Sismo e tsunâmi do oceano Índico de 2004

sismo e subsequente tsunami no Oceano Índico
(Redirecionado de Terramoto do Índico de 2004)

O sismo e tsunami do Oceano Índico de 2004 foi um terremoto/sismo submarino que ocorreu às 00h58min53 UTC de 26 de dezembro de 2004, com epicentro na costa oeste de Sumatra, na Indonésia. O terremoto é conhecido pela comunidade científica como terremoto (português brasileiro) ou terramoto (português europeu) de Sumatra-Andamão.[4][5]

Sismo do Oceano Índico de 2004
Banda Achém destruída após o tsunami
um homem procurando nos escombros em Meulaboh
um memorial do tsunami em Kerala
equipe de resgate coreana recuperando um corpo sob os escombros
Sismo e tsunâmi do oceano Índico de 2004
Animação mostrando a evolução do tsunâmi de 2004 no Oceano Índico.
Epicentro Oceano Índico, perto da costa da Indonésia
3.316° N 95.854° E
Profundidade 30 km
Magnitude 9,1 ou 9,3 MW
Intensidade máx. IX (desastroso)
Tipo Terremoto submarino
Data 26 de dezembro de 2004 (19 anos)
Zonas mais atingidas Indonésia (principalmente em Aceh)
Sri Lanka
Índia (principalmente em Tamil Nadu)
Tailândia
Maldivas
Tsunâmi 10 metros de altura
Vítimas 227 898 mortos[1][2][3]

O maremoto foi causado por uma subducção que desencadeou uma série de tsunamis devastadores ao longo das costas da maioria dos continentes banhados pelo Oceano Índico, o que causou a morte de estimadas 227 898 pessoas em 14 países diferentes e inundou comunidades costeiras com ondas de até 30 metros de altura.[6] Foi um dos mais mortais desastres naturais da história. Em número de vítimas, a Indonésia foi o país mais atingido, seguida por Sri Lanka, Índia e Tailândia.

Com uma magnitude entre 9,1 e 9,3, foi o maior terremoto já registrado em um sismógrafo. Este sismo teve a maior duração de falha já observada, entre 8,3 e 10 minutos. Isso fez com que o planeta inteiro vibrasse em um centímetro[7] e deu origem a outros terremotos em pontos muito distantes do epicentro, como o Alasca, nos Estados Unidos.[8] Seu hipocentro foi a cerca de 30 km de profundidade e o epicentro situou-se entre Simeulue e Samatra.[9]

Terremoto

editar

O terremoto foi inicialmente documentado como tendo uma magnitude de momento de 8,8. Em fevereiro de 2005, os cientistas revisaram a estimativa da magnitude para 9,0.[10] Embora o Pacific Tsunami Warning Center tenha aceitado esses novos números, o Serviço Geológico dos Estados Unidos, até 2022, até agora não mudou sua estimativa de 9,1.[11] Um estudo de 2006 estimou uma magnitude de 9,1–9,3 Mw; Hiroo Kanamori do Instituto de Tecnologia da Califórnia estima que 9,2 Mw é representativo do tamanho do terremoto.[12]

O hipocentro do terremoto principal foi de aproximadamente 160 quilômetros ao largo da costa ocidental do norte de Sumatra, no Oceano Índico, ao norte da ilha de Simeulue, a uma profundidade de 30 km abaixo do nível médio do mar (inicialmente relatado como 10 km). A seção norte do megaimpulso de Sunda se rompeu em um comprimento de 1,3 mil km.[9] O terremoto (seguido de tsunami) foi sentido em Bangladesh, Índia, Malásia, Mianmar, Tailândia, Sri Lanka e Maldivas.[13] As falhas geológicas de distribuição, ou falhas secundárias, fizeram com que partes longas e estreitas do fundo do mar aparecessem em segundos. Isso elevou rapidamente a altura e aumentou a velocidade das ondas, destruindo a cidade vizinha de Lhoknga, na Indonésia.[14]

A Indonésia fica entre o Círculo de Fogo do Pacífico ao longo das ilhas do nordeste adjacentes à Nova Guiné, e o cinturão Alpide que corre ao longo do sul e oeste de Sumatra, Java, Bali, Flores e Timor. Acredita-se que o terremoto de Sumatra em 2002 tenha sido um tremor premonitor, precedendo o evento principal em mais de dois anos.[15]

Comparações históricas

editar

Grandes terremotos, como o terremoto do Oceano Índico de 2004, estão associados a eventos de megassismo em zonas de subducção. Seus momentos sísmicos podem representar uma fração significativa do momento sísmico global em períodos de escala de século. De todo o momento liberado por terremotos nos 100 anos de 1906 a 2005, cerca de um oitavo foi devido ao terremoto de 2004 no Oceano Índico.[16] Este terremoto, juntamente com o Grande Terremoto do Alasca (1964) e o Grande Terremoto do Chile (1960), representam quase a metade do momento total.[16][17]

Desde 1900, os únicos terremotos registrados com maior magnitude foram o terremoto de Valdivia de 1960 (magnitude 9,5) e o terremoto de 1964 no Alasca na Enseada do Príncipe Guilherme (magnitude 9,2). Os únicos outros terremotos registrados de magnitude 9,0 ou superior ocorreram em Kamchatka, na Rússia, em 4 de novembro de 1952 (magnitude 9,0) e Tōhoku, no Japão (magnitude 9,1), em março de 2011. Cada um desses terremotos de megaimpulsão também gerou tsunamis no Oceano Pacífico. Em comparação com o sismo do Oceano Índico de 2004, o número de mortos por esses terremotos e tsunamis foi significativamente menor, principalmente por causa da menor densidade populacional ao longo das costas perto das áreas afetadas.[18]

Comparações com terremotos anteriores são difíceis, pois a força dos terremotos não começou a ser medida sistematicamente até a década de 1930.[19] No entanto, a força histórica do terremoto às vezes pode ser estimada examinando as descrições históricas dos danos causados e os registros geológicos das áreas onde ocorreram.[20]

Tremores secundários e outros terremotos

editar
 
Terremoto inicial e tremores secundários medindo mais de 4,0 M de 26 de dezembro de 2004 a 10 de janeiro de 2005.
 
Tremores secundários do terremoto de 2004 no Oceano Índico.

Vários tremores secundários foram relatados nas Ilhas Andamão, nas Ilhas Nicobar e na região do epicentro original nas horas e dias que se seguiram. O terremoto Nias-Simeulue de magnitude 8,7 em 2005, que se originou na costa da ilha de Nias, em Sumatra, não é considerado um tremor secundário, apesar de sua proximidade com o epicentro, e provavelmente foi desencadeado por mudanças associadas ao evento de 2004.[21]

Outros tremores secundários de magnitude 6,6 continuaram a sacudir a região diariamente por três ou quatro meses.[22]

O terremoto de 2004 no Oceano Índico ocorreu apenas três dias após um terremoto de magnitude 8,1 nas subantárticas ilhas Auckland, uma região desabitada a oeste da Nova Zelândia, e na ilha Macquarie, ao norte da Austrália. Isso é incomum, pois terremotos de magnitude oito ou mais ocorrem apenas cerca de uma vez por ano, em média.[23] O Serviço Geológico dos Estados Unidos não vê nenhuma evidência de uma relação causal entre esses eventos.[24]

Acredita-se que o terremoto do Oceano Índico de 2004 tenha desencadeado atividade tanto no Monte Leuser[25] quanto no Monte Talang,[26] vulcões em Achém ao longo da mesma faixa de picos, enquanto o terremoto Nias-Simeulue de 2005 provocou atividade no Lago Toba, uma antiga cratera em Sumatra.[27]

Energia liberada

editar

A energia liberada na superfície da Terra (ME, que é o potencial sísmico de dano) pelo terremoto do Oceano Índico de 2004 foi estimada em 1.1x1017 joules.[28] Essa energia é equivalente a mais de 1,5 mil vezes a da bomba atômica de Hiroshima, mas menos que a da Tsar Bomba, a maior arma nuclear já detonada.[29]

O terremoto gerou uma oscilação sísmica da superfície da Terra de até 200-300 milímetros, equivalente ao efeito das forças de maré causadas pelo Sol e pela Lua. As ondas sísmicas do terremoto foram sentidas em todo o planeta, até no estado norte-americano de Oklahoma, onde movimentos verticais de 3 mm foram registrados. Em fevereiro de 2005, os efeitos do terremoto ainda eram detectáveis de 0,02 mm na complexa oscilação harmônica da superfície da Terra, que gradualmente diminuiu e se fundiu com a incessante oscilação livre da Terra mais de quatro meses após o terremoto.[30]

 
Movimentos terrestres de componente vertical registrados pela Rede Sismográfica Global e exibidos pelo Consórcio IRIS.

