Abrir menu principal

Teste nuclear norte-coreano de setembro de 2016

O teste nuclear norte-coreano de Setembro de 2016 foi o 5° experimento do tipo realizado no país (sendo o terceiro sob o comando do líder Kim Jong-Un), ocorrido no dia 9 de setembro de 2016, exatamente no 68° aniversário da criação do país[1] e passados apenas 8 meses da realização do último teste.

Índice

AntecedentesEditar

2002: Foi revelado o programa secreto de Pyongyang de enriquecimento de urânio. Agentes da AIEA foram expulsos do país.

2003: Coreia do Norte se retirou do Tratado de Não Proliferação Nuclear (TNP)

2005: Governo norte-coreano confirmou ter armas nucleares.

2006: Primeiro teste nuclear norte-coreano, realizado no dia 9 de outubro.

2009: Míssil Taepodong-2 foi lançado no dia 5 de abril. Segundo teste nuclear, no dia 25 de maio.

2013: Terceiro teste nuclear. Reator de Yongbyon, principal fonte de plutônio enriquecido dos norte-coreanos foi reativado

2015: O líder norte-coreano Kim Jong-Un anunciou que o país detém bombas de hidrogênio.

2016: Foi realizado o quarto teste nuclear norte-coreano, no dia 6 de janeiro, supostamente com uma bomba de hidrogênio.[2]

EventosEditar

No dia 7 de julho de 2016, o site especializado 38 North já alertava, baseado em imagens de satélite, que a Coreia do Norte poderia estar preparando um novo teste, pois havia uma intensa movimentação na área de Punggye-Ri.[3]

Entre julho e agosto, os militares norte-coreanos realizaram vários testes com mísseis de médio e longo alcance. Um deles foi lançado de submarino, segundo as autoridades sul-coreanas.[4][5]

Às 00:30 (UTC) do dia 9 de setembro, o Serviço Geológico dos Estados Unidos (USGS) detectou um sismo de magnitude 5,3 na região de Punggye-ri, onde os norte-coreanos costumam realizar seus testes.[6] [7] Esse tremor foi consideravelmente mais potente do que os anteriores, e foi sentido na China[8] e até mesmo na região russa de Primorsky Krai.[9] Fontes japonesas e sul-coreanas confirmaram que o terremoto foi artificial.[10][11]

Logo em seguida, a televisão estatal norte-coreana KCTV confirmou que houve uma detonação atômica "com sucesso", para comemorar o 68° aniversário da fundação do país. Ademais, que o novo teste atômico foi uma resposta às novas sanções da ONU e que reafirmam a Coreia do Norte como potência nuclear.

Neste teste, Pyongyang alega ter detonado uma ogiva nuclear, capaz de ser montada em um míssil ICBM.[12]

 
Local da explosão segundo o USGS.
 
Sismogramas da explosão, registrados pela Agência Meteorológica do Japão.

As autoridades norte-coreanas não divulgam a potência de suas bombas, nem a dimensão de seu arsenal nuclear. Baseado na intensidade do tremor, o Ministério da Defesa Sul-Coreano concluiu que o artefato teve um rendimento de no mínimo 10 quilotons, o que seria o mais potente teste já realizado pela Coreia do Norte. Para comparar, a bomba atômica que destruiu Hiroshima em 1945 tinha uma potência de 16 quilotons.[13] Outras medições falam em 20 a 30 kt, sendo portanto até mais potente do que as bombas empregadas ao final da Segunda Guerra Mundial. [14] Um quiloton equivale à potencia explosiva de 1000 toneladas de TNT (Trinitrotolueno).[15] Autoridades chinesas suspeitam que a Coreia do Norte possa ter até 20 bombas atômicas,[16] enquanto que estimativas ocidentais falam em 10 bombas. [17]

Foi o menor intervalo de tempo registrado entre duas experiências nucleares norte-coreanas. No teste anterior, realizado a 6 de janeiro de 2016, Pyongyang declarou ter detonado uma bomba H, fato esse questionado por especialistas, devido aos fracos efeitos da explosão. [18]

