Abrir menu principal

A Carta (filme de 1940)

(Redirecionado de The Letter)
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde abril de 2013). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
The Letter
A Carta (PRT/BRA)
 Estados Unidos
1940 •  p&b •  95 min 
Direção William Wyler
Produção Hal B. Wallis
Roteiro Howard Koch (roteiro)
W. Somerset Maugham (peça de 1927)
Elenco Bette Davis
Herbert Marshall
James Stephenson
Gênero Suspense
Noir
Música Max Steiner
Direção de fotografia Tony Gaudio
Edição George Amy
Warren Low
Companhia(s) produtora(s) Warner Bros.
Distribuição Warner Bros.
Lançamento Estados Unidos 22 de junho de 1940
Idioma inglês

A Carta[1][2] (The Letter) é um filme norte-americano de 1940, do gênero suspense noir, dirigido por William Wyler para a Warner Bros.. O roteiro de Howard E. Koch é baseado em peça de 1927 do mesmo nome de W. Somerset Maugham. Em 1929, a peça foi adaptada pela primeira vez para o cinema pelo diretor Jean de Limur.

Índice

ElencoEditar

 
Gale Sondergaard em outra cena do trailer do filme

SinopseEditar

Numa noite tropical numa plantação de borracha na Malásia, os trabalhadores nativos são surpreendidos pelo barulho de vários disparos de revólver. Ao correrem para ver o que aconteceu, encontram Leslie Crosbie, esposa de Robert Crosbie, o inglês proprietário da plantação, segurando a arma diante do corpo caído de Geoff Hammond, outro membro da comunidade europeia do lugar. Leslie pede que chamem a polícia e o marido e depois explica que atirara em Hammond devido a ele ter-lhe tentado estuprar. Leslie é levada para a cadeia em Singapura e aguarda o julgamento por assassinato enquanto o advogado Howard Joyce prepara a defesa, confiante que a mulher será inocentada. Mas muda de ideia quando seu auxiliar nativo, Ong Chi Seng, fala sobre a existência de uma carta em poder da viúva de Hammond que provaria que Leslie tinha um caso com o falecido e o convidara para o encontro, durante a ausência do marido.

ProduçãoEditar

O Production Code Administration rejeitou a adaptação original da história apresentada pela Warner Bros. alegando que continha adultério e assassinato impune. Com isso foi realizado o final em que Leslie é assassinada. A personagem de Madame Hammond foi mudada de amante chinesa de Hammond para a esposa eurasiana dele para contornar o Código Hays [3]. O diretor William Wyler e a estrela Bette Davis haviam trabalhado antes em Jezebel e discordaram sobre a cena chave em que Leslie admite para o marido que ainda amava o homem que ela assassinara. Davis achou que nenhuma mulher poderia olhar para o marido e admitir esse tipo de coisa. Wyler discordou e Davis deixou o cenário. Ela mais tarde voltou e fez do jeito que Wyler queria, mas insistiu depois que seria melhor a mudança[4].

Wyler também discutiu com o chefe da Warner Bros., Jack L. Warner, sobre a escolha do ator britânico James Stephenson para interpretar o advogado Howard Joyce. Warner foi quem sugerira originariamente Stephenson para o elenco, mas após Wyler o escalá-lo, começou a achar que o papel era muito importante para ser dado a um desconhecido mas o diretor insistiu e a atuação dele foi reconhecida com uma indicação ao Óscar [4].

Herbert Marshall tinha aparecido na versão de 1929 como o amante que fora morto por Leslie.

Principais prêmios e indicaçõesEditar

Oscar (EUA)

  • Nomeações:
  • Melhor filme
  • Melhor atriz - Bette Davis
  • Melhor ator coadjuvante - James Stephenson
  • Melhor diretor - William Wyler
  • Melhor fotografia em preto-e-branco - Gaetano Gaudio
  • Melhor montagem - Warren Low
  • Melhor trilha sonora original - Max Steiner.

Referências

Ligações externasEditar

O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre A Carta (filme de 1940)

ÁudioEditar