A mudança de massa e a liberação massiva de energia alteraram levemente a rotação da Terra. Semanas após o terremoto, modelos teóricos sugeriram que o terremoto encurtou a duração de um dia em 2,68 microssegundos, devido a uma diminuição no achatamento da Terra.[31] Também fez com que a Terra "oscilasse" minuciosamente em seu eixo em até 23 mm na direção de 145° de longitude leste,[32] ou talvez até 50 ou 60 mm.[33]

Houve 10 metros de movimento lateral e 4-5 metros verticalmente ao longo da linha de falha. As primeiras especulações eram de que algumas das ilhas menores a sudoeste de Sumatra, que fica na Placa da Birmânia (as regiões do sul estão na Placa de Sunda), podem ter se movido para o sudoeste em até 36 metros, mas dados mais precisos divulgados mais de um mês após o terremoto descobriram que o movimento foi de cerca de 0,2 metros.[34] Como o movimento era vertical e lateral, algumas áreas costeiras podem ter sido movidas para abaixo do nível do mar. As ilhas Andamão e Nicobar parecem ter se deslocado para sudoeste em cerca de 1,25 metro e ter afundado 1 metro.[35]

 
Liberação de momento sísmico dos maiores terremotos de 1906 a 2005.

Em fevereiro de 2005, o navio HMS Scott, da Marinha Real Britânica, pesquisou o fundo do mar ao redor da zona do terremoto, que varia em profundidade entre 1 mil e 5 mil metros. A pesquisa, realizada usando um sistema de sonar multifeixe de alta resolução, revelou que o terremoto causou um impacto considerável na topografia do fundo do mar. Cerca de 1,5 mil metros de cumes de pressão criados pela atividade geológica anterior ao longo da falha entraram em colapso, gerando deslizamentos de terra com vários quilômetros de largura. Um desses deslizamentos de terra consistia em um único bloco de rocha de cerca de 100 metros de altura e 2 km de comprimento. O impulso da água deslocada pela elevação tectônica também arrastou enormes lajes de rocha, cada uma pesando milhões de toneladas, até 10 km através do fundo do mar. Uma fossa oceânica com vários quilômetros de largura foi exposta na zona do terremoto.[36]

Os satélites TOPEX/Poseidon e Jason-1 passaram por cima do tsunami enquanto ele atravessava o oceano.[37] Esses satélites carregam radares que medem com precisão a altura da superfície da água e eles detectectaram anomalias na ordem de 500 mm. As medições desses satélites podem ser inestimáveis para a compreensão do terremoto e do tsunami.[38]

Tsunami

editar
 
A propagação do tsunami levou 5 horas para chegar à Austrália Ocidental, 7 horas para chegar à Península Arábica e 11 horas até alcançar a costa sul-africana.

A súbita elevação vertical do fundo do mar em vários metros durante o terremoto deslocou enormes volumes de água, resultando em um tsunami que atingiu as costas do Oceano Índico. Um tsunami que causa danos longe de sua fonte é às vezes chamado de teletsunami e é muito mais provável que seja produzido pelo movimento vertical do fundo do mar do que pelo movimento horizontal.[39]

O tsunami, como todos os outros, se comportou de maneira diferente em águas profundas do que em águas rasas. Nas águas profundas do oceano, as ondas do tsunami formam apenas uma protuberância baixa e larga, quase imperceptível e inofensiva, que geralmente viaja em alta velocidade de 500-1000 km/h; em águas rasas perto da costa, um tsunami desacelera para apenas dezenas de quilômetros por hora, mas, ao fazê-lo, forma grandes ondas destrutivas. Os cientistas que investigam os danos em Achém encontraram evidências de que a onda atingiu uma altura de 24 metros em grandes trechos da costa, chegando a 30 metros em algumas áreas ao viajar para o interior.[40] Os satélites de radar registraram as alturas das ondas do tsunami em águas profundas: a altura máxima foi de 600 mm duas horas após o terremoto, as primeiras observações desse tipo já feitas.[41][42]

Segundo Tad Murty, vice-presidente da Tsunami Society, a energia total das ondas do tsunami foi equivalente a cerca de 5 megatons de TNT, que é mais do que o dobro da energia explosiva total usada durante toda a Segunda Guerra Mundial (incluindo as duas bombas atômicas), mas ainda algumas ordens de magnitude menor que a energia liberada no próprio terremoto. Em muitos lugares, as ondas chegaram até 2 km interior adentro.[43]

Por causa das distâncias envolvidas, o tsunami levou de quinze minutos a sete horas para atingir o litoral.[44][45]

O tsunami foi percebido até Struisbaai na África do Sul, cerca de 8,5 mil km de distância, onde uma maré de 1,5 metro subiu na costa cerca de 16 horas após o terremoto. Levou um tempo relativamente longo para chegar a Struisbaai, no ponto mais ao sul da África, provavelmente por causa da ampla plataforma continental ao largo da África do Sul e porque o tsunami teria seguido a costa sul-africana de leste a oeste. O tsunami também atingiu a Antártida, onde os medidores de maré da Base Showa, no Japão, registraram oscilações de até um metro, com perturbações que duram alguns dias.[46]

Parte da energia do tsunami escapou para o Oceano Pacífico, onde produziu tsunamis menores, mas mensuráveis, ao longo das costas ocidentais da América do Norte e do Sul, normalmente em torno de 200-400 mm.[47] Em Manzanillo, no México, um tsunami de 2,5 metros chegou a ser medido. Além disso, o tsunami foi grande o suficiente para ser detectado em Vancouver, o que intrigou muitos cientistas, já que os tsunamis medidos em algumas partes da América do Sul eram maiores do que os medidos em algumas partes do Oceano Índico. Foi teorizado que os tsunamis foram focados e direcionados a longas distâncias pelas cordilheiras meso-oceânicas que correm ao longo das margens das placas continentais.[48]

Sinais e avisos iniciais

editar
 
Recessão máxima das águas do tsunami na praia de Kata Noi em Phuket às 10h25 am, antes da terceira - e mais forte - onda de tsunami.

Apesar do atraso de várias horas entre o terremoto e o impacto do tsunami, quase todas as vítimas foram pegas de surpresa. Não havia sistemas de alerta de tsunami no Oceano Índico para detectar tsunamis ou alertar a população em geral que vive ao redor do oceano.[49]

O primeiro sinal de alerta de um possível tsunami é o próprio terremoto. No entanto, os tsunamis podem atingir milhares de quilômetros de distância, onde o terremoto é sentido apenas fracamente ou sequer é sentido. Além disso, nos minutos anteriores a um tsunami, o mar às vezes recua temporariamente da costa, o que foi observado na zona de ruptura do terremoto oriental, como as costas de Aceh, ilha de Phuket e área de Khao Lak na Tailândia, ilha de Penang na Malásia, e as ilhas Andamão e Nicobar. Esta visão rara supostamente induziu pessoas, especialmente crianças, a visitar a costa para investigar e coletar peixes encalhados em até 2,5 km de praia exposta, o que teve resultados fatais.[50]

Campo de ondas do tsunami na Baía de Bengala uma hora após o terremoto.

Uma das poucas áreas costeiras evacuadas antes do tsunami foi na ilha indonésia de Simeulue, perto do epicentro. O folclore da ilha relembra o terremoto e tsunami em 1907 e os ilhéus fugiram para as colinas do interior após o tremor inicial e antes do tsunami. Esses contos e folclore oral de gerações anteriores podem ter ajudado na sobrevivência dos habitantes locais.[51] Na praia de Maikhao, no norte da cidade de Phuket, Tailândia, uma turista britânica com 10 anos de idade na época chamada Tilly Smith estudou sobre geografia sobre tsunamis na escola e reconheceu os sinais de alerta, como o recuo do oceano. Ela e seus pais avisaram outras pessoas na praia, que foi evacuada com segurança.[52]

Os antropólogos inicialmente esperavam que a população aborígine das Ilhas Andamão fosse gravemente afetada pelo tsunami e até temiam que a já despovoada tribo onge pudesse ter sido exterminada.[53] No entanto, muitas das tribos aborígines fugiram e sofreram menos baixas.[54][55] Tradições orais desenvolvidas a partir de terremotos anteriores ajudaram as tribos aborígines a escapar do tsunami. Por exemplo, o folclore dos onges fala de "enorme tremor de terra seguido de alta parede de água". Quase todo o povo onge sobreviveu ao tsunami.[56]

Impacto

editar

Países afetados

editar
 
Países afetados pelo sismo e tsunami do Oceano Índico de 2004.

