The Raven

poema narrativo da autoria de Edgar Allen Poe
Disambig grey.svg Nota: ""O Corvo"" redireciona para este artigo. Este artigo é sobre um poema de Edgar Allan Poe. Para outros significados, veja The Raven (desambiguação).
O Corvo mostra a misteriosa visita de um corvo à meia-noite a um narrador de luto, como ilustrado por John Tenniel (1858).

The Raven ("O Corvo") é um poema narrativo do escritor norte-americano Edgar Allan Poe. Publicado pela primeira vez em janeiro de 1845, o poema é conhecido por sua musicalidade, linguagem estilizada e atmosfera sobrenatural. Ele fala de um corvo falante e misterioso que visita um amante homem perturbado, traçando uma lenta queda do mesmo à loucura. O amante, frequentemente identificado como estudioso,[1][2] está lamentando a perda de seu amor, Lenore. Sentado em um busto de Pallas Atena, o corvo parece perturbar ainda mais o protagonista com sua constante repetição da expressão "Nevermore" (Nunca mais). O poema utiliza referências folclóricas, mitológicas, religiosas e clássicas.

Poe afirmou ter escrito o poema de maneira lógica e metodológica, com a intenção de criar um poema que agrada tanto aos gostos críticos quanto aos populares, como ele explicou em seu ensaio de 1846, A Filosofia da Composição. O poema foi inspirado em parte por um corvo falante do romance Barnaby Rudge: A Tale of the Riots of Eighty, de Charles Dickens.[3] Poe empresta o ritmo complexo e a métrica do poema de Elizabeth Barrett, Lady Geraldine's Courtship, além de fazer uso da rima interna e da aliteração.

7 minutos e 12 segundos

Problemas para escutar este arquivo? Veja a ajuda.

O Corvo foi atribuído pela primeira vez a Poe no New York Evening Mirror em 29 de janeiro de 1845. Sua publicação tornou Poe popular em sua vida, apesar de não lhe trazer muito sucesso financeiro. O poema foi logo reimpresso, parodiado e ilustrado. Há divergências na opinião crítica em relação ao status literário do poema, mas continua sendo um dos mais famosos poemas já escritos.[4]

SinopseEditar

The Raven[5]


Once upon a midnight dreary, while I pondered, weak and weary,
Over many a quaint and curious volume of forgotten lore—
While I nodded, nearly napping, suddenly there came a tapping,
As of some one gently rapping, rapping at my chamber door.
"'Tis some visiter," I muttered, "tapping at my chamber door—
            Only this and nothing more."


Ah, distinctly I remember it was in the bleak December;
And each separate dying ember wrought its ghost upon the floor.
Eagerly I wished the morrow;—vainly I had sought to borrow
From my books surcease of sorrow—sorrow for the lost Lenore—
For the rare and radiant maiden whom the angels name Lenore—
            Nameless here for evermore.

And the silken, sad, uncertain rustling of each purple curtain
Thrilled me—filled me with fantastic terrors never felt before;
So that now, to still the beating of my heart, I stood repeating
"'Tis some visiter entreating entrance at my chamber door—
Some late visiter entreating entrance at my chamber door;—
            This it is and nothing more."

Presently my soul grew stronger; hesitating then no longer,
"Sir," said I, "or Madam, truly your forgiveness I implore;
But the fact is I was napping, and so gently you came rapping,
And so faintly you came tapping, tapping at my chamber door,
That I scarce was sure I heard you"—here I opened wide the door;—
            Darkness there and nothing more.

Deep into that darkness peering, long I stood there wondering, fearing,
Doubting, dreaming dreams no mortal ever dared to dream before;
But the silence was unbroken, and the stillness gave no token,
And the only word there spoken was the whispered word, "Lenore?"
This I whispered, and an echo murmured back the word, "Lenore!"—
            Merely this and nothing more.

Back into the chamber turning, all my soul within me burning,
Soon again I heard a tapping somewhat louder than before.
"Surely," said I, "surely that is something at my window lattice;
Let me see, then, what thereat is, and this mystery explore—
Let my heart be still a moment and this mystery explore;—
            'Tis the wind and nothing more!"

Open here I flung the shutter, when, with many a flirt and flutter,
In there stepped a stately Raven of the saintly days of yore;
Not the least obeisance made he; not a minute stopped or stayed he;
But, with mien of lord or lady, perched above my chamber door—
Perched upon a bust of Pallas just above my chamber door—
            Perched, and sat, and nothing more.

Then this ebony bird beguiling my sad fancy into smiling,
By the grave and stern decorum of the countenance it wore,
"Though thy crest be shorn and shaven, thou," I said, "art sure no craven,
Ghastly grim and ancient Raven wandering from the Nightly shore—
Tell me what thy lordly name is on the Night's Plutonian shore!"
            Quoth the Raven "Nevermore."

Much I marvelled this ungainly fowl to hear discourse so plainly,
Though its answer little meaning—little relevancy bore;
For we cannot help agreeing that no living human being
Ever yet was blessed with seeing bird above his chamber door—
Bird or beast upon the sculptured bust above his chamber door,
            With such name as "Nevermore."

