Tereza Cruvinel

jornalista brasileira


Tereza Cruvinel
Tereza Cruvinel (foto:Marcello Casal JR. (ABr)
Nascimento 23 de maio de 1956 (64 anos)
Abadia dos Dourados,  Minas Gerais
Ocupação Jornalista
Cargo Colunista do Jornal do Brasil
Etnia Índigena
Nacionalidade brasileiro(a)
Trabalhos notáveis Brasil247, O Globo, Globo News, TV Brasil, RedeTV!

Tereza Cruvinel (Abadia dos Dourados, 23 de maio de 1956) é uma jornalista brasileira.

BiografiaEditar

Maria Tereza Cruvinel, nasceu em 23 de Maio de 1956[1]na fazenda Destroncado, entre os municípios de Abadia dos Dourados e Coromandel, Minas Gerais.

Sua família paterna, ligado ao garimpo, radicou-se na região de Coromandel no ciclo dos diamantes. Sua família materna, de pequenos agricultores, foi pioneira na ocupação de Abadia dos Dourados. Estudou em Coromandel, Monte Carmelo, Prata e Uberlândia, no Triângulo Mineiro, antes de mudar-se para Brasília, em 1972, onde entrou para a Universidade de Brasilia - UnB.

Atuou no movimento estudantil nos anos 70. Na greve de 1977, juntamente com outras lideranças estudantis, enfrentou a repressão e a invasão do campus, prisões e punições. Militava na Liga Operária, futura Convergência Socialista, hoje PSTU.

Depois de um período na clandestinidade, onde viveu na Baixada Fluminense, atuando em fábricas e movimentos populares, voltou à Universidade depois da anistia para concluir seu curso de Jornalismo em 1981. Ali fez também seu mestrado em Comunicação Social. Começou sua carreira profissional em 1982, dedicando-se logo ao jornalismo político. Atuou na TV Brasília, Jornal de Brasília, Correio Braziliense, Jornal do Brasil e O Globo, trabalhando neste último por 24 anos.

Como repórter, cobriu a Campanha das Diretas, a eleição de Tancredo Neves e a transição, a Constituinte e todo processo de redemocratização. A partir de 1986 passou a escrever a coluna Panorama Politico, na pagina 2 de O Globo, o que fez por 21 anos (1986-2007). Foi também comentarista politica da Globonews nos primeiros 10 anos do canal. Tereza Cruvinel é autora do livro "Cristina Tavares - uma guerreira do jornalismo e da política" e co-autora de "Jornalismo político para estudantes".

No dia 27 de setembro de 2007, o jornal para o qual trabalhava publicou a saída de Tereza: ela pedira demissão para assumir o cargo de presidente da EBC - Empresa Brasil de Comunicação, a convite do presidente Lula e do ministro-chefe da Secom, jornalista Franklin Martins. A principal missão da EBC seria implantar a TV Brasil, a TV Publica nacional.

Em seu blog, Moreno comentou, com tristeza, a saída da amiga.[2]

Na Globonews, atuou ao lado da amiga Cristiana Lôbo como comentarista e como participante do programa Fatos & Versões. Uma fato a destacar: quando o programa foi criado, o âncora era justamente Franklin Martins, cuja demissão da Rede Globo, tempos depois, levou Cristiana Lôbo à poltrona principal.

Na presidência da EBC Cruvinel implantou a TV Brasil, formando a Rede Publica de Televisão com outras emissoras educativas e culturais estaduais e implantou a Tv Brasil Internacional em 68 países. A EBC, que incorporou a antiga Radiobrás, no mandato de Cruvinel tornou-se uma empresa moderna e dotada de parque de produção e transmissão. Além da TV Brasil e de seu canal internacional, administra oito rádios publicas, sendo cinco da matriz Radio Nacional e três da família Radio Mec. Através da EBC serviços, atende o Governo Federal cobrindo as atividades da Presidência da Republica e produzindo programas como Café com a Presidente, Voz do Brasil e Bom dia, ministro.

O mandato da quatro anos da jornalista terminou em 31 de outubro de 2011. Em 25 de agosto, segundo nota por ela divulgada, agradeceu a oferta da presidente Dilma Rousseff para continuar no posto por mais um mandato, como admite a lei, defendendo para seu lugar o nome do jornalista Nelson Breve, já proposto pelo ex-ministro Franklin Martins. Breve foi nomeado em 1 de novembro de 2011.

Em 2013, Tereza deixa a TV Brasil e a EBC e se muda para a RedeTV! para ser comentarista de política do RedeTV! News. Entre 2014 e fevereiro de 2018, colaborou com o portal Brasil247.[3] Ainda em 2018, foi contatada como colunista do Jornal do Brasil, que voltara a ser impresso diariamente. Teresa passou a escrever de terça a domingo na página 2 do jornal. Em 6 de janeiro de 2019, publicou seu último artigo no JB.

Referências