De acordo com o Serviço Geológico dos Estados Unidos, um total de 227.898 pessoas morreram.[57] Medido em vidas perdidas, este é um dos dez piores terremotos da história, bem como o pior tsunami da história. A Indonésia foi a área mais afetada, com o maior número de mortos estimado em cerca de 170 mil.[58] Um relatório inicial de Siti Fadilah Supari, o Ministro da Saúde da Indonésia na época, estimou que o total de mortes chegava a 220 mil somente na Indonésia, totalizando 280 mil mortes.[59] No entanto, o número estimado de mortos e desaparecidos na Indonésia foi posteriormente reduzido em mais de 50 mil pessoas. Em seu relatório, a Coalizão de Avaliação do Tsunami declarou: "Deve ser lembrado que todos esses dados estão sujeitos a erros, pois os dados sobre pessoas desaparecidas nem sempre são tão bons quanto se deseja".[1] Um número muito maior de mortes foi sugerido para Mianmar com base em relatórios da Tailândia.[60]

O tsunami causou graves danos e mortes até a costa leste da África, com a maior fatalidade registrada diretamente atribuída ao tsunami em Rooi-Els, perto da Cidade do Cabo, 8 mil km do epicentro.[61] Agências de socorro relataram que um terço dos mortos pareciam ser crianças. Isso ocorreu devido à alta proporção de crianças nas populações de muitas das regiões afetadas e porque as crianças eram as menos capazes de resistir às águas turbulentas. A Oxfam relatou que até quatro vezes mais mulheres do que homens foram mortos em algumas regiões porque estavam esperando na praia pelo retorno dos pescadores e cuidando de seus filhos nas casas.[62] Além de um grande número de residentes locais, até 9 mil turistas estrangeiros (principalmente europeus) que aproveitam a alta temporada de viagens de férias estão entre os mortos ou desaparecidos, especialmente pessoas dos países nórdicos.[63]

País afetado[a] Mortes confirmadas Estimativa de mortos[b] Feridos Desaparecidos Desabrigados Ref
  Indonésia &0000000000130736.000000130 736 &0000000000167540.000000167 540 &0000000000037063.00000037 063 &0000000000500000.000000500 000+ [64]
  Sri Lanka &0000000000035322.00000035 322[c] &0000000000035322.00000035 322 &0000000000021411.00000021 411 &0000000000516150.000000516 150 [65]
  Índia &0000000000012405.00000012 405 &0000000000016269.00000016 269 &0000000000003874.0000003 874 &0000000000647599.000000647 599
  Tailândia &0000000000005395.0000005 395[d] &0000000000008212.0000008 212 &0000000000008457.0000008 457 &0000000000002817.0000002 817 &0000000000007000.0000007 000 [66][67]
  Somália &0000000000000078.00000078 &0000000000000289.000000289 &0000000000005000.0000005 000 [68][69]
  Mianmar &0000000000000061.00000061 &0000000000000400.000000400–600 &0000000000000045.00000045 &0000000000000200.000000200 &0000000000003200.0000003 200 [70][60]
  Maldivas &0000000000000082.00000082 &0000000000000108.000000108 &0000000000000026.00000026 &0000000000015000.00000015 000+ [71][72]
  Malásia &0000000000000068.00000068 &0000000000000075.00000075 &0000000000000299.000000299 &0000000000000006.0000006 &0000000000005000.0000005 000+ [73][74]
  Tanzânia &0000000000000010.00000010 &0000000000000013.00000013 [75]
  Seicheles &0000000000000003.0000003 &0000000000000003.0000003 &0000000000000057.00000057 &0000000000000200.000000200 [76][77]
  Bangladesh &0000000000000002.0000002 &0000000000000002.0000002 [78]
  África do Sul &0000000000000002.0000002[e] &0000000000000002.0000002 [79]
  Iêmen &0000000000000002.0000002 &0000000000000002.0000002 [80]
  Quênia &0000000000000001.0000001 &0000000000000001.0000001 &0000000000000002.0000002
  Madagascar &Erro de expressão: caractere "," não reconhecidoErro de expressão: caractere "," não reconhecidoErro de expressão: caractere "," não reconhecidoErro de expressão: caractere "," não reconhecidoErro de expressão: caractere "," não reconhecidoErro de expressão: caractere "," não reconhecidoErro de expressão: caractere "," não reconhecidoErro de expressão: caractere "," não reconhecidoErro de expressão: caractere "," não reconhecidoErro de expressão: caractere "," não reconhecidoErro de expressão: caractere "," não reconhecidoErro de expressão: caractere "," não reconhecidoErro de expressão: caractere "," não reconhecidoErro de expressão: caractere "," não reconhecidoErro de expressão: caractere "," não reconhecidoErro de expressão: caractere "," não reconhecido.Erro de expressão: caractere "," não reconhecido1,000+ [81]
Estimativas totais 184 167 227 898 125 000 43 786 1 740 000
  • ↑a Esta tabela refere-se apenas aos países diretamente afetados pelo tsunami, não aos países cujos cidadãos foram afetados no exterior.
  • ↑b Inclui aqueles relatados em 'mortes confirmadas'. Se nenhuma estimativa separada estiver disponível, o número nesta coluna é o mesmo relatado em 'mortes confirmadas'.
  • ↑c Não inclui aproximadamente 19.000 pessoas desaparecidas inicialmente declaradas pelas autoridades dos Tigres de Liberação do Tamil Eelam das regiões sob seu controle.
  • ↑d Os dados incluem pelo menos 2.464 estrangeiros.
  • ↑e Não inclui cidadãos sul-africanos que morreram fora da África do Sul (por exemplo, turistas na Tailândia).

Impacto ambiental

editar
 
Inundação do tsunami em Khao Lak, Tailândia.

Além do grande número de vidas humanas, o terremoto do Oceano Índico causou um enorme impacto ambiental que afetará a região por muitos anos. Danos graves foram infligidos a ecossistemas como manguezais, recifes de corais, florestas, pântanos costeiros, dunas de areia, formações rochosas, biodiversidade animal e vegetal e águas subterrâneas. Além disso, a disseminação de resíduos sólidos e líquidos, produtos químicos industriais, água poluída e a destruição de coletores de esgoto e estações de tratamento ameaçaram ainda mais o meio ambiente, de maneiras incalculáveis. O impacto ambiental levou muito tempo e recursos significativos para ser avaliado.[82]

O principal efeito foi causado pelo envenenamento das fontes de água doce e do solo pela infiltração de água salgada e pelo depósito de uma camada de sal sobre as terras aráveis. Nas Maldivas, 16 a 17 atóis de recifes de corais que foram superados pelas ondas do mar e podem ficar inabitáveis por décadas. Incontáveis poços que serviam comunidades foram invadidos por mar, areia e terra; e os aquíferos foram invadidos por rochas porosas. Na costa leste da ilha, o tsunami contaminou poços dos quais muitos moradores dependiam para obter água potável.[83]

 
Vista aérea da costa de Banda Achém após o tsunami.
 
Estruturas destruídas em Banda Achém.

O International Water Management Institute, com sede em Colombo, monitorou os efeitos da água salgada e concluiu que os poços recuperaram a qualidade da água potável pré-tsunami um ano e meio após o evento.[83] O IWMI desenvolveu protocolos para limpeza de poços contaminados por água salgada; estes foram subsequentemente endossados oficialmente pela Organização Mundial da Saúde como parte de sua série de diretrizes de emergência.[84]

O solo salgado torna-se estéril e é difícil e caro restaurá-lo para a agricultura. Também causa a morte de plantas e importantes microrganismos do solo. Milhares de plantações de arroz, manga e banana no Sri Lanka foram quase totalmente destruídas e levarão anos para serem recuperadas.[83]

Além de outras formas de ajuda,[85] o governo australiano enviou especialistas em ecologia para ajudar a desenvolver estratégias de monitoramento de recifes e reabilitação de ambientes marinhos e recifes de corais nas Maldivas, Seicheles e outras regiões. Os cientistas desenvolveram conhecimentos ecológicos significativos a partir do trabalho com a Grande Barreira de Corais, nas águas do nordeste da Austrália.[86]

Em resposta à situação sem precedentes, o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) trabalhou com os governos da região para determinar a gravidade do impacto ecológico e como abordá-lo.[87] O PNUMA estabeleceu um fundo de emergência, montou uma força-tarefa para responder aos pedidos de assistência dos países afetados pelo tsunami e conseguiu mobilizar e distribuir aproximadamente 9,3 milhões de dólares para recuperação ambiental e redução do risco de desastres entre 2004 e 2007. O financiamento veio de outras agências internacionais e de países como Finlândia, Noruega, Espanha, Suécia e Reino Unido.[88][89]

Evidências sugeriram que a presença de manguezais nas áreas costeiras forneceu alguma proteção, quando comparada a áreas que foram desmatadas para aquicultura ou desenvolvimento urbano. Como resultado, a restauração de manguezais tornou-se o foco de uma série de projetos, com sucesso variado. Essas abordagens para a redução do risco de desastres com base no ecossistema parecem ser mais bem-sucedidas quando as comunidades locais estão intimamente envolvidas como partes interessadas em todo o processo e quando é dada atenção cuidadosa às condições físicas dos locais escolhidos para garantir que os manguezais possam prosperar lá.[90]

Impacto econômico

editar
 
Praia da Marina em Chenai, Índia, após o tsunami.
 