But the Raven, sitting lonely on the placid bust, spoke only
That one word, as if his soul in that one word he did outpour.
Nothing farther then he uttered—not a feather then he fluttered—
Till I scarcely more than muttered "Other friends have flown before—
On the morrow he will leave me, as my Hopes have flown before."
            Then the bird said "Nevermore."

Startled at the stillness broken by reply so aptly spoken,
"Doubtless," said I, "what it utters is its only stock and store
Caught from some unhappy master whom unmerciful Disaster
Followed fast and followed faster till his songs one burden bore—
Till the dirges of his Hope that melancholy burden bore
            Of 'Never—nevermore'."

But the Raven still beguiling my sad fancy into smiling,
Straight I wheeled a cushioned seat in front of bird, and bust and door;
Then, upon the velvet sinking, I betook myself to linking
Fancy unto fancy, thinking what this ominous bird of yore—
What this grim, ungainly, ghastly, gaunt, and ominous bird of yore
            Meant in croaking "Nevermore."

This I sat engaged in guessing, but no syllable expressing
To the fowl whose fiery eyes now burned into my bosom's core;
This and more I sat divining, with my head at ease reclining
On the cushion's velvet lining that the lamp-light gloated o'er,
But whose velvet-violet lining with the lamp-light gloating o'er,
            She shall press, ah, nevermore!

Then, methought, the air grew denser, perfumed from an unseen censer
Swung by seraphim whose foot-falls tinkled on the tufted floor.
"Wretch," I cried, "thy God hath lent thee—by these angels he hath sent thee
Respite—respite and nepenthe, from thy memories of Lenore;
Quaff, oh quaff this kind nepenthe and forget this lost Lenore!"
            Quoth the Raven "Nevermore."

"Prophet!" said I, "thing of evil!—prophet still, if bird or devil!—
Whether Tempter sent, or whether tempest tossed thee here ashore,
Desolate yet all undaunted, on this desert land enchanted—
On this home by Horror haunted—tell me truly, I implore—
Is there—is there balm in Gilead?—tell me—tell me, I implore!"
            Quoth the Raven "Nevermore."

"Prophet!" said I, "thing of evil!—prophet still, if bird or devil!
By that Heaven that bends above us—by that God we both adore—
Tell this soul with sorrow laden if, within the distant Aidenn,
It shall clasp a sainted maiden whom the angels name Lenore—
Clasp a rare and radiant maiden whom the angels name Lenore."
            Quoth the Raven "Nevermore."

"Be that word our sign of parting, bird or fiend!" I shrieked, upstarting—
"Get thee back into the tempest and the Night's Plutonian shore!
Leave no black plume as a token of that lie thy soul hath spoken!
Leave my loneliness unbroken!—quit the bust above my door!
Take thy beak from out my heart, and take thy form from off my door!"
            Quoth the Raven "Nevermore."

And the Raven, never flitting, still is sitting, still is sitting
On the pallid bust of Pallas just above my chamber door;
And his eyes have all the seeming of a demon's that is dreaming,
And the lamp-light o'er him streaming throws his shadow on the floor;
And my soul from out that shadow that lies floating on the floor
            Shall be lifted—nevermore!

—Edgar Allan Poe


O Corvo segue um narrador sem nome em uma noite sombria em dezembro, que lê "histórias esquecidas" ao lado de um fogo agônico[6] como uma maneira de esquecer a morte de sua amada Lenore. Uma "batida na porta do [seu] quarto"[6] não revela nada, mas excita sua alma a "queimar".[7] A batida é repetida, um pouco mais alta, e ele percebe que está vindo de sua janela. Quando ele vai investigar, um corvo voa para dentro de seu quarto. Não prestando atenção ao homem, o corvo pousa sobre um busto de Pallas Atena acima da porta.

Divertido com a disposição cômica séria do corvo, o homem pede que o pássaro lhe diga seu nome. A única resposta do corvo é "Nunca mais".[7] O narrador fica surpreso que o corvo possa falar, embora neste momento não tenha dito mais nada. O narrador observa para si mesmo que seu "amigo", o corvo, logo voará para fora de sua vida, assim como "outros amigos voaram antes",[7] juntamente com suas esperanças anteriores. Como se estivesse respondendo, o corvo responde novamente com "Nunca mais".[7] O narrador argumenta que o pássaro aprendeu a palavra "Nunca mais" com algum "mestre infeliz" e que é a única expressão que conhece.[7]

 
O Corvo ilustrado por Gustave Doré.

