Abrir menu principal

The Homesman

filme de 2014 dirigido por Tommy Lee Jones
The Homesman
Uma Dívida de Honra (PRT)
Dívida de Honra (BRA)
 França,  Estados Unidos
2014 •  cor •  122 min 
Direção Tommy Lee Jones
Produção Tommy Lee Jones
Luc Besson
Peter M. Brant
Brian Kennedy [1]
Elenco Tommy Lee Jones
Hilary Swank
Meryl Streep
Hailee Steinfeld
John Lithgow
Miranda Otto
James Spader
Gênero drama
ação
faroeste
Música Marco Beltrami
Cinematografia Rodrigo Prieto
Edição Roberto Silvi
Companhia(s) produtora(s) EuropaCorp
Ithaca
The Javelina Film Company
Distribuição Saban Films
Roadside Attractions
Lançamento 26 de Junho de 2014
Idioma inglês
Orçamento US$ $16 milhões
Página no IMDb (em inglês)

The Homesman (Dívida de Honra no Brasil) é um filme de 2014, do gênero drama, que se passa no período de 1850. Foi produzido e dirigido por Tommy Lee Jones e co-escrito com Kieran Fitzgerald e Wesley Oliver, baseado no romance de 1988 de mesmo nome, de Glendon Swarthout. O filme é estrelado por Tommy Lee Jones e Hilary Swank nos papeis principais e também dispõe de um elenco que inclui Meryl Streep, Hailee Steinfeld, John Lithgow, e James Spader.[2]

O filme foi selecionado para concorrer ao Palme d'Or no Festival de Cannes 2014 e recebeu um lançamento limitado na América do Norte em 14 novembro de 2014 por Roadside Attractions. The Homesman recebeu críticas positivas. No site Rotten Tomatoes o filme tem uma recepção de 82%.

O título refere-se à tarefa de levar os imigrantes de volta para casa, o que era normalmente o trabalho de um homem, daí The Homesman (Home: Casa | Man: Homem).[3]

SinopseEditar

Em 1854, três loucas são confiadas à guarda de Mary Bee Cuddy (Hilary Swank), uma pioneira forte e independente, natural de Nova Iorque e que havia emigrado para o Nebraska. A caminho do Iowa, onde as mulheres poderão encontrar refúgio, o caminho de Mary cruza-se com o de Georges Briggs (Tommy Lee Jones), um homem sem destino e sem muitos planos para o futuro que ela salva de uma morte eminente (a morte, senhora dos destinos, é uma indubitável eminência). Os dois decidem então unir forças para enfrentarem juntos a dureza e os perigos que rondam as vastas extensões da fronteira americana.

EnredoEditar

Mary Bee Cuddy (Hilary Swank) tem 31 anos e vive solitária em uma pequena vila do velho oeste americano. Apaixonada por música, ela passa os dias cuidando de suas terras enquanto espera um homem com quem possa se casar e estabelecer uma família, único requisito que faria com que ela deixasse de ser mal vista pela sociedade da época.

Quando três mulheres da redondeza enlouquecem, após serem maltratadas pelos próprios maridos, ela aceita a missão de transportá-las para o outro lado do Rio para um lugar onde elas possam ser tratadas e devolvidas para as suas respectivas famílias. No meio do caminho, antes mesmo de iniciar a jornada, ela se depara com George Briggs (Tommy Lee Jones), um homem rude e canastrão que foi amarrado em uma árvore após invadir a propriedade de um homem poderoso. Ela o liberta em troca de sua ajuda escoltar as mulheres. Ele nega, porém muda de ideia quando lhe é oferecido dinheiro. Briggs é útil quando encontram membros de uma tribo indígena e quando, em seguida, uma das mulheres é raptada.

Cuddy diz a Briggs que eles fazem uma grande equipe e sugere que eles se casem. O mesmo, como todos os homens anteriores, rejeita Cuddy em razão de sua aparência, mas depois ele acaba aceitando. Na manhã seguinte, Briggs encontra o corpo de Cuddy, que cometeu suicídio. Ele pega um cavalo e deixa as três mulheres para trás, mas quando o trio o segue a pé e quase se afogam na travessia do rio, ele retorna e promete cuidar delas até Iowa.