Um vagão de trem arrastado pelo tsunâmi no Sri Lanka, no desastre ferroviário de Peraliya.

O nível de dano à economia resultante do tsunami depende da escala examinada. Embora o impacto geral nas economias nacionais tenha sido menor, as economias locais foram devastadas. As duas principais ocupações afetadas pelo tsunami foram a pesca e o turismo.[91] Alguns economistas acreditam que os danos às economias nacionais afetadas serão menores porque as perdas nas indústrias de turismo e pesca representam uma porcentagem relativamente pequena do PIB. No entanto, outros alertam que os danos à infraestrutura são um fator primordial. Em algumas áreas, o abastecimento de água potável e os campos agrícolas foram contaminados pela água salgada do oceano.[92]

O impacto nas comunidades pesqueiras costeiras e nas pessoas que ali vivem, algumas das mais pobres da região, foi devastador, com grandes perdas de fontes de renda, bem como de barcos e equipamentos de pesca.[93][94] No Sri Lanka, a pesca artesanal, na qual é comum o uso de cestos de pesca, armadilhas de pesca e arpões, é uma importante fonte de pescado para os mercados locais; a pesca industrial é a principal atividade econômica, gerando emprego direto para cerca de 250 mil pessoas. Nos últimos anos, a indústria pesqueira emergiu como um setor dinâmico orientado para a exportação, gerando receitas substanciais em divisas. Estimativas preliminares indicam que 66% da frota pesqueira e da infraestrutura industrial nas regiões costeiras foram destruídas pelas ressacas.[95]

Enquanto o tsunami destruiu muitos dos barcos vitais para a indústria pesqueira do Sri Lanka, ele também criou uma demanda por catamarãs de plástico reforçado com fibra de vidro nos estaleiros de Tamil Nadu. Dado que mais de 51 mil embarcações foram perdidas no tsunami, a indústria cresceu. No entanto, a enorme demanda levou a uma menor qualidade no processo e alguns materiais importantes foram sacrificados para reduzir os preços para aqueles que ficaram empobrecidos após o tsunami.[96]

Embora apenas as regiões costeiras tenham sido diretamente afetadas pelas águas do tsunami, os efeitos indiretos também se espalharam para as províncias do interior. Como a cobertura da mídia sobre o evento foi tão extensa, muitos turistas cancelaram férias e viagens para aquela parte do mundo, mesmo que seus destinos de viagem não tenham sido afetados. Esse efeito cascata pode ser sentido especialmente nas províncias do interior da Tailândia, como Krabi, que serviu de ponto de partida para muitos outros destinos turísticos tailandeses.[97]

Os países da região apelaram aos turistas para que retornassem, ressaltando que a maior parte da infraestrutura turística estava intacta. No entanto, os turistas relutavam em fazê-lo por razões psicológicas. Até resorts de praia em partes da Tailândia que não foram afetadas pelo tsunami foram atingidos pelos cancelamentos.[98]

Tanto o terremoto quanto o tsunami podem ter afetado a navegação no Estreito de Malaca, que separa a Malásia e a ilha indonésia de Sumatra, alterando a profundidade do fundo do mar e perturbando bóias de navegação e antigos naufrágios. Em uma área do Estreito, a profundidade da água era de até 1,2 mil metros e agora são apenas 30 metros em algumas áreas, tornando o transporte impossível e perigoso. Esses problemas também tornaram a entrega de ajuda humanitária mais desafiadora. A compilação de novas cartas náuticas pode levar meses ou anos. As autoridades também esperavam que a pirataria na região diminuísse, já que o tsunami matou piratas e destruiu seus barcos.[99] Devido a múltiplos fatores, houve uma queda de 71,6% no número de ocorrências de pirataria entre 2004 e 2005, de 60 para 17 ocorrências. Os níveis permaneceram relativamente baixos por alguns anos. No entanto, entre 2013 e 2014, os incidentes de pirataria aumentaram drasticamente em 73,2%, excedendo os níveis pré-tsunami.[100]

Contexto histórico

editar
 
2004
1833
2005
1861
2007
1797
Dos dez terremotos mais fortes na Indonésia ≥ 8,3 Mw, seis ocorreram perto de Sumatra.

O último grande tsunami no Oceano Índico ocorreu por volta do ano 1400.[101][102] Em 2008, uma equipe de cientistas trabalhando em Phra Thong, uma ilha barreira ao longo da costa oeste da Tailândia, fortemente atingida, relatou evidências de pelo menos três grandes tsunamis nos 2 800 anos anteriores, o mais recente de cerca de 700 anos atrás. Uma segunda equipe encontrou evidências semelhantes de tsunamis anteriores em Achém, uma província no extremo norte de Sumatra; a datação por radiocarbono de fragmentos de casca no solo abaixo da segunda camada de areia levou os cientistas a estimar que o antecessor mais recente do tsunami de 2004 provavelmente ocorreu entre os anos de 1300 e 1450.[103]

O terremoto e o tsunami de 2004 combinados são o desastre natural mais mortal do mundo desde o terremoto de Tangshan em 1976. O terremoto foi o terceiro terremoto mais poderoso registrado desde 1900. O terremoto mais mortífero da história ocorreu em 1556 em Shaanxi, na China, com um número estimado de mortos de 830 mil, embora os números desse período possam não ser tão confiáveis.[104]

Antes de 2004, o tsunami criado nas águas do Oceano Índico e do Pacífico pela erupção de Krakatoa em 1883, que se acredita ter resultado em algo entre 36 mil e 120 mil mortes, provavelmente foi o mais mortal da região. Em 1782, acredita-se que cerca de 40 mil pessoas tenham sido mortas por um tsunami (ou ciclone) no Mar da China Meridional.[105] O tsunami mais mortal antes de 2004 foi o terremoto de Messina, na Itália, em 1908, no Mar Mediterrâneo, onde o terremoto e o tsunami mataram cerca de 123 mil.[106]

Outros efeitos

editar
 
Rescaldo do tsunami em Achém, Indonésia.
 
Barco levado para cima de edifícios em Achém, Indonésia.
 
Destroços no bairro de Ulèë Lheuë, em Banda Achém.

Muitos profissionais de saúde e trabalhadores humanitários relataram traumas psicológicos generalizados associados ao tsunami.[107]

A área mais atingida, Achém, é uma sociedade islâmica religiosamente conservadora e não teve turismo nem presença ocidental nos últimos anos devido à insurgência entre os militares indonésios e o Movimento Achém Livre (GAM). Alguns acreditam que o tsunami foi uma punição divina para os muçulmanos leigos que evitam suas orações diárias ou seguem um estilo de vida materialista. Outros disseram que Alá estava zangado porque os muçulmanos estavam se matando em um conflito contínuo.[108] O clérigo saudita Muhammad Al-Munajjid atribuiu isso à retribuição divina contra turistas não muçulmanos "que costumavam se espalhar por todas as praias e em bares transbordando de vinho" durante as férias de Natal.[109]

A devastação generalizada causada pelo tsunami levou o GAM a declarar um cessar-fogo em 28 de dezembro de 2004, seguido pelo governo indonésio, e os dois grupos retomaram as negociações de paz há muito paralisadas, que resultaram em um acordo de paz assinado em 15 de agosto de 2005. O acordo cita explicitamente o tsunami como justificativa.[110]

Em uma pesquisa realizada em 27 países, 15% dos entrevistados apontaram o tsunami como o evento mais significativo do ano. Apenas a Guerra do Iraque foi citada por tantos entrevistados.[111][112] A extensa cobertura da mídia internacional sobre o tsunami e o papel dos meios de comunicação e dos jornalistas na reconstrução foram discutidos por editores de jornais e meios de comunicação nas áreas afetadas pelo tsunami, em videoconferências especiais organizadas pelo Centro de Jornalismo da Ásia-Pacífico.[113]

O tsunami deixou o povo e o governo da Índia em estado de alerta. Em 30 de dezembro de 2004, quatro dias após o tsunami, a Terra Research notificou o governo da Índia de que seus sensores indicavam a possibilidade de um deslocamento tectônico de magnitude 7,9 a 8,1 nas próximas 12 horas entre Sumatra e a Nova Zelândia.[114] Em resposta, o ministro indiano de Assuntos Internos anunciou que um novo ataque de tsunami mortal era provável ao longo da costa sul da Índia e nas ilhas Andamão e Nicobar, mesmo que não houvesse sinal de turbulência na região.[114] O anúncio gerou pânico na região do Oceano Índico e fez com que milhares fugissem de suas casas, o que resultou em congestionamentos nas estradas.[115] O anúncio foi um alarme falso e o ministro do Interior retirou o anúncio.[115] Em uma investigação mais aprofundada, o governo da Índia descobriu que a empresa de consultoria Terra Research era administrada na casa de um autodenominado previsor de terremotos que não tinha lista telefônica e mantinha um site onde vendia cópias de seu sistema de detecção.[116]

 
Praia de Patong, em Phuket, na Tailândia, após o tsunami.