Mesmo assim, o narrador puxa sua cadeira diretamente na frente do corvo, determinado a aprender mais sobre ele. Ele pensa por um momento em silêncio, e sua mente volta para a finada Lenore. Ele acha que o ar fica mais denso e sente a presença de anjos, e se pergunta se Deus está lhe enviando um sinal de que ele deve esquecer Lenore. O pássaro novamente responde negativamente, sugerindo que ele nunca pode se libertar de suas memórias. O narrador fica zangado, chamando o corvo de "coisa maléfica" e de "profeta".[8] Finalmente, ele pergunta ao corvo se ele se reunirá com Lenore no céu. Quando o corvo responde com seu típico "Nunca mais", ele fica furioso e, chamando-o de mentiroso, ordena que o pássaro retorne à "costa plutoniana"[8] — mas não se move. Presumivelmente no momento da recitação do poema pelo narrador, o corvo "ainda está sentado"[8] no busto de Pallas. A admissão final do narrador é que sua alma está presa sob a sombra do corvo e "Nunca mais" será levantada.[8]

AnáliseEditar

Poe escreveu o poema como uma narrativa, sem alegoria intencional ou didatismo.[2] O tema principal do poema é a devoção eterna.[9] O narrador experimenta um conflito perverso entre o desejo de esquecer e o desejo de lembrar. Ele parece ter algum prazer ao se concentrar na perda.[10] O narrador assume que a expressão "Nunca mais" é a "única expressão conhecida" do corvo e, no entanto, continua fazendo perguntas, mesmo sabendo qual será a resposta. Suas perguntas, então, são propositadamente auto-depreciativas e incitam ainda mais seus sentimentos de perda.[11] Poe deixa claro se o corvo realmente sabe o que está dizendo ou se realmente pretende causar uma reação no narrador do poema.[12] O narrador começa como "fraco e cansado", torna-se arrependido e angustiado, antes de passar a um frenesi e, finalmente, loucura.[13] Christopher F. S. Maligec sugere que o poema é um tipo de paraclausítiro elegíaco, uma forma poética grega e romana antiga que consiste no lamento de um amante perdido.[14]

AlusõesEditar

 
O corvo empoleira-se em um busto de Pallas Athena, um símbolo de sabedoria que significa que o narrador é um estudioso. Ilustração de Édouard Manet para a tradução de Stéphane Mallarmé, Le Corbeau (1875).

Poe diz que o narrador é um jovem estudioso.[15] Embora isso não esteja explicitamente declarado no poema, é mencionado em A Filosofia da Composição. Também é sugerido pelo narrador que lê livros "folclóricos", bem como pelo busto de Pallas Atena, deusa grega da sabedoria.[1]

Ele está lendo tarde da noite de "muitos volumes curiosos de histórias esquecidas".[6] Semelhante aos estudos sugeridos no conto de Poe, Ligeia, esse conhecimento pode ser sobre a magia oculta ou negra. Isso também é enfatizado na escolha do autor de definir o poema em dezembro, um mês tradicionalmente associado às forças das trevas. O uso do corvo—o "pássaro do diabo"—também sugere isso.[16] Essa imagem do diabo é enfatizada pela crença do narrador de que o corvo é "da costa plutoniana da noite", ou um mensageiro da vida após a morte, referindo-se a Plutão, o deus romano do submundo[10] (também conhecido como Dis Pater na mitologia romana). Uma alusão direta a Satanás também aparece: "Se o Tentador lhe enviou, ou se a tempestade te jogou aqui em terra..."

Poe escolheu um corvo como o símbolo central da história porque queria uma criatura "sem raciocínio" capaz de falar. Ele escolheu um corvo, que considerou "igualmente capaz de falar" como um papagaio, porque combinava com o tom pretendido do poema.[17] Poe disse que o corvo deve simbolizar uma "Lembrança Triste e Interminável".[18] Ele também foi inspirado por Grip, o corvo em Barnaby Rudge: A Tale of the Riots of Eighty por Charles Dickens.[19] Uma cena em particular tem uma semelhança com O Corvo: no final do quinto capítulo do romance de Dickens, Grip faz um barulho e alguém diz: "O que foi aquilo?" – ele batendo na porta?" A resposta é: "É alguém batendo suavemente no obturador".[20] O corvo de Dickens sabia falar muitas palavras e tinha muitas reviravoltas, incluindo o estourar de uma rolha de champanhe, mas Poe enfatizou as qualidades mais dramáticas do pássaro. Poe escreveu uma resenha de Barnaby Rudge para a Graham's Magazine, dizendo, entre outras coisas, que o corvo deveria ter servido a um propósito profético e mais simbólico.[20] A semelhança não passou despercebida: James Russell Lowell, em A Fable for Critics, escreveu o verso: "Aí vem Poe com seu corvo, como Barnaby Rudge / Três quintos de seu gênio e dois quintos de puro plágio".[21] A Biblioteca Livre da Filadélfia tem em exibição um corvo taxidermizado que tem a fama de ser aquele que Dickens possuía e que ajudou a inspirar o poema de Poe.[22]

Poe também pode ter se inspirado em várias referências a corvos na mitologia e no folclore. Na mitologia nórdica, Odin possuía dois corvos chamados Huginn e Muninn, representando pensamento e memória.[23] Segundo o folclore hebreu, Noé envia um corvo branco para verificar as condições enquanto está na arca.[17] Aprende que as águas da enchente estão começando a se dissipar, mas não retornam imediatamente com as notícias. É punido por ficar preto e forçado a se alimentar de carniça para sempre.[23] Nas Metamorfoses de Ovídio, um corvo também começa como branco antes que Apolo o castigue, tornando-o preto por transmitir uma mensagem da infidelidade de um amante. O papel do corvo como mensageiro no poema de Poe pode se basear nessas histórias.[23]

Nepente, uma droga mencionada na Odisseia de Homero, apaga memórias; o narrador se pergunta em voz alta se poderia receber "trégua" dessa maneira: "Bebe, bebe o bom nepente e esqueça a perda de Lenore!"

