoção de si versus a transcendência de si e, por um lado, preocupa-se com os interesses de si e com o outro lado do bem-estar dos outros. Embora a teoria distingue dez valores, as fronteiras entre os motivadores são artificiais e um valor flui para o próximo, o que pode ser visto pelas seguintes ênfases motivacionais compartilhadas:[1]

  1. Poder e realização - superioridade e estima social;
  2. Realização e Hedonismo - satisfação egocêntrica;
  3. Hedonismo e Estimulação - um desejo de excitação afetivamente agradável;
  4. Estímulo e auto-direção interesse -intrínseco na novidade e domínio;
  5. Auto-direção e Universalismo - confiança no próprio julgamento e conforto com a diversidade da existência;
  6. Universalismo e Benevolência - fortalecimento dos outros e transcendência de interesses egoístas;
  7. Benevolência e Tradição - devoção ao próprio grupo;
  8. Benevolência e Conformidade - comportamento normativo que promove relacionamentos próximos;
  9. Conformidade e Tradição - subordinação de si a favor das expectativas socialmente impostas;
  10. Tradição e Segurança - preservar os arranjos sociais existentes que dão certeza à vida;
  11. Conformidade e segurança - proteção da ordem e harmonia nas relações;
  12. Segurança e poder - evitando ou superando ameaças, controlando relacionamentos e recursos.

Além disso, as pessoas ainda são capazes de seguir valores opostos através de ações diferentes em diferentes configurações ou em momentos diferentes. A estrutura do modelo do tipo de 10 valores de Schwartz (ver gráfico acima) foi apoiada em mais de 80 países,[1][6][7] mulheres e homens,[8] vários métodos, como classificações de importância de valores (usando as pesquisas listadas abaixo), tarefas de julgamento de similaridade direta, classificação de pilha e arranjo espacial,[9] e até mesmo como os valores de outras pessoas, como membros da família, são percebidos.[10][11]

Métodos de mediçãoEditar

Vários modelos foram desenvolvidos para medir os valores básicos para garantir que a teoria de valores seja válida independente da metodologia empregada. O principal diferenciador entre o Schwartz Value Survey e o Portrait Values Questionnaire é que o primeiro é explícito, enquanto o segundo é implícito.

Pesquisa de valor de SchwartzEditar

O Schwartz Value Survey (SVS) reporta os valores dos participantes de maneira explícita, solicitando que eles conduzam uma autoavaliação. A pesquisa envolve 57 perguntas com duas listas de itens de valor. A primeira lista consiste em 30 substantivos, enquanto a segunda lista contém 26 ou 27 itens em um formulário adjetivo. Cada item é seguido por uma breve descrição para esclarecimento. Das 57 perguntas 45 são usadas para computar os 10 tipos de valores diferentes, dos quais o número de itens para medir um certo valor varia de acordo com a respiração conceitual. Os 12 itens restantes são usados para permitir uma melhor padronização no cálculo do valor de um indivíduo. A importância de cada item de valor é medida em uma escala não simétrica, a fim de incentivar os entrevistados a pensar sobre cada uma das questões.

  • 7 (suprema importância)
  • 6 (muito importante)
  • 5, 4 (sem marcação)
  • 3 (importante)
  • 2, 1 (sem etiqueta)
  • 0 (não importante)
  • −1 (oposto aos meus valores)

A pesquisa foi realizada até agora em mais de 60.000 pessoas em 64 países.[12]

O Portrait Values Questionnaire (PVQ) foi desenvolvido como uma alternativa ao SVS. O PVQ foi criado principalmente para crianças de 11 a 14 anos, no entanto, também demonstrou produzir resultados coerentes quando dado a adultos. Em comparação com o SVS, o PVQ depende de relatórios indiretos. Por meio deste, o entrevistado é solicitado a se comparar (gênero-pareado) com pequenos retratos verbais de 40 pessoas diferentes. Depois de cada retrato, o respondente tem que declarar o quão semelhante ele é para a pessoa do retrato, variando de "muito parecido comigo" a "não gostar de mim". Essa forma de pesquisa permite a maneira como o indivíduo realmente atua, em vez de pesquisar quais valores são importantes para um indivíduo. Semelhante ao SVS, os retratos de cada valor variam de acordo com a respiração conceitual.