O tsunami teve um forte impacto humanitário e político na Suécia. O país mais atingido fora da Ásia, a Suécia, perdeu 543 turistas, principalmente na Tailândia. O governo de Göran Persson foi duramente criticado por sua inação.[117]

Smith Dharmasaroja, um meteorologista que previu que um terremoto e um tsunami "irão ocorrer com certeza" em 1994,[118][119] foi designado para desenvolver o sistema de alerta de tsunami na Tailândia. O sistema de alerta de tsunami do Oceano Índico foi formado no início de 2005 para fornecer um alerta precoce de tsunamis para os habitantes ao redor das costas do Oceano Índico.[120]

As mudanças na distribuição de massas no interior da Terra devido ao terremoto tiveram várias consequências. Ele deslocou o Polo Norte em 25 mm. Também mudou ligeiramente a forma da Terra, especificamente diminuindo o achatamento do planeta em cerca de uma parte em 10 bilhões, consequentemente aumentando um pouco a rotação da Terra e, assim, encurtando a duração do dia em 2,68 microssegundos.[121]

Resposta humanitária

editar
 
Missão alemã de socorro ao tsunami visitando Mullaitivu, na Província do Norte do Sri Lanka.

Uma grande quantidade de ajuda humanitária foi necessária por causa dos danos generalizados à infraestrutura, escassez de alimentos e água e danos econômicos. As epidemias eram uma preocupação particular devido à alta densidade populacional e ao clima tropical das áreas afetadas.

Havia também uma grande preocupação de que o número de mortos pudesse aumentar à medida que as doenças e a fome se espalhassem. No entanto, devido à resposta rápida inicial, isso foi minimizado.[122]

Nos dias que se seguiram ao tsunami, um esforço significativo foi feito para enterrar os corpos às pressas devido ao medo de propagação da doença. No entanto, os riscos à saúde pública podem ter sido exagerados e, portanto, essa pode não ter sido a melhor forma de alocar recursos. O Programa Mundial de Alimentos forneceu ajuda alimentar a mais de 1,3 milhão de pessoas afetadas pelo tsunami.[123]

Nações de todo o mundo forneceram mais de 14 bilhões de dólares em ajuda para regiões danificadas,[124] com os governos da Austrália prometendo 819,9 milhões de dólares (incluindo um pacote de ajuda de 760,6 milhões de dólares para a Indonésia), Alemanha oferecendo 660 milhões de dólares, Japão oferecendo 500 milhões de dólares, o Canadá oferecendo 343 milhões de dólares, a Noruega e os Países Baixos oferecendo 183 milhões de dólares, os Estados Unidos oferecendo 35 milhões de dólares inicialmente (aumentado para 350 milhões de dólares) e o Banco Mundial oferecendo 250 milhões de dólares. Além disso, a Itália ofereceu 95 milhões de dólares, posteriormente aumentados para 113 milhões de dólares, dos quais 42 milhões de dólares foram doados pela população usando o sistema SMS.[125] Austrália, Índia, Japão e Estados Unidos formaram um grupo corroborativo ad hoc, e foi a origem do Diálogo de Segurança Quadrilateral.[126]

 
Memorial dedicado às vítimas do tsunami, Batticaloa, no Sri Lanka.

De acordo com Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional, os EUA prometeram recursos adicionais em apoio de longo prazo para ajudar as vítimas do tsunami a reconstruir suas vidas. Em 9 de fevereiro de 2005, o presidente George W. Bush pediu ao Congresso que aumentasse o compromisso dos EUA para um total de 950 milhões de dólares. As autoridades estimaram que seriam necessários bilhões de dólares. Bush também pediu a seu pai, o ex-presidente George H. W. Bush, e ao ex-presidente Bill Clinton que liderassem um esforço dos EUA para fornecer ajuda privada às vítimas do tsunami.[99]

Em meados de março, o Banco Asiático de Desenvolvimento informou que mais de 4 bilhões de dólares em ajuda prometida pelos governos estava atrasada. O Sri Lanka informou que não havia recebido ajuda de governos estrangeiros, embora indivíduos estrangeiros tivessem sido generosos.[99] Muitas instituições de caridade receberam doações consideráveis do público. Por exemplo, no Reino Unido, o público doou cerca de 330 milhões de libras esterlinas (quase 600 milhões de dólares). Isso superou consideravelmente a alocação do governo para alívio de desastres e reconstrução de 75 milhões de libras esterlinas e chegou a uma média de 5,50 libras (10 dólares) doados por cada cidadão.[127][128]

Em agosto de 2006, quinze funcionários de ajuda local que trabalhavam na reconstrução pós-tsunami foram executados no nordeste do Sri Lanka após intensos combates entre tropas do governo e os rebeldes do Tigre Tâmil, disse o principal corpo guarda-chuva das agências de ajuda no país.[129]