Poe também menciona o Bálsamo de Gileade, uma referência ao Livro de Jeremias (8:22) na Bíblia: "Porventura não há bálsamo em Gileade? Ou não há lá médico? Por que, pois, não se realizou a cura da filha do meu povo?".[24] Nesse contexto, o Bálsamo de Gileade é uma resina usada para fins medicinais (sugerindo, talvez, que o narrador precise ser curado após a perda de Lenore). Em 1 Reis 17:1-5, diz-se que Elias é de Gileade e foi alimentado por corvos durante um período de seca.[25]

Poe também se refere a "Aidenn", outra palavra para o Jardim do Éden, embora Poe a use para perguntar se Lenore foi aceita no céu.

Estrutura poéticaEditar

O poema é composto de 18 estrofes de seis linhas cada. Geralmente, o metro é um octâmetro trocaico — oito pés trocaicos por linha, cada pé com uma sílaba tônica seguida por uma sílaba átona.[3] A primeira linha, por exemplo (com / representando sílabas tônicas e x representa átonas):

Estrutura silábica de um verso[6]
Tônica / x / x / x / x / x / x / x / x
Sílaba Once up- on a mid- night drear- y pon- I pon- dered weak and wear- y
 
Ilustração de Manet do corvo voando pela janela

Poe, no entanto, afirmou que o poema era uma combinação de octâmetro acatalético, heptâmetro catalético e tetrâmetro catalético.[15] O esquema de rima é ABCBBB, ou AA, B, CC, CB, B, B ao contabilizar a rima interna. Em todas as estrofes, as linhas "B" rimam com a expressão "nevermore" e são cataléticas, colocando ênfase extra na sílaba final. O poema também faz uso pesado de aliteração ("Doubting, dreaming dreams ...").[26] O poeta americano do século XX Daniel Hoffman sugeriu que a estrutura e o medidor do poema são tão formulados que são artificiais, embora sua qualidade hipnotizante substitua isso.[27]

Poe baseou a estrutura de O Corvo na rima e no ritmo complicados do poema de Elizabeth Barrett, Lady Geraldine's Courtship.[15] Poe revisou o trabalho de Barrett na edição de janeiro de 1845 do Broadway Journal[28] e disse que "sua inspiração poética é a mais alta — não podemos conceber nada mais solene. Seu senso de arte é puro em si."[29] Como é típico de Poe, ele também critica sua falta de originalidade e o que ele considera a natureza repetitiva de algumas de suas poesias.[30] Sobre Lady Geraldine's Courtship, ele comentou: "Eu nunca li um poema combinando tanta paixão feroz com tamanha imaginação delicada".[29]

Histórico da publicaçãoEditar

Poe mostrou O Corvo pela primeira vez a seu amigo e ex-empregador George Rex Graham, da Graham's Magazine, na Filadélfia. Graham recusou o poema, que poderia não estar em sua versão final, embora tenha dado a Poe 15 dólares como caridade.[31] Poe então vendeu o poema para a The American Review, que pagou 9 dólares por ele,[32] e imprimiu O Corvo em sua edição de fevereiro de 1845 sob o pseudônimo "Quarles", uma referência ao poeta inglês Francis Quarles.[33] A primeira publicação do poema com o nome de Poe foi no Evening Mirror em 29 de janeiro de 1845, como uma "cópia antecipada".[15] Nathaniel Parker Willis, editor do Mirror, o apresentou como "insuperável na poesia inglesa por sua concepção sutil, a engenhosa habilidade da versificação e consistência, sustentando a força imaginativa" [...] Ficará na memória de todos que o lerem".[4] Após esta publicação, o poema apareceu em periódicos nos Estados Unidos, incluindo o New York Tribune (4 de fevereiro de 1845), Broadway Journal (vol. 1, 8 de fevereiro de 1845), Southern Literary Messenger (vol. 11, março de 1845), Literary Emporium (vol. 2, dezembro de 1845), Saturday Courier, 16 (25 de julho de 1846) e Richmond Examiner (25 de setembro de 1849).[34] Também apareceu em numerosas antologias, começando com Poets and Poetry of America, editado por Rufus Wilmot Griswold em 1847.

