This Is England (canção)

"This is England"
Single de The Clash
do álbum Cut the Crap
Lado B "Do It Now" (7")
"Sex Mad Roar" (12")
Lançamento Setembro de 1985
Formato(s) Disco de vinil de 7 e de 12 polegadas
Gravação 1984
Gênero(s) New wave, electropunk, pós-punk
Duração 3:51
Gravadora(s) CBS
Composição "Strummer & Co." (7")
Strummer/Rhodes (12")
Produção "José Unidos"
Cronologia de singles de The Clash
"Straight to Hell"
(1982)
"London Calling"
(relançamento)
(1988)

"This is England" (em português: Esta é a Inglaterra) é uma canção da banda de punk rock britânica The Clash, lançada como primeiro e único single do álbum Cut the Crap em setembro de 1985. Foi o último single lançado pelo grupo, em sua encarnação final composta por Joe Strummer, Paul Simonon, Nick Sheppard, Pete Howard e Vince White.

LetraEditar

Escrita no final de 1983, a canção é sobre o estado da Inglaterra na época, uma variante mais focada de "Straight to Hell", misturada com um refrão clamando o povo inglês a um sentimento de identidade nacional.

A canção faz uma lista precisa dos problemas da Inglaterra em meados de 1984, tratando da violência nos centros das grandes cidades (especialmente com facas), da alienação urbana, a vida em council houses, a taxa elevada de desemprego, a derrocada da indústria de motocicletas na Inglaterra, uma frente fria do Atlântico Sul havia matado centenas de jovens ingleses durante o inverno, racismo e corrupção policial, assim como dois temas comuns para os compositores de esquerda da época: a Guerra das Malvinas e o consumismo, que havia tornado muitos ingleses subservientes.

No livro The Complete Clash, Keith Topping diz que a voz esganiçada no início da música era a voz de uma criança, mas de fato se trata de um comerciante gritando "quatro flanelas de rosto por uma libra, três toalhas de chá por uma libra".

Mudança de compositoresEditar

Quando a canção foi inicialmente lançada como single, foi creditada como composição de "The Clash" (tecnicamente "Strummer & Co."), entretanto, quando Cut the Crap foi lançado, o crédito foi alterado para Joe Strummer e o empresário Bernie Rhodes, assim como todas as outras faixas do álbum; até agora, nenhuma explicação foi dada para tal alteração. Todas os relançamentos posteriores e o livro de Topping creditam a canção para "Strummer/Rhodes".

RecepçãoEditar

Ao contrário do álbum, que ainda hoje é alvo de críticas e mesmo de ridicularizações, a canção é elogiada. Strummer a descreveu como a "última grande canção do Clash". Numa pesquisa feita pela revista Uncut sobre as 30 melhores canções da banda, a canção apareceu na trigésima posição.

Entretanto, quando o single foi lançado, as críticas foram muito mais negativas, sintonizadas com a reação geral a Cut the Crap. Gavin Martin da revista NME declarou que "Strummer carrega todos os sinais do roqueiro envelhecido em estado avançado de senilidade".

No mesmo ano de seu lançamento original, o single foi relançado no formato de disco de vinil de 12 polegadas com uma capa diferente e uma faixa adicional no lado dois, "Sex Mad Roar".

Inicialmente, o Clash e outros tentaram ignorar a última encarnação da banda. Assim sendo, "This Is England" não é incluída no álbum The Singles, a discografia da banda termina em "Should I Stay or Should I Go / Straight to Hell" na compilação Clash on Broadway e o documentário Westway to the World de Don Lett ignora completamente o período, dando a impressão de que o Clash acabou assim que Mick Jones deixou o grupo.

Isto mudou, entretanto, com o lançamento de The Essential Clash em 2003, que incluía "This Is England" como sua faixa final, fazendo desta a primeira compilação da banda a reconhecer uma canção do período. É possível que a morte de Strummer durante a produção do álbum possa ter influenciado na decisão de incluir a canção, apesar de que isto nunca tenha sido confirmado oficialmente por qualquer pessoa envolvida no álbum.

O single foi relançado em CD como décimo nono disco de The Clash's Singles Box em 2006, acompanhado por uma recriação fiel da obra de arte do compacto original e a faixa extra "Sex Mad Roar", presente no single original de 12 polegadas (30 centímetros). A canção também aparece na coleção The Singles, de 2007.

Uma segunda versão da canção, chamada simplesmente de "mix alternativo" ou "dub mix", existe e pode ser encontrada nos álbuns bootlegs Clash On Broadway Disc 4 e If Music Could Talk, respectivamente. Esta versão não inclui as amostras de som acrescentado por Bernie Rhodes, apresentando um som muito mais "enxuto".

Desempenho nas paradasEditar

Tabela (1985) Maior
posição
  UK Singles Chart 24
  Irish Singles Chart 13

ReferênciasEditar

  • Gilbert, Pat (2005). Passion Is a Fashion. The Real Story of The Clash (em inglês) 4a ed. Londres: Aurum Press. ISBN 1845131134 
  • Gray, Marcus (2005). The Clash. Return of the Last Gang in Town (em inglês) 5a ed. Londres: Helter Skelter. ISBN 1905139101 
  • Green, Johnny e Barker, Garry (2003). A Riot of Our Own. Night and Day with The Clash (em inglês) 3a ed. Londres: Orion. ISBN 0752858432 
  • Gruen, Bob e Salewicz, Chris (2004). The Clash (em inglês) 3a ed. Londres: Omnibus. ISBN 1903399343 
  • Needs, Kris (2005). Joe Strummer and the Legend of the Clash (em inglês). Londres: Plexus. ISBN 085965348X 
  • Topping, Keith (2004). The Complete Clash (em inglês) 2a ed. Richmond: Reynolds & Hearn. ISBN 1903111706