Ver também

editar

Referências

  1. a b «Joint evaluation of the international response to the Indian Ocean tsunami: Synthesis Report» (PDF). TEC. Junho de 2006. Consultado em 9 de julho de 2018. Cópia arquivada (PDF) em 25 de agosto de 2006 
  2. «Earthquakes with 50,000 or More Deaths». U.S. Geological Survey. Cópia arquivada em 5 de junho de 2013 
  3. «Indian Ocean tsunami anniversary: Memorial events held». BBC News. 26 de dezembro de 2014. Consultado em 15 de dezembro de 2016 
  4. Lay, T., Kanamori, H., Ammon, C., Nettles, M., Ward, S., Aster, R., Beck, S., Bilek, S., Brudzinski, M., Butler, R., DeShon, H., Ekström, G., Satake, K., Sipkin, S., The Great Sumatra-Andaman Earthquake of December 26, 2004, Science, 308, 1127–1133, doi:10.1126/science.1112250, 2005
  5. «Tsunamis and Earthquakes: Tsunami Generation from the 2004 Sumatra Earthquake — USGS Western Coastal and Marine Geology». Walrus.wr.usgs.gov. Consultado em 12 de agosto de 2010 
  6. Paulson, Tom. "New findings super-size our tsunami threat." Seattlepi.com. February 7, 2005.
  7. Walton, Marsha. "Scientists: Sumatra quake longest ever recorded." CNN. May 20, 2005
  8. West, Michael; Sanches, John J.; McNutt, Stephen R. "Periodically Triggered Seismicity at Mount Wrangell, Alaska, After the Sumatra Earthquake." Science. Vol. 308, No. 5725, 1144–1146. May 20, 2005.
  9. a b Nalbant, Suleyman S.; Steacy, Sandy; Sieh, Kerry; Natawidjaja, Danny; McCloskey, John (9 de junho de 2005). «Seismology: Earthquake risk on the Sunda trench» (PDF). Nature. 435 (7043): 756–757. Bibcode:2005Natur.435..756N. PMID 15944691. doi:10.1038/nature435756a. Consultado em 16 de maio de 2009. Cópia arquivada (PDF) em 4 de junho de 2010 
  10. McKee, Maggie (9 de fevereiro de 2005). «Power of tsunami earthquake heavily underestimated». New Scientist. Cópia arquivada em 27 de fevereiro de 2005 
  11. «Long-term ocean observing for international capacity development around tsunami early warning | U.S. Geological Survey». www.usgs.gov (em inglês). Consultado em 18 de outubro de 2022 
  12. EERI Publication 2006–06, page 14.
  13. Løvholt, F.; et al. (30 de novembro de 2006). «Earthquake related tsunami hazard along the western coast of Thailand» (PDF). Natural Hazards and Earth System Sciences. 6 (6): 979–997. Bibcode:2006NHESS...6..979L. doi:10.5194/nhess-6-979-2006 . Consultado em 1 de setembro de 2019. Cópia arquivada (PDF) em 25 de julho de 2021 
  14. Sibuet, J.; et al. (15 de novembro de 2007). «26th December 2004 great Sumatra–Andaman earthquake: Co-seismic and post-seismic motions in northern Sumatra» (PDF). Earth and Planetary Science Letters. 263 (1–2): 88–103. Bibcode:2007E&PSL.263...88S. doi:10.1016/j.epsl.2007.09.005. Consultado em 16 de maio de 2009. Cópia arquivada (PDF) em 19 de maio de 2009 
  15. Vallée, M. (2007). «Rupture Properties of the Giant Sumatra Earthquake Imaged by Empirical Green's Function Analysis» (PDF). Seismological Society of America. Bulletin of the Seismological Society of America. 97 (1A): S103–S114. Bibcode:2007BuSSA..97S.103V. doi:10.1785/0120050616. Consultado em 10 de fevereiro de 2016. Cópia arquivada (PDF) em 10 de outubro de 2016 
  16. a b Bird, Peter; Kreemer, Corné (fevereiro de 2015). «Revised Tectonic Forecast of Global Shallow Seismicity Based on Version 2.1 of the Global Strain Rate Map». Bulletin of the Seismological Society of America (em inglês). 105 (1): 152–166. Bibcode:2015BuSSA.105..152B. ISSN 0037-1106. doi:10.1785/0120140129 
  17. Callender, Rick. «Cumulative Moment Mag». IRIS Consortium. Consultado em 20 de novembro de 2022 
  18. Lay, T.; Kanamori, H.; Ammon, C.; Nettles, M.; Ward, S.; Aster, R.; Beck, S.; Bilek, S.; Brudzinski, M. (20 de maio de 2005). «The Great Sumatra-Andaman Earthquake of 26 December 2004» (PDF). Science. 308 (5725): 1127–1133. Bibcode:2005Sci...308.1127L. PMID 15905392. doi:10.1126/science.1112250. Consultado em 20 de março de 2019. Cópia arquivada (PDF) em 22 de julho de 2021 
  19. «How do you determine the magnitude for an earthquake that occurred prior to the creation of the magnitude scale?». U.S. Geological Survey. Consultado em 10 de dezembro de 2022 
  20. Palmer, Brian (14 de janeiro de 2010). «How do they measure earthquakes from 250 years ago?». Slate Magazine (em inglês). Consultado em 10 de dezembro de 2022 
  21. USGS (22 de julho de 2010). «Poster of the Northern Sumatra Earthquake of 28 March 2005 – Magnitude 8.7». Consultado em 26 de junho de 2011. Arquivado do original em 14 de maio de 2011 
  22. «Sumatra shaken by new earthquake». BBC News. 10 de abril de 2005. Consultado em 24 de dezembro de 2012. Arquivado do original em 3 de novembro de 2012 
  23. «USGS Earthquake Hazards Program: FAQ». Earthquake.usgs.gov. 10 de dezembro de 2012. Consultado em 24 de dezembro de 2012. Arquivado do original em 20 de novembro de 2014 
  24. «Magnitude 9.1 Sumatra-Andaman Islands Earthquake FAQ». USGS. 29 de dezembro de 2014. Consultado em 6 de janeiro de 2015. Arquivado do original em 13 de dezembro de 2014 
  25. Rinaldo, Aditya (12 de abril de 2005). «Thousands flee as Indonesian volcano spews into life». Hindustan Times. Arquivado do original em 17 de fevereiro de 2006 
  26. Eileen Ng (3 de outubro de 2018). «Volcano erupts on same Indonesian island as earlier quake». Associated Press. Consultado em 16 de fevereiro de 2020. Arquivado do original em 16 de fevereiro de 2020 
  27. «Volcano on Indonesia's Sumatra Erupts». ABC News. 11 de abril de 2005. Cópia arquivada em 19 de setembro de 2005 
  28. «USGS Energy and Broadband Solution». National Earthquake Information Center, US Geological Survey. Consultado em 12 de agosto de 2010. Cópia arquivada em 4 de abril de 2010 
  29. «USGS:Measuring the size of earthquakes». Earthquake.usgs.gov. 27 de outubro de 2009. Consultado em 12 de agosto de 2010. Cópia arquivada em 1 de setembro de 2009 
  30. Virtanen, Heikki (2006). Studies of earth dynamics with the superconducting gravimeter (PDF) (Dissertation) 
  31. Cook-Anderson, Gretchen; Beasley, Dolores (10 de janeiro de 2005). «NASA Details Earthquake Effects on the Earth» (Nota de imprensa). NASA. Consultado em 16 de dezembro de 2016. Arquivado do original em 27 de janeiro de 2011 
  32. Schechner, Sam.
  33. «Italian scientists say Asian quakes cause Earth's axis shifted». Xinhua. 29 de dezembro de 2004. Cópia arquivada em 5 de julho de 2009 
  34. Staff Writer (31 de janeiro de 2005). «Quake moved Sumatra by only 20 centimeters: Danish scientists». Agence France-Presse 
  35. Bagla, Pallava (28 de janeiro de 2005). «After the Earth Moved». Science Now. Consultado em 16 de dezembro de 2016. Arquivado do original em 20 de dezembro de 2016 
  36. Knight, Will (10 de fevereiro de 2005). «Asian tsunami seabed pictured with sonar». New Scientist. Cópia arquivada em 27 de fevereiro de 2005 
  37. «NASA/French Satellite Data Reveal New Details of Tsunami». Jet Propulsion Laboratory/NASA. 11 de janeiro de 2005. Consultado em 16 de dezembro de 2016. Arquivado do original em 5 de março de 2016 
  38. «TOPEX/Poseidon Satellite Data on 26 December 2004 tsunami in the Indian Ocean». Aviso. Cópia arquivada em 24 de junho de 2011 
  39. Lorca, Emilio; Recabarren, Margot (1997). Earthquakes and tsunamis: high school textbook (PDF). [S.l.: s.n.] Consultado em 16 de dezembro de 2016. Cópia arquivada (PDF) em 29 de setembro de 2018 
  40. Paris, R.; Lavigne F.; Wassimer P.; Sartohadi J. (2007). «Coastal sedimentation associated with the December 26, 2004 tsunami in Lhoknga, west Banda Aceh (Sumatra, Indonesia)». Elsevier. Marine Geology. 238 (1–4): 93–106. Bibcode:2007MGeol.238...93P. doi:10.1016/j.margeo.2006.12.009 
  41. Leslie, John (10 de janeiro de 2005). «NOAA Scientists able to Measure Tsunami Height from Space». NOAA Magazine. National Oceanic and Atmospheric Administration. Consultado em 16 de dezembro de 2016. Arquivado do original em 3 de junho de 2018 
  42. McKee, Maggie (6 de janeiro de 2005). «Radar satellites capture tsunami wave height». New Scientist. Cópia arquivada em 24 de setembro de 2008 
  43. Pearce, Fred; Holmes, Bob (15 de janeiro de 2005). «Tsunami: The impact will last for decades». New Scientist. Cópia arquivada em 17 de abril de 2008 