O sucesso imediato de O Corvo levou Wiley e Putnam a publicar uma coleção da prosa de Poe chamada Tales, em junho de 1845; foi seu primeiro livro em cinco anos.[35] Eles também publicaram uma coleção de sua poesia chamada The Raven and Other Poems em 19 de novembro por Wiley e Putnam, que incluiu uma dedicação a Barrett como "a mais nobre de seu sexo".[36] O pequeno volume, seu primeiro livro de poesia em 14 anos,[37] foi de 100 páginas e vendido por 31 centavos.[38] Além do poema do título, incluíam The Valley of Unrest, Bridal Ballad, The City in the Sea, Eulalie, The Conqueror Worm, The Haunted Palace e onze outros.[39] No prefácio, Poe se referia a eles como "insignificantes", que haviam sido alterados sem sua permissão, enquanto faziam "as rondas da imprensa".[36]

IlustradoresEditar

Publicações posteriores de O Corvo incluíram obras de arte de ilustradores conhecidos. Notavelmente, em 1858, O Corvo apareceu em uma antologia britânica de Poe, com ilustrações de John Tenniel, ilustrador de Alice no País das Maravilhas (The Poetical Works of Edgar Allan Poe: With Original Memoir, Londres: Sampson Low). O Corvo foi publicado independentemente com xilogravuras luxuosas de Gustave Doré em 1884 (Nova York: Harper & Brothers). Doré morreu antes de sua publicação.[40] Em 1875, uma edição francesa com texto em inglês e francês, Le Corbeau, foi publicada com litografias de Édouard Manet e tradução do simbolista Stéphane Mallarmé.[41] Muitos artistas do século XX e ilustradores contemporâneos criaram obras de arte e ilustrações baseadas em O Corvo, incluindo Edmund Dulac, István Orosz,[42][43] e Ryan Price.[44]

ComposiçãoEditar

Poe capitalizou o sucesso de O Corvo, seguindo-o com seu ensaio A Filosofia da Composição (1846), no qual detalhava a criação do poema. Sua descrição de sua escrita é provavelmente exagerada, embora o ensaio sirva como uma importante visão geral da teoria literária de Poe.[45] Ele explica que todo componente do poema é baseado na lógica: o corvo entra no quarto para evitar uma tempestade (a "meia-noite sombria" em um "dezembro sem vida"), e sua posição em um busto branco pálido era criar contraste visual contra o pássaro preto escuro. Nenhum aspecto do poema foi um acidente, ele afirma, mas é baseado no controle total do autor.[46] Até a expressão "Nevermore", diz ele, é usado por causa do efeito criado pelos sons das vogais longas (embora Poe possa ter sido inspirado a usar a palavra pelas obras de Lord Byron ou Henry Wadsworth Longfellow).[47] Poe tinha experimentado o extenso som da vogal o ao longo de muitos outros poemas: "no more" em Silence, "evermore" em The Conqueror Worm.[1] O próprio tópico, diz Poe, foi escolhido porque "a morte de uma mulher bonita é inquestionavelmente o tópico mais poético do mundo". Disse que "os lábios de um amante abandonado" é mais adequado para alcançar o efeito desejado.[2] Além da poética, a perdida Lenore também pode ter sido inspirada por eventos da própria vida de Poe, seja pela perda precoce de sua mãe, Eliza Poe, ou pela longa doença sofrida por sua esposa, Virginia.[10] Por fim, Poe considerou O Corvo um experimento para "adequar ao mesmo tempo o gosto popular e crítico", acessível aos mundos literário e mainstream.[2] Não se sabe quanto tempo Poe trabalhou em O Corvo; a especulação varia de um dia a dez anos. Poe recitou um poema que se acredita ser uma versão inicial com um final alternativo de O Corvo em 1843 em Saratoga, Nova Iorque.[3] Um rascunho inicial pode ter uma coruja.[48]

No verão de 1844, quando o poema provavelmente foi escrito, Poe, sua esposa e sogra estavam se mudando para a fazenda de Patrick Brennan. A localização da casa, que foi demolida em 1888,[49][50] tem sido um ponto controverso e, embora existam duas placas diferentes marcando sua suposta localização na West 84th Street, provavelmente ficou onde 206 West 84th Street é agora.[50][51][52]

Recepção criticaEditar

 
A ilustração de Gustave Doré das linhas finais do poema acompanha a frase "E minh'alma, daquela sombra que jaz a flutuar no chão/levantar-se-á —nunca mais!"

Em parte devido à sua impressão dupla, O Corvo fez de Edgar Allan Poe um nome familiar quase que imediatamente[53] e transformou Poe em uma celebridade nacional.[54] Os leitores começaram a identificar poema com poeta, atribuindo a ele o apelido de "O Corvo".[55] O poema foi logo reimpresso, imitado e parodiado.[53] Embora tenha tornado Poe popular em sua época, não lhe trouxe um sucesso financeiro significativo.[56] Como ele mais tarde lamentou: "Não ganhei dinheiro. Eu sou tão pobre agora como sempre fui na minha vida—exceto na esperança, que não é de forma alguma gerenciável".[37]

New World comentou: "Todos leem o poema e o elogiam ... justamente, pensamos, pois nos parece cheio de originalidade e poder".[4] The Pennsylvania Inquirer o reimprimiu com o título "A Beautiful Poem" ("Um Belo Poema").[4] Elizabeth Barrett escreveu a Poe: "Seu 'Corvo' produziu uma sensação, um ataque de horror, aqui na Inglaterra. Alguns dos meus amigos foram pegos pelo medo e outros pela música. Eu ouço pessoas assombradas pelo 'Nunca mais'."[57] A popularidade de Poe resultou em convites para recitar O Corvo e dar palestras – em reuniões sociais públicas e privadas. Em um salão literário, um convidado observou: "ouvir [Poe] recitar o Corvo ... é um evento na vida de alguém".[58] Foi lembrado por alguém que experienciou: "Ele desligava as lâmpadas até que a sala estivesse quase escura, e então, parado no centro do apartamento, recitava ... na mais melodiosa das vozes ... Tão maravilhoso era o seu poder como leitor que os auditores teriam medo de respirar para que o feitiço encantado não fosse quebrado".[59]