No dia 10 de setembro, o jornal estatal norte-coreano Rodong Sinmun alertou que não aceitará "chantagens nucleares" das potências ocidentais, especialmente dos Estados Unidos, e ainda chamou a presidente Sul-Coreana Park Geun-Hye de "prostituta" das tropas estrangeiras.[19] Simultaneamente, houve protestos em Seul contra o teste e o regime autoritário de Kim Jong-Un. Jornais sul-coreanos alertaram que até o momento, as sanções da ONU contra a Coreia do Norte se mostraram inúteis contra o avanço do programa nuclear daquele país. Chegaram até mesmo a defender que os Estados Unidos deveriam posicionar armas nucleares táticas em território sul-coreano. Yun Byung-Se, ministro sul-coreano das relações exteriores, teme que a capacidade nuclear do vizinho do norte esteja evoluindo muito rapidamente[20]

Em 12 de setembro, Moon Sang-Gyun, porta-voz do Ministério da Defesa Sul-coreano, informou a jornalistas que a Coréia do Norte teria concluído os preparativos para realizar uma nova experiência nuclear no campo de Punggye-ri. Também deixou claro que Seul está pronta para responder a qualquer provocações do vizinho. O jornal norte-coreano Rodong Sinmun classificou o programa nuclear como um "êxito milagroso" e que o país tem capacidade de atacar não só as bases americanas no Oceano Pacífico como também o território continental dos Estados Unidos.[21][22]

No dia 13 de setembro, em uma manobra de dissuasão, bombardeiros americanos B-1 decolaram da base aérea de Guam e sobrevoaram o território sul-coreano, acompanhados por caças dos dois países. Vincent Brooks, comandante das tropas americanas na região, declarou que os Estados Unidos e a Coreia do Sul estão devidamente preparados para quaisquer eventualidades na região. [23][24]

A 14 de setembro, houve um grande ato em Pyongyang para comemorar o teste nuclear, que contou com a presença de milhares de pessoas assim como de vários membros do primeiro escalão do regime (curiosamente Kim Jong-Un não participou do evento). Kim Ki-nam, secretário do Partido dos Trabalhadores da Coreia do Norte, disse que o teste foi um ato de autodefesa contra os Estados Unidos, e que a capacidade nuclear de seu país continuará a aumentar "qualitativa e quantitativamente".[25][26]

Zhang Yesui, vice-primeiro ministro da China, alertou ao embaixador norte-coreano em Pequim que a insistência de Pyongyang em desenvolver armas atômicas não levará à paz, pelo contrário, irá desestabilizar a região.[27][28] Kim Hyun-joong, embaixador da Coreia do Norte na Rússia, também foi alertado pelo vice-chanceler Igor Morgulov de que as frequentes violações às resoluções da ONU podem aumentar a tensão na região.[29]

No dia 23 de setembro, o ministro dos Negócios Estrangeiros da Coreia do Norte Ri Yong Ho procurou justificar, na Assembléia Geral das Nações Unidas, a existência de armas nucleares em seu país. Segundo o ministro, enquanto houverem Estados nuclearizados hostis à RPDC (especialmente os Estados Unidos), a dissuasão nuclear será necessária para manter a paz na península coreana. Por outro lado, alertou que as provocações da Coréia do Sul e seus aliados americanos podem resultar em uma guerra nuclear na região "a qualquer momento".[30]

Tecnicamente, as duas Coreias estão em guerra desde 1950. A Guerra da Coreia foi interrompida em 1953 após um armistício, mas até hoje não foi assinado um acordo de paz.[31]

Reações internacionaisEditar

O teste foi amplamente condenado pela comunidade internacional.

  •   AIEA: O secretário geral da Agência, Yukiya Amano, declarou que o teste foi algo "preocupante e lamentável"[32]
  •   ONU: Ban Ki-Moon, secretário geral das Nações Unidas, classificou o ato como "inaceitável" e foi mais um alerta da necessidade de se reforçar a proibição de testes nucleares em todo o mundo.[33]
  •   Coreia do Sul: A presidente Park Geun-hye chamou o teste de um ato de auto-destruição[34]
  •  Japão: O primeiro-ministro Shinzo Abe alertou que a Coreia do Norte se torna uma ameaça cada vez maior, não só para seu país como também para toda a Comunidade Internacional.
  •   Estados Unidos: O presidente Barack Obama classificou como "provocação" e que o ato terá "sérias consequências". Obama também deixou claro que os Estados Unidos "não aceitam" e "jamais aceitarão" a Coreia do Norte como um Estado Nuclear. [35]
  •   Rússia: O Chanceler Russo Serguei Lavrov declarou estar "severamente preocupado" com o teste
  •   China: O governo chinês, ainda que seja o principal aliado de Pyongyang, declarou se "opôr firmemente" aos testes nucleares de seu vizinho.[36]
  •   Brasil: Através do Itamaraty, o governo brasileiro declara que "repudia veementemente" o teste nuclear realizado pela Coreia do Norte e ainda afirmou que continuará a lutar por um mundo livre de armas de destruição em massa.[37]
  •   Colômbia: O governo colombiano "condenou categoricamente" o teste nuclear, e pede à Coreia do Norte que cumpra com suas obrigações internacionais.[38]
  •   Chile: "Uma grave provocação que coloca em risco a paz e a segurança, não só da península coreana como de todo o mundo", segundo o comunicado do governo chileno.[39]
  •   Espanha: O governo espanhol considerou o teste "uma ameaça muito grave para a paz e a estabilidade da península coreana"[40]
  •   União Européia: "Só há um caminho a ser seguido pela Coréia do Norte e não há outra alternativa: o país tem que cumprir com suas obrigações e abandonar completamente suas armas nucleares, assim como seu programa nuclear, de forma irreversível". [41]

Sanções da ONUEditar

No dia 30 de novembro de 2016, o Conselho de Segurança das Nações Unidas aprovou de forma unânime endurecer ainda mais as sanções contra a Coreia do Norte. As novas medidas são[42][43]:

  • A partir de 1 de janeiro de 2017, as exportações de carvão da Coreia do Norte (a principal fonte de renda do país) não poderão ultrapassar 7,5 milhões de toneladas métricas ou US$ 400 milhões anuais (o que for menor). Com isso, a RDPC deverá perder até 700 milhões de dólares ao ano em divisas;
  • A venda ou transferência de ferro e minério de ferro de origem norte-coreano fica proibida, exceto para fins de subsistência.

O Japão também decidiu de forma unilateral proibir em seu território qualquer navio que tiver como destino ou pararem em portos norte-coreanos.[44]

Ver tambémEditar

Referências

  1. «Coreia do Norte faz novo teste nuclear e provoca terremoto». Consultado em 9 de setembro de 2016 
  2. «Veja a cronologia do programa nuclear norte-coreano». 7 de fevereiro de 2016. Consultado em 9 de setembro de 2016 
  3. «Imagem de satélite mostra atividade de teste nuclear na Coreia do Norte - JCNET». Consultado em 9 de setembro de 2016 
  4. «Coreia do Norte lança míssil balístico, diz governo sul-coreano». 2 de agosto de 2016. Consultado em 10 de setembro de 2016 
  5. «Coreia do Norte lança míssil de um submarino». 23 de agosto de 2016. Consultado em 10 de setembro de 2016 
  6. «Forte terremoto é sentido na Coreia do Norte próximo a local de testes nucleares». 9 de setembro de 2016. Consultado em 9 de setembro de 2016 
  7. «M5.3 Explosion - 19km ENE of Sungjibaegam, North Korea». earthquake.usgs.gov. Consultado em 9 de setembro de 2016 
  8. «Coreia do Norte realiza novo teste nuclear e líderes mundiais criticam». Vídeos - Noticias - | Band.com.br. Consultado em 14 de setembro de 2016 
  9. «Землетрясение магнитудой 5,3 в КНДР: вновь ядерное испытание» (em russo). 9 de setembro de 2016. Consultado em 3 de outubro de 2016 
  10. «Maior teste nuclear da história da Coreia do Norte gerou terremotos sentidos até na Rússia - Notícias - R7 Internacional». noticias.r7.com. Consultado em 9 de setembro de 2016 
  11. «Teste nuclear norte-coreano provoca terremoto de 5.3 magnitudes». www.apolo11.com. Consultado em 9 de setembro de 2016 
  12. «Coreia do Norte anuncia ter realizado 5º e maior teste nuclear - Notícias - UOL Notícias». Consultado em 9 de setembro de 2016 
  13. «Site simula impacto da bomba de Hiroshima em cidades brasileiras». 6 de agosto de 2015. Consultado em 9 de setembro de 2016 
  14. «Coreia do Norte faz teste nuclear: o país é capaz de promover um ataque?». 9 de setembro de 2016. Consultado em 9 de setembro de 2016 
  15. «Quiloton». Consultado em 9 de setembro de 2016 
  16. «Coreia do Norte tem mais armas nucleares do que se pensava, avisa Pequim». Consultado em 10 de setembro de 2016 
  17. «Top 10 maiores potências em armas nucleares». top10mais.org. Consultado em 10 de setembro de 2016 
  18. «Novo teste nuclear da Coreia do Norte "foi o mais forte de sempre"». 9 de setembro de 2016. Consultado em 9 de setembro de 2016 
  19. «Coreia do Norte diz em jornal que não aceitará 'chantagem' nuclear dos EUA». 10 de setembro de 2016. Consultado em 10 de setembro de 2016 
  20. «Coreia do Norte desafia Estados Unidos após teste nuclear». 10 de setembro de 2016. Consultado em 10 de setembro de 2016 
  21. «Coreia do Norte concluiu preparativos para novo teste nuclear, afirma Seul - ISTOÉ Independente». 12 de setembro de 2016. Consultado em 12 de setembro de 2016 
  22. «Coreia do Norte conclui preparativos para novo teste nuclear». 12 de setembro de 2016. Consultado em 12 de setembro de 2016 
  23. «Bombardeiros americanos sobrevoam Coreia do Sul após teste nuclear do Norte - ISTOÉ Independente». 13 de setembro de 2016. Consultado em 13 de setembro de 2016 
  24. «EUA enviam bombardeiros para a Coreia do Sul após teste nuclear de Pyongyang». Observador. Consultado em 13 de setembro de 2016 
  25. «Coreia do Norte comemora último teste nuclear com grande ato | EXAME.com». Consultado em 14 de setembro de 2016 
  26. «Corea del Norte celebra éxito de prueba nuclear». Consultado em 14 de setembro de 2016 
  27. «China diz que teste nuclear norte-coreano desestabiliza a região». Consultado em 11 de setembro de 2016 
  28. «China diz que teste nuclear norte-coreano 'desestabiliza região'». 11 de setembro de 2016. Consultado em 11 de setembro de 2016 
  29. «Moscou manifesta preocupação com teste nuclear norte-coreano». br.sputniknews.com. Consultado em 13 de setembro de 2016 
  30. «Testes nucleares são para continuar, reforça Coreia do Norte». Consultado em 26 de setembro de 2016 
  31. «História do mundo - A História da Humanidade a um Clique». História do mundo. Consultado em 10 de setembro de 2016 
  32. «Coreia do Norte faz novo teste nuclear e provoca terremoto». Consultado em 9 de setembro de 2016 
  33. «Teste nuclear mais poderoso da história da Coreia do Norte gera reações negativas no mundo» 
  34. «Coreia do Norte realiza maior teste nuclear desde Hiroshima e causa medo nos países vizinhos - Notícias - R7 Internacional». noticias.r7.com. Consultado em 9 de setembro de 2016 
  35. «Statement by the President on North Korea's Nuclear Test». 9 de setembro de 2016. Consultado em 10 de setembro de 2016 
  36. «Mundo condena 5º teste nuclear da Coreia do Norte; Obama propõe sérias consequências - Notícias - UOL Notícias». Consultado em 9 de setembro de 2016 
  37. «Testes realizados pela República Popular Democrática da Coreia». www.itamaraty.gov.br. Consultado em 9 de setembro de 2016 
  38. «El Ministerio de Relaciones Exteriores, en nombre del Gobierno de Colombia, condena categóricamente el ensayo nuclear realizado por la República Popular Democrática de Corea (RPDC), el 9 de septiembre de 2016». 9 de setembro de 2016. Consultado em 9 de setembro de 2016 
  39. «Ministerio de Relaciones Exteriores de Chile - Gobierno de Chile condena el ensayo nuclear realizado por Corea del Norte». www.minrel.gob.cl. Consultado em 9 de setembro de 2016 
  40. «La Moncloa. 09/09/2016. España condena enérgicamente el ensayo nuclear en la República Popular Democrática de Corea [Prensa/Actualidad/Asuntos Exteriores y de Cooperación]». www.lamoncloa.gob.es. Consultado em 10 de setembro de 2016 
  41. «Statement on the nuclear test in the DPRK - eeas - European Commission». eeas. Consultado em 11 de setembro de 2016 
  42. «ONU aprova sanções contra Coreia do Norte - Folha de Londrina - O Jornal do Paraná - Brasil». Folha de Londrina 
  43. «ONU aprova novas sanções contra a Coreia do Norte | VEJA.com». VEJA.com. 30 de novembro de 2016 
  44. «Coreia do Sul e Japão anunciam novas sanções contra Coreia do Norte - Internacional - Estadão». Estadão