  44. «Tsunami time travel map». Tsunami Laboratory, Novosibirsk, Russia. Consultado em 20 de julho de 2012. Arquivado do original em 3 de abril de 2012 
  45. «Time travel map: Active Fault Research Center: National Institute of Advanced Industrial Science and Technology, Japan». Staff.aist.go.jp. Consultado em 24 de dezembro de 2012. Arquivado do original em 17 de julho de 2012 
  46. «Indian Ocean Tsunami" at Syowa Station, Antarctica». Hydrographic and Oceanographic Dept. Japan Coast Guard. Consultado em 17 de dezembro de 2016. Arquivado do original em 21 de junho de 2017 
  47. «Indian Ocean Tsunami of 26 December 2004». West Coast/Alaska Tsunami Warning Center (USGS). 31 de dezembro de 2004. Cópia arquivada em 4 de fevereiro de 2012 
  48. Carey, Bjorn (25 de agosto de 2005). «Tsunami Waves Channeled Around the Globe in 2004 Disaster». LiveScience. Consultado em 17 de dezembro de 2016. Arquivado do original em 20 de dezembro de 2016 
  49. «The 2004 Boxing Day tsunami». Australian Geographic. 18 de dezembro de 2014. Consultado em 5 de março de 2015. Arquivado do original em 23 de fevereiro de 2015 
  50. Block, Melissa (27 de dezembro de 2004). «Sri Lankans Seek Lost Relatives After Tsunami». All Things Considered. NPR. Consultado em 20 de dezembro de 2016. Arquivado do original em 23 de novembro de 2016 
  51. Campbell, Matthew; Loveard, Keith; et al.
  52. «Girl, 10, used geography lesson to save lives». The Telegraph. London. 1 de janeiro de 2005. Consultado em 20 de dezembro de 2016. Arquivado do original em 25 de janeiro de 2017 
  53. Subir Bhaumik (30 de dezembro de 2004). «Andaman aborigines' fate unclear». BBC News. Consultado em 13 de fevereiro de 2010. Arquivado do original em 12 de dezembro de 2010 
  54. Gupta, Manu; Sharma, Anshu (2006). «Compounded loss: the post tsunami recovery experience of Indian island communities». Disaster Prevention and Management. 15 (1): 67–78. doi:10.1108/09653560610654248 
  55. Math, Suresh Bada; Girimaji‌1, Satish Chandra; Benegal, V; Uday Kumar, GS; Hamza, A; Nagaraja, D (2006). «Tsunami: Psychosocial aspects of Andaman and Nicobar islands. Assessments and intervention in the early phase». International Review of Psychiatry. 18 (3): 233–239. PMID 16753660. doi:10.1080/09540260600656001 
  56. Bhaumik, Subir (20 de janeiro de 2005). «Tsunami folklore 'saved islanders'». BBC News. Consultado em 20 de dezembro de 2016. Arquivado do original em 30 de setembro de 2009 
  57. National Earthquake Information Center (26 de dezembro de 2004). «M 9.1 - 2004 Sumatra - Andaman Islands Earthquake». United States Geological Survey. Consultado em 24 de abril de 2023 
  58. «Home». Islamic Relief USA. Consultado em 12 de agosto de 2010. Arquivado do original em 19 de janeiro de 2011 
  59. «Indonesia quake toll jumps again». BBC News. 25 de janeiro de 2005. Consultado em 24 de dezembro de 2012. Arquivado do original em 21 de agosto de 2021 
  60. a b «Myanmar is withholding true casualties figures, says Thai priest». AsiaNews.it. 4 de janeiro de 2005. Consultado em 12 de fevereiro de 2011. Cópia arquivada em 9 de outubro de 2006 
  61. «Hundreds of thousands of people killed as tsunamis devastate large swathes of South and Southeast Asia, coming as far as South Africa | South African History Online». www.sahistory.org.za (em inglês). Consultado em 15 de novembro de 2022 
  62. «Most tsunami dead female – Oxfam». BBC News. 26 de março de 2005. Consultado em 24 de dezembro de 2012. Arquivado do original em 26 de julho de 2008 
  63. «A2/2004Y Aasian luonnonkatastrofi 26.12.2004» (em finlandês). Onnettomuustutkintakeskus. 26 de dezembro de 2004. Consultado em 26 de dezembro de 2019. Arquivado do original em 25 de julho de 2021 
  64. Meisl, C.S.; Safaie S.; Elwood K.J.; Gupta R.; Kowsari R. (2006). «Housing Reconstruction in Northern Sumatra after the December 2004 Great Sumatra Earthquake and Tsunami». Earthquake Spectra. 22 (3_suppl): 777–802. Bibcode:2006EarSp..22..777M. doi:10.1193/1.2201668 
  65. «One year after the tsunami, Sri Lankan survivors still live in squalour». World Socialist Web Site. 29 de dezembro de 2005. Consultado em 24 de dezembro de 2012. Arquivado do original em 23 de novembro de 2012 
  66. «TsunamiMemorial.or.th». 28 de setembro de 2007. Consultado em 24 de dezembro de 2012. Cópia arquivada em 28 de setembro de 2007 
  67. Schwartz, D.; Goldberg A.; Ashenasi I.; Nakash G.; Leiba A.; Levei Y.; Bar-Dayan Y. (2006). «Prehospital care of tsunami victims in Thailand: description and analysis». Prehospital and Disaster Medicine. 21 (3): 204–210. PMID 16892886. doi:10.1017/S1049023X0000368X 
  68. Martin Plaut (26 de dezembro de 2005). «Tsunami: Somalia's slow recovery». BBC News. Consultado em 24 de dezembro de 2012. Arquivado do original em 1 de dezembro de 2012 
  69. «India, Indonesia, Maldives, Myanmar, Somalia, Thailand: Earthquake and Tsunami OCHA Situation Report No. 14». Reliefweb.int. Consultado em 12 de agosto de 2010. Arquivado do original em 7 de maio de 2008 
  70. «Asia-Pacific | 'Hundreds feared dead' in Burma». BBC News. 4 de janeiro de 2005. Consultado em 24 de dezembro de 2012. Arquivado do original em 4 de novembro de 2012 
  71. «TsunamiMaldives.mv». Consultado em 24 de dezembro de 2012. Cópia arquivada em 17 de junho de 2009 
  72. UNICEF (maio de 2006). «The 2004 Indian Ocean Tsunami Disaster: Evaluation of UNICEF's response (emergency and recovery phase). Maldives Report» (PDF). p. i. Consultado em 26 de junho de 2011. Arquivado do original (PDF) em 18 de janeiro de 2012 
  73. english@peopledaily.com.cn (13 de janeiro de 2005). «Death toll in Asian tsunami disaster tops 159,000». People's Daily. Consultado em 12 de agosto de 2010. Arquivado do original em 9 de junho de 2011 
  74. «Killer Waves». Channelnewsasia.com. Consultado em 24 de dezembro de 2012. Cópia arquivada em 23 de outubro de 2012 
  75. «Asian tsunami death toll passes 144,000». Australia: ABC. 3 de janeiro de 2005. Consultado em 12 de agosto de 2010. Arquivado do original em 17 de junho de 2009 
  76. «The Seychelles raises its voice». Consultado em 12 de agosto de 2010. Arquivado do original em 6 de maio de 2008 
  77. «Tsunami Evaluation Coalition: Initial Findings» (PDF). Consultado em 12 de agosto de 2010. Cópia arquivada (PDF) em 24 de março de 2006 
  78. Ioualalen, M.; Pelinovsky, E.; Asavanant, J.; Lipikorn, R.; Deschamps, A. (2007). «On the weak impact of the 26 December Indian Ocean tsunami on the Bangladesh coast». Natural Hazards and Earth System Sciences. 7 (1): 141–147. Bibcode:2007NHESS...7..141I. doi:10.5194/nhess-7-141-2007  
  79. Okal, E.A.; Hartnady C.J. (2010). «The South Sandwich Islands earthquake of 27 June 1929: seismological study and inference on tsunami risk for the southern Atlantic» (PDF). South African Journal of Geology. 112 (3–4): 359–370. doi:10.2113/gssajg.112.3-4.359. Consultado em 26 de junho de 2011. Cópia arquivada (PDF) em 17 de abril de 2012 
  80. «YEMEN: Tsunami damage over US$1 million – UNEP assessment». Irinnews.org. 22 de fevereiro de 2005. Consultado em 24 de dezembro de 2012. Arquivado do original em 26 de março de 2014 
  81. «Tsunami devastates Somali island». BBC News. 29 de dezembro de 2004. Consultado em 24 de dezembro de 2012. Arquivado do original em 10 de fevereiro de 2009 
  82. «Impact of Tsunamis on Ecosystems». United Nations Atlas of the Oceans. 10 de março de 2005. Arquivado do original em 20 de agosto de 2008 
  83. a b c «Helping restore the quality of drinking water after the tsunami» (PDF). International Water Management Institute. Success Stories (10). 2010. Consultado em 11 de agosto de 2021. Cópia arquivada (PDF) em 2 de março de 2012 
  84. Water sanitation and health: WHO technical notes for emergencies.
  85. «Indian Ocean tsunami». Department of Foreign Affairs and Trade, Australian Government. 19 de dezembro de 2014. Consultado em 11 de agosto de 2021. Arquivado do original em 11 de agosto de 2021 
  86. Australia's response to the Indian Ocean tsunami REPORT FOR THE PERIOD ENDING 30 JUNE 2005 (PDF). [S.l.]: Commonwealth of Australia. 2005. Consultado em 11 de agosto de 2021. Cópia arquivada (PDF) em 11 de agosto de 2021 
  87. «Environmental Issues Emerging from Wreckage of Asian Tsunami». United Nations. 30 de dezembro de 2004. Consultado em 3 de outubro de 2019. Arquivado do original em 11 de janeiro de 2005 