Paródias surgiram especialmente em Boston, Nova Iorque e Filadélfia e incluíram The Craven de "Poh!", The Gazelle, The Whippoorwill e The Turkey.[55] Uma paródia, The Pole-Cat, chamou a atenção de Andrew Johnston, advogado que a enviou a Abraham Lincoln. Embora Lincoln admitisse que deu "várias gargalhadas", ele ainda não havia lido O Corvo.[60] No entanto, Lincoln finalmente leu e memorizou o poema.[61]

O Corvo foi elogiado pelos colegas escritores William Gilmore Simms e Margaret Fuller,[62] embora tenha sido denunciado por William Butler Yeats, que o chamou de "insincero e vulgar ... sua execução é um truque rítmico".[2] O transcendentalista Ralph Waldo Emerson disse: "Não vejo nada nele".[63] Um crítico da Southern Quarterly Review escreveu em julho de 1848 que o poema foi arruinado por "uma extravagância selvagem e desenfreada" e que coisas menores, como uma batida na porta e uma cortina esvoaçante, afetariam apenas "uma criança assustada à beira da idiotice por terríveis histórias de fantasmas".[64] Um escritor anônimo, usando o pseudônimo "Outis", sugeriu no Evening Mirror que O Corvo foi plagiado por um poema chamado "The Bird of the Dream", de um autor não identificado. O escritor mostrou 18 semelhanças entre os poemas e foi feito em resposta às acusações de Poe de plágio contra Henry Wadsworth Longfellow. Foi sugerido que Outis era realmente Cornelius Conway Felton, se não o próprio Poe.[65] Após a morte de Poe, seu amigo Thomas Holley Chivers disse que O Corvo foi plagiado por um de seus poemas.[66] Em particular, ele alegou ter sido a inspiração para o metro do poema, bem como para o refrão "nunca mais".[67]

O Corvo se tornou um dos alvos mais populares para tradutores literários na Hungria; mais de uma dúzia de poetas o transformaram em húngaro (Mihály Babits,[68] Dezső Kosztolányi,[68] Árpád Tóth,[68] e György Faludy[69] são os autores mais conhecidos, além de József Lévay (Q1160515),[68] Károly Szász,[68] Zsolt Harsányi,[68] Béla Telekes (Q1317650),[68] Zoltán Franyó (Q1003600),[68] György Radó (Q1245113),[68] László Lőrinczi (Q1160755) [70] Balázs Kántás (Q1123187),[71] Imre Csillag,[71] e Roberto Rossner[71]). Balázs Birtalan escreveu sua paráfrase do ponto de vista do corvo,[72] com o lema Audiatur et altera pars ("seja ouvido também o outro lado").

LegadoEditar

O Corvo influenciou muitas obras modernas, incluindo Lolita, de Vladimir Nabokov, em 1955, The Jewbird, de Bernard Malamud, em 1963, e The Parrot Who Knew Papa, de Ray Bradbury, em 1976.[73] O processo pelo qual Poe compôs O Corvo influenciou vários autores e compositores franceses, como Charles Baudelaire e Maurice Ravel, e foi sugerido que o Boléro de Ravel pode ter sido profundamente influenciado por A Filosofia da Composição.[74] O poema é adicionalmente referenciado em toda a cultura popular em filmes, televisão, música e videogames.

O nome do Baltimore Ravens, um time profissional de futebol americano, foi inspirado no poema.[75][76] Escolhida em um concurso de fãs que atraiu 33.288 eleitores, a alusão homenageia Poe, que passou o início de sua carreira em Baltimore e está enterrado lá.[77]

No BrasilEditar

O Corvo recebeu diversas traduções ao redor do globo, sendo as duas primeiras para o francês, feitas por, respectivamente, Charles Baudelaire e Stéphane Mallarmé. A partir destas, como o francês era a língua hegemônica na época, várias outras começaram a surgir. O primeiro a traduzir o poema para o português foi Machado de Assis, que se baseou indiretamente na versão de Baudelaire.

Segundo o jornalista Cláudio Abramo, a tradução francesa está repleta de "erros", que foram consequentemente difundidos em muitas traduções de línguas neolatinas, incluindo a de Machado:[78]

"Pois é possível afirmar-se, sem sombra de dúvida, que a tradução do escritor brasileiro é muito mais da versão francesa de Baudelaire do que do poema original. Isso não se depreende de similaridades vagas, mas [...] das mesmas adições, das mesmas omissões e das mesmas palavras nos mesmíssimos lugares das traduções de um e de outro".[79]

