Terapia de prótons

terapia de radiação que utiliza energia de partículas carregadas positivamente

A terapia de prótons é um tipo de terapia de radiação que utiliza energia de partículas carregadas positivamente chamadas prótons.[1] A terapia com prótons mostrou-se promissora no tratamento de vários tipos de câncer. Estudos sugeriram que a terapia com prótons pode causar menos efeitos colaterais do que a radiação tradicional, já que os médicos podem controlar melhor onde os feixes de prótons depositam sua energia.[2] Como a radiação de raios-x, a terapia de prótons é um tipo de terapia de radiação de feixe externo. Sem dor, irradia radiação através da pele de uma máquina fora do corpo.[3][4]

Planejamento de tratamentoEditar

A terapia de prótons requer planejamento. Antes do tratamento, o paciente fará uma tomografia computadorizada (TC) ou ressonância magnética (RM). Durante essa verificação, ele estará exatamente na mesma posição que durante o tratamento. Durante uma varredura do planejamento da radiação, o paciente se deitará em uma mesa e o médico descobrirá os locais exatos em que a radioterapia será aplicada em seu corpo ou dispositivo. Isso ajuda a garantir que sua posição seja precisa durante cada tratamento com prótons.[5]

A equipe de saúde usará a varredura do tratamento com radiação para marcar onde os tumores estão no corpo. Eles também marcarão onde estão os tecidos normais para evitar essa área. Esse processo é semelhante ao processo de planejamento de radiação com raios-x.[6]

Mecanismo de terapia de prótonsEditar

Fundamentalmente, todas as células dos tecidos são constituídas por moléculas com átomos como seus blocos de construção. No centro de cada átomo está o núcleo. Orbitando o núcleo do átomo são elétrons com carga negativa. Quando prótons energizados passam perto de elétrons em órbita, a carga positiva dos prótons atrai os elétrons carregados negativamente, puxando-os para fora de suas órbitas. Isso é chamado de ionização; altera as características do átomo e consequentemente o caráter da molécula dentro da qual o átomo reside.[7]

Por causa da ionização, a radiação danifica as moléculas dentro das células, especialmente o DNA. Danificar o DNA destrói funções celulares específicas, particularmente a capacidade de dividir ou proliferar. Embora as células normais e as cancerígenas passem por esse processo de reparo, a capacidade de uma célula cancerosa de reparar a lesão molecular é frequentemente inferior. Como resultado, as células cancerígenas sofrem mais danos permanentes e subsequente morte celular do que ocorre na população celular normal.[8]

Referências

  1. «Proton therapy as effective as standard radiation with fewer side effects». Tech Explorist (em inglês). 27 de dezembro de 2019. Consultado em 28 de dezembro de 2019 
  2. «Proton therapy - Mayo Clinic». www.mayoclinic.org. Consultado em 28 de dezembro de 2019 
  3. «What is Proton Therapy?». MD Anderson Cancer Center (em inglês). Consultado em 28 de dezembro de 2019 
  4. Australia, Cancer Council. «Understanding radiotherapy». www.cancer.org.au (em inglês). Consultado em 28 de dezembro de 2019 
  5. «Proton Therapy». www.hopkinsmedicine.org (em inglês). Consultado em 28 de dezembro de 2019 
  6. «Proton Therapy». Cancer.Net (em inglês). 31 de janeiro de 2012. Consultado em 28 de dezembro de 2019 
  7. «Proton therapy vs. radiation therapy: Uses, risks, and what to expect». Medical News Today (em inglês). Consultado em 28 de dezembro de 2019 
  8. «Science of Proton Therapy: How It Works». NAPT (em inglês). Consultado em 28 de dezembro de 2019