  88. UNEP Post-Tsunami Recover y Activities 2004-2007 (PDF). [S.l.]: UNEP Post-Tsunami Recover y Activities 2004-2007 United Nations Environment Programme. 2008. Consultado em 11 de agosto de 2021. Cópia arquivada (PDF) em 11 de agosto de 2021 
  89. «United Nations Environment Programme; Environment for Development». Consultado em 22 de abril de 2006. Arquivado do original em 12 de abril de 2006 
  90. Zimmer, Katarina (22 de julho de 2021). «Many mangrove restorations fail. Is there a better way?». Knowable Magazine. doi:10.1146/knowable-072221-1 . Consultado em 11 de agosto de 2021. Cópia arquivada em 16 de agosto de 2021 
  91. Gunatillake, Daya (2007). «The 2004 Tsunami in Sri Lanka: Destruction and recovery». Geography. 92 (3): 285–293. JSTOR 40574342. doi:10.1080/00167487.2007.12094208 
  92. Pearce, Fred.
  93. «Tsunamis Devastate Fisherfolk of Indian Ocean and Arabian Sea». www.ukabc.org. Consultado em 11 de março de 2019. Arquivado do original em 3 de março de 2019 
  94. «Impacts of the Tsunami on Fisheries, Aquaculture and Coastal Livelihoods» (PDF). reliefweb. 7 de janeiro de 2005. Consultado em 10 de março de 2019. Arquivado do original (PDF) em 8 de março de 2021 
  95. «Food supply and food security situation in countries affected by the Asia tsunami – Indonesia». ReliefWeb. Consultado em 11 de março de 2019. Arquivado do original em 21 de janeiro de 2020 
  96. «Demand for FRP boats rise after tsunami» (PDF). Consultado em 12 de agosto de 2010. Arquivado do original (PDF) em 24 de junho de 2011 
  97. Rigg, Johnathan; Lisa Lawt; May Tan-Mullins; Carl Grundy-Warr (dezembro de 2005). «The Indian Ocean Tsunami: Socio-Economic Impacts in Thailand.» (PDF). The Geographical Journal. 171 (4): 374–379. JSTOR 3451210. doi:10.1111/j.1475-4959.2005.00175_3.x. Consultado em 20 de março de 2019. Cópia arquivada (PDF) em 24 de julho de 2020 
  98. Chapter 6, "Thailand", in Jayasuriya, Sisira and Peter McCawley, The Asian Tsunami: Aid and Reconstruction after a Disaster Arquivado em 2011-07-22 no Wayback Machine.
  99. a b c Staff Writer.
  100. Birchard, Emma Louise (2020). «Piracy in the Strait of Malacca: The geopolitical background behind piracy and its impacts on Global Financial Centres» (PDF). Radboud University. Consultado em 11 de agosto de 2021. Arquivado do original (PDF) em 11 de agosto de 2021 
  101. Palmer, Jason (29 de outubro de 2008). «Tsunami in 2004 'not the first'». BBC News. Consultado em 12 de agosto de 2010. Arquivado do original em 15 de fevereiro de 2009 
  102. «Researchers uncover 2004 tsunami predecessor». ABC Radio Australia News. 30 de outubro de 2008. Consultado em 13 de abril de 2011. Arquivado do original em 17 de dezembro de 2013 
  103. «Scientists Find Evidence of Tsunamis on Indian Ocean Shores Long Before 2004». Newswise.com. 27 de outubro de 2008. Consultado em 24 de dezembro de 2012. Arquivado do original em 31 de maio de 2013 
  104. «Most Destructive Known Earthquakes on Record in the World (Earthquakes with 50,000 or More Deaths)». United States Geological Survey. Cópia arquivada em 1 de setembro de 2009 
  105. Lau, A. Y. A.; Switzer, A. D.; Dominey-Howes, D.; Aitchison, J. C.; Zong, Y. (1 de setembro de 2010). «Written records of historical tsunamis in the northeastern South China Sea – challenges associated with developing a new integrated database» (PDF). Natural Hazards and Earth System Sciences. 10 (9): 1793–1806. Bibcode:2010NHESS..10.1793L. doi:10.5194/nhess-10-1793-2010 . Consultado em 6 de agosto de 2013. Cópia arquivada (PDF) em 6 de julho de 2020 
  106. «The world's worst natural disasters». CBC News. 31 de agosto de 2010. Consultado em 19 de outubro de 2019. Arquivado do original em 19 de janeiro de 2011 
  107. Frankenberg, Elizabeth; Friedman, Jed; Gillespie, Thomas; Ingwersen, Nicholas; Pynoos, Robert; Rifai, Iip Umar; Sikoki, Bondan; Steinberg, Alan; Sumantri, Cecep (setembro de 2008). «Mental Health in Sumatra After the Tsunami». American Journal of Public Health (em inglês). 98 (9): 1671–1677. ISSN 0090-0036. PMC 2509591 . PMID 18633091. doi:10.2105/AJPH.2007.120915 
  108. Broadway, Bill.
  109. «Associated Press û Tsunami survivors cling tightly to faith across ravaged region». Media and Public Relations | Baylor University. Consultado em 11 de março de 2019. Arquivado do original em 24 de julho de 2020 
  110. «Memorandum of Understanding between Indonesian government and the Free Aceh Movement» (PDF). BBC News. 15 de agosto de 2005. Consultado em 24 de dezembro de 2012. Arquivado do original (PDF) em 29 de junho de 2006 
  111. «Most significant events of 2005» (PDF). BBC World Service. 30 de dezembro de 2005. Consultado em 26 de setembro de 2013. Arquivado do original (PDF) em 2 de outubro de 2013 
  112. Brighton, Paul; Foy, Dennis (2007). News Values. London: Sage. ISBN 978-1412946001 
  113. «Asia Pacific Journalism Centre – Home Page». Consultado em 24 de outubro de 2007. Arquivado do original em 13 de outubro de 2007 
  114. a b Press Trust of India (30 de dezembro de 2004) "Alert scaled down, capping day long confusion."
  115. a b Tran, Tina. (30 de dezembro de 2004) Associated Press "False tsunami alarm sparks panic in Indian Ocean region.
  116. «Suspect quake forecast causes panic». The Seattle Times. Associated Press. 31 de dezembro de 2004. Consultado em 17 de outubro de 2019. Arquivado do original em 16 de outubro de 2019 
  117. «Ministers Admit Handling of Tsunami Crisis Caused Suffering - Radio Sweden». Sveriges Radio. 16 de fevereiro de 2006. Consultado em 15 de dezembro de 2020. Arquivado do original em 25 de julho de 2021 
  118. Tima, Raffy Jr. (12 de maio de 2010). «'Mad' Scientist Gets Belated Recognition». Southeast Asian Press Alliance. Cópia arquivada em 19 de março de 2018 
  119. «A "Natural Disaster" Foretold». The Internationalist. Janeiro de 2005. Consultado em 16 de dezembro de 2020. Arquivado do original em 26 de fevereiro de 2021 
  120. «Indian Ocean Tsunami Information Center | Indian Ocean Tsunami Warning System | What is IOTWS». iotic.ioc-unesco.org. Consultado em 11 de março de 2019. Arquivado do original em 27 de fevereiro de 2019 
  121. Cook-Anderson, Gretchen; Beasley, Dolores (10 de janeiro de 2005). «NASA Details Earthquake Effects on the Earth». National Aeronautics and Space Administration (press release). Consultado em 11 de janeiro de 2005. Arquivado do original em 27 de janeiro de 2011 
  122. «UN upbeat on tsunami hunger aid». BBC News. 9 de janeiro de 2005. Consultado em 24 de dezembro de 2012. Arquivado do original em 12 de abril de 2013 
  123. «United Nations: World Food Programme: Report on the Tsunami Crisis». Reliefweb.int. 4 de novembro de 2005. Consultado em 24 de dezembro de 2012. Arquivado do original em 12 de dezembro de 2013 
  124. Chapter 3, "The matter of money", in Jayasuriya, Sisira and Peter McCawley, "The Asian Tsunami: Aid and Reconstruction after a Disaster" Arquivado em 2011-07-22 no Wayback Machine.
  125. Staff Writer (27 de janeiro de 2005). «Tsunami aid: Who's giving what». BBC News. Consultado em 22 de abril de 2006. Arquivado do original em 22 de junho de 2006 
  126. Tanvi Madan (16 de novembro de 2017). «The Rise, Fall, and Rebirth of the 'Quad'». War on the Rocks. Consultado em 22 de fevereiro de 2021. Arquivado do original em 13 de fevereiro de 2021 
  127. Telford, John; Cosgrave, John (março de 2007). «The international humanitarian system and the 2004 Indian Ocean earthquake and tsunamis». Disasters. 31 (1): 1–28. PMID 17367371. doi:10.1111/j.1467-7717.2007.00337.x  
  128. Flint, Michael (julho de 2006). «Funding the Tsunami Response» (PDF). United Nations Office for the Coordination of Humanitarian Affairs. Consultado em 11 de março de 2019. Arquivado do original (PDF) em 12 de janeiro de 2019 
  129. Ramesh, Randeep; correspondent, South Asia (7 de agosto de 2006). «15 tsunami aid staff executed in Sri Lanka». The Guardian. ISSN 0261-3077. Consultado em 11 de março de 2019. Arquivado do original em 4 de maio de 2020 

Ligações externas

editar
Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre Sismo e tsunâmi do oceano Índico de 2004:
  Imagens e media no Commons
  Categoria no Commons
  Base de dados no Wikidata