Teotónio Octávio de Ornelas Bruges

militar português
Teotónio Octávio de Ornelas Bruges
Nascimento 10 de março de 1861
Lisboa
Morte 2 de novembro de 1906 (45 anos)
Angra do Heroísmo
Cidadania Portugal
Ocupação militar

Teotónio Octávio de Ornelas Bruges (Lisboa, 10 de Março de 1861Angra do Heroísmo, 2 de Novembro de 1906), 3.º visconde de Bruges, foi um militar e Par do Reino açoriano, filho primogénito do político Jácome de Ornelas Bruges e o último membro da dinastia política do 1.º conde da Praia.

BiografiaEditar

Foi filho primogénito do 2.º conde da Praia e de sua esposa, Maria Inácia Pacheco de Meneses Forjaz Sarmento de lacerda, irmã do 1.º visconde de Nossa Senhora das Mercês. Optou pela vida militar, tendo chegado ao posto de capitão de infantaria do Exército Português.

Casou a 15 de Novembro de 1888 com a sua prima Palmira Ema da Costa Noronha e por decreto de 9 de Fevereiro de 1889 recebeu o título de 3.º visconde de Bruges, ao qual veio contudo a renunciar por considerar que não tinha as condições económicas para tal, já que a ruína da poderosa casa dos Condes da Praia, iniciada com a filantropia e com os financiamentos à Regência de Angra feitos pelo seu avô Teotónio de Bruges, era então já completa.

Apesar de pouco interessado pelos assuntos políticos, manteve a tradição familiar de ligação à esquerda liberal, sendo membro activo do Partido Progressista em Angra do Heroísmo.

Quando lhe coube ocupar na Câmara dos Pares o lugar que pertencera a seu avô, encarou com pouco entusiasmo a participação política. Prestou juramento na Câmara a 17 de Abril de 1903, mas não se lhe conhece qualquer intervenção de vulto.

Relações familiaresEditar

Foi filho de Jácome de Ornelas Bruges de Ávila Paim da Câmara, 2º Conde da Vila da Praia da Vitória (14 de Dezembro de 1833 -?) e de Maria Inácia Pacheco de Melo Forjaz Sarmento de Lacerda (17 de Junho de 1836 - Lisboa, 29 de Junho de 1882). Casou em 15 de Novembro de 1888 com sua prima, Palmira Ema da Costa Noronha (Angra do Heroísmo 15 de Novembro de 1863), filha de Francisco Ludovino Homem da Costa Noronha (17 de Agosto de 1820 -?) e de Lucinda Cornélia Diniz Ormonde.

BibliografiaEditar

  • Maria Filomena Mónica (coordenadora), Dicionário Biográfico Parlamentar (1834-1910), vol. I, p. 481, Assembleia da República, Lisboa, 2004 (ISBN 972-671-120-7).
  • Nobreza de Portugal e Brasil - 3 vols, Direcção de Afonso Eduardo Martins Zuquete, Editorial Enciclopédia, 2ª Edição, Lisboa, 1989, vol. 2 página 450.
  • Boletim Oficial do Conselho de Nobreza, 1ª Edição, Lisboa, 1948-1998, página 198.
  • Jornal "O Angrense" nº 3036 de 21 de Outubro de 1905, depósito da Biblioteca Pública e Arquivo de Angra do Heroísmo. (Palácio Bettencourt).