Teredo navalis

O teredoportuguês brasileiro ou taredoportuguês europeu (Teredo navalis), popularmente conhecido como gusano, busano, turu ou cupim-do-mar,[1] é um molusco xilofágico, pertencente à família Teredinidae. Como os demais membos da família, ataca as madeiras submersas.

Como ler uma infocaixa de taxonomiaBuzano
Teredo navalis em corte de madeira de uma embarcação francesa.
Teredo navalis em corte de madeira de uma embarcação francesa.
Classificação científica
Reino: Animalia
Divisão: Mollusca
Classe: Bivalvia
Ordem: Myoida
Família: Teredinidae
Género: Teredo
Espécie: T. navalis
Nome binomial
Teredo navalis
Linnaeus, 1758

DescriçãoEditar

O corpo do teredo é alongado e vermiforme, formando um tubo calcárico que se abre para o exterior através de um pequeno orifício difícil de se identificar, o qual foi usado para a entrada inicial do animal na madeira. Durante a vida deste animal o orifício permanece aberto, permitindo a saída de água, de excrementos e dos elementos reprodutores através de dois sifões, bem como a entrada de plâncton para alimentação. Essa abertura pode ser fechada por duas paletas calcárias, localizadas lateralmente aos sifões e accionadas por fortes músculos, impedindo a entrada de partículas ou de animais indesejáveis. Por meio de contrações do músculo adutor, o taredo faz com que os dentículos da região anterior da concha, raspem a madeira, retirando partículas que servem de alimento, sendo no entanto que o seu "gosto" pela madeira varia de acordo com o gênero a que pertencem.

A carne do teredo é comestível, e na Amazónia, principalmente na Ilha de Marajó, é consumida crua, cozida ou em sopas.[2][3]

O teredo encontra-se em todos os mares, mas são mais frequentes nas águas temperadas e de baixa salinidade, pelo que o seu impacto na navegação europeia só aconteceu com os Descobrimentos e o aumento da navegação em águas tropicais. O minusculo taredo era uma ameaça real para a navegação da época, e existem vários relatos de navios totalmente perdidos devido ao enfraquecimento do casco pela acção do taredo.

Para limitar os danos do taredo forravam-se os cascos com chapas de chumbo, contudo o peso acrescido era de tal ordem, que foram feitas experiências com outros materias. Seria o cobre a ser eleito como material de eleição, que só seria substituído no secúlo XX com o aparecimento das tintas anti-vegetativas

Referências

  1. «Você sabia que no mar há Cupins?». Conquiliologistas do Brasil. 2001–2013. Consultado em 23 de junho de 2013 
  2. Nelson, Chada (2008). Animais e Plantas. conhecidas e utilizadas pelas populações tradicionais da Amazónia. 1 1ª ed. Belém (PA): PUBLIT, Soluções editoriais. 264 páginas. ISBN 8577732169 
  3. Primavera (29 de novembro de 2011). «Comida exótica da Amazônia – TURU». Blog do Instituto Brasil Solidário. Consultado em 24 de maio de 2013 

Ligações externasEditar