Ao traduzir, Machado priorizou a recriação do poema, incorporando novos elementos e adaptando-o a um novo contexto literário. Por se basear na versão francesa, efeitos sonoros presentes no original se perderam na composição poética. A estrutura de sua tradução possui a estrutura "AA;BB;CC;D;ais;D;ais".[80] Como afirma Sérgio Bellei, enquanto Poe descreve um homem amargurado pela perda de sua amada, usando o corvo como o elemento-chave da situação, Machado coloca o corvo no centro do poema, colocando assim mais ênfase em sua mensagem oculta.[78][nota 1]

Em 1924, Fernando Pessoa traduz O Corvo, visando preservar os máximos componentes rítmicos, com o mesmo número de versos e estrofes do poema original. A carga poética do poema é considerada bem próxima dos refrões do original em inglês.[78] Segundo Oseki-Dépré, o poema torna-se completamente "desdramatizado", mais geral, abstrato e moderno, além dos nomes próprios serem excluídos ou modificados.[78][nota 2][nota 3]

Outros autores também publicaram suas versões, como José Lira e Vinícius Alves.[78]

Em 4 de março de 2017, uma tradução satírica do poema denominada "A Rola" foi publicada no Jornal Opção.[81]

Notas

  1. Ver tradução de Machado de Assis, disponível no Wikisource.
  2. Exemplos incluem a exclusão de "Lenore", a amada, e a troca de "Pallas" por "Atena" (sendo Palas Atenas o nome completo).
  3. Ver tradução de Fernando Pessoa, disponível no Wikisource.

Referências

  1. a b c Meyers, 163
  2. a b c d e Silverman, 239
  3. a b c Kopley & Hayes, 192
  4. a b c d Silverman, 237
  5. «Edgar Allan Poe Society of Baltimore – Works – Poems – The Raven». Edgar Allan Poe Society of Baltimore. 28 de dezembro de 2007 
  6. a b c d Poe, 773
  7. a b c d e Poe, 774
  8. a b c d Poe, 775
  9. Cornelius, Kay. "Biography of Edgar Allan Poe" in Bloom's BioCritiques: Edgar Allan Poe, Harold Bloom, ed. Philadelphia: Chelsea House Publishers, 2002. p. 21 ISBN 0-7910-6173-6
  10. a b c Kopley & Hayes, 194
  11. Hoffman, 74
  12. Hirsch, 195-6
  13. Hoffman, 73–74
  14. Maligec (2009). «'The Raven' as an Elegiac Paraclausithyron». Poe Studies. 42: 87–97. doi:10.1111/j.1947-4697.2009.00015.x 
  15. a b c d Sova, 208
  16. Granger, 53–54
  17. a b Hirsch, 195
  18. Silverman, 240
  19. Meyers, 162
  20. a b «Cremains / Ravens». palimpsest.stanford.edu 
  21. Cornelius, Kay. "Biography of Edgar Allan Poe" in Bloom's BioCritiques: Edgar Allan Poe, Harold Bloom, ed. Philadelphia: Chelsea House Publishers, 2002. p. 20 ISBN 0-7910-6173-6
  22. «Poe's Raven Stuffed at Free Library». Philadelphia Magazine 
  23. a b c Adams, 53
  24. Jeremiah 8:22
  25. 1 Kings 17:1 - 5
  26. Kopley & Hayes, 192–193
  27. Hoffman, 76
  28. Thomas & Jackson, 485
  29. a b Meyers, 160
  30. Peeples, 142
  31. Hoffman, 79
  32. Ostrom, 5
  33. Silverman, 530
  34. «The Poems of Edgar Allan Poe». Edgar Allan Poe Society of Baltimore 
  35. Meyers, 177
  36. a b Thomas & Jackson, 591
  37. a b Peeples, 136
  38. Silverman, 299
  39. Sova, 209
  40. Scholnick, Robert J. "In Defense of Beauty: Stedman and the Recognition of Poe in America, 1880–1910", transcrito de Poe and His Times: The Artist and His Milieu, editado por Benjamin Franklin Fisher IV. Baltimore: The Edgar Allan Poe Society, 1990. p. 262. ISBN 0-9616449-2-3
  41. «Digital Gallery for Édouard Manet illustrations – Le corbeau». New York Public Library Digital Gallery 
  42. Orosz, István. «The poet in the mirror». Gallery Diabolus —Ilustração anamórfica para O Corvo
  43. Orosz, István. «The poet in the mirror». Gallery Diabolus —a mesma ilustração com um cilindro de latão cromado
  44. Price, Ryan. «Illustrations by Ryan Price». Ingram Gallery 
  45. Krutch, 98
  46. Silverman, 295–296
  47. Forsythe, 439–452
  48. Weiss, 185
  49. «"Raven" Mantel is in Brooklyn». The New York Times 
  50. a b «Poe's Life at the Brennan House». The New York Times 
  51. «Edgar Allan Poe Street». Manhattan Past 
  52. White, Norval; Willensky, Elliot; Leadon, Fran (2010). AIA Guide to New York City. Oxford University Press. [S.l.: s.n.] ISBN 0195383869 
  53. a b Hoffman, 80
  54. Peeples, 133
  55. a b Silverman, 238
  56. Krutch, 155
  57. Krutch, 153
  58. Silverman, 279
  59. Krutch, 154
  60. Thomas & Jackson, 635
  61. Basler, Roy P. and Carl Sandberg. Abraham Lincoln: his speeches and writings. New York: De Capo Press, 2001: 185. ISBN 0-306-81075-1.
  62. Meyers, 184
  63. Silverman, 265
  64. Thomas & Jackson, 739
  65. Moss, 169
  66. Moss, 101
  67. Parks, Edd Winfield. Ante-Bellum Southern Literary Critics. Athens, GA: University of Georgia Press, 1962: 182.
  68. a b c d e f g h i Selected Works of E. A. Poe na Biblioteca Eletrônica Húngara
  69. Test és lélek ’Body and Soul’, traduções literárias de György Faludy no site do Museu Literário de Petőfi
  70. Translation by László Lőrinczi em Irodalmi Jelen, maio de 2007
  71. a b c The Raven na versão em húngaro da Wikisource
  72. A költő (’The Poet’)
  73. Kopley & Hayes, 196
  74. Lanford, 243–265.
  75. «Naming Baltimore's Team: Ravens». Baltimore Ravens. Cópia arquivada em 8 de julho de 2016 
  76. «Franchise nicknames». Pro Football Hall of Fame 
  77. «Baltimore Ravens History». Pro Football Hall of Fame 
  78. a b c d e Mafra, Adriano; Schrull, Munique Helena. «Análise de quatro traduções do poema The Raven de Edgar Allan Poe». Consultado em 5 de janeiro de 2020 
  79. «UMA NUVEM DE CORVOS». www.elsonfroes.com.br. Consultado em 6 de janeiro de 2020 
  80. «.: Análise do poema "O Corvo" de Edgar Allan Poe». Consultado em 6 de janeiro de 2020 
  81. «"A Rola": uma tradução de "The Raven" como você nunca viu». Jornal Opção. 4 de março de 2017. Consultado em 4 de janeiro de 2020 

