Thiago Pampolha Gonçalves
Deputado Estadual pelo Rio de Janeiro
Período 1º de janeiro de 2011
atualidade
Dados pessoais
Nascimento 13 de abril de 1987 (32 anos)
Rio de Janeiro
Partido PDT
Profissão Empresário

Thiago Pampolha Gonçalves (Rio de Janeiro, 13 de abril de 1987) é um político brasileiro, filiado ao PDT.

BiografiaEditar

Empresário e estudante, cursando o último período de Direito, foi eleito para a 10ª legislatura (2011/2014) com 19.329 votos.[1] Possui sua base eleitoral na zona oeste do Rio de Janeiro, local onde nasceu e cresceu durante toda a sua infância e adolescência com sua família. Sendo o deputado mais jovem da história da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (ALERJ).

Em sua atividade parlamentar defende a bandeira dos jovens, idosos e de uma educação de qualidade. É relator da fiscalização de obras do Maracanã, dentro da Comissão de Obras Públicas, além de ser membro da Comissão de Tributação e Comissão de Legislação Constitucional Complementar e Códigos.

Reeleito em 2014, com 41.897 votos, para seu segundo mandato como deputado estadual, Thiago Pampolha é um dos mais jovens e atuantes parlamentares da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro. Priorizou a educação profissionalizante, o transporte público ferroviário, a urbanização de comunidades e a defesa dos animais, trabalhando para proporcionar uma melhor qualidade de vida aos nossos jovens, mulheres e idosos. Presidiu a Comissão de Defesa dos Animais e foi vice-presidente da Comissão de Obras da Assembleia, além de ter integrado a Mesa Diretora da Casa.

Em sua atuação na Alerj, preside atualmente a Comissão de Defesa do Meio Ambiente. Participa como relator da CPI do Lixo que investiga situação dos lixões e aterros sanitários no Estado, é membro da CPI do Telemarketing, da Comissão de Representação para acompanhar as políticas públicas de proteção aos animais, CPI da Crise Hídrica, Comissão Especial da Baía de Guanabara, Frente Parlamentar Ambientalista e da Frente Parlamentar em Defesa da Assistência Social. É também autor da proposta que criou a Frente Parlamentar em Defesa de Direitos e Políticas Públicas para a Juventude na Casa.

Em abril de 2015, em polêmica votação, foi um dos parlamentares a votar a favor da nomeação de Domingos Brazão para o Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro, nomeação esta muito criticada na época.[2] Tornou-se secretário em 2017, sendo substituído na ALERJ por Aramis Brito.

Em 17 de novembro de 2017, votou pela revogação da prisão dos deputados Jorge Picciani, Paulo Melo e Edson Albertassi, denunciados na Operação Cadeia Velha, acusados de integrar esquema criminoso que contava com a participação de agentes públicos dos poderes Executivo e do Legislativo, inclusive do Tribunal de Contas, e de grandes empresários da construção civil e do setor de transporte.[3]

Referências