LimitaçõesEditar

Uma das principais limitações dessa teoria está na metodologia da pesquisa. O SVS é bastante difícil de responder, porque os respondentes precisam primeiro ler o conjunto de 30 itens de valor e dar a um valor a classificação mais alta e mais baixa (0 ou -1, dependendo se um item é oposto a seus valores). Assim, o preenchimento de um questionário leva aproximadamente 12 minutos, resultando em uma quantidade significativa de formulários preenchidos pela metade.[13] Além disso, muitos entrevistados têm uma tendência a dar à maioria dos valores uma pontuação alta, resultando em respostas distorcidas ao extremo superior.[14] No entanto, esse problema pode ser atenuado ao fornecer aos participantes um filtro adicional para avaliar os itens marcados com pontuações altas. Ao administrar o Schwartz Value Survey em um ambiente de coaching, os entrevistados são treinados para distinguir entre um valor "obrigatório" e um valor "significativo". Um valor "deve ter" é um valor em que você atuou ou pensou nas 24 horas anteriores (esse item de valor receberia uma pontuação de 6 ou 7 na escala de Schwartz). Um valor "significativo" é algo em que você agiu ou pensou recentemente, mas não nas 24 horas anteriores (esse item de valor receberia uma pontuação de 5 ou menos).[15]

Outras limitações metodológicas são os escores isatidos ordinais resultantes que limitam o tipo de análises úteis que os pesquisadores podem realizar.[16]

Aplicações práticasEditar

Estudos recentes defendem que os valores podem influenciar a reação do público aos apelos publicitários.[17] Além disso, no caso em que uma escolha e um valor são intervencionados, as pessoas tendem a escolher a escolha que se alinha mais com seus próprios valores. Portanto, modelos como a Teoria dos Valores Humanos Básicos podem ser vistos como cada vez mais importantes para campanhas de marketing internacionais, pois podem ajudar a entender valores e como os valores variam entre as culturas. Isso se torna especialmente verdadeiro, pois foi demonstrado que os valores são uma das explicações mais poderosas do comportamento do consumidor.[18] Entender os diferentes valores e metas definidoras subjacentes também pode ajudar as organizações a motivar melhor a equipe em uma força de trabalho cada vez mais internacional e a criar uma estrutura organizacional adequada.

Recentemente,[quando?] De Schwartz trabalho e que de Geert Hofstede -Tem sido aplicada a pesquisa econômica. Especificamente, o desempenho das economias no que se refere ao empreendedorismo e à criação de empresas (empresas). Isso tem implicações significativas para o crescimento econômico e pode ajudar a explicar por que alguns países estão ficando para trás outros quando o trabalho, os recursos naturais e as instituições governamentais são iguais. Este é um campo de estudo relativamente novo em economia, no entanto, os recentes resultados empíricos sugerem que a cultura desempenha um papel significativo no sucesso dos esforços empreendedores em todos os países - mesmo aqueles com estruturas governamentais muito semelhantes. Francisco Liñán e José Fernandez-Serrano descobriram que esses atributos culturais representavam 60% da diferença na variação do Produto Interno Bruto (PIB) per capita em países da União Europeia (UE).[19]

Uma nova iniciativa para promover o desenvolvimento baseado em valores entre o público em geral, chamado Discover Your Values, foi lançada em 2 de outubro de 2018, em parceria com Shalom H. Schwartz.[20] Discover Your Values fornece uma avaliação de valores pessoais baseada no Schwartz Value Survey e na Theory of Basic Human Values, juntamente com várias outras ferramentas de coaching projetadas para promover o desenvolvimento baseado em valores. Essa iniciativa também serve à indústria de treinamento profissional, fornecendo aos treinadores uma estrutura de valores apoiada por pesquisa e uma linguagem comum de entendimento sobre os valores humanos.  