Briggs pede comida e abrigo em um hotel pertencente a Aloysius Duffy (James Spader), que lhe informa que eles não têm reservas para ele apesar do hotel ser completamente abandonado. Irritado e amargo após todo o seu sofrimento, dá um jeito de provocar um incêndio. Então rouba um porco assado e foge.

Briggs finalmente chega a Iowa, e entrega as mulheres aos cuidados de Altha Carter (Meryl Streep), a esposa de um reverendo da igreja. Ele informa-a da morte de Cuddy, mas não revela a verdadeira causa. Ele, então, propõe casamento a jovem Tabitha Hutchinson (Hailee Steinfeld) depois de se sentir culpado por não ter aceito de imediato a proposta de Mary Bee, porém desiste e deixa a jovem livre. Em vez disso, ele faz uma lápide para Cuddy. Ele conhece uma dupla de músicos e os convida a tocar uma canção conhecida, que ele passa a cantar. Na cena final, vemos um homem chutando a lápide de Cuddy para dentro do rio.

ElencoEditar

TemasEditar

O filme mostra a vida dura e difícil dos primeiros colonizadores do Meio-Oeste americano na década de 1850. The Homesman tem sido chamado de "feminista ocidental" embora seja importante notar que o filme se passa em Iowa e Nebraska, que é o centro dos Estados Unidos, e não o oeste, portanto, alguns consideraram um "anti-ocidental". Os críticos observaram que a vida das mulheres durante este tempo raramente são exploradas, ao contrário dos homens, ao mesmo tempo, comentando que as mulheres de hoje ainda estão tendo que equilibrar muitos "chapéus", incluindo as pressões sociais de casar, ter filhos e ser a "perfeita esposa e mãe".[4]

LançamentoEditar

The Homesman estreou em 18 de maio de 2014, no Festival de Cannes 2014. O filme também foi exibido no 2014 Telluride Film Festival, AFI Film Festival, entre outros. Saban Entertainment comprou o filme depois de Cannes para a liberação, com Roadside Attractions se juntando para distribuir o filme no EuropaCorp. O filme foi lançado efetivamente nos Estados Unidos em 14 de novembro de 2014, com planos de expansão ao longo meses seguintes. [5]

Recepção da críticaEditar

Crítica à músicaEditar

A música de Marco Beltrami recebeu elogios da crítica. A pontuação enfatiza o uso do som dos ventos para mostrar como os primeiros colonizadores tiveram de suportar o vento constante sem abrigo sólido.

Crítica ao filmeEditar

The Homesman recebeu críticas mistas dos críticos, em sua maioria, positivas. Os destaques da crítica foram o desempenho de Swank, a cinematografia e os trajes. Rotten Tomatoes deu ao filme um índice de aprovação de 82% com base em 138 avaliações, com uma média de classificação de 7.2/10. Metacritic deu ao filme uma pontuação de 68/100 com base em 42 críticos, indicando avaliações favoráveis.

Betsy Sharkey, do Los Angeles Times, escreveu: "Swank e Jones, em particular, são um bom casal estranho, às vezes invertendo os papéis. O que a direção de Jones faz de melhor é ceder os holofotes para a sua estrela. Ele constrói uma plataforma forte para Swank assumir o papel principal de uma mulher que se recusa a ficar vinculado por convenções de gênero."

Andrew O'Hehir escreveu: "Swank dá um magnífico desempenho como uma mulher cujo exterior calmo e capaz não pode esconder completamente o seu grave desespero. Em sua poesia sentimental, seu imaginário despojado e suas performances inesquecíveis, "The Homesman" é um clássico de Faroeste implacável. Com duras paisagens do diretor de fotografia Rodrigo Prietoe músicas inquietantes de Marco Beltrami; são tudo menos pitoresca e reconfortante, e serve para apoiar um retrato impressionante da vida sombria na fronteira americana no século XIX."

Referências