The Sentinel

Disambig grey.svg Nota: Se procura outros significados para A Sentinela, veja A Sentinela (desambiguação).

The Sentinel é um conto de ficção científica do escritor britânico Arthur C. Clarke, escrito em 1948 e publicado pela primeira vez em 1951 como "Sentinel of Eternity", que foi usado como ponto de partida para o romance e filme de 1968 2001: A Space Odyssey.

HistóricoEditar

"The Sentinel" foi escrito em 1948 para um concurso da BBC (no qual não foi possível) e foi publicado pela primeira vez na revista 10 Story Fantasy em sua edição da primavera de 1951, sob o título "Sentinel of Eternity". Posteriormente, foi publicado como parte das coleções de contos Expedition to Earth (1953), The Nine Billion Names of God (1967) e The Lost Worlds of 2001 (1972). Apesar do fracasso inicial da história, ela mudou o curso da carreira de Clarke.

AntologiaEditar

The Sentinel (publicado em 1982) é também o título de uma coleção de contos de Arthur C. Clarke, que inclui o homônimo "The Sentinel", "Guardian Angel" (a inspiração para seu romance de 1953 Childhood's End), "The Songs of Distant Earth", and "Breaking Strain".

HistóriaEditar

A história trata da descoberta de um artefato na Lua da Terra, deixado por uma raça alienígena em tempos remotos. O objeto é feito de um mineral polido, tem forma tetraédrica e é cercado por um campo de força esférico. O narrador especula a certa altura que os misteriosos alienígenas que deixaram essa estrutura na Lua podem ter usado mecanismos pertencentes "a uma tecnologia que está além de nossos horizontes, talvez à tecnologia de forças parafísicas".

O narrador especula que por milhões de anos (evidenciado pelo acúmulo de poeira em torno de seu campo de força) o artefato vem transmitindo sinais para o espaço profundo, mas deixa de transmitir quando, algum tempo depois, é destruído "com o poder selvagem do poder atômico". O narrador levanta a hipótese de que esta "sentinela" foi deixada na Lua como um "farol de advertência" para possíveis espécies inteligentes e viajantes do espaço que podem se desenvolver na Terra.

Em 2001: A Space Odyssey, a operação da sentinela é ativada quando a luz do sol a toca pela primeira vez após ser desenterrada.

RecepçãoEditar

Algis Budrys achou "The Sentinel" irritante, dizendo que "alguém pode levantar uma reputação formidável de profundidade repetindo, continuamente, que o universo é amplo e o homem é muito pequeno ... enquanto nossos instrumentos mostram que o universo são amplos, são os nossos instrumentos e de alguma forma conseguimos construí-los. Não há qualquer evidência de que o Homem seja tão pequeno assim".[1]

FilmeEditar

A história foi adaptada e ampliada no filme de 1968, 2001: A Space Odyssey, do cineasta Stanley Kubrick. Kubrick e Clarke modificaram e fundiram a história com outras ideias. Clarke expressou impaciência com sua descrição comum como a história na qual o romance e o filme são baseados. Ele explicou

[2]

O filme foi indicado a quatro Oscars, incluindo Melhor Roteiro Original no Oscar de 1969.

Referências

  1. Budrys, Algis (outubro de 1967). "Galaxy Bookshelf". Galaxy Science Fiction. pp. 188–194.
  2. Clarke, Arthur C. (10 January 1984). "The Sentinel". Heavy Metal. Vol. 7 nº 10. p. 57.
  Este artigo sobre um livro é um esboço relacionado ao Projeto Literatura. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.