BibliografiaEditar

  • Adams, John F. "Classical Raven Lore and Poe's Raven" em Poe Studies. Vol. V, no. 2, Dezembro de 1972. Disponível online
  • Forsythe, Robert. "Poe's 'Nevermore': A Note", conforme transcrito de American Literature 7. Janeiro de 1936.
  • Granger, Byrd Howell. "Marginalia – Devil Lore in 'The Raven'" de Poe Studies vol. V, no. 2, Dezembro de 1972 Disponível online
  • Hirsch, David H. "The Raven and the Nightingale" conforme transcrito de Poe and His Times: The Artist and His Milieu, editado por Benjamin Franklin Fisher IV. Baltimore: The Edgar Allan Poe Society, Inc., 1990. ISBN 0-9616449-2-3
  • Hoffman, Daniel. Poe Poe Poe Poe Poe Poe Poe. Baton Rouge: Louisiana State University Press, 1972. ISBN 0-8071-2321-8
  • Kopley, Richard and Kevin J. Hayes. "Two verse masterworks: 'The Raven' and 'Ulalume'", transcrito de The Cambridge Companion to Edgar Allan Poe, editado por Kevin J. Hayes. Nova Iorque: Cambridge University Press, 2002. ISBN 0-521-79727-6
  • Krutch, Joseph Wood. Edgar Allan Poe: A Study in Genius. Nova Iorque: Alfred A. Knopf, 1926.
  • Lanford, Michael (2011). "Ravel and 'The Raven': The Realisation of an Inherited Aesthetic in Boléro." Cambridge Quarterly 40(3), 243–265.
  • Meyers, Jeffrey. Edgar Allan Poe: His Life and Legacy. Nova Iorque: Cooper Square Press, 1992. ISBN 0-8154-1038-7
  • Moss, Sidney P. Poe's Literary Battles: The Critic in the Context of His Literary Milieu. Southern Illinois University Press, 1969.
  • Ostrom, John Ward. "Edgar A. Poe: His Income as Literary Entrepreneur", transcrito de Poe Studies Vol. 5, no. 1. Junho de 1982.
  • Peeples, Scott. Edgar Allan Poe Revisited. Nova Iorque: Twayne Publishers, 1998. ISBN 0-8057-4572-6
  • Poe, Edgar Allan. Edgar Allan Poe: Complete Tales & Poems. Edison, NJ: Castle Books, 2002. ISBN 0-7858-1453-1
  • Silverman, Kenneth. Edgar A. Poe: Mournful and Never-ending Remembrance. Nova Iorque: Harper Perennial, 1991. ISBN 0-06-092331-8
  • Sova, Dawn B. Edgar Allan Poe: A to Z. Nova Iorque: Checkmark Books, 2001. ISBN 0-8160-4161-X
  • Thomas, Dwight and David K. Jackson. The Poe Log: A Documentary Life of Edgar Allan Poe, 1809–1849. Nova Iorque: G. K. Hall & Co., 1987. ISBN 0-7838-1401-1
  • Weiss, Susan Archer. The Home Life of Poe. Nova Iorque: Broadway Publishing Company, 1907.

Ligações externasEditar

 
O Wikisource contém fontes primárias relacionadas com The Raven

TextoEditar

ComentárioEditar

IlustradoEditar

ÁudioEditar