Referências

  1. a b c d Schwartz, Shalom H. (1992), «Universals in the Content and Structure of Values: Theoretical Advances and Empirical Tests in 20 Countries», Advances in Experimental Social Psychology Volume 25, ISBN 9780120152254, Advances in Experimental Social Psychology, 25, Elsevier, pp. 1–65, doi:10.1016/s0065-2601(08)60281-6 
  2. a b «An Overview of the Schwartz Theory of Basic Values». Online Readings in Psychology and Culture. 2. doi:10.9707/2307-0919.1116 
  3. Berry, John; Janek, Pandey; Poortinga, Ype (1997). Handbook of cross-cultural psychology. [S.l.: s.n.] ISBN 9780205160747 
  4. «Refining the theory of basic individual values» (PDF). Journal of Personality and Social Psychology. 103. ISSN 1939-1315. PMID 22823292. doi:10.1037/a0029393 
  5. «Universals in the Content and Structure of Values: Theoretical Advances and Empirical Tests in 20 Countries.». Advances in Experimental Psychology 
  6. «The Structural Organization of Human Values-Evidence from Three Rounds of the European Social Survey (ESS)». Journal of Cross-Cultural Psychology. 42. CiteSeerX 10.1.1.1013.6256 . ISSN 0022-0221. doi:10.1177/0022022110362757 
  7. «Identifying Culture-Specifics in the Content and Structure of Values». Journal of Cross-Cultural Psychology. 26. ISSN 0022-0221. doi:10.1177/0022022195261007 
  8. «Meanings of Basic Values for Women and Men: A Cross-Cultural Analysis». Personality and Social Psychology Bulletin. 28. ISSN 0146-1672. doi:10.1177/0146167202281002 
  9. «Mapping the Structure of Human Values through Conceptual Representations». European Journal of Personality. ISSN 0890-2070. doi:10.1002/per.2170 
  10. «Value structure and priorities: Other-report account». Current Issues in Personality Psychology. 6. ISSN 2353-4192. doi:10.5114/cipp.2018.72259 
  11. «The Perception of Family, City, and Country Values Is Often Biased». Journal of Cross-Cultural Psychology. 49. ISSN 0022-0221. doi:10.1177/0022022118767574 
  12. «Whence Differences in Value Priorities? : Individual, Cultural, or Artifactual Sources». Journal of Cross-Cultural Psychology. 42. doi:10.1177/0022022110381429 
  13. «Measuring Values With the Short Schwartz's Value Survey». Journal of Personality Assessment. 85. PMID 16171417. doi:10.1207/s15327752jpa8502_09 
  14. «The Relationship of Leadership Style and CEO Values to Ethical Practices in Organizations». Journal of Business Ethics. 43. doi:10.1023/A:1023085713600 
  15. Morris, Jacob J. (2 de outubro de 2018). Personal Values Assessment: Explore the 57 Values Fundamental to Human Motivation. [S.l.: s.n.] ISBN 978-1791346959 
  16. «An Alternative Approach to Measuring Schwartz's Values: The Best-Worst Scaling Approach». Journal of Personality Assessment. 90. PMID 18584442. doi:10.1080/00223890802107925 
  17. «I Live in My Own Bubble: The Values of Talented Adolescents». The Journal of Secondary Gifted Education 
  18. «Alternative Measurement Approaches to Consumer Values: The List of Values and the Rokeach Value Survey». Psychology and Marketing 
  19. «National culture, entrepreneurship and economic development: different patterns across the European Union». Small Business Economics, Vol 42, Issue 4, Pp 685-701. 42. doi:10.1007/s11187-013-9520-x 
  20. (Nota de imprensa) https://www.prdistribution.com/news/new-coaching-program-offers-framework-for-defining-values-improving-decision-making/3637626  Em falta ou vazio |título= (ajuda)