The Fairy Queen

The Fairy Queen (1692; número de catálogo Purcell Z.629) é uma masque ou semi-ópera de Henry Purcell; um "espetáculo da restauração". [1] O libreto é uma adaptação anônima da comédia de William Shakespeare, Sonho de uma noite de verão. [2] Executada pela primeira vez em 1692, The Fairy-Queen foi composta três anos antes da morte de Purcell, aos 35 anos. Após sua morte, a pontuação foi perdida e redescoberta apenas no início do século XX.

Capa da edição original impressa

Purcell não colocou nenhum texto de Shakespeare na música; em vez disso, compôs música para masques curtas em todos os atos, menos no primeiro. A peça em si também foi ligeiramente modernizada, de acordo com as convenções dramáticas do século XVII, mas, em geral, o texto falado é como Shakespeare escreveu. As masques estão relacionadas à peça metaforicamente, e não literalmente. Muitos críticos afirmaram que não têm relação com a peça. Estudos recentes mostraram que a ópera, que termina com uma masque com Himeneu, o Deus do casamento, foi composta para o décimo quinto aniversário de casamento de Guilherme III e Maria II. [3]

ReferenciasEditar

Notas

  1. Milhouse, pp. 50–61
  2. Não tem relação com o poema de Edmund Spenser, The Faerie Queene
  3. Muller 2005 pp. 667–681

Fontes

  Este artigo